Menu
2019-09-26T23:13:07+00:00
Daniele Madureira
Daniele Madureira
Daniele Madureira é jornalista freelancer. Formada pela Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero, tem pós-graduação em Jornalismo Social pela PUC-SP. Foi editora-assistente do site Valor Online, repórter dos jornais Valor Econômico, Meio & Mensagem e Gazeta Mercantil. Colaborou com as revistas Exame, Capital Aberto e com a edição do livro Guia dos Curiosos.
Entrevista exclusiva

Usiminas investe em startups em busca de produtividade e novas fontes de receita

Passada disputa entre os sócios e empenhada em se tornar uma indústria 4.0, a siderúrgica quer “inovação em todas as frentes”, afirmou Sergio Leite, presidente da Usiminas

27 de setembro de 2019
5:45 - atualizado às 23:13
Sergio Leite, presidente da Usiminas
Sergio Leite, presidente da Usiminas - Imagem: Eduardo Nicolau/Seu Dinheiro

Sergio Leite, presidente da Usiminas, estava em São Paulo no início de setembro para a reunião do conselho da siderúrgica, uma das maiores do país, sediada em Belo Horizonte. O Seu Dinheiro aproveitou a passagem do executivo pela capital paulista para uma entrevista exclusiva.

  • Veja agora: Pela primeira vez em 42 anos, um dos maiores grafistas do Brasil vai revelar seus segredos para ganhar no mercado de criptomoedas. Leia mais aqui

Em meio à conversa, uma gafe da repórter: chamei o aço de commodity. Educada e prontamente, Sergio Leite me corrigiu: o aço não é uma commodity, tem valor agregado, e o que é produzido para setores como automotivo ou óleo e gás demanda alta tecnologia.

“Na Usiminas, apenas 20% do que produzimos têm qualidade comercial, isto é, seria precificado como uma commodity em nível internacional. Os outros 80% seguem requisitos de qualidade que tornam o produto diferenciado”, diz o executivo.

Esclarecimentos feitos, Leite explica que o pior da história da Usiminas ficou para trás, mais especificamente entre 2014 e 2018, quando a briga dos sócios – a japonesa Nippon Steel e a ítalo-argentina Ternium – coincidiu com a queda pela demanda de aço no mercado internacional.

O momento exigiu um esforço concentrado do “grupo dos 10”, como foi batizada a elite dos executivos da siderúrgica que promoveu um "turnaround" doméstico na companhia.

“Agora, estamos focando em inovação em todas as frentes”, diz ele.

O novo sempre vem

A Usiminas criou neste ano a diretoria de inovação e já figura entre as 50 grandes empresas brasileiras com maior interação com startups, segundo ranking da 100 Open Startups, plataforma internacional de geração de negócios entre grandes companhias e novatas. Empenhada em se tornar uma indústria 4.0, a siderúrgica criou um programa para trazer as startups para dentro do seu negócio.

“Na Soluções Usiminas, estamos fazendo um trabalho grande com startups na busca de inovações, queremos fazer diferente e melhor”, diz Leite, referindo-se à unidade da siderúrgica que atua nos mercados de distribuição e processamento de aço – em que o principal produto, definitivamente, não é uma commodity. “Fazemos um atendimento diferenciado, principalmente no setor automotivo, com entregas just em time de peças já cortadas, soldadas, prontas para estampar, para diversas montadoras.”

A companhia pesquisou casos de grandes empresas que encubaram startups e montaram ecossistemas próprios para disseminar a inovação, como é o caso do Cubo do Itaú e do Inovabra do Bradesco. Também abriu um canal de interação com o Serviço Nacional da Indústria (Senai), que conta com 26 institutos de inovação.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Na siderúrgica, o primeiro passo foi mapear 32 desafios para aprimorar a operação em todo o grupo. Destes, 15 foram selecionados e encaminhados a 12 startups, cuja missão foi buscar soluções customizadas.

“Quem entende de siderurgia é quem trabalha na siderurgia. O pessoal dessa geração tem raciocínio acelerado e, quando passa a entender o nosso negócio, consegue atender a demanda de maneira mais rápida e barata”, afirma Cesar Bueno, diretor de inovação da Usiminas. “Com eles, nós cortamos caminho para chegar às soluções”.

As startups receberam entre R$ 50 mil e R$ 150 mil cada uma para desenvolver um projeto piloto. Até o momento, três projetos foram entregues e estão prontos para implantação.

“Se o projeto gerar resultados significativos, vai contar com um valor agregado maior”, diz Bueno. A companhia passa a deter a propriedade intelectual daquela solução, que é desenvolvida de maneira sigilosa pela startup. “É natural que algumas venham a ser incubadas no futuro próximo”, diz Bueno.

A Usiminas mantém os projetos em segredo. Mas o diretor de inovação revela que um dos desafios era pensar a melhor maneira de fazer alocação de cargas em navios – algo que pode pesar nos custos de logística. Era preciso desenvolver um modelo de carregamento de bobinas, placas e chapas a fim de economizar tempo e custos.

Nesse sentido, o modelo precisava identificar quantos e quais equipamentos seriam alocados para preencher determinado número de porões de um navio, com determinada quantidade de carga, no menor prazo possível, para que a empresa ganhasse agilidade no porto.

“Toda a gestão da logística é nossa. Terceirizamos apenas as empresas transportadoras”, diz Sergio Leite, lembrando que a Usiminas tem operações em Minas Gerais, São Paulo, Rio Grande do Sul e Pernambuco. “Nós trazemos ideias do ambiente externo por meio das startups, universidades e institutos de pesquisas, mas também estimulamos a geração de ideias internas”, afirma.

Além das startups, a Usiminas deu início neste mês a um programa interno de inovação, em que os funcionários dão ideias para aprimorar os processos, desburocratizar tarefas e melhorar a relação com os cerca de 400 clientes, segundo Leite.

Sergio Leite, presidente da Usiminas
Em algum momento nos próximos 12 meses, nós vamos decolar, atingir um ritmo de crescimento anual entre 2% e 2,5%”, diz Sergio Leite - Imagem: Eduardo Nicolau/Seu Dinheiro

2013 só em 2029

A preocupação da siderúrgica em se abrir às inovações tem sua razão de ser. Sergio Leite conta que, de acordo com um estudo feito pelo Instituto Aço Brasil, o melhor ano para a siderurgia nacional foi 2013. “E consideradas todas as premissas atuais de crescimento do PIB, o consumo de aço no Brasil só chegará a um patamar semelhante ao de 2013 no final da década de 20, ou seja, por volta de 2029”, diz o engenheiro mineiro, que traz na bagagem 43 anos de Usiminas.

Leite, porém, se mantém otimista. “Na minha visão, em algum momento nos próximos 12 meses, nós vamos decolar, atingir um ritmo de crescimento anual entre 2% e 2,5%”, diz Leite – ele próprio um dos principais acionistas da companhia entre os diretores da Usiminas.

Para analistas, as iniciativas da siderúrgica são bem-vindas, mas ainda é difícil quantificá-las. “O setor siderúrgico tem forte correlação com a economia brasileira e, se a conjuntura não ajuda, nada acontece”, diz o analista Ilan Arbetman, da Ativa Investimentos. A Ativa tem uma recomendação de compra para o papel, com preço-alvo de R$ 11.

As ações PNA da companhia (USIM5) fecharam ontem cotadas a R$ 8,02. “O aumento da demanda nacional em setores estratégicos, como o da linha branca, por exemplo, pode levar o preço da ação a convergir com seu valor intrínseco”, diz.

Para Daniel Sasson, analista do Itaú BBA, é preciso lembrar que, mesmo quando os principais acionistas estavam em litígio, em 2016, a companhia tomou decisões acertadas para o negócio, como o fechamento da área primária de Cubatão, para adequar a produção à demanda menor. Para ele, a aproximação com as startups mostra que a diretoria está em sintonia com a necessária transformação digital para esta indústria, mas os resultados só virão no médio prazo.

“Os dados do setor são pouco animadores no curto prazo, mas é preciso lembrar que, com a retomada da economia, a Usiminas vai ser a siderúrgica mais beneficiada, uma vez que tem 85% dos seus negócios no mercado doméstico”, afirma Sasson.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Vitória do governo

Câmara aprova texto-base da MP que reformula estrutura do Executivo

No início da votação, o PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro que vive uma crise interna, obstruiu a tramitação e tentou esvaziar o quórum do plenário

Investigação

CVM aplica R$ 82 milhões em multas em esquema intermediado por Cruzeiro do Sul

Inquérito aberto em 2010 pela xerife do mercado de capitais identificou prejuízos milionários a fundos de pensão de estatais como Copel, Eletronuclear, Correios e Cedae

Em meio à crise

Líder do PSL na Câmara diz que partido não vai expulsar nenhum parlamentar

Delegado Waldir negou também que vá haver qualquer retaliação do partido em relação ao governo do presidente Jair Bolsonaro

Perto do fim

CCJ do Senado marca reunião para analisar emendas do 2º turno da reforma da Previdência

Até o momento, senadores apresentaram nove sugestões de alteração, que mexem na redação da proposta

Seu Dinheiro na sua noite

Quando a realidade se impõe

Groucho Marx dizia que jamais faria parte de um clube que o aceitasse como sócio. Durante muito tempo os brasileiros trataram erroneamente a bolsa de valores como o tipo de clube desprezado pelo lendário comediante. Mas essa realidade começa a mudar. Quem decidiu ingressar no clube da renda variável no início do ano obteve um […]

De olho no gráfico

S&P vai, não vai, fez que vai…

Apesar da recente alta em um dos principais índices da bolsa de Nova York, Fausto Botelho ainda projeta um ciclo de queda

Dados do Tesouro

União honra R$ 442,6 milhões e dívidas de governos estaduais em setembro

Nos primeiros nove meses de 2019, o governo federal precisou desembolsar R$ 5,695 bilhões para honrar dívidas garantidas pela União de quatro Estados

Papo reto

Para Sabesp, metas definidas pelo relator no marco do saneamento são difíceis de atender

Entre os pontos tidos como difíceis de cumprir está o limite de 25% para subdelegações pelo prestador de serviços

Falando em projetos...

Na reforma da Previdência dos militares, contribuições devem aumentar mais rápido que o proposto pelo governo

Segundo relatório da Câmara, a cobrança que hoje é de 7,5% passará a 9,5% já no ano que vem, chegando a 10,5% em 2021

Gestoras

JGP lista 6 fatores que devem impulsionar a economia e empurrar a bolsa para cima em 2020

Gestora acredita que migração de renda fixa para ações vai continuar dando força ao Ibovespa. Carta de setembro também faz uma defesa do teto de gastos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements