2022-02-10T14:19:54-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
DÊ O PLAY

Qual o futuro das big techs após a crise no Facebook? E o Bitcoin, voltou para ficar? Os analistas do Seleção Empiricus respondem

O Seleção Empiricus desta semana também discutiu o início da temporada de balanços do quarto trimestre e trouxe três recomendações de investimento

10 de fevereiro de 2022
14:19
Arte para divulgação do Seleção Empiricus. Victor Aguiar e João Piccioni, apresentadores do programa, aparecem em preto e branco sob um fundo preto
Imagem: Seu Dinheiro

A Meta/Facebook provocou um abalo sísmico nas bolsas americanas: ao reportar uma contração na base de usuários e divulgar projeções que decepcionaram o mercado, as ações da empresa de Mark Zuckerberg derreteram 25% em um único pregão — e puxaram as big techs para baixo. Em paralelo, o Bitcoin (BTC) e as criptomoedas tiveram uma boa recuperação nos últimos dias, finalmente mostrando sinais de força. E, em meio a esse cenário turbulento, o Seleção Empiricus desta terça (8) se propôs a debater o futuro desses ativos; para assistir ao programa, é só dar play:

O balanço do quarto trimestre da Meta — a holding que controla Facebook, Instagram e WhatsApp — mostrou um declínio do número de usuários ativos diários em relação ao trimestre anterior pela primeira vez na história. Além disso, os resultados financeiros ficaram aquém do esperado, e as estimativas para o futuro foram... mornas.

Um desempenho que chocou Wall Street, especialmente quando comparado aos números de outras big techs, como Apple e Google, que tiveram um quarto trimestre forte. E agora, o que esperar da empresa? Será que seus dias estão contados e o desenvolvimento do metaverso está em risco?

Para Richard Camargo, analista da Empiricus e um dos convidados do Seleção desta terça, é preciso ter calma. "A gente achou bastante exagerada a reação [do mercado]", disse ele, ponderando que a queda no número de usuários ativos foi apenas marginal e não mostra uma tendência de "êxodo" de usuários do Facebook.

Um ponto que gerou surpresa nos resultados da Meta foi a citação ao TikTok e à mudança na política de privacidade da Apple — uma medida que dificulta a entrega de publicidade —, como forças importantes de concorrência e de ameaça ao atual modelo de negócios da empresa. Até então, não se falava abertamente em rivalidade.

Dito isso, Richard Camargo acredita que a Meta precisará passar por mudanças e fazer investimentos para se posicionar melhor frente à nova realidade. Ainda assim, o choque com o balanço do quarto trimestre e as eventuais dificuldades concorrenciais do curto prazo não devem afetar os planos mais longos para o metaverso.

O Facebook tem US$ 48 bilhões em caixa, a maior parte dele a ser direcionado para o desenvolvimento do metaverso. O Mark Zuckerberg já disse que, em 2022, vai investir cerca de US$ 10 bilhões [nessa causa]

Richard Camargo, analista da Empiricus

Bitcoin (BTC) e criptomoedas: inverno ou frente fria?

No mercado de criptomoedas, chama a atenção a retomada vista nos últimos dias: o Bitcoin (BTC), maior moeda digital do mundo, engatou uma sequência de altas e recuperou o patamar dos US$ 40 mil — ainda assim, segue distante das máximas históricas.

E agora, qual direção os criptoativos tomarão? O temido 'inverno cripto' só teve uma pausa e voltará com tudo, derrubando as cotações do Bitcoin e outros ativos, ou ele era apenas uma 'frente fria' passageira? Para Paulo Camargo, analista da Empiricus, é preciso ter calma antes de cravar uma tendência cristalina.

"O Bitcoin é um ativo extremamente alavancado, e essas movimentações, essa volatilidade, ela vai acontecer", diz o especialista, lembrando que até mesmo ativos mais 'tradicionais', como ações de grandes empresas, estão tendo oscilações grandes — vide o Facebook e sua queda de 25% pós-balanço.

Há, naturalmente, alguns pontos a serem observados de perto pelos investidores. A alta de juros nos EUA tem potencial para tirar liquidez do mercado de criptomoedas, uma vez que a rentabilidade dos títulos do Tesouro americano — ativos extremamente seguros — será cada vez maior.

As inúmeras propostas de regulação das criptomoedas que estão em debates em diversos países também podem mexer com o rumo do mercado, segundo Paulo Camargo — ele pondera, no entanto, que por mais que o noticiário referente a esse tema possa trazer volatilidade aos ativos, os esforços de regulação tendem a ter impactos positivos no médio e longo prazo.

Seleção Empiricus: recomendações e debates

Os analistas do Seleção Empiricus desta terça também comentaram os primeiros balanços da temporada do quarto trimestre de 2021 e falaram um pouco sobre as expectativas em relação aos números que ainda estão por vir. E, é claro: deram recomendações de ativos que apresentam boas perspectivas de retorno. É só dar play:

O Seleção Empiricus é apresentado por Victor Aguiar, repórter do Seu Dinheiro, e por João Piccioni, analista da Empiricus. O programa vai ao ar toda terça-feira, às 19h, ao vivo no YouTube da Empiricus e no LinkedIn do Seu Dinheiro.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

CAÇADOR DE TENDÊNCIAS

Oportunidade de lucro acima de 9% em swing trade com a Helbor (HBOR3); confira a recomendação

9 de agosto de 2022 - 8:26

Identifiquei uma oportunidade de swing trade – compra dos papéis da Helbor (HBOR3). Saiba mais detalhes

O melhor do Seu Dinheiro

Os sons do silêncio nas bolsas: Saiba como interpretar os ruídos dos mercados que mexem com os seus investimentos hoje

9 de agosto de 2022 - 8:24

De olhos e ouvidos atentos aos dados da inflação, investidores os juntarão ao quebra-cabeças da ata da última reunião do Copom

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Todos os olhos e ouvidos do Ibovespa voltados para a inflação de hoje enquanto as bolsas internacionais aguardam os dados dos EUA

9 de agosto de 2022 - 7:43

Os índices internacionais aguardam os números de inflação dos EUA, que só devem ser conhecidos na quarta-feira

Balanço

BTG Pactual (BPAC11) tem lucro de R$ 2,175 bilhões no 2T22 e renova recorde

9 de agosto de 2022 - 7:26

Lucro líquido recorrente de R$ 2,175 bilhões do BTG no segundo trimestre representa um avanço de 26,5% em relação ao mesmo período de 2021

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Um mundo tomado pela inflação: entenda ao que é preciso prestar atenção para saber se os preços vão finalmente parar de subir

9 de agosto de 2022 - 6:10

O processo de normalização dos preços será fundamental para que consigamos ter maior previsibilidade quanto ao futuro dos ativos de risco

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies