Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-06-23T20:22:58-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO DO DIA

Tom mais duro de dirigentes do Fed volta a confundir os mercados; Ibovespa e dólar recuam enquanto DIs avançam

Os sinais captados pelos dados de inflação e os discursos dos dirigentes do Fed tenta antecipar o futuro da política monetária da maior economia do mundo, trazendo grande volatilidade aos negócios. Por aqui, o dólar fechou estável e os DIs subiram. Já a bolsa fechou o dia no vermelho

23 de junho de 2021
18:40 - atualizado às 20:22
Federal Reserve
Imagem: Montagem Andrei Morais/ Shutterstock

Ao contrário do imaginário popular — e do que eu acreditava até pouco tempo atrás —, as cartas do tarô não servem para prever o futuro. Isso seria uma mão na roda e a vida seria muito mais fácil. As cartas funcionam muito mais como um tabuleiro de xadrez. Ali é possível analisar e projetar os próximos lances, as consequências dessas ações e permite aos jogadores pensarem sobre as possíveis consequências. 

No jogo do mercado financeiro, as cartas que estão na mesa buscam antecipar o que o Federal Reserve, o banco central americano, deverá fazer para impedir uma escalada dos preços sem prejudicar a recuperação da economia. Essa análise é feita a partir dos dados da economia e dos discursos dos dirigentes do Fed, mas eles andam um tanto contraditórios, deixando os investidores confusos. 

O foco dos agentes financeiros esteve em Raphael Bostic, do Fed de Atlanta, e Michelle Bowman, do Fed de Cleveland. Se ontem as palavras de Powell deram alívio, já que o chefe do Fed defendeu mais uma vez uma inflação transitória e uma retirada lenta e gradual dos estímulos, hoje o mercado não teve palavras acolhedoras para se apoiar

A reação mais significativa foi à fala de Bostic. O presidente do Fed de Atlanta foi um dos dirigentes que antecipou a projeção de alta para os juros na última decisão de política monetária, divulgada na semana passada.

Para ele, o Federal Reserve está próximo de alcançar os requisitos para se discutir a retirada dos estímulos monetários — e o que vai indicar como as coisas de fato ocorrerão será o desempenho do mercado de trabalho nos próximos meses. Bostic projeta que a inflação americana deve ficar em torno de 3,4% em 2021. 

Bowman também teve um discurso duro, no qual afirmou que a inflação pode ser mais persistente e levar “algum tempo” até ser normalizada. O mercado, claro, não gostou do que ouviu, principalmente tendo em mãos mais dados mistos da economia americana para digerir. Inflação persistente pode obrigar o Fed a elevar os juros antes do que os investidores gostariam.

A inflação também assombra o velho continente, e o temor de uma elevação dos juros fez com que as principais praças europeias fechassem em queda generalizada. Em Nova York, o Nasdaq conseguiu fechar no azul ao avançar 0,13%, mas o Dow Jones e o S&P 500 recuaram 0,21% e 0,11%, respectivamente. 

Voltando ao presente...

Enquanto uma resposta mais concreta sobre o futuro não chega, o que se tem é volatilidade na bolsa, no câmbio e no mercado de juros futuros. 

O dólar à vista chegou a recuar mais de 0,5% no dia, mas acabou pressionado pelo discurso de Bostic e inverteu o sinal, mas sem perder o recém-conquistado patamar dos R$ 4,90. No fim do dia, a moeda americana fechou a sessão praticamente estável, com leve queda de 0,07%, a R$ 4,9628. 

Não foi somente o clima externo que mexeu com o câmbio por aqui. Em live promovida pela Fiesp, o ministro da Economia Paulo Guedes voltou a trazer algumas dúvidas sobre o cenário fiscal brasileiro ao afirmar que a confirmação do pagamento do auxílio até outubro deve ser feita ainda nesta semana. Guedes, aliás, está otimista com relação ao novo patamar alcançado pela moeda americana. Para o ministro, a divisa ainda deve cair mais, com o câmbio de equilíbrio "bem abaixo dos R$ 5,00"

O mercado de juros também teve mais um dia de grande destaque. Depois de um dia de movimentação intensa, repercutindo o tom mais duro do BC local na ata da última decisão do Copom e a possibilidade de aumento de 1 ponto percentual na próxima reunião, os principais contratos de DI chegaram a abrir o dia em queda, mas não conseguiram sustentar o movimento com a piora do clima no exterior. Confira as taxas de fechamento:

  • Janeiro/22: de 5,73% para 5,77%
  • Janeiro/23: de 7,25% para 7,31%
  • Janeiro/25: de 8,20% para 8,25%
  • Janeiro/27: de 8,64% para 8,63%

Na cola dos bancos

Nem mesmo a alta do setor de commodities conseguiu segurar o Ibovespa no azul nesta quarta-feira (23). A piora generalizada atingiu também os ativos das petroleiras, siderúrgicas e as ações da Vale, que vinham segurando o bom desempenho da bolsa brasileira. 

Por aqui pesou também o desempenho negativo do setor bancário, que até chegou a abrir o dia no azul. Desde o começo do dia, o mercado observou de perto a movimentação do setor financeiro. É que a MP que permite um aumento da tributação dos bancos (CSLL) foi aprovada ontem no Senado. A medida abre caminho para o subsídio temporário do diesel e do gás de cozinha. Com isso, a CSLL paga pelos bancos sobe de 20% para 25%. Já as seguradoras passam a pagar 20%, contra os atuais 15%.

O saldo final foi um recuo de 0,26% do Ibovespa, aos 128.427 pontos.

Dados mistos

Além dos discursos dos dirigentes do Fed, também entraram na conta dos investidores os novos dados da economia americana divulgados pela manhã. 

Enquanto o PMI do setor de serviços americano veio abaixo do esperado - 64,8 ante 70,4 do mês anterior -, indicando uma recuperação mais lenta, o setor manufatureiro superou as expectativas. O índice de gerentes de compras composto caiu a 63,9, de 68,7 em maio. 

Sobe e desce

Na primeira etapa do pregão, a alta significativa das commodities ajudou o Ibovespa a encostar novamente nos 130 mil pontos, aos 129.900 pontos, no melhor momento do dia. Vale, siderúrgicas e Petrobras, no entanto, apararam a alta e deram espaço para que outros papéis assumissem o topo da tabela. Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOMEULTVAR
BRKM5Braskem PNAR$ 56,402,75%
BIDI11Banco Inter unitR$ 71,992,48%
YDUQ3Yduqs ONR$ 35,402,40%
USIM5Usiminas PNAR$ 18,622,14%
CVCB3CVC ONR$ 29,441,87%

Na ponta contrária, as ações das construtoras seguem em queda, afetadas pela perspectiva de juros cada vez mais altos. Já o GPA recuou expressivamente após as altas dos últimos dias, quando os papéis subiram com a repercussão do interesse de Michael Klein em comprar a fatia que hoje é dos controladores da companhia, o grupo francês Casino. Confira as maiores quedas do dia:

CÓDIGONOMEULTVAR
EZTC3EZTEC ONR$ 32,06-4,75%
PCAR3GPA ONR$ 39,94-3,87%
BRDT3BR Distribuidora ONR$ 26,95-2,88%
BBSE3BB Seguridade ONR$ 24,85-2,70%
ELET6Eletrobras PNBR$ 46,17-2,49%
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Mostrando confiança

BR Distribuidora resolve antecipar R$ 554 milhões em remuneração aos acionistas referente a 2021

Empresa vai pagar os proventos em forma de Juros sobre Capital Próprio, divididos em duas datas, em setembro e em dezembro deste ano

Nova tentativa

Guedes afirma que programa de emprego para jovens terá crédito extraordinário de até R$ 3 bilhões

Segundo ministro, a alternativa foi pensada como forma de enfrentar os efeitos da pandemia no nível de desocupação de jovens, que aumentou no período

SEXTOU COM O RUY

Big Bang, a teoria: As leis da Física e a tributação dos dividendos

As empresas são organismos vivos, que precisam se adaptar às mudanças para sobreviver, como na recente proposta de tributação de dividendos

dinheiro no caixa

Petrobras vende participação em companhias de energia por R$ 160 milhões

Estatal assinou contratos para a venda de suas participações de 20% na Termelétrica Potiguar (TEP) e de 40% na Companhia Energética Manauara (CEM) para a Global Participações Energia S.A. (GPE)

seu dinheiro na sua noite

Mais micro, menos macro: quando os balanços são o destaque na bolsa

Como investidores, sabemos que os mercados estão sujeitos às mudanças no cenário macroeconômico – e, no caso do Brasil e outros países emergentes, os pregões são particularmente suscetíveis também ao noticiário político. Mas, no fim do dia, a bolsa reflete o desempenho das companhias que ali são negociadas. Nas temporadas de balanços trimestrais, analistas e […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies