Menu
2019-08-08T18:13:22+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Sem estresse

Apesar da guerra comercial, o Ibovespa e as bolsas globais tiveram um dia zen

O clima mais ameno nos mercados globais permitiu que o Ibovespa tivesse um dia bastante tranquilo e retomasse os 104 mil pontos

8 de agosto de 2019
10:31 - atualizado às 18:13
Monge meditando
Ibovespa flutuou e voltou aos 104 mil pontos; dólar caiu a R$ 3,92 - Imagem: Shutterstock

Os agentes financeiros globais passaram a quinta-feira (8) repetindo um mantra:

Hoje não, guerra comercial. Hoje, não

Desde o início do dia, os mercados globais mostraram-se dispostos a não se deixar contaminar pelo estresse gerado pelas disputas entre Estados Unidos e China. Fecharam os olhos, controlaram a respiração e trataram de limpar a mente. E, leves como uma pluma, o Ibovespa e as bolsas americanas levitaram.

O principal índice acionário brasileiro, por exemplo, fechou o pregão em alta de 1,30%, aos 104.115,23 pontos — na máxima, o Ibovespa chegou a avançar 1,46%, aos 104.281,89 pontos. E, em Nova York, o Dow Jones (+1,43%), o S&P 500 (+1,88%) e o Nasdaq (+2,24%) também tiveram ganhos expressivos

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Toda essa postura zen tem como base o noticiário internacional. Apesar de ainda não haver sinais de alívio na guerra comercial — pelo contrário, o yuan voltou perder força em relação ao dólar e o presidente americano, Donald Trump, continuou atirando para todos os lados no Twitter — outros desdobramentos trouxeram paz de espírito aos mercados.

Em destaque, aparece a balança comercial da China em julho, que veio bem mais forte que o projetado pelos analistas e especialistas. Com o resultado, aumentou a percepção de que o gigante asiático ainda não está sendo fortemente impactado pelos atritos com os EUA, o que trouxe tranquilidade às negociações.

O mercado de câmbio também aproveitou esse contexto para meditar: por aqui, o dólar à vista passou por um forte alívio e fechou em baixa de 1,18%, a R$ 3,9275 — comportamento semelhante ao visto no exterior, onde a moeda americana também perdeu terreno em relação às demais divisas de países emergentes.

Guerra e paz

A guerra comercial ganhou novos episódios nesta quinta-feira: o Banco do Povo da China (PBoc, na sigla em inglês), voltou a depreciar o yuan em relação ao dólar, mas esse movimento foi menos intenso do que o projetado pelos mercados — o que deu força à leitura de que Pequim não pretende entrar numa guerra cambial neste momento.

Além disso, os dados da balança comercial da China em julho vieram mais fortes que o esperado: as exportações do país asiático subiram 3,3% no mês passado, enquanto as importações caíram 5,6%, gerando um superávit comercial de US$ 45 bilhões.

Esse resultado indica que a economia do país asiático tem conseguido resistir aos potenciais impactos negativos das disputas com os Estados Unidos. E esse fator, em conjunto com o tom 'ameno' do PBoC, contribuiu para trazer alento às negociações globais, dando força aos ativos de risco e de países emergentes.

"As últimas sessões foram bem negativas, então o mercado aproveitou essa conjuntura de hoje para respirar um pouco", destaca Rafael Passos, analista da Guide Investimentos. "Mas a guerra comercial segue no radar dos investidores. A China está, de fato, confrontando os Estados Unidos".

Olhando para dentro

Com o clima mais favorável no exterior, os agentes financeiros locais ficam mais tranquilos para dar atenção aos desdobramentos do cenário doméstico, em especial, a conclusão da votação da reforma da Previdência pela Câmara dos Deputados, na noite de ontem — dando sustentação extra ao Ibovespa e ao dólar à vista.

A Câmara rejeitou os oito destaques apresentados, mantendo o texto-base da proposta inalterado, mantendo a potência fiscal prevista pela reforma num patamar acima dos R$ 900 bilhões em 10 anos. Agora, o projeto segue para aprovação no Senado.

Em linhas gerais, o mercado já dava a aprovação da Previdência como certa desde que o texto recebeu sinal verde na votação em primeiro turno no plenário da Câmara, em julho. No entanto, a possibilidade de desidratação da reforma via destaques trazia alguma apreensão aos agentes financeiros — temor que foi definitivamente afastado.

Calminho, calminho

A força demonstrada pela balança comercial chinesa acabou aumentando a propensão dos agentes financeiros ao risco, e esse movimento foi bastante perceptível no mercado de câmbio. As moedas de países emergentes e exportadores de commodities, que se desvalorizaram em bloco em relação ao dólar nos últimos dias, hoje recuperaram parte do terreno perdido.

Com os mercados assumindo uma postura menos defensiva, ocorreu um movimento de busca por ativos mais rentáveis. No câmbio, essa movimentação implica numa saída das posições em dólar em direção às divisas emergentes.

Nesta quinta-feira, quase todas as moedas com esse perfil ganharam força, com destaque para os pesos da Colômbia, do Chile e do México; para a lira turca e para o forint húngaro — além, é claro, do real.

Vale ressaltar que, por aqui, o dólar à vista já acumulava ganhos de 4% em julho até ontem, quando fechou a R$ 3,9743 — o que abre espaço para um alívio mais amplo nesta quinta-feira.

Juros distensionados

As curvas de juros passaram por mais um leve ajuste negativo nesta quinta-feira. E o movimento de hoje possui relação com o resultado da inflação medida pelo IPCA em julho: o indicador ficou em 0,19%, a menor taxa para o mês desde 2014.

Com a inflação controlada, cresce a percepção de que o Banco Central tem espaço para promover mais cortes na Selic. E, com esse princípio em mente, os agentes financeiros ajustaram as curvas de juros.

Na ponta curta, os DIs para janeiro de 2020 caíram de 5,51% para 5,47%, e os com vencimento em janeiro de 2021 recuaram de 5,42% para 5,40%. No vértice longo, as curvas para janeiro de 2023 foram de 6,37% para 6,34%, e as com vencimento em janeiro de 2025 fecharam em baixa de 6,88% para 6,83%.

Mais balanços

Voltando ao Ibovespa, outro destaque fi a continuidade da temporada de balanços corporativos, com três empresas que integram o índice reportando seus números recentemente: Banco do Brasil, Braskem e Azul — você pode conferir um resumo dos números nesta matéria especial.

A companhia aérea Azul saiu do prejuízo e registrou lucro líquido de R$ 345,5 milhões entre abril e junho deste ano — como resultado, as ações PN da empresa (AZUL4) subiram 2,60%. Em relatório, o Itaú BBA afirmou que os números da Azul foram bons, mas em linha com o esperado — a margem operacional "sólida" foi um dos destaques do trimestre.

Já os papéis ON do Banco do Brasil (BBAS3) tiveram um desempenho mais discreto, em alta de 0,72%, apesar do salto de 36,8% no lucro líquido, para R$ 4,432 bilhões. Para o UBS, apesar do crescimento no lucro, chama a atenção as maiores provisões no trimestre — o que ajuda a reduzir a empolgação com os resultados.

Por fim, Braskem PNA (BRKM5) caiu 2,28% e teve o pior desempenho do Ibovespa, após a petroquímica registrar uma baixa de 79% no lucro líquido, para R$ 102 milhões. O Safra afirma que os dados operacionais da Braskem foram fracos, o que justifica a má reação dos papéis da empresa.

Commodities se recuperam

Após passarem os últimos dias sob intensa pressão por causa da escalada nas tensões entre Estados Unidos e China, o minério de ferro e o petróleo encontram espaço para recuperarem parte do terreno perdido — e, assim, os papéis ligados a esses produtos também avançam.

O minério de ferro fechou em alta de 0,87%, interrompendo uma sequência de seis baixas consecutivas na cotação da commodity. Esse fator, somado ao otimismo em relação à economia da China após os dados da balança comercial, dá força às ações da Vale e das siderúrgicas, um dos grandes consumidores globais de minério e de aço.

Nesse contexto, Vale ON (VALE3) subiu 1,51%, CSN ON (CSNA3) teve alta de 2,47%, Gerdau PN (GGBR4) avançou 3,24% e Usiminas PNA (USIM5) teve ganho de 4,01% — esta última liderou os ganhos do Ibovespa nesta quinta-feira.

O petróleo também se recuperou, tanto o WTI (+2,84%) quanto o Brent (+2,05%), o que dá força aos papéis da Petrobras: os PNs (PETR4) subiram 2,93% e os ONs (PETR3) avançaram 2,38%.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

O HOMEM MAIS RICO

Jeff Bezos: paciência para esperar o lucro da Amazon fez o maior bilionário do mundo

Como o empresário transformou uma pequena livraria online em uma das maiores varejistas do mundo e desbancou Bill Gates da lista da Forbes com uma fortuna estimada em US$ 148 bilhões.

Demissão anunciada

Ministro da Fazenda da Argentina renuncia ao cargo e traz novas turbulências ao mercado internacional

Anúncio foi feito por meio de uma carta enviada a Mauricio Macri em que Nicolás Dujóvne justifica a necessidade de uma renovação na área econômica

Bandeira branca no radar?

EUA devem estender licença da chinesa Huawei para atender clientes do país

Movimento dos EUA pode ser visto como positivo para o fim da guerra comercial com a China já que a companhia foi um dos focos de tensões entre os gigantes

Governador de Minas

‘Governo entra em pautas minúsculas’, avalia Romeu Zema

Em entrevista, governador de MG nega que esteja sendo “tutelado” pelo partido Novo e avaliou que o presidente Jair Bolsonaro deveria “focar em coisas maiores, grandiosas”

Corrida contra o tempo

Tarifa de importação do Mercosul pode cair já em 2020

Com receio de que o grupo político da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner volte ao poder, o governo brasileiro tem pressa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements