Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-10-28T18:08:32-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
CRIPTOMOEDAS

O cenário econômico impacta as criptomoedas?

Analista explica o contexto do criptomercado frente aos desafios econômicos ao redor do mundo

28 de outubro de 2021
18:05 - atualizado às 18:08

Na semana passada, o Bitcoin (BTC) atingiu sua máxima histórica, chegando aos US$ 66 mil, puxando inúmeras altcoins. Em meio ao bull market de criptomoedas, Valter Rebelo, analista desse segmento na Empiricus, faz uma breve análise a respeito do cenário econômico e a relação com o mercado de criptoativos

O conceito por trás das criptomoedas e o mercado financeiro

As criptomoedas atualizaram o conceito de dinheiro e de tecnologia. O termo “tecnologia”, quando partido em dois, representa a união de Tekhno e Logus, o “estudo do método”. O dinheiro, por sua vez, é uma tecnologia social, uma forma de contabilizar, transmitir e armazenar valor entre todos os membros que lhe dão credibilidade para comprar e vender bens e serviços que possibilitam nosso modo de vida. 

Todas essas trocas acontecem em mercados, seja de produtos ou serviços e esses mercados têm participantes em comum: indivíduos, famílias e empresas. Eles são regulados pelo governo e pagam taxas para que o mesmo, utopicamente, implemente melhorias na nação em forma de infraestruturas. 

Indivíduos, famílias e negócios também participam de um mercado em particular, que é o coração da economia e que permite o crescimento econômico: o mercado de crédito. Este é constituído por bancos e instituições financeiras de crédito, que fazem serviços financeiros e principalmente movimentações e transações feitas por seus depositários. 

Para liquidar essas transações, é comum os bancos pegarem empréstimos no pós-expediente com os demais bancos comerciais pelas câmaras de compensação. Os juros pagos nos empréstimos são de curto prazo e são influenciados pela política monetária do Banco Central. 

Os  Bancos Centrais, por sua vez, têm dois objetivos principais: fomentar a estabilidade e o pleno emprego, através  de políticas monetárias. Em um contexto onde os juros estão historicamente baixos, como é o caso dos Estados Unidos, próximo de 0%, o Fed (Federal Reserve) passou a aplicar uma política não convencional, a Quantitative Easing (QE). 

É comum que o Fed compre e venda títulos do Tesouro (Treasure) de bancos comerciais, injetando ou retraindo capital da economia, no que é chamado de operações de mercado aberto (ou open market operations). A diferença do QE para as operações se dá na maior diversidade de títulos de dívidas comprados pelo Fed e em termos de maturidade e emissores da dívida, bem como a magnitude dessas compras. Ao comprar títulos de maturidade diferentes, o Fed infla os preços desses ativos, reduzindo o rendimento de cada maturidade e assim diminuindo os juros de médio a longo prazo. Esse decaimento dos juros faz com que o crédito fique mais acessível e a economia gire mais rápido. 

Negócios e famílias financiam atividades econômicas com menor custo. Outra consequência da é a inflação de preços no mercado de ações, quando o investidor passa a procurar rendimentos maiores em ativos de maior risco. Quando o BC comunica políticas acumulativas, o mercado como um todo cria expectativa positiva que o Fed irá continuar com essa mesma postura. 

Tapering nos EUA: movimento de contração da economia

Com o anúncio do Fed sobre a possibilidade de começar o tapering a partir de novembro, isto é, diminuir a compra de títulos, fica evidente uma postura contracionista, uma resposta à escalada inflacionária  que temos visto. 

Essa trajetória de contração pode acarretar, dependendo da velocidade, em um aumento brusco dos juros e uma fuga de capitais do mercado de risco, resultando em grandes correções.

Apesar desse cenário ruim, a tese de digitalização do mundo não é afetada caso ele se manifeste, razão pela qual analistas como o Valter continuam firmes na crença de uma economia cada vez mais virtual e autônoma como visto na área de cripto. 

Quer aprender como investir em criptomoedas e ainda saber mais sobre como se proteger da inflação? Conheça o Superapp da Empiricus (disponível na App Store e Google Play), com cursos de vários temas de educação financeira especiais para o seu bolso!

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

NOVATA NA FINAL

Não estranhe: patrocinadora da final entre Palmeiras e Flamengo é a nova corretora de criptomoedas do Brasil; conheça Crypto.bom

A exchange resolveu investir no segmento de esportes e patrocina Fórmula 1, NBA e até o campeonato europeu

Raio-X

Análise: Por que a alta da inflação pode ameaçar o pacote de infraestrutura de Joe Biden?

O presidente americano tem ambiciosos planos pela frente, mas a alta da inflação e gargalos estruturais da economia podem alterar o rumo

A SEMANA EM GRÁFICOS

Covid-19 pressiona aéreas, turismo, Ibovespa e bitcoin, mas inflação avança no mundo: entenda a última semana com estes gráficos

As companhias aéreas sofreram perdas significativas na bolsa esta semana e nem o bitcoin (BTC) conseguiu se salvar

O MELHOR DA SEMANA

Piora da covid no mundo e criptomoedas além do bitcoin (BTC): 5 assuntos mais lidos no Seu Dinheiro esta semana

O mercado já trabalhava amplamente com a visão do verdadeiro normal. Mas os mercados globais voltaram a entrar em pânico com a covid-19

PAPO CRIPTO #007

Tecnologia que criou o bitcoin (BTC) pode reduzir custo de captação de recursos em quase 70%, diz chefe de ativos digitais do BTG

“Empresas pequenas e médias têm menor possibilidade de acesso ao mercado de capitais, muito por causa dos custos envolvidos”, comenta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies