Menu
2019-08-08T12:56:56+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Jogo perigoso

Trump faz mais um aceno rumo à guerra cambial

Presidente americano, Donald Trump, volta a atacar o Fed afirmando que juro alto fortalece o dólar, prejudicando as empresas americanas

8 de agosto de 2019
12:56
O presidente dos EUA Donald Trump
O presidente americano Donald Trump - Imagem: Shutterstock

Dia sim e outro também, o presidente americano Donald Trump despeja impropérios sobre a política do Federal Reserve (Fed), banco central americano. Trump não se conforma com a decisão e aceno do Fed de que o momento não pede uma redução agressiva da taxa de juros, atualmente fixada entre 2% e 2,25% ao ano.

Trump tem feito um jogo perigoso e potencialmente destrutivo envolvendo o Fed e os chineses e cada nova declaração parece embutir a disposição do presidente americano de partir da guerra comercial para uma guerra cambial.

Sendo coloquial, Trump está pressionando o Fed a atuar e deixa a entender que se não for atendido, vai ligar para o Tesouro americano e pedir por intervenção cambial para baixar o valor do dólar.

A grande questão é que não se sabe como isso poderá ser feito. Vai vender dólar contra qual moeda? Outros governos vão atuar em conjunto? Qual seria a resposta dos chineses, europeus e japoneses?

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Acenos

Essa percepção decorre de alguns eventos recentes. Primeiro da decisão do Tesouro americano de classificar a China como “manipulador de moeda”, pela primeira vez desde 1994. O efeito prático imediato não é grande, mas há um aceno político forte. Como um alerta, que veio justamente no dia que o BC da China deixou o yuan passar da linha dos 7 dólares, causando forte instabilidade nos mercados globais na segunda-feira.

Ontem, Trump criticou o Fed novamente e falou “que vamos ganhar de qualquer forma”, mas seria mais fácil se o Fed entendesse que os EUA “estão competindo” com outros países e que todos querem se dar bem às custas dos americanos.

Nesta quinta-feira, ele foi mais explícito ainda ao falar que o juro praticado pelo Fed, em comparação com outros países, “está mantendo o dólar alto”, tornando mais difícil a competição das empresas americanas.

“Temos as maiores e melhores empresas do mundo, ninguém chega nem perto, mas infelizmente o mesmo não pode ser dito do nosso Fed. Eles têm errado todos os passos e nós ainda estamos ganhado. Você consegue imaginar o que aconteceria se eles realmente acertassem o passo?”, escreveu.

Olhando o comportamento das bolsas hoje, parece não ter risco nesse jogo de Trump. Mas guerras cambiais são marcadas por rápida escala, com países cortando juros ou intervindo em taxas de forma repetitiva. Cenário pouco salutar em um ambiente no qual se consolidam expectativas de menor crescimento mundial.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

O HOMEM MAIS RICO

Jeff Bezos: paciência para esperar o lucro da Amazon fez o maior bilionário do mundo

Como o empresário transformou uma pequena livraria online em uma das maiores varejistas do mundo e desbancou Bill Gates da lista da Forbes com uma fortuna estimada em US$ 148 bilhões.

Demissão anunciada

Ministro da Fazenda da Argentina renuncia ao cargo e traz novas turbulências ao mercado internacional

Anúncio foi feito por meio de uma carta enviada a Mauricio Macri em que Nicolás Dujóvne justifica a necessidade de uma renovação na área econômica

Bandeira branca no radar?

EUA devem estender licença da chinesa Huawei para atender clientes do país

Movimento dos EUA pode ser visto como positivo para o fim da guerra comercial com a China já que a companhia foi um dos focos de tensões entre os gigantes

Governador de Minas

‘Governo entra em pautas minúsculas’, avalia Romeu Zema

Em entrevista, governador de MG nega que esteja sendo “tutelado” pelo partido Novo e avaliou que o presidente Jair Bolsonaro deveria “focar em coisas maiores, grandiosas”

Corrida contra o tempo

Tarifa de importação do Mercosul pode cair já em 2020

Com receio de que o grupo político da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner volte ao poder, o governo brasileiro tem pressa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements