Menu
2019-06-21T11:52:01+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Corte de juros no horizonte

Exterior ajuda e dólar cai 1,24% na semana, a R$ 3,87; Ibovespa acumula alta de 0,82%

O Ibovespa e o dólar encerraram a semana com saldo positivo. Apesar das instabilidades locais, a confiança no exterior quanto a um ajuste negativo nos juros dos EUA deu ânimo aos ativos globais

7 de junho de 2019
10:38 - atualizado às 11:52
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa
Ibovespa teve saldo positivo na semana; dólar caiu a R$ 3,87 - Imagem: Seu Dinheiro

A semana foi marcada por uma certa tensão em Brasília. A percepção de risco quanto ao estado da articulação política teve suas idas e vindas desde segunda-feira — e essa constante sucessão de estados de estresse e relaxamento em relação ao noticiário local trouxe volatilidade ao Ibovespa e ao dólar nos últimos dias.

Mas um fator manteve-se constante nas últimas sessões: a tranquilidade no exterior. Não que a guerra comercial tenha regredido, longe disso. Mas um novo fator começa a ganhar força na dinâmica dos mercados: a possibilidade de um novo corte de juros por parte do Federal Reserve (Fed), o Banco Central americano.

Essa perspectiva trouxe alívio às bolsas de Nova York e fez o dólar recuar em termos globais. E essa dinâmica vista lá fora preponderou sobre as instabilidades locais: o dólar à vista caiu 0,16% nesta sexta-feira (7), a R$ 3,8770, acumulando baixa de 1,24% na semana, e o Ibovespa avançou 0,63% hoje, aos 97.821,26 pontos, um ganho de 0,82% desde segunda-feira.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

A bola está com o Fed

No exterior, a guerra comercial seguiu nos holofotes: as disputas entre os Estados Unidos e a China continuam a todo o vapor — e o governo americano abriu mais um front de conflito, ameaçando sobretaxar os produtos do México. E esse noticiário, é claro, tem implicações negativas aos mercados.

Em meio à incerteza quanto ao futuro, os agentes financeiros começaram a dar mais atenção aos dados da economia americana no presente — e as informações não são animadoras. Diversos índices já começam a apontar para um desaquecimento da atividade nos Estados Unidos. E esse noticiário, é claro, também traz implicações negativas aos mercados.

Só que, neste caso, dois negativos formam um positivo.

Eu explico: com a economia americana dando indícios de desaceleração e com a guerra comercial prometendo gerar impactos ainda maiores no futuro, ganhou força uma corrente de pressão sobre o Fed. Afinal, o mercado acredita que esse cenário já é suficiente para que a autoridade americana promova um novo ajuste negativo na política monetária do país

A ideia é baixar os juros para estimular já a economia, evitando que a atividade americana sofra com uma desaceleração ainda maior. E, a julgar pelo tom adotado pelas autoridades do Fed nesta semana, a porta está aberta para esse movimento.

O presidente da instituição, Jerome Powell, disse estar pronto para atuar se a guerra comercial e outros assuntos afetarem a economia americana. O presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, também adotou uma retórica parecida, mostrando-se favorável a um novo corte de juros.

E hoje, dados decepcionantes do mercado de trabalho dos EUA em maio deram mais força a essa narrativa: ao todo, foram criadas 75 mil novas vagas no mês passado, muito abaixo das estimativas, que apontavam para uma geração de 180 mil novos postos.

Com essa perspectiva de estímulo monetário no horizonte, o dólar perdeu força ante a maior parte das divisas globais na semana. E o otimismo também contagiou as bolsas de Nova York.

Nesta sexta-feira, o Dow Jones (+1,02%), o S%P 500 (+1,05%) e o Nasdaq (+1,66%) fecharam com altas firmes. E, no acumulado da semana, os mercados acionários dos EUA tiveram ganhos expressivos: o Dow Jones subiu 4,7%, o S&P 500 avançou 4,4% e o Nasdaq teve valorização de 3,87%.

"A expectativa de corte de juros nos Estados Unidos derruba o dólar frente as outras moedas porque há uma diminuição da aversão a risco", explica Pablo Spyer, diretor da corretora Mirae Asset. "Uma possível queda de juros por lá aumenta o ímpeto dos investidores de trazer dinheiro para países emergentes, como o Brasil".

Idas e vindas em Brasília

Por aqui, a dinâmica segue a mesma: o mercado acompanhou as movimentações em Brasília. Notícias que tragam implicações negativas à reforma da Previdência geram apreensão, e sinalizações de que a revisão nas regras da aposentadoria continuarão caminhando bem trazem alívio aos ativos locais.

A primeira metade da semana trouxe alguma tensão às negociações. A reunião da Comissão Mista de Orçamento (CMO) que votaria a concessão de um crédito extra ao governo, visando o cumprimento da chamada "regra de ouro", foi suspensa, sem que os deputados conseguissem entrar num acordo.

Essa dificuldade enfrentada pelo governo para a aprovação de um tema importante para a gestão Bolsonaro não foi bem recebida pelo mercado. Afinal, se essa pauta não consegue avançar tranquilamente, um tema mais espinhoso, como a reforma da Previdência, tende a passar por dificuldades semelhantes ou maiores.

Além disso, houve certa frustração por causa do adiamento da entrega do parecer da reforma na comissão especial da Câmara — o deputado Samuel Moreira irá entregar o documento apenas na semana que vem.

Só que esse clima de apreensão se dissipou na segunda metade da semana. E o alívio veio do Supremo Tribunal Federal (STF): a corte decidiu que não há necessidade de lei para a venda das subsidiárias de empresas estatais. Também foi revogada a liminar que proibia a venda da TAG pela Petrobras.

A decisão do STF fortalece a percepção de que o "pacto" entre os Três Poderes para a retomada da economia está sendo colocado em prática. Tal cenário eleva o otimismo quanto à cooperação do Legislativo — o terceiro elemento desse acordo — na tramitação da reforma da Previdência.

De olho na Selic

No Brasil, a inflação medida pelo IPCA ficou em 0,13% em maio, desacelerando ante os 0,57% registrados em abril. E esse dado afetou diretamente as curvas de juros.

O cenário de inflação menos intensa soma-se à percepção de que a economia local segue fraca — e essa combinação de fatores faz o mercado aumentar as apostas quanto a um ajuste negativo na Selic no curto prazo, de modo a estimular a atividade econômica.

As curvas de juros refletem essa confiança do mercado e fecharam em forte queda. Na ponta curta, os DIs para janeiro de 2020 caíram de 6,26% para 6,21%, e os com vencimento em janeiro de 2021 recuaram de 6,39% para 6,27%.

Na ponta longa, as curvas com vencimento e janeiro de 2023 tiveram baixa de 7,28% para 7,18%, e as para janeiro de 2025 foram de 7,85% para 7,76%.

Estácio nas alturas

As ações ON da Estácio (ESTC3) tiveram forte alta de 7,44% nesta sexta-feira e lideram os ganhos do Ibovespa. Mais cedo, o Itaú BBA elevou a recomendação para os papéis, passando de neutro para "outperform" (acima da média do mercado), e estabeleceu preço-alvo de R$ 40,00 — os ativos fecharam a R$ 29,45.

Petrobras respira aliviada

Com a liberação da venda da TAG para a Engie, o mercado ficou mais confortável para comprar as ações da Petrobras. Os ativos ON da estatal (PETR3) subiram 2,72% e os PNs (PETR4) tiveram ganho de 1,83% — o bom desempenho do petróleo no exterior, tanto o WTI (+2,66%) quanto o Brent (+2,10%), também deu força às ações.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Apoio declarado

Em podcast, Maia diz que decisão do governo de transferir Coaf para BC é boa

Presidente da Câmara afirmou também que a Casa irá discutir a proposta de autonomia do Banco Central

Seu Dinheiro na sua noite

Belo, recatado e dólar

Foi Edmar Bacha, um dos criadores do Plano Real, quem ensinou a jamais fazer previsões sobre o dólar. É dele a conhecida frase de que a taxa de câmbio foi criada por Deus apenas para humilhar os economistas. Hoje foi um típico dia de humilhação para quem acompanha o mercado financeiro. Mesmo com o noticiário […]

Google e Facebook na mira

Procuradores dos EUA preparam investigação antitruste de gigantes de tecnologia

Investigações devem se concentrar no uso de algumas plataformas de tecnologia dominantes para ofuscar a concorrência

Dança das cadeiras

Receita confirma substituição do subsecretário-geral João Paulo Ramos Fachada

Servidor de carreira, Fachada era o número dois da Receita e é, na prática, o responsável pela gestão do dia a dia do Fisco

Agilidade

Líder do governo defende votar reforma tributária em 45 dias no Senado

Se executado, o prazo coincidiria com a tramitação da reforma da Previdência na Casa

Grupo das aéreas

Avianca Brasil deixará Star Alliance em setembro

Com o movimento, a rede global de companhias aéreas não terá mais empresas brasileiras entre seus membros

Enquanto isso, no Congresso...

Projeto de Lei que reduz para 1% royalties de campos de petróleo marginais avança no Congresso

PL 4663/2016, de autoria de Beto Rosado (Progressista/RN) propõe cortar de 10% para 1% o royalty sobre a produção de campos marginais

BR Distribuidora na conta

Postos ‘bandeira branca’ ganham força e geração de caixa de gigantes de distribuição decepcionam no 2º tri

No centro do problema, as gigantes do setor BR Distribuidora, Raízen Combustíveis e Ipiranga apontaram um vilão em comum: a crise econômica

Expectativas

Vice-presidente da Toyota Brasil diz que venda direta deve chegar a 50% no país em 2019

Vendas diretas são como o setor chama os veículos vendidos pelas montadoras diretamente para os clientes

Comércio com o exterior

Balança comercial tem superávit de US$ 701 milhões na terceira semana de agosto

Em agosto, o superávit acumulado é de US$ 1,222 bilhão. Já no total do ano, o superávit é de US$ 29,697 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements