Menu
2020-08-24T18:48:37-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
balanço do setor

Magazine Luiza é a gigante do varejo que mais cresceu em vendas online; ação sobe

Levantamento considera aquisição da Netshoes; sem a companhia controlada, empresa teve avanço semelhante ao de Via Varejo; ação sobe mais de 5% no primeiro pregão pós-balanço

18 de agosto de 2020
12:16 - atualizado às 18:48
Lu do Magazine Luiza
Imagem: Facebook / Magazine Luiza

O Magazine Luiza foi a gigante do varejo que mais ganhou em vendas online no segundo trimestre deste ano. A companhia aparece à frente de Via Varejo e B2W. As contas foram feitas pela XP Investimentos.

A linha do balanço do Magalu correspondente ao GMV ("Gross Merchandise Volume") – vendas realizadas pela plataforma da varejista na internet – cresceu R$ 4,338 bilhões em relação ao mesmo período de 2019.

Parte desse crescimento se justifica pela incorporação da Netshoes, que foi comprada pelo Magazine Luiza no ano passado. Sem considerar o resultado da varejista online de produtos esportivos, o GMV do Magalu teria aumentado em R$ 3,721 bilhões, de acordo com estimativa feita pela XP.

O avanço do online também é creditado ao aumento da base de usuários —que foi de 21 milhões para 27 milhões em três meses —, presença em categorias de maior recorrência, como mercado, e melhoria da infraestrutura logística.

A "medalha de prata" das vendas online no segundo trimestre foi para a Via Varejo. A dona das redes Casas Bahia e Ponto Frio registrou um aumento do GMV de R$ 3,742 bilhões na comparação com o mesmo período do ano passado.

A B2W, que pertence ao Universo Americanas atuando exclusivamente na internet, ficou um pouco abaixo das concorrentes, com um avanço de R$ 2,816 bilhões nas vendas na comparação com o mesmo trimestre do ano passado.

O setor do varejo tem outras representantes na bolsa, mas com bases não comparáveis porque atuam em segmentos distintos - Pão de Açúcar (alimentar) e Renner (vestuário), por exemplo.

Com atuação no Brasil, a argentina Mercado Livre também teve forte avanço nas vendas. Por aqui, o GMV aumentou em 58% na comparação anual - no entanto, a companhia tem receita em dólar.

Trimestre da pandemia

O Magazine Luiza foi uma das últimas companhias do varejo a divulgar os números do segundo trimestre, na noite desta segunda-feira (18) - ainda faltam as Lojas Renner.

No geral, a companhia divulgou resultados acima do esperado por analistas do mercado financeiro. Além de um avanço de 182% nas vendas online, o Magalu reportou um prejuízo de R$ 62 milhões - o mercado falava em R$ 127,7 milhões.

Segundo a empresa, houve queda de vendas no conceito mesmas lojas em 51% na comparação anual. A receita líquida chegou a R$ 5,6 bilhões no trimestre - avanço de 31% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Mas o desempenho das vendas online agradou o mercado, e as ações (MGLU3) fecharam em alta de 9,61%, negociadas a R$ 89,50. No ano, os papéis da companhia somam avanço superior a 80%. Via Varejo (VVAR3) e B2W (BTOW3) também terminaram o pregão em fortes altas. Leia a cobertura completa de mercados do Seu Dinheiro.

O desempenho do Magazine Luiza no segundo trimestre está em linha com outras companhias do segmento. Via Varejo e B2W também apresentaram na parte final do balanço números fracos, mas com avanço significativo do online, conforme expectativa majoritária do mercado.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

esquenta dos mercados

Vacina e possibilidade de novos estímulos sustentam ânimo dos investidores em dia de payroll

Em dia de agenda fraca, a atenção do investidor brasileiro fica em voltada para Brasília, onde a disputa política em torno da eleição para as presidências da Câmara e do Senado promete atrapalhar a votação das reformas

follow on

Ânima levanta R$ 918 milhões em oferta restrita de ações

Recursos levantados serão destinados a financiar parte da aquisição dos ativos do grupo americano de educação Laureate no Brasil

na briga

Em meio a IPO da Rede D’Or, Dasa adquire rede de hospitais em SP por R$ 1,77 bi

Com Leforte, companhia passa a ter cinco hospitais na região metropolitana de São Paulo e expande número de leitos de internação para 2,6 mil

Entrevista exclusiva

Meta da Mitre é lançar cerca de R$ 1,5 bi por ano e pagar ‘bastante dividendo’, diz CEO

Com queda de cerca de 20% no preço das ações desde o IPO, a construtora Mitre Realty entregou bons resultados no 3º trimestre e atingiu 75% da meta inicial de lançamentos para o ano; a partir de 2021, objetivo é estabilizar em seu “tamanho ideal” e focar em rentabilidade e dividendos, diz o presidente Fabrício Mitre.

Sextou com o Ruy

Compre ações de empresas que ganham junto com o cliente

A Pagseguro e a Stone são ótimos exemplos dessa mudança. Elas surgiram com o propósito de melhorar a experiência para os clientes insatisfeitos com os serviços da Cielo e da Redecard

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies