Menu
Marina Gazzoni
Marina Gazzoni
Jornalista formada pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e com MBA em Informação Econômico-Financeira e Mercado de Capitais no Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Foi editora de Economia do G1 e repórter de O Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo e do portal IG.
CARTEIRA DE INVESTIMENTOS

Onde elas investem? Aqui está a lista de aplicações do Seu Dinheiro

Olivia Alonso, Luciana Seabra e Marina Gazzoni, respectivamente CEO, diretora de conteúdo e editora-chefe do Seu Dinheiro, revelam onde está seu patrimônio pessoal.

2 de dezembro de 2018
11:37 - atualizado às 11:56
Imagem: SeuDinheiro

Está cheio de gente dando pitacos por aí sobre tudo - o que fazer com sua saúde, seus filhos e seu dinheiro... Sempre que eu escuto uma recomendação qualquer, eu fico na dúvida se o especialista está seguindo a própria recomendação.

Quando falamos de dinheiro, duas perguntas ficam na minha cabeça para os especialistas: 1) você compra o que recomenda? 2) Recomendaria para sua mãe (ou para seu filho)? É claro que é possível, sim, estudar um ativo e entender que existe uma oportunidade aí. Mas isso é bem diferente de colocar seu patrimônio pessoal nela.

Como assumimos o compromisso de ajudar o investidor pessoa física, nada mais justo do que abrir os nossos investimentos. Eu, a Luciana Seabra e a Olivia Alonso contamos ao vivo na última sexta-feira (30) em que investimos. Vale lembrar que, para manter nossa independência editorial, a equipe do Seu Dinheiro não investe diretamente em ações.

Fiz um resumo do que rendeu essa conversa e o debate completo está no vídeo abaixo.

Onde está seu dinheiro

Olivia Alonso

De todas as três, é a que assume mais riscos. Cerca de 80% das suas aplicações são em renda variável, contra 20% de renda fixa.

  • Renda fixa: investe no Tesouro Direto e tem títulos NTN-B (recentemente rebatizado de Tesouro IPCA+) e Tesouro Selic. Ela mesma admitiu que os fundos DI que a Lu indica podem ser melhores opções, mas lembrou que não era assim no passado - e que já investia antes da Luciana fazer suas recomendações.
  • Renda variável: Ela tem ainda 50% do seu capital investido em fundos multimercados, de ações e de small caps. O restante está em BOVA11, o fundo de índice do Ibovespa e menos de 1% em criptomoedas.

Luciana Seabra

Eis sua carteira pessoal:

  • 50% do capital dela está em renda fixa, já incluída sua reserva de emergência. Ela tem fundos DI e de crédito privado. Também compra Tesouro Direto prefixado. 
  • 30% em fundos multimercados. Deixa com eles a missão de encontrar boas oportunidades em títulos do Tesouro, como NTN-B.
  • 15% fundos de ações. A dica aqui é escolher bons gestores e confiar neles.
  • 5% fundo cambial. Apesar de não acreditar que o dólar vai disparar, recomenda que todos tenha uma posição em câmbio para se proteger de solavancos na economia.
  • Menos 1% em criptomoedas. É o dinheiro do tudo ou nada. Acha que pode perder tudo ou, quem sabe, ficar milionária.

Para a Previdência, ela usa uma conta a parte e faz depósitos mensais na Superprevidência, um plano que reúne um conjunto de fundos bons.

Marina Gazzoni

  • 99,2% em imóveis
  • 0,8% em CDB de liquidez diária que rende 100% do CDI (reserva de emergência)

Sou uma entusiasta do mercado imobiliário e minha estratégia pessoal é fazer aplicações em renda fixa até reunir capital para conseguir dar uma entrada em um imóvel. Fiz uma compra recente e, portanto, meu patrimônio está concentrado em imóveis.

O que você está olhando para entrar

Olivia Alonso

Small caps ligadas à indústria de maconha nos Estados Unidos e Canadá.

Luciana Seabra

Fundos de investimento em ouro.

Marina Gazzoni

Vou colocar parte do meu 13º salário em um fundo DI mais barato que o Tesouro Direto (recomendação da Luciana) e estou de olho em bitcoins.

Qual a sua maior recomendação

Olivia Alonso

Aproveite a virada do ano para repensar sua carteira de investimentos. É hora de sair daquela aplicação de renda fixa ruim (fundos com taxa de administração alta ou poupança, por exemplo) e entrar no Tesouro Selic ou fundos DI bons. Também é a hora de perder o mercado entrar na bolsa de valores. A visão da Olivia é que teremos um novo ciclo de alta pela frente na bolsa de valores brasileira.

Luciana Seabra

Existe uma oportunidade escancarada de compra para títulos prefixados do Tesouro. O mercado estava precificando uma alta da taxa de juros brasileira que não deve acontecer. Isso significa que a taxa atual está cara e deve ser corrigida lá na frente, o que tende a levar a uma valorização dos títulos prefixados. Veja como comprar esses títulos no Tesouro Direto.

Marina Gazzoni

Imóveis. As taxas de juros ainda devem permanecer baixas no próximo ano e o crédito imobiliário está barato. Os preços caíram na crise e a tendência é de alta nos próximos anos. Você ainda pode comprar antes do boom.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu