Menu
2019-10-14T14:21:48+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
A bula do mercado

Ataques na Arábia Saudita impõem incerteza aos mercados

Analistas ainda tentam determinar os efeitos do incidente ocorrido no final de semana sobre o petróleo

17 de setembro de 2019
6:44 - atualizado às 14:21
selo bula do mercado
Imagem: Seu Dinheiro

Os ativos financeiros globais voltam a iniciar o dia sob o impacto dos ataques ocorridos no fim de semana contra as instalações sauditas de petróleo enquanto analistas ainda tentam determinar se os efeitos da ação reivindicada por rebeldes iemenitas sobre a produção da commodity representam um choque de médio ou longo prazo ou se serão contornados em breve.

Metade da produção saudita de petróleo foi interrompida por causa dos ataques de sábado. Isto representa uma queda de mais de 5% da produção mundial de petróleo. O governo saudita assegura que “em breve” um terço da produção afetada estará normalizada, mas especialistas advertem que o pleno restabelecimento deve ocorrer somente dentro de algumas semanas, talvez meses.

Enquanto não houver clareza sobre o real impacto dos ataques, especialmente os geopolíticos, a tendência é de que a volatilidade persista. Se ontem o preço do barril de petróleo atingiu a maior alta já registrada em apenas um dia, os mercados abriram hoje com uma discreta devolução dos ganhos da véspera.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Por aqui, analistas advertem que a situação deve se transformar em um teste para a política de preços da Petrobras, que desde o governo Michel Temer repassa para o mercado interno de combustíveis o peso das oscilações do câmbio e do preço do barril de petróleo nos mercados internacionais.

Lembrando que há apenas alguns dias, o preço do óleo diesel foi reajustado em mais de 30% nas refinarias e que até pouco tempo atrás a economia ainda sentia os efeitos da greve de caminhoneiros de maio do ano passado.

Investidores cogitam adiamento de corte pelo Fed

Às vésperas da reunião de política monetária do Federal Reserve Bank dos Estados Unidos (Fed), os ataques levaram mais analistas a passarem a considerar a possibilidade de o banco central norte-americano adiar um esperado corte na taxa básica de juro.

Outro aspecto levado em consideração pelos especialistas é a retomada das negociações entre Estados Unidos e China para contornar a guerra comercial, que figura como uma das principais preocupações da autoridade monetária norte-americana.

Ainda assim, a aposta majoritária entre os investidores é de que, mesmo a contragosto, o Fed anunciará amanhã um corte de 0,25 ponto porcentual (pp) em sua taxa de referência.

Expectativa de corte na Selic segue firme

Por aqui, às vésperas da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BCB), agentes do mercado financeiro seguem apostando firme em um novo corte de 0,50 pp na taxa Selic, levando-a a um novo piso histórico (5,50% ao ano).

Há quem veja no corte da Selic uma espécie de panaceia para os males do País, mas é crescente a percepção de que a queda na taxa básica de juro na atual situação pouco ou pode fazer pela economia real, especialmente com o dólar consistentemente acima dos R$ 4,00.

Com isso, os contratos futuros de juros (DI) devem seguir se ajustando para baixo, descoladas da volatilidade esperada no câmbio e no Ibovespa.

China segura taxa de juro de médio prazo

O fato é que não apenas no Brasil, mas em todo o mundo, os agentes dos mercados financeiros acreditam que somente uma rodada de alívio monetário em grande escala será capaz de conter a desaceleração econômica global.

Hoje, a recusa do banco central chinês (PBoC) em cortar sua taxa de juro de médio prazo e a desvalorização no câmbio oficial ajudaram a derrubar os preços das ações nos mercados da China, de Hong Kong e da maior parte da Ásia. Lembrando que os bancos central do Japão e da Inglaterra fecharão na quinta-feira uma semana com decisões de política monetária em todos os cantos do mundo.

Na Europa, as bolsas de valores abriram sem direção clara, oscilando dentro de margens estreitas, enquanto os índices futuros de Nova York sinalizavam queda nos preços dos ativos.

No mundo dos indicadores, atenção para os dados da produção industrial norte-americana em agosto, a serem divulgados pelo Fed às 10h15.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Posição gerou polêmica

Presidente da CCJ da Câmara diz que vai pautar PEC da regra de ouro na quarta-feira

Decisão atropela um entendimento feito entre Maia e a equipe econômica de esperar a proposta do governo para avançar na discussão no Parlamento

Seu Dinheiro na sua noite

A pergunta que não quer calar

Como jornalista, estou acostumado a fazer perguntas, mas de vez em quando me vejo em uma situação em que sou obrigado a respondê-las. Na sexta-feira à noite fui a Santos fazer uma palestra na faculdade onde estudei sobre a profissão e os livros que escrevi, inclusive o primeiro deles – que surgiu do meu trabalho […]

Paralelo à reforma principal

Presidente da comissão especial na Câmara quer votar reforma da Previdência dos militares nesta semana

Na reunião de terça-feira, marcada para as 14h, deve ser iniciada a discussão que antecede a votação

Amigos, amigos...

OCDE diz que Brasil já é um parceiro-chave da OCDE, que já está perto da organização

Diretor para a América Latina na Organização diz que o Brasil se destaca em pesquisas no sentido de competitividade global

vestuário na bolsa

IPO da C&A: começa hoje a reserva de ações da varejista

Faixa de preço dos papéis — que serão negociados sob o código CEAB3 — ficará entre R$ 16,50 e R$ 20,00; montante mínimo a ser solicitado é de R$ 3 mil

Saiu perdendo

Firjan diz que mudança nos royalties pode trazer perda de R$ 30 bilhões em 4 anos ao Rio de Janeiro

O Estado, maior produtor brasileiro de petróleo e gás natural do Brasil (60% do total), perderia R$ 6,4 bilhões por ano

Me segue!

Ex-ministro da Fazenda, Meirelles diz que grande mérito do atual governo é manter diretrizes econômicas de Temer, mas aponta erros

Secretário da Fazenda paulista afirmou que muitos dos pontos da MP da Liberdade Econômica foram traçados durante sua gestão no Ministério da Fazenda

admirável mundo novo

Economia digital vira gargalo para tributação

Na era dos aplicativos de serviços, impressoras 3D, robôs, moedas virtuais e marketplaces, o sistema tributário ficou obsoleto e tem tirado o sono do Fisco

mudança de cenário

Com queda nos juros, busca por crédito tem o maior crescimento em 9 anos

Desde janeiro, o aumento do número de pessoas que buscaram crédito foi de 10,3%, em relação a igual período do ano passado, segundo a Serasa Experian

dia de otimismo

Ações do Banco Inter sobem forte após possível parceria com Uber

No mês, as units ainda acumulam queda de 7%; segundo a Coluna Broadcast, conversas envolveriam a entrega pela empresa brasileira de estrutura para que a Uber possa oferecer serviços bancários

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements