Menu
Marina Gazzoni
O melhor do Seu Dinheiro
Marina Gazzoni
É CEO do Seu Dinheiro
2019-09-17T10:27:21-03:00
Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

O dragão chinês sobrevoa Brasília

17 de setembro de 2019
10:27
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

No fim de maio de 2016, embarquei para Nova York para participar de um seminário na Universidade de Columbia para um grupo de 20 jornalistas especializados em economia do mundo todo. Vinha do turbilhão da cobertura do impeachment de Dilma Rousseff e esperava que o assunto fosse tema de debate no grupo.

O programa incluía uma palestra sobre risco político no mundo com a líder global do Citi para relações governamentais. Para minha surpresa, o Brasil sequer foi mencionado na apresentação. Os temas que estavam no radar dos gringos naquela época eram as eleições americanas, o Brexit, a onda de imigração na Europa e a desaceleração da China. Foi aí que me dei conta do  tamanho da nossa insignificância.

Brasília faz muito barulho, sem dúvidas, e mexe com os ânimos por aqui. Mas será que isso importa na conjuntura global?

O economista-chefe do banco suíço UBS no Brasil, Tony Volpon, apresenta uma tese sobre isso no seu livro "Pragmatismo Sob Coação: Petismo e Economia em um Mundo de Crises". Ele avalia que o sucesso ou fracasso da nossa economia são consequências de decisões políticas e econômicas de um agente externo: a China.

Quer saber mais sobre essa tese? O Eduardo Campos fez uma entrevista exclusiva com Volpon e traz mais detalhes nesta reportagem.

Petróleo e juros no radar

Os ataques ocorridos no fim de semana contra as instalações sauditas de petróleo ainda repercutem pelo mercado. A queda na produção global supera 5%. Enquanto os analistas tentam determinar os efeitos da ação, a tendência é que a volatilidade persista.

Com o incidente, alguns investidores recalibram as expectativas para as reuniões do Fed. Parte do mercado acredita que, diante da situação, e com o avanço das negociações entre Estados Unidos e China, o banco central norte-americano pode adiar a redução na taxa básica de juros. Ainda assim, a maior aposta segue em um corte de 0,25 ponto percentual. No Brasil, o mercado espera uma queda de 0,50 pp para a Selic.

Ontem, o Ibovespa encerrou o dia com alta de 0,17%, aos 103.680,41 pontos. O dólar fechou a sessão com alta de 0,07%, a R$ 4,0893. Consulte a Bula do Mercado para saber o que esperar de bolsa e dólar hoje.

Reajusta ou não, Petrobras?

Por conta dos ataques na Arábia Saudita, ontem o preço do petróleo chegou a subir mais de 20% no mercado internacional. Na bolsa de valores daqui, a Petrobras se beneficiou de imediato. Mas os investidores seguem atentos à reação da estatal - em especial a sua política de preços. Desde o governo Temer, a petroleira assumiu uma política de preços em linha com o mercado e, ao menos em tese, deveria repassar ao consumidor as altas na cotação do dólar e do barril de petróleo.

Então o preço sobe, certo? Mais ou menos… Ontem o presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista à Record que conversou com o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco. E, segundo o relato de Bolsonaro, a estatal não deve mexer nos preços agora. Fique de olho nas ações da estatal, pois elas devem apanhar se aparecer qualquer sinal de que a política de preços de mercado foi para o brejo. Saiba mais. 

Plano B

A ideia de criação de uma nova CPMF parece ter sido enterrada de vez com a saída de Marcos Cintra do governo. E o relator da reforma tributária no Senado, Roberto Rocha, já estuda uma alternativa para compensar a perda de arrecadação com a desoneração da folha de salários que não envolva o polêmico imposto. Para Rocha, uma das soluções pode ser o aumento da alíquota do IVA, o Imposto sobre Valor Agregado que a reforma pode criar. O relator, que deve apresentar o seu parecer amanhã, já avisou a equipe econômica que não irá esperar o envio de uma proposta do governo federal para seguir com a pauta. Confira.

De olho nas criptos

O bitcoin pode ser a criptomoeda mais famosa, mas há muitas outras estrelas no universo das moedas digitais. Diante de tantas opções, fica até difícil acompanhar o assunto e saber o que esperar desses ativos. Mas nosso colunista Fausto Botelho, um dos maiores especialistas em análise gráfica do país, sabe. Neste vídeo, ele traz uma análise quente de sete criptos.

Um grande abraço e ótima terça-feira!

Agenda

Indicadores
- Estados Unidos divulgam produção industrial de agosto e dados semanais de petróleo
- Japão anuncia resultado de sua balança comercial em agosto

Bancos Centrais
- Copom inicia reunião de política monetária para decidir a Selic
- Fed realiza o primeiro encontro de sua reunião de política monetária

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta terça-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

abertura dos negócios

Ibovespa abre em alta com bancos e Petrobras e bate 108 mil pontos; dólar tem queda firme

Investidores reagem com busca por ativos da renda variável em meio a uma menor percepção de risco político nos Estados Unidos e ao otimismo com vacina

no topo do ranking

Elon Musk ultrapassa Gates e se torna o segundo homem mais rico do mundo

Essa é apenas a segunda vez em oito anos que Gates perde posições no ranking

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

9 notícias para começar o dia bem informado

A discussão de que a bolsa americana está cara rola desde o ano passado, muito antes de alguém sonhar que o mundo viveria uma pandemia. Mesmo com o coronavírus e seu impacto na receita de várias empresas, o S&P 500, índice que reúne as 500 principais companhias listadas nas bolsas dos EUA, continuou a testar […]

A BOLSA É PARA TODOS

De outro mundo: Funerária quer fazer IPO na B3 em 2021

Com 57 anos, Grupo Cortel planeja abrir o capital na bolsa e utilizar recursos para a aquisição de empresas do setor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies