Menu
Marina Gazzoni
O melhor do Seu Dinheiro
Marina Gazzoni
É CEO do Seu Dinheiro
Dados da Bolsa por TradingView
2019-09-17T10:27:21-03:00
Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

O dragão chinês sobrevoa Brasília

17 de setembro de 2019
10:27
Selo O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

No fim de maio de 2016, embarquei para Nova York para participar de um seminário na Universidade de Columbia para um grupo de 20 jornalistas especializados em economia do mundo todo. Vinha do turbilhão da cobertura do impeachment de Dilma Rousseff e esperava que o assunto fosse tema de debate no grupo.

O programa incluía uma palestra sobre risco político no mundo com a líder global do Citi para relações governamentais. Para minha surpresa, o Brasil sequer foi mencionado na apresentação. Os temas que estavam no radar dos gringos naquela época eram as eleições americanas, o Brexit, a onda de imigração na Europa e a desaceleração da China. Foi aí que me dei conta do  tamanho da nossa insignificância.

Brasília faz muito barulho, sem dúvidas, e mexe com os ânimos por aqui. Mas será que isso importa na conjuntura global?

O economista-chefe do banco suíço UBS no Brasil, Tony Volpon, apresenta uma tese sobre isso no seu livro "Pragmatismo Sob Coação: Petismo e Economia em um Mundo de Crises". Ele avalia que o sucesso ou fracasso da nossa economia são consequências de decisões políticas e econômicas de um agente externo: a China.

Quer saber mais sobre essa tese? O Eduardo Campos fez uma entrevista exclusiva com Volpon e traz mais detalhes nesta reportagem.

Petróleo e juros no radar

Os ataques ocorridos no fim de semana contra as instalações sauditas de petróleo ainda repercutem pelo mercado. A queda na produção global supera 5%. Enquanto os analistas tentam determinar os efeitos da ação, a tendência é que a volatilidade persista.

Com o incidente, alguns investidores recalibram as expectativas para as reuniões do Fed. Parte do mercado acredita que, diante da situação, e com o avanço das negociações entre Estados Unidos e China, o banco central norte-americano pode adiar a redução na taxa básica de juros. Ainda assim, a maior aposta segue em um corte de 0,25 ponto percentual. No Brasil, o mercado espera uma queda de 0,50 pp para a Selic.

Ontem, o Ibovespa encerrou o dia com alta de 0,17%, aos 103.680,41 pontos. O dólar fechou a sessão com alta de 0,07%, a R$ 4,0893. Consulte a Bula do Mercado para saber o que esperar de bolsa e dólar hoje.

Reajusta ou não, Petrobras?

Por conta dos ataques na Arábia Saudita, ontem o preço do petróleo chegou a subir mais de 20% no mercado internacional. Na bolsa de valores daqui, a Petrobras se beneficiou de imediato. Mas os investidores seguem atentos à reação da estatal - em especial a sua política de preços. Desde o governo Temer, a petroleira assumiu uma política de preços em linha com o mercado e, ao menos em tese, deveria repassar ao consumidor as altas na cotação do dólar e do barril de petróleo.

Então o preço sobe, certo? Mais ou menos… Ontem o presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista à Record que conversou com o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco. E, segundo o relato de Bolsonaro, a estatal não deve mexer nos preços agora. Fique de olho nas ações da estatal, pois elas devem apanhar se aparecer qualquer sinal de que a política de preços de mercado foi para o brejo. Saiba mais. 

Plano B

A ideia de criação de uma nova CPMF parece ter sido enterrada de vez com a saída de Marcos Cintra do governo. E o relator da reforma tributária no Senado, Roberto Rocha, já estuda uma alternativa para compensar a perda de arrecadação com a desoneração da folha de salários que não envolva o polêmico imposto. Para Rocha, uma das soluções pode ser o aumento da alíquota do IVA, o Imposto sobre Valor Agregado que a reforma pode criar. O relator, que deve apresentar o seu parecer amanhã, já avisou a equipe econômica que não irá esperar o envio de uma proposta do governo federal para seguir com a pauta. Confira.

De olho nas criptos

O bitcoin pode ser a criptomoeda mais famosa, mas há muitas outras estrelas no universo das moedas digitais. Diante de tantas opções, fica até difícil acompanhar o assunto e saber o que esperar desses ativos. Mas nosso colunista Fausto Botelho, um dos maiores especialistas em análise gráfica do país, sabe. Neste vídeo, ele traz uma análise quente de sete criptos.

Um grande abraço e ótima terça-feira!

Agenda

Indicadores
- Estados Unidos divulgam produção industrial de agosto e dados semanais de petróleo
- Japão anuncia resultado de sua balança comercial em agosto

Bancos Centrais
- Copom inicia reunião de política monetária para decidir a Selic
- Fed realiza o primeiro encontro de sua reunião de política monetária

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

PROMESSA DESCUMPRIDA

Reforma administrativa não sai antes das eleições, admite relator da proposta na Câmara

O deputado Arthur Maia afirmou que faltou empenho do executivo para garantir que o texto fosse aprovado no Congresso

FOGUETE SEM FREIO

Boeing tropeça e SpaceX, de Elon Musk, garante mais três viagens tripuladas com a Nasa

O plano original era alternar missões com as duas empresas, mas o Starliner, foguete da Boeing, deve ficar impedido de voar até 2023

ALÍVIO NO BOLSO

Sem dizer quanto, Bolsonaro promete que Petrobras (PETR4) anunciará redução no preço dos combustíveis nesta semana

O presidente, que é um dos críticos mais ferrenhos da política de preços da estatal, afirmou que a queda deve seguir por algumas semanas

INVESTIDORES ATENTOS

4 fatos que mexem com o Ibovespa na próxima semana — incluindo Copom e IPO do Nubank

O principal índice acionário brasileiro terá um calendário cheio de eventos e dados econômicos para digerir ao longo dos próximos dias

Alívio no Orçamento

Com receita acima do esperado, Economia reduz estimativa de rombo nas contas públicas em 2022

Considerando todo o setor público, o que inclui Estados e Municípios, as novas projeções da pasta preveem até mesmo um saldo positivo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies