🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O INVESTIMENTO EM ATÉ 14,5X EM 8 DIAS? ENTENDA A PROPOSTA

Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
VÍDEO

Magazine Luiza (MGLU3) x Via (VIIA3): quem vence a batalha do e-commerce na bolsa?

Grandes varejistas do país, Magazine Luiza (MGLU3) e Via (VIIA3) têm defensores ferrenhos na bolsa; saiba mais sobre as teses de investimento

Victor Aguiar
Victor Aguiar
4 de novembro de 2021
6:36 - atualizado às 13:23
Montagem mostrando, ao lado esquerdo, o Baianinho das Casas Bahia, rede pertencente à Via (VIIA3); ao lado direito, aparece a Lu, mascote do Magazine Luiza (MGLU3)
Via (VIIA3) e Magazine LUiza (MGLU3) disputam até no front dos mascotes digitais - Imagem: Casas Bahia / Magazine Luiza / Shutterstock, com intervenção de Andrei Morais

Nas infinitas discussões da bolha do mercado financeiro, poucos temas são dão mais pano para a manga que o embate entre Magazine Luiza (MGLU3) e Via (VIIA3). De um lado, há os que defendem o Magalu e seu forte ritmo de crescimento; de outro, há os que enxergam na dona das Casas Bahia e do Ponto Frio um diamante bruto, pronto para dar retornos enormes no curto prazo. Nós, do Seu Dinheiro, resolvemos estudar a fundo as duas empresas:

Para falar com propriedade sobre o e-commerce, é preciso entender o passado, o presente e o futuro do setor. Afinal, esse é um segmento bastante dinâmico e que passa por transformações num curto intervalo de tempo — e, sendo assim, quem captura as tendências antes acaba tendo uma vantagem competitiva.

Nesse sentido, o Magazine Luiza saiu na frente: lá atrás, quando pouco se falava em comércio digital, a empresa investiu pesado na criação de uma plataforma sólida para vendas online. A aposta rendeu frutos no futuro: o Magalu viu suas vendas darem um salto e, na bolsa, suas ações acumularam ganhos estratosféricos.

Dito isso, muitos investidores vivem em busca do "novo Magazine Luiza", uma empresa que esteja desvalorizada na bolsa, mas que apresente perspectivas futuras animadoras. E há quem ache que a Via é essa companhia, considerando que ela possui uma enorme avenida para se desenvolver no front digital.

Mas, afinal de contas: em que pé estão as duas rivais?

Magazine Luiza x Via: o tripé do varejo

Em linhas gerais, as grandes varejistas possuem três frentes de atuação:

  • Marketplace, ou 3P: modalidade em que vendedores externos usam a plataforma digital da empresa para comercializar seus produtos;
  • E-commerce tradicional, ou 1P: vendas diretas da companhia ao consumidor final, através do canal digital;
  • Lojas físicas: as boas e velhas lojas 'de tijolo e cimento'.

Hoje, Magazine Luiza e Via estão empatados em termos de vendedores em seus marketplaces, cada uma com cerca de 100 mil lojistas externos. É importante ressaltar, no entanto, que a Via tem crescido com maior intensidade: no começo do ano, ela tinha 10 mil cadastrados — o Magalu, em comparação, adicionou 'apenas' 40 mil vendedores desde o começo da pandemia.

Sendo assim, embora o marketplace do Magazine Luiza ainda tenha volumes de vendas maiores, a plataforma da Via tem crescido numa taxa superior. Ou seja: a cada trimestre, o mercado vai ficar de olho na evolução da receita bruta obtida por cada uma das empresas nesse front.

Mas, dito isso, também é importante ressaltar que as vendas via marketplace ainda são muito inferiores aos volumes do e-commerce tradicional — e, nesse ponto, o Magalu ainda tem uma vantagem grande sobre a Via, tendo uma receita bruta maior e uma taxa de expansão mais alta.

Por fim, a Via é líder nas lojas físicas: ao operar redes consagradas no mercado brasileiro, como Ponto Frio e Casas Bahia, ela gera mais receita que o Magazine Luiza. Considerando essas três frentes, veja como se comportaram as vendas totais das duas empresas ao longo dos trimestres:

Gráfico de área mostrando a evolução das vendas totais de MAgazine Luiza (MGLU3) e Via (VIIA3) ao longo dos trimestres

MGLU3 x VIIA3: múltiplos muito diferentes

A análise do comportamento das vendas, no entanto, não é o único fator a ser levado em conta: há toda a questão de estratégia de negócios. O Magalu, tradicionalmente, tenta dar os primeiros passos em novas áreas — a compra da Netshoes, por exemplo, posicionou a empresa no setor de artigos esportivos e ampliou o leque de seu e-commerce; o avanço sobre os serviços financeiros e produção de conteúdo também marca uma nova frente de crescimento.

Por outro lado, a Via tem investido forte no desenvolvimento de suas plataformas digitais, que ficaram negligenciadas num passado não tão distante. E, considerando a força das marcas sob sua administração, há a percepção de que a empresa possui amplo espaço para crescer — e de maneira rápida, diminuindo a distância para o Magazine Luiza e outras rivais no varejo online.

No lado do mercado de ações, chama a atenção a diferença entre as companhias no lado dos múltiplos. As ações ON do Magazine Luiza (MGLU3) são negociadas com um P/L próximo a 100x, uma relação que se assemelha à das grandes empresas de tecnologia dos EUA; o EV/Ebitda de 35x também é bastante esticado.

Já Via ON (VIIA3) tem múltiplos bem mais modestos: P/L de 8,5x e EV/Ebitda de 7x. De cara, VIIA3 parece bem mais atrativa que MGLU3, mas é preciso lembrar dos diferentes momentos no ciclo de maturidade do e-commerce de cada uma. Ainda assim, muitos argumentam que ou o Magazine Luiza está caro, ou a Via está barata.

Dito isso, chama a atenção o fato de que ambas as empresas têm tido um 2021 bastante negativo na bolsa, amargando perdas de cerca de 40% desde o começo do ano. Essa queda, por si só, já faz com que os múltiplos de ambas estejam abaixo de suas médias históricas — será hora de comprar?

É um cenário complexo: ambas as teses possuem suas forças e fraquezas. E, no vídeo desta semana do "Ações para ficar de olho", nós discutimos a fundo cada um dos pontos:

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar