🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O SEU CAPITAL POR 7,5X COM 1 CLIQUE – CONHEÇA A FERRAMENTA

Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
ONDE INVESTIR

Dólar de volta a R$ 5,05 e retomada da bolsa brasileira: CEO da Bradesco Asset revela apostas para o 2º semestre

Ex-secretário do Tesouro, Bruno Funchal prevê a intensificação das turbulências no mercado local diante do risco fiscal, mas Ibovespa deve voltar a atrair a atenção em 2024

Camille Lima
Camille Lima
1 de julho de 2024
6:03 - atualizado às 9:46
Bruno Funchal, CEO da Bradesco Asset, fala sobre apostas da gestora para bolsa brasileira, dólar e juros.
Bruno Funchal, CEO da Bradesco Asset, fala sobre apostas da gestora para bolsa brasileira, dólar e juros. - Imagem: Divulgação

Muita coisa pode mudar em seis meses. No caso da Bradesco Asset, esse curto período de tempo foi o suficiente para virar as principais apostas de investimentos da gestora de fundos para 2024 de ponta cabeça. 

Se há seis meses o CEO Bruno Funchal, responsável por um patrimônio superior a R$ 700 bilhões na gestora, traçava um panorama para lá de otimista para o mercado brasileiro, o primeiro semestre veio para ruir com as expectativas.

Agora, a previsão para os próximos meses é de cautela.

Ex-secretário do Tesouro Nacional, Funchal projeta que a turbulência se intensificará ao longo da segunda metade do ano, quando as discussões sobre a meta fiscal e o Orçamento de 2025 devem chegar às alturas.

O aumento da ansiedade quanto a questões macroeconômicas deve continuar a fazer peso sobre os ativos de risco — como a bolsa brasileira — no segundo semestre, especialmente diante de perspectivas mais contidas para os juros daqui para frente.

Já o real pode voltar a se fortalecer contra o dólar nos próximos meses, segundo o gestor.

Esta matéria faz parte de uma série especial do Seu Dinheiro sobre onde investir no segundo semestre de 2024. Eis a lista completa:

O que aconteceu com a bolsa até agora, segundo Bruno Funchal

Seis meses depois da nossa primeira conversa, eu voltei à sede da Bradesco Asset para um novo papo com Bruno Funchal sobre as mudanças nas perspectivas da gestora para este ano.

Segundo Funchal, uma das principais chacoalhadas veio das previsões para a bolsa brasileira.

No ano passado, o gestor previa que a queda da Selic deveria provocar um movimento “praticamente inevitável”: a migração de recursos que estavam na renda fixa para a bolsa.

Acontece que o pilar da tese otimista da Bradesco Asset para a bolsa eram os juros abaixo dos dois dígitos.

Na época, a gestora esperava que o Banco Central só interrompesse as reduções quando a taxa chegasse aos 8,5% ao ano. 

Porém, o relaxamento monetário não avançou conforme o esperado: o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) continuou a postergar as sinalizações de uma possível redução nas taxas.

Isso levou o Copom a desacelerar o passo por aqui também. Na última reunião, em junho, o colegiado optou pela manutenção da Selic a 10,50% ao ano, interrompendo o alívio monetário iniciado em agosto de 2023.

A mudança na trajetória levou a Bradesco Asset a recalcular a rota de previsões para os juros. Agora, a gestora prevê apenas um corte na Selic até o fim de 2024, encerrando o ano com uma taxa terminal de 10,25% a.a

Quando a bolsa brasileira vai voltar a subir?

O adiamento da queda dos juros levou a bolsa brasileira e outros ativos de maior risco, como os fundos multimercados, a um início de ano amargo em 2024. Desde janeiro, o Ibovespa, principal índice de ações da B3, acumula desvalorização de 7,66%.

“A bolsa está muito dependente da dinâmica de juros americanos”, afirmou Funchal. “Se houver de fato esse sinal de que os Estados Unidos vão engrenar em uma queda de juros razoável ao longo de 2025, eu acredito que a bolsa tem muito espaço para novos ganhos.”

Entretanto, o apetite pelo Ibovespa deve dar indícios de retomada apenas no fim deste ano, segundo o CEO da Bradesco Asset. Isto é, quando passadas as principais turbulências macroeconômicas locais e houver melhora nas perspectivas de juros no Brasil e nos EUA.

“No início do ano, a gente tinha uma perspectiva de crescimento de captação e cenário positivo para ativos de risco, mas essa boa previsão está sendo empurrada para o ano que vem”, disse Funchal. 

Para além do crédito, onde investir no 2º semestre

Enquanto a bolsa continuou morna no primeiro semestre, uma outra classe de investimentos aproveitou para brilhar: o crédito.

“A gente teve fechamento de spreads e isso acabou valorizando muito os fundos de crédito. Além disso, as mudanças regulatórias nos títulos incentivados, CRAs e CRIs, também empurraram os investidores mais para essa classe”, afirmou o CEO.

Entretanto, na visão do presidente da Bradesco Asset, o espaço para ganhos com crédito já está se fechando.

“O presente é crédito, mas o futuro próximo será o momento de outras classes de ativos, então é preciso voltar a diversificar, porque logo o Fed deve começar a baixar os juros.”

Na avaliação de Bruno Funchal, duas classes de investimentos tendem a começar a se valorizar entre o segundo semestre e o início de 2025: a bolsa brasileira e a chamada “renda fixa ativa” — fundos que buscam superar o CDI através de gestão ativa do portfólio.

Do lado da renda variável, o CEO da Bradesco Asset vê oportunidades e assimetrias na bolsa — desde que o investidor saiba encontrar “empresas baratas e com bons balanços”.

Um dos setores que pode se beneficiar daqui para frente são os mais defensivos, como as ações de utilidades públicas, como energia elétrica e saneamento básico.

A previsão da Bradesco Asset para o câmbio

E se a previsão para o segundo semestre é de retomada da bolsa e de uma tímida redução nos juros até o fim do ano, o que esperar do câmbio?

Para a Bradesco Asset, a tendência para os próximos meses é de queda do dólar.

A moeda norte-americana já subiu 15,29% desde janeiro e chegou a superar a marca de R$ 5,59 na semana passada.  

“O ruído interno atrapalhou muito o real, então tivemos uma desvalorização de mais de 10% do câmbio. É muita coisa, foi uma das moedas que mais se valorizou no mundo”, afirmou Bruno Funchal.

Entretanto, na visão do gestor, após a expressiva valorização em 2024, a divisa logo deve começar a devolver parte dos ganhos.

“Enquanto ainda tivermos essa incerteza local, acho que a moeda brasileira ainda vai sofrer. Virada essa página, talvez mais para o final do ano, acredito que o dólar pode voltar a encostar em R$ 5,10”, afirmou o CEO.

A Bradesco Asset aposta que o dólar deve iniciar a trajetória de queda assim que o Fed iniciar o ciclo de corte de juros nos Estados Unidos, terminando o ano na casa dos R$ 5,05

É uma projeção ousada, já que significa que a moeda deve se desvalorizar até 9,7% em relação ao último fechamento. 

Além disso, deve-se levar em consideração que as projeções dos próprios diretores do Fed indicam atualmente a possibilidade de apenas um corte em 2024 — e provavelmente na reta final do ano.

Questionado sobre essa percepção, Funchal disse apenas: “Você acha? Tem gente apostando no dólar a R$ 4,70.”

Compartilhe

MERCADO FINANCEIRO

Renda fixa brilha no 1º semestre e impulsiona captação de fundos. Veja as 10 gestoras que mais levantaram dinheiro no período

18 de julho de 2024 - 18:38

No “Top 10” das empresas que mais levantaram dinheiro no período, a cifra chega a R$ 202,2 bilhões, de acordo com a Quantum Finance

DISPARADA DO CÂMBIO

Dólar bate os R$ 5,58 e fecha no maior patamar em duas semanas; confira o gatilho da alta de quase 2%

18 de julho de 2024 - 17:47

Mais cedo, o ministro da Fazenda disse ter recebido o sinal verde de Lula para avançar em estudos de corte no Orçamento, mas falas da ministra do Planejamento impulsionaram a moeda

OFERTA NA BOLSA

Fundo imobiliário VGIR11 anuncia emissão de até R$ 500 milhões e vai oferecer um ‘desconto’ nas cotas; confira os detalhes

18 de julho de 2024 - 14:59

O preço de emissão pago por quem decidir participar da operação, que é voltada a investidores no geral, será de R$ 9,85 por cada nova cota

RECOMENDAÇÃO DE COMPRA

As ações desta empresa já saltam mais de 57% em 2024, mas Itaú BBA diz que ‘o navio ainda não zarpou’ e papéis podem entrar para o Ibovespa ainda neste ano

18 de julho de 2024 - 12:37

O banco de investimentos publicou um novo relatório nesta quinta-feira (18) para reforçar ainda mais a sua visão positiva para a companhia

DESTAQUES DA BOLSA

Ação da BRF (BRFS3) desaba quase 7% na B3, e frigoríficos lideram as perdas do Ibovespa hoje. O que está por trás da queda?

18 de julho de 2024 - 12:16

O movimento acompanha a confirmação do Ministério da Agricultura de detecção de um foco da doença Newcastle no Rio Grande do Sul. Mas por que isso afeta o setor de proteínas?

PELA 3ª VEZ CONSECUTIVA

Fundo imobiliário BTAL11 volta a pagar os maiores dividendos de sua história e gestão diz como quer manter proventos no patamar recorde nos próximos meses

18 de julho de 2024 - 12:13

O FII pagará R$ 0,84 por cota neste mês, cifra que representa um dividend yield anualizado de cerca de 13,4%.

MAIS UM DIA DE TOMBO

Ações da Oi (OIBR3) já derretem 20% na semana com leilão que frustrou expectativas e adiamento de etapa da recuperação judicial

18 de julho de 2024 - 11:18

Parte do tombo é explicada pelo resultado do leilão da ClientCo, a antiga Oi Fibra, realizado na tarde de ontem.

COMPRADOS X VENDIDOS

Sabesp (SBSP3): investidor paga até 13% de aluguel para ficar vendido nas ações antes da oferta; entenda a estratégia

18 de julho de 2024 - 10:32

Mercado decidiu aproveitar a enorme diferença entre as cotações da Sabesp (SBSP3) na bolsa e o preço da oferta de ações

MUDANÇA NO MERCADO DE CÂMBIO

Banco Central eleva o limite de operações de câmbio feitas em instituições não bancárias

17 de julho de 2024 - 19:20

Segundo a autoridade monetária, a medida tem por objetivo aumentar a eficiência e a competitividade

AMORTIZAÇÃO DE CAPITAL

Fundo imobiliário confirma que vai depositar mais de R$ 30 por cota na conta dos investidores após retorno alto com CRI

17 de julho de 2024 - 17:07

O resgate antecipado de um CRI rendeu R$ 23 milhões para o FII RBLG11 e dividendos fartos e uma amortização de capital para os cotistas

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar