Menu
2019-08-08T14:01:52+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
de olho nos preços

Inflação oficial registra menor taxa para julho em 5 anos

IPCA passou de 0,01% em junho para 0,19% neste mês, informou o IBGE nesta quinta-feira

8 de agosto de 2019
11:59 - atualizado às 14:01
Consumo inflação mercado
Imagem: Shutterstock

A inflação passou de 0,01% em junho para 0,19% em julho - menor taxa para o mês desde 2014, quando ficou em 0,01%. Os dados são do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgado nesta quinta-feira, 8, pelo IBGE.

O índice acumula alta de 2,42% em 2019 e de 3,22% nos últimos 12 meses, seguindo abaixo da meta de 4,25% definida para o ano.

A alta foi puxada pelo aumento da energia elétrica, que segundo o instituto, aconteceu pela mudança da bandeira tarifária, que passou de verde para amarela, e o reajuste da tarifa em São Paulo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

De acordo com o analista da pesquisa, Pedro Kislanov, se não fosse a energia elétrica, o IPCA de julho ficaria muito próximo da estabilidade, pois outros grupamentos importantes, como alimentação, transportes e saúde e cuidados pessoais, tiveram estabilidade ou queda.

Grupos

O grupo alimentação e bebidas, que responde por cerca de um quarto das despesas das famílias, ficou estável, com variação de 0,01%. “Por um lado, houve aumentos em alimentos como cebola, frutas e carnes. Por outro, tomate, hortaliças e batata-inglesa tiveram quedas nos preços”, esclarece Pedro.
Já os transportes tiveram deflação em julho, com uma variação de -0,17% e impacto de -0,03 p.p. Apesar das passagens aéreas terem aumentado pelo segundo mês seguido, foram os combustíveis que ditaram o comportamento de queda do grupo. “A gasolina caiu 2,80% e já vinha de uma queda de 2,04% em junho. Também o etanol caiu 3,13%, vindo de uma queda de 5,08% no mês anterior”, analisa Pedro.

Destacou-se ainda, a deflação observada no grupo saúde e cuidados pessoais, que caiu 0,20% por conta dos itens de higiene pessoal, que tiveram descontos e promoções. Com isso, o grupo gerou um impacto negativo de -0,02 p.p.

Por outro lado, o grupo de despesas pessoais subiu 0,44%, ficando com o segundo maior impacto positivo no mês (0,05 p.p). O grupo foi pressionado pelos itens excursão, com aumento de 4,43%, e empregado doméstico, com aumento de 0,24%.

Pressões pontuais

Em avaliação sobre os números mensais, o gerente no Sistema Nacional de Índices de Preços do IBGE, Fernando Gonçalves, afirmou que a inflação sofre pressões pontuais, não há nada ainda que indique influência de um eventual aumento na demanda por bens e serviços.

Segundo Gonçalves, o aumento sazonal na procura por passagens aéreas e alimentação fora de casa durante as férias de julho impulsionou os preços desses itens no mês. No entanto, a elevada informalidade no mercado de trabalho e o alto nível de endividamento das famílias ainda não dão segurança para que aumentem o consumo, opina o pesquisador.

"Só pressões pontuais, nada que indique pressão de demanda", disse Gonçalves.

Para as próximas leituras do índice de preços, o gerente do IPCA lembra que está previsto o impacto da entrada em vigor da cobrança extra na conta de luz pela incidência da bandeira vermelha, mas a safra recorde esperada para este ano pode ajudar a amenizar a pressão sobre a inflação através dos alimentos. "Pode ser que tenha impacto para frente sim, se for uma safra boa. Considerando que alimentos tem peso de um quarto do índice", lembrou.

A bandeira vermelha patamar 1 implicará na cobrança de energia elétrica em agosto de R$ 4,00 adicionais a cada 100 kW/h consumidos. "A gente tem que ver os outros componentes para saber como vai ficar (o IPCA). Isso (bandeira vermelha) com certeza tem um impacto no índice como um todo. A safra agrícola veio muito boa, alimentos têm peso importante", acrescentou.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

saindo do atoleiro

Aviação executiva começa a dar sinais de recuperação após a crise

Executivos de empresas que chegaram a vender menos de cinco aeronaves nos piores anos de recessão afirmam que os seis primeiros meses de 2019 já foram melhores do que todo 2018

dinheiro que entra

Arrecadação em julho soma R$ 137,735 bilhões, diz Receita

Valor arrecadado foi o melhor desempenho para meses de julho desde 2011; resultado veio dentro do intervalo de expectativas de especialistas

olho nos números

Prévia da inflação de agosto tem menor taxa para o mês desde 2010

IPCA-15 variou 0,08%; no ano, o índice acumula alta de 2,51% e, em 12 meses, de 3,22%, informa o IBGE

atenção

Confiança do consumidor sobe em agosto, mas ainda há cautela, diz FGV

Índice de Confiança do Consumidor subiu 1,1 ponto no mês em comparação a julho, chegando a 89,2 pontos

segue a tensão

China promete novamente contramedidas em reação a tarifas dos EUA

Segundo o porta-voz, apesar da decisão do presidente americano, Donald Trump, de adiar algumas das cobranças, as tarifas violaram um consenso entre as potências

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Prudência

Cautela no exterior faz Ibovespa operar em queda; dólar sobe a R$ 4,05

O Ibovespa aparece no campo negativo e volta ao patamar dos 100 mil pontos, pressionado pelo tom de maior precaução que toma conta dos ativos globais

Câmbio

BC vende US$ 550 milhões em leilão à vista de dólar

Com venda integral do lote ofertado, não teremos, hoje, o leilão de swap tradicional. Mercado trocou swap por dólar de verdade

no documento

BCE discutiu pacote de estímulos monetários em reunião de julho, mostra ata

Banco Central Europeu também considerou examinar formas de fortalecer sua orientação futura (“forward guidance”) paras os juros

tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Bienvenido ao paraíso dos especuladores

Enquanto (quase todos) os bancos centrais do mundo reduzem os juros, há uma taxa em escalada aqui do lado. A Argentina subiu seu juro para 74% ao ano diante do pânico dos investidores com a vitória da esquerda nas eleições primárias no início do mês. Poxa, 74% ao ano na renda fixa é uma bolada, […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements