Menu
2019-10-14T14:32:48+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Foi quase!

O Ibovespa tentou chegar a um novo recorde de fechamento, mas bateu na trave

A expectativa do mercado em relação à tramitação da reforma da Previdência levou o Ibovespa para além dos 102 mil pontos, mas não foi suficiente para atingir uma nova máxima de fechamento

3 de julho de 2019
10:28 - atualizado às 14:32
Bola de futebol acertando a trave do gol
Ibovespa e dólar à vista têm uma manhã estável - Imagem: Shutterstock

Os mercados acionários tiveram uma exibição de gala nesta quarta-feira (3). Nos Estados Unidos e na Europa, as principais bolsas fecharam a sessão com uma vantagem elástica no placar — e, no Brasil, o Ibovespa não ficou para trás: no apito final, o placar indicava uma goleada de 1,43%, levando o índice aos 102.043,11 pontos.

Mas, apesar da alta expressiva, a torcida do Ibovespa deixou o estádio com um gosto amargo na boca. Afinal, com os ganhos de hoje, o Dow Jones, o S&P 500 e o Nasdaq atingiram novos recordes de fechamento — a bolsa brasileira bem que tentou seguir os passos dos mercados americanos, mas ficou a um triz da máxima histórica.

A maior pontuação já obtida pelo Ibovespa no encerramento do pregão é de 102.062,33 pontos, registrada no dia 24 de junho — na máxima intradiária, o índice chegou a bater os 102.176,96 pontos nesta quarta-feira (+1,56%), mas não conseguiu se sustentar nesse nível.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O Ibovespa se lançou ao ataque ainda nos minutos iniciais da sessão de hoje, empurrado pela expectativa das arquibancadas em relação à reforma da Previdência. Embora o meio de campo em Brasília continue embolado, o tom foi de otimismo quanto ao cumprimento do cronograma da tramitação do projeto.

A confiança dos agentes financeiros aumentou quando o presidente da comissão especial que discute a reforma na Câmara, deputado Marcelo Ramos, convocou uma reunião extraordinária para o início da tarde — em pauta, estava a "votação do parecer do relator".

Antes de a bola rolar, os mercados mostravam-se receosos porque, após a leitura do relatório complementar na noite de ontem, Ramos não havia convocado sessão para esta quarta-feira — o que aumentou os temores quanto a um novo atraso no cronograma de tramitação da pauta.

O agendamento da reunião inflamou a torcida e deu confiança ao Ibovespa, que ganhou força ao longo da tarde. Mas, apesar de Ramos já ter sinalizado que pretende iniciar hoje o processo de votação da reforma na comissão especial, ainda há incerteza quanto à viabilidade desse plano.

Às 17h00, horário de fechamento dos mercados brasileiros, os trabalhos da comissão ainda não haviam sido iniciados — o próprio Ramos disse que o momento é de paciência para a construção de uma maioria que garanta a aprovação do texto, tanto no colegiado quanto no plenário da Câmara.

Apesar dessa dificuldade, os mercados adotaram uma postura de confiança quanto ao cumprimento do cronograma de tramitação da proposta — o governo pretende receber sinal verde da comissão e do plenário da Câmara, em dois turnos, até o dia 18, quando começa o recesso do Congresso.

Embora ainda haja incerteza quanto ao início da votação já na sessão de hoje, o mercado embarcou numa onda de otimismo, apostando no cumprimento do cronograma de tramitação da proposta. O governo pretende receber sinal verde da comissão e do plenário da Câmara, em dois turnos, até o dia 18, quando começa o recesso do Congresso.

Um economista que prefere não ser identificado pondera que, se tudo correr bem, ainda é possível cumprir os planos do governo e obter a aprovação no plenário da Câmara antes do recesso. "Mas hoje é um dia decisivo, é preciso ter algum avanço", ressalta.

O dólar à vista também teve um dia de alívio: na esteira do otimismo dos agentes financeiros com a Previdência, a moeda americana fechou em queda de 0,76%, a R$ 3,8261.

#quartou

Nos Estados Unidos, a sessão desta quarta-feira foi mais curta: os mercados acionários fecharam às 14h00, em antecipação ao feriado de 4 de julho, dia da independência do país. E, lá fora, as negociações assumiram um tom bastante positivo, levando os índices acionários ao topo da tabela

O Dow Jones terminou em alta de 0,67%, aos 26.966 pontos; o S&P 500 avançou 0,76%, aos 2.995,82 pontos e o Nasdaq teve ganho de 0,75%, aos 8.170,23 pontos — novas máximas históricas para os três índices.

Na Europa, o tom foi igualmente positivo: as principais praças fecharam o dia no campo positivo, e o índice pan-europeu Stoxx 600 teve ganho de 0,85%.

Toda essa onda de calmaria se deve às perspectivas de corte de juros pelos bancos centrais. Na Europa, a notícia de Christine Lagarde, do FMI, foi nomeada como candidata à presidência do Banco Central Europeu (BCE) trouxe animação aos mercados, uma vez que ela é vista como uma liderança que não hesitaria em promover ajustes negativos na taxa de juros da região, caso necessário.

Já as bolsas de Nova York refletiram a percepção de que o Federal Reserve (Fed) irá promover cortes na taxa de juros do país, em meio aos dados econômicos mostrando fraqueza na atividade local. O setor privado americano criou 102 mil vagas de trabalho em julho, abaixo do esperado por analistas, que projetavam a geração de 135 mil postos.

Os mercados americanos permanecerão fechados nesta quinta-feira, reabrindo apenas na sexta.

Juros em baixa

Acompanhando o otimismo generalizado a respeito da tramitação da reforma, as curvas de juros fecharam em baixa, tanto na ponta curta quanto na longa. Ao início do dia, quando a tensão a respeito da Previdência era maior, os DIs chegaram a operar em alta.

Na ponta curta, as curvas para janeiro de 2021 fecharam em queda de 5,83% para 5,79%; no vértice longo, os DIs com vencimento em janeiro de 2023 recuaram de 6,65% para 6,55%, enquanto os para janeiro de 2025 foram de 7,10% para 7,03%.

O cronograma da reforma da Previdência afeta especialmente as curvas mais curtas, uma vez que o Banco Central (BC) já sinalizou que um corte na taxa Selic está condicionado a um avanço concreto na tramitação. Caso o texto seja aprovado no plenário da Câmara antes do recesso, há a perspectiva de ajuste negativo na Selic já na próxima reunião do Copom, nos dias 30 e 31 de julho.

Voo tranquilo

As ações das companhias aéreas foram o destaque positivo do Ibovespa nesta quarta-feira. Gol PN (GOLL4) subiu 9,59%, a R$ 35,44, e  liderou os ganhos do índice; Azul PN (AZUL4) avançou 4,13%, a R$ 44,16.

Esse forte desempenho está relacionado a um relatório divulgado mais cedo pelo Goldman Sachs. O banco acredita que, entre as companhias aéreas que atuam no Brasil, a Gol tende a ser a maior beneficiada com a suspensão das operações da Avianca Brasil.

Nesse cenário, o Goldman Sachs elevou a recomendação para as ações da Gol, de neutro para compra, estabelecendo preço-alvo de R$ 43,20 para os papéis — um potencial de alta de mais de 21% em relação à cotação de hoje. A instituição também prevê um impulso nas atividades da Azul em função da saída da Avianca Brasil do mercado, mas em menor escala que o da Gol.

Assim, o banco manteve a recomendação para as ações da Azul em neutro, com preço-alvo de R$ 49,70 — o que implica num espaço adicional de valorização de 12,5% em relação ao valor atual.

Otimismo renovado

Quem também tem um desempenho positivo na sessão de hoje é a Via Varejo. Os papéis ON da empresa (VVAR3) subiram 8,81% e tiveram o segundo melhor desempenho do Ibovespa nesta quarta-feira.

O mercado segue reagindo positivamente ao noticiário referente às mudanças no alto escalão da companhia após a ascensão da família Klein ao comando, dando um voto de confiança à nova gestão.

A Via Varejo escolheu o executivo Roberto Fulcherberguer como presidente da companhia e começou a fazer uma ofensiva sobre executivos da concorrência, em especial do Magazine Luiza. A dona das Casas Bahia e do Ponto Frio tirou Ilca Sierra da rival — ela trocou a área de marketing multicanais do Magalu pela operação online da Via Varejo.

Somente nesta semana, as ações ON da Via Varejo já acumulam ganhos de mais de 15%.

Bancos em alta

Os ativos do setor bancário sobem em bloco e dão força ao Ibovespa nesta quarta-feira, na esteira da percepção positiva dos mercados em relação à Previdência. Dentro desse segmento, destaque para Banco do Brasil ON (BBAS3), que terminou em alta de 2,09%.

Ainda no setor, Itaú Unibanco PN (ITUB4) teve ganho de 1,72%, Bradesco ON (BBDC3) subiu 1,88% e Bradesco PN (BBDC4) avançou 1,35%. Já as units do Santander Brasil (SANB11) valorizaram 1,17%.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Mudança de coleção

Dona da Le Lis Blanc e Dudalina, a Restoque tenta pôr ordem na casa. O mercado está cético

Em meio a um processo de mudança de estratégia, a Restoque reportou mais um conjunto de resultados trimestrais desanimadores, o que faz suas ações chegarem às mínimas em três anos

Mudanças à vista

Desoneração da cesta básica vai acabar, diz Tostes Neto

Para compensar o gasto com tributo, o governo deve devolver dinheiro aos mais pobres como adicional aos programas sociais

Briga de gigantes

Softbank planeja criar rival japonesa para competir com gigantes como Google e Amazon

O grupo anunciou acordo para a fusão de uma de suas subsidiárias conhecida como Yahoo Japan com a empresa Line Corp. Com isso, as duas companhias podem criar mais um “super app”

olho na reforma tributária

Governo confirma que quer tributar dividendos

Plano faz parte do projeto de reduzir imposto de empresas e elevar sobre as Pessoas Físicas; deve entrar em fases posteriores da reforma tributária

pacote de medidas

Governo enviará ao Congresso proposta de reforma com imposto sobre consumo

Roteiro traçado pelo ministério prevê o envio da reforma ao Congresso em quatro etapas, que devem começar ainda em novembro e se estender até meados de 2020

com o caixa cheio

Neon recebe investimento de R$ 400 milhões do Banco Votorantim e do fundo General Atlantic

Recursos devem acelerar o crescimento da empresa e aumentar a densidade da marca nas capitais fora do eixo Rio-São Paulo

Bancos

Ação do Banco do Brasil é a preferida do Santander no setor

Em relatório sobre perspectivas para 2020, Santander lista os bancos que devem se beneficiar dentro de um cenário de recuperação da atividade

rumo ao topo?

TikTok chega a 1,5 bilhão de downloads – no ano, é o único entre os 5 mais baixados que não pertence ao Facebook

Rede social fundada pela startup chinesa ByteDance segue firme em sua popularização, impulsionada pelo mercado na Índia

Planos futuros

Em entrevista, relator admite que PEC emergencial deve ficar para o ano que vem

Parlamentar quer ainda que, quando haja superávit primário, o funcionalismo ganhe um bônus salarial equivalente a 5% dessa economia extra

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta segunda-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements