Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-11-25T16:27:16-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
VÍDEO

O Magazine Luiza (MGLU3) já caiu 65% no ano. Mas, para os analistas do Seleção Empiricus, ele ainda é melhor que a Via (VIIA3)

No Seleção Empiricus, os analistas debateram a queda do e-commerce e opinaram sobre a briga entre Magazine Luiza (MGLU3) e Via (VIIA3)

25 de novembro de 2021
5:42 - atualizado às 16:27

O Magazine Luiza (MGLU3), tão famoso por seus ganhos estratosféricos na bolsa, está tendo um ano que em nada lembra o seu histórico: os papéis, que já vinham no campo negativo desde o começo de 2021, acentuaram ainda mais as perdas após a divulgação do balanço do terceiro trimestre e, agora, amargam uma queda de 65% de janeiro para cá. Ainda assim, os analistas do Seleção Empiricus foram enfáticos: o Magalu ainda é melhor que a Via (VIIA3). Veja abaixo como foi o debate:

O xis da questão é o número elevado de players no mercado de e-commerce do Brasil: além das duas rivais, há também empresas como Americanas, Mercado Livre, Amazon, Aliexpress, Shoppee e outros sites asiáticos que começam a entrar com mais força no país. E, em linhas gerais, quanto mais concorrido é o setor, mais apertadas são suas margens.

"Não tem como ter três Mercados Livres no Brasil", disse Henrique Florentino, analista da Empiricus; ele foi um dos convidados desse episódio de estreia do novo Seleção. "Alguém vai ficar no caminho".

Para ele, o Magazine Luiza tem muitos méritos: a execução da estratégia de desenvolvimento digital e omnicanalidade foi muito bem feita, e o status de referência no e-commerce brasileiro é justo. Mas suas ações sempre tiveram múltiplos bastante esticados — e, por mais que a companhia seja competente, Florentino vê distorções nesses múltiplos elevados.

"É um mercado desafiador, difícil", afirmou o analista, destacando que a queda nas cotações de MGLU3 está puxando seu valuation para patamares mais adequados para o setor de e-commerce. "Não sei qual vai ser o ponto de múltiplo que vai equilibrar, esse é o ponto que eu tenho dúvida".

Repare que a queda mais acentuada dos dois papéis teve início a partir de junho; ironicamente, esse desempenho mais fraco veio no momento em que a reabertura da economia começou a ganhar impulso

Via (VIIA3): esqueletos no armário

E a Via? Por que os analistas estão tão desconfiados quanto ao futuro da companhia?

Para João Piccioni, analista e sócio da Empiricus, o fato de a Via apresentar um consumo recorrente de caixa é um ponto de incômodo; a postura excessivamente otimista dos executivos da empresa após a divulgação de um balanço cheio de problemas — e que derrubaram as ações em quase 15% — também trouxe estranhamento.

Afinal, todas as empresas de varejo mostraram dificuldades no trimestre; as lojas físicas tiveram um desempenho aquém do esperado, afetadas pelo aumento da inflação. Além disso, a Via surpreendeu o mercado ao anunciar uma provisão bilionária relacionada aos processos trabalhistas movidos contra a companhia.

Esse não foi o primeiro provisionamento trabalhista anunciado pela Via — em 2019, a empresa tomou uma medida semelhante, o que também causou impacto no mercado à época. Com a repetição da história, os analistas ponderam que a confiança dos analistas e investidores foi bastante abalada.

"E era uma das bandeiras dessa nova gestão, a questão do passivo trabalhista", disse Larissa Quaresma, analista da Empiricus. "Chegar agora e lascar uma provisão extraordinária, isso pegou muito mal".

O tom otimista visto na teleconferência da Via contrastou fortemente com o discurso mais sóbrio — talvez até um pouco pessimista — do evento promovido pelo Magazine Luiza. O presidente da companhia, Frederico Trajano, admitiu que o resultado de lojas físicas ficou aquém do esperado e deu a entender que um cenário mais difícil para o varejo e o e-commerce está por vir. Veja um trecho da fala do executivo:

Essa disparidade das duas traz muito medo. Você pergunta para mim quem vai ficar pelo caminho, a minha aposta é Via

João Piccioni, analista da Empiricus

Magazine Luiza (MGLU3) x Via (VIIA3): a questão dos múltiplos

Em resumo, os analistas reconhecem o bom trabalho feito pelo Magazine Luiza em seu processo de transformação digital, consolidando-se como um dos principais players de 1P (o e-commerce tradicional) do país em paralelo à expansão das lojas físicas. A empresa, agora, tenta avançar no 3P (o marketplace) — uma tarefa dura, dada a quantidade de players agressivos no mercado.

E, considerando a zona de turbulência que o setor de varejo tende a atravessar nos próximos meses, com inflação e juros altos, a tendência é que as ações do Magalu sintam o baque, passando por uma correção mais firme e retornando a patamares de valuation mais razoáveis.

Piccioni lembra que, em 2018, as ações MGLU3 eram negociadas com um múltiplo EV/Vendas de 0,7 a 0,8 vez; a rápida transformação digital, no entanto, jogou os papéis a um nível perto de 6 vezes — o que colocava a empresa brasileira em pé de igualdade com as maiores e melhores empresas de e-commerce do mundo.

Mas, num passado recente, mesmo as líderes globais desse setor (como Amazon ou Alibaba) estão passando por uma correção nos múltiplos; o Magazine Luiza, assim, acompanha a tendência global. "As ações do Magalu vão voltar a ser negociadas a 1 vez ou 1,5 vez EV/Vendas. Tem chão para cair", diz.

E a Via? Bem, Piccioni destaca que, em 2018, seu EV/Vendas estava em vez. E se esse movimento de correção atingi-la na mesma intensidade, a tendência é que a dona das Casas Bahia e do Ponto Frio volte a ser negociada a uma fração de seu total de vendas.

O Seleção Empiricus vai ao ar toda terça-feira, às 19h, no YouTube, sempre com apresentação de Victor Aguiar, repórter do Seu Dinheiro, e João Piccioni, analista e sócio da Empiricus. A cada programa, convidados especiais debatem o panorama macroeconômico e as implicações para os investimentos — sejam eles ações, câmbio, renda fixa, fundos imobiliários, criptomoedas ou qualquer outra classe de ativo. Veja abaixo a íntegra do programa desta semana:

VEJA TAMBÉM: Comprar BITCOIN hoje na B3 vale a pena? | LULA X BOLSONARO: o que esperar? | Weg (WEGE3) caindo 10%

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

INCERTEZAS NO RADAR

CEO da Moderna levanta dúvidas sobre eficácia de vacinas contra a ômicron e provoca reação negativa nos mercados

Stéphane Bancel disse que cientistas consultados por ele esperam ‘queda significativa’ na eficácia dos imunizantes contra a nova cepa

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Os investidores agora viraram virologistas: os impactos da Ômicron sobre os mercados

Ainda não sabemos o bastante para decidir se esta é uma oportunidade de compra, mas parecemos estar mais preparados como sociedade para enfrentar o problema

VAREJO DECEPCIONADO?

Black Friday supera prévias, mas vendas do fim de semana ainda ainda perdem para os números registrados em 2019

Segundo índice calculado pela Cielo, as vendas cresceram 6,9% em relação ao ano passado, mas foram 3,8% inferiores ao período pré-pandemia

Adeus ano velho

Ano novo, impostos novos! Reforma do IR fica para 2022, confirma presidente do Senado

O governo Bolsonaro pressionava pela aprovação da proposta para financiar o Auxílio Brasil, mas não conseguiu apoio na Casa

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Bitcoin e bolsa se recuperam após susto com nova variante, Azul e Latam sobem o tom e outros destaques do dia

Pouco se sabe ainda sobre a nova variante do coronavírus detectada na África do Sul, mas o que veio à público até agora é muito melhor do que o mercado financeiro precificou na última sexta-feira (26). Sem o pânico visto na semana passada, o Ibovespa encontrou forças para abrir a semana em alta.  Um estudo […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies