Menu
2020-08-06T17:59:22-03:00
Ricardo Gozzi
Mercados hoje

Ibovespa e dólar ganham novo fôlego com sinalização do Copom sobre juro

Sinalização de manutenção de juros baixos por período prolongado sustenta o ânimo dos investidores, que relegam desemprego a segundo plano

6 de agosto de 2020
17:59
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O fôlego do mercado brasileiro de ações para seguir para o alto e avante parecia próximo, muito próximo de se esgotar. Mas o Banco Central apareceu na hora certa com seu respirador (artificial?) para dar ao Ibovespa um oxigênio a mais para continuar subindo.

Tanto o Ibovespa quanto o dólar fecharam em alta não apenas por causa da redução da taxa Selic a 2% ao ano, renovando o recorde de baixa da taxa básica de juro no Brasil, mas principalmente pelo fato de o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BCB) ter deixado a porta aberta para um novo corte residual e sinalizado a manutenção de juros extremamente baixos para a realidade nacional por um período prolongado.

A sinalização do BCB prevaleceu ao longo de toda a sessão de hoje na B3, relegando a segundo plano os alarmantes do desemprego no País divulgados na manhã desta quinta-feira. Com isso, o Ibovespa fechou em alta de 1,29%, aos 104.125,64 pontos.

Os investidores iniciaram os negócios diante dos dados indigestos do desemprego no Brasil no segundo trimestre deste ano, com a economia nacional sob o impacto da pandemia do novo coronavírus.

A taxa de desemprego passou de 12,2% no primeiro trimestre para 13,3% no fim de junho. Ainda mais preocupantes são os dados mostrando redução recorde da população ocupada enquanto o número de desalentados atinge um novo pico e o fato de, pela primeira vez na série histórica, a força de trabalho potencial ter superado o número de desocupados.

Liquidez prevalece sobre dados ruins

Apesar dos dados ruins de desemprego, os investidores reagiram ao corte de juros e ao comunicado divulgado pelo Banco Central logo depois da decisão do Copom na expectativa de que, um dia, quem sabe, a liquidez jorrada nos mercados encontre algum suporte na realidade econômica.

"Lendo a nota me passou a impressão que a diretoria do BCB não quer desligar a música de uma hora para outra. O baile da inflação dos ativos, notadamente a bolsa, tem que continuar por algum tempo mais até que encontre respaldo na realidade econômica de fato", observou o economista-chefe da Necton Corretora, André Perfeito.

Ele advertiu que, apesar de o BC ter deixado a porta aberta para novos cortes, isto dependeria de incógnitas como uma melhora na situação fiscal e avanços na reforma tributária, por exemplo. "Provavelmente não teremos mais nenhum corte uma vez que em meados de setembro, quando o colegiado irá se reunir mais uma vez, os dados fiscais estarão piores e a reforma tributária terá avançado pouco", concluiu.

Entre os papéis listados no Ibovespa, Totvs, BRF e as ações de shopping centers destacaram-se pelo bom desempenho nesta quinta-feira.

As ações do setor elétrico, por sua vez, subiram na esteira da aprovação do edital do leilão de transmissão a ser realizado em dezembro pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Confira a seguir as maiores altas e baixas do dia entre as ações listadas no Ibovespa.

MAIORES ALTAS

  • BR Malls ON (BRML3) +11,20%
  • Totvs ON (TOTS3) +10,85%
  • Cielo ON (CIEL3) +10,67%
  • Multiplan ON (MULT3) +7,66%
  • Azul PN (AZUL4) +6,40%

MAIORES QUEDAS

  • Gerdau PN (GGBR4) -2,48%
  • Gerdau Met PN (GOAU4) -2,46%
  • Via Varejo ON (VVAR3) -2,05%
  • Usiminas PN (USIM5) -2,00%
  • Pão de Açúcar ON (PCAR3) -1,92%

Dólar e juro

O dólar também fechou em alta em reação ao corte de 25 pontos-base na taxa Selic anunciado na véspera pelo Copom e à expectativa de manutenção de juros baixos por mais tempo.

Apesar de essa perspectiva ter dado impulso à moeda norte-americana hoje, Alessandro Faganello, consultor da Advanced Corretora para o mercado de câmbio, observa que se trata de uma peculiaridade local.

"Há diversas dinâmicas em andamento simultaneamente e o dólar sobe aqui, mas continua perdendo força lá fora", adverte.

A moeda norte-americana encerrou o dia em alta de 0,95%, cotada a R$ 5,34325 (+1,1%).

Enquanto isso, os contratos de juros futuros fecharam em queda acentuada tanto nos vencimentos mais curtos quanto nos mais longos por causa do corte na taxa Selic.

A redução da taxa básica de juro era mais do que esperada pelo mercado, mas o comunicado do Copom com sinais para os próximos passos faz com que os investidores recalibrem suas visões para a trajetória dos juros no mercado futuro.

Confira os vencimentos com mais liquidez:

  • Janeiro/2021: de 1,953% para 1,865%;
  • Janeiro/2022: de 2,772% para 2,570%;
  • Janeiro/2023: de 3,813% para 3,640%;
  • Janeiro/2025: de 5,373% para 5,250%.
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

ajuste fiscal

Propostas para o Renda Cidadã não têm intenção de driblar teto, diz secretário do Tesouro

“A gente sabe que o teto é baseado em credibilidade e não adianta tomarmos ações que minem a credibilidade do teto”, disse Bruno Funchal

Mercado agora

Ibovespa fecha em queda com descrença sobre possível recuo de ‘pedalada’

No exterior, expectativa em torno do primeiro debate entre os principais candidatos à presidência dos EUA inibiu apetite por risco

Fiador sem crédito

Investidores veem omissão de Guedes no Renda Cidadã e mostram cansaço com “Posto Ipiranga”

Agentes do mercado financeiro questionam voto de confiança no ministro da Economia como fiador da disciplina fiscal

recadinho

Relevância do cumprimento do teto no pós-crise será ainda maior, diz Tesouro

Tesouro Nacional reforçou o alerta de que é preciso acelerar as reformas para manter a confiança dos investidores e os juros baixos

impacto fiscal

Rombo nas contas do governo soma R$ 647,8 bilhões até agosto

O resultado, que reúne as contas do Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central, sucede o déficit de R$ 87,835 bilhões de julho

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements