Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-07-12T19:12:37-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO

Ibovespa dá folga para o pessimismo e pega carona no recorde triplo de NY; bolsa sobe forte e dólar cai a R$ 5,17

O ambiente positivo no exterior ajudou o movimento de correção do Ibovespa. O setor bancário e o de commodities puxaram o bom desempenho do índice

12 de julho de 2021
18:29 - atualizado às 19:12
otimismoPIB

A semana, que promete ser agitada, começou com o apetite por risco renovado no Brasil — e no exterior. Depois da pausa nos negócios na última sexta-feira (09) para a celebração do feriado paulista de 9 de julho, hoje foi dia de o Ibovespa correr atrás do tempo perdido e se ajustar ao movimento visto no exterior enquanto a B3 estava fechada.

O noticiário político que tanto assombrou os mercados na última semana não melhorou, mas também não piorou, o que trouxe mais tranquilidade para os investidores irem às compras. Também trouxe otimismo a notícia de que o presidente da Câmara, Arthur Lira, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, estão próximos de um acordo para um texto mais amigável ao mercado para a proposta de reforma do IR.

Wall Street também deu um empurrão extra, e a semana começou com recorde triplo. Na expectativa pelos primeiros balanços do segundo trimestre e novos dados da inflação americana, as bolsas em Nova York tiveram um dia de ganhos moderados. O Dow Jones subiu 0,36%, o S&P 500 teve alta de 0,35% e o Nasdaq avançou 0,21%.

Com os investidores tirando o atraso e o cenário mais favorável durante toda a sessão, o setor bancário e as siderúrgicas patrocinaram um dia de forte alta para a bolsa brasileira. O Ibovespa fechou o dia com um avanço de 1,73%, aos 127.593 pontos. 

O dólar à vista mostrou um pouco mais de instabilidade. A moeda americana chegou a abrir o dia em alta, mas se acomodou em forte queda com um grande fluxo de entrada de investimentos estrangeiros e a valorização dos Treasuries antes da divulgação dos novos dados de inflação, que acontecem amanhã. Com isso, a divisa terminou o dia em queda de 1,25%, a R$ 5,1740.

O alívio no câmbio chegou a puxar para baixo os juros futuros, mas a tendência não se manteve. O movimento acompanhou as declarações de Bruno Serra, diretor de Política Monetária do Banco Central. Em evento, Serra afirmou que o BC está comprometido com o centro da meta de inflação para 2022, mas deixou no ar o tamanho da atuação da instituição na próxima reunião, dizendo apenas que o balanço de riscos segue pressionado pelo risco fiscal. Confira as taxas do dia:

  • Janeiro/22: estável em 5,81%
  • Janeiro/23: de 7,29% para 7,32%
  • Janeiro/25: de 8,30% para 8,37%
  • Janeiro/27: de 8,70% para 8,77%

Os riscos no radar

O dia pode ter sido positivo, mas os investidores vão encarar uma série de incertezas nos próximos dias. O ambiente político segue conturbado, refletindo a repercussão das denúncias feitas pela CPI da covid-19 e a discussão em torno da proposta de reforma tributária que mexe com as regras do imposto de renda.

O texto ainda está longe de ser bem aceito pelo mercado, ainda que Guedes e Lira pareçam ter entrado em acordo para tentar desfazer os incômodos com a pauta. 

A vacinação no país anima, mas nem por isso a covid-19 deixa de ser um problema. Os investidores pesam mais uma vez o avanço da nova variante do coronavírus - a delta - e o seu possível impacto negativo nas principais economias do globo. 

Além disso, a decisão da China de ampliar o grau de estímulo monetário na economia traz preocupação com uma possível desaceleração da recuperação, fazendo com que os investidores antecipem uma cautela maior também em relação a outros países, monitorando os movimentos dos Bancos Centrais. O BC europeu deve divulgar dentro de 10 dias um novo documento sobre as medidas tomadas pela instituição. Nos EUA, os dados de inflação são acompanhados de perto. 

Sobe e desce

A aceleração da vacinação no estado de São Paulo e também em diversas outras regiões do país renova a expectativa para a retomada da economia brasileira, animando as empresas ligadas ao consumo e ao turismo.

O principal destaque do dia foi a Embraer, que subiu quase 8% após a confirmação do pedido da Porter Airlines de até 30 jatos E195-E2 e a compra de mais 50 aeronaves, pelo valor de US$ 5,82 bilhões.

A Cosan se destacou após notícias de que o governo de São Paulo deve propor uma renovação antecipada da concessão de 20 anos da Comgás, subsidiária da companhia. 

Já a JHSF teve forte alta após divulgar prévias operacionais animadoras do segundo trimestre. Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVAR
EMBR3Embraer ONR$ 19,667,96%
CVCB3CVC ONR$ 27,357,25%
CSAN3Cosan ONR$ 26,206,29%
CSNA3CSN ONR$ 46,806,15%
JHSF3JHSF ONR$ 7,295,19%

Hoje também foi dia de estreia na B3, com o início da negociação das ações da 3tentos Agroindustrial (TTEN3). Os papéis da companhia de infraestrutura de processamento e venda de grãos chegaram a subir mais de 4% pela manhã, mas viraram para queda na parte da tarde, fechando em baixa de 1,22%.

Em dia amplamente positivo para a bolsa brasileira, apenas seis papéis recuaram no Ibovespa. Confira as maiores quedas:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
CRFB3Carrefour Brasil ONR$ 20,55-1,06%
MRFG3Marfrig ONR$ 18,73-0,95%
PRIO3PetroRio ONR$ 19,41-0,87%
SUZB3Suzano ONR$ 60,46-0,85%
VVAR3Via Varejo ONR$ 14,78-0,47%
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

MANOBRAS

Juiz põe no banco dos réus ex-gestores do banco Máxima por gestão fraudulenta

O Banco Máxima S.A. informa que seus atuais acionistas assumiram a administração do banco em 2018, após aprovação pelo Banco Central, e que os integrantes da antiga gestão não têm mais qualquer relação com a instituição financeira

Foguete? Tô fora!

Warren Buffet: o bilionário que não quer conhecer as estrelas

Enquanto Bezos, Musk e Branson protagonizam a nova corrida especial, o Oráculo de Omaha prefere apenas observar

O melhor do Seu Dinheiro

O seu momento Sherlock Holmes

Na adolescência, ouvia que quem buscasse por romance policial brasileiro deveria ler algo do Rubem Fonseca. Era uma vontade minha achar uma história desse gênero que fosse mais próxima da minha realidade — e o filtro nacionalidade me pareceu o mais adequado.  A ideia surgiu depois de ter conhecido parte das histórias criadas por Agatha […]

Mesa Quadrada

Comentarista da ESPN Paulo Antunes fala da sua paixão por futebol americano e experiência no mercado financeiro

Ele conta sobre suas aventuras na cobertura de futebol americano e basquete e ainda revela seus investimentos na Bolsa em novo episódio do podcast Mesa Quadrada

Garantindo a oferta

Crescem ofertas de ações com reserva antecipada

As ancoragens normalmente conseguem atrair mais investidores, numa espécie de chancela prévia, com potencial impacto positivo no preço da ação.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies