Menu
2019-05-14T09:42:29+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juros

BC reconhece que PIB pode cair no 1º trimestre, mas acredita em retomada adiante

A palavra incerteza pontua a ata do Copom, que reforça a necessidade de reformas fiscais para melhora da atividade e inflação nas metas. E a Selic? Bem, seguirá em 6,5% ao ano

14 de maio de 2019
9:31 - atualizado às 9:42
Copom
Diretores do Banco Central (BC) na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) - Imagem: Banco Central do Brasil

O Comitê de Política Monetária (Copom) dedicou boa parte da ata de sua última reunião para explicar que tem ciência de que o quadro econômico está pior que o antecipado, mas pondera que não teria muito o que fazer. A Selic em 6,5% ao ano já está em terreno estimulativo e a atividade não reage pela elevada incerteza que ronda a agenda de reformas.

Com relação à trajetória futura da Selic, podemos olhar o texto sob dois prismas. Para parte do mercado, o maior número de parágrafos dedicados à fraqueza da atividade pode reforçar as expectativas de novos cortes até o fim do ano.

Outra avaliação possível é que com as reformas andando, esse nevoeiro de incerteza se dissipa, a confiança volta a aumentar e os investimentos saem das gavetas. Nesse cenário, fica reforçada a manutenção dos juros enquanto o Banco Central (BC) observa o impacto da esperada retomada sobre os preços.

Colocando de outra forma, juros menores não impulsionariam o crescimento neste momento de elevada incerteza. O BC estaria apenas gastando graus de liberdade que poderia utilizar melhor quando conseguir fazer um diagnóstico mais claro da economia. O BC repete que esse tipo de avaliação demanda tempo e não deverá ser concluída a curto prazo.

Como dissemos na semana passada, quando a decisão foi divulgada, se a Selic não cai, também não sobe, o que não deixa de ser boa notícia para os investimentos, notadamente, bolsa de valoresfundos imobiliários e títulos longos do Tesouro Direto.

PIB negativo?

Segundo o Copom, os indicadores disponíveis sugerem probabilidade relevante de que o Produto Interno Bruto (PIB) tenha recuado ligeiramente no primeiro trimestre do ano, na comparação com o trimestre anterior, após considerados os padrões sazonais.

A chance de PIB negativo vem rondando os mercados depois da decepção com a produção industrial de março e dados fracos de varejo. O índice de atividade econômica do BC, que sai ainda nesta semana, pode reforçar tal avaliação.

O BC também reconhece que os indicadores do primeiro trimestre induziram revisões substantivas nas projeções para o crescimento do PIB em 2019 compiladas pela pesquisa Focus. A mediana está em 1,45% ante 1,95% há apenas um mês e diversos bancos e consultorias já trabalham com crescimento ao redor de 1% para o ano.

“Essas revisões refletem um primeiro trimestre aquém do esperado, com implicações para o ‘carregamento estatístico’, mas também embutem alguma redução do ritmo de crescimento previsto para os próximos trimestres”, diz o BC.

Para o BC, o processo de recuperação gradual da atividade econômica sofreu interrupção no período recente, “mas o cenário básico contempla sua retomada adiante”. O BC mantém previsão de crescimento de 2%, que será revisada em junho.

A culpa é da incerteza

O BC voltou a lembrar que a economia brasileira sofreu diversos choques ao longo de 2018, que produziram impactos sobre a economia e aperto relevante das condições financeiras. Embora esses impactos tendam a decair com o tempo, seus efeitos sobre a atividade econômica persistem mesmo após cessados seus impactos diretos.

Para o BC, é importante restar claro que, além dos choques já abordados, incertezas sobre aspectos fundamentais do ambiente econômico futuro, notadamente sobre sustentabilidade fiscal, têm efeitos adversos sobre a atividade econômica. A palavra "incerteza" aparece oito vezes no texto.

“Em especial, incertezas afetam decisões de investimento que envolvem elevado grau de irreversibilidade e, por conseguinte, necessitam de maior previsibilidade em relação a cenários futuros”, diz a ata.

Também foram debatidos outros fatores que poderiam restringir o crescimento econômico, diante da necessidade de “ajustes profundos" na economia, especialmente os de natureza fiscal.

A conclusão do BC é de que incerteza quanto à sustentabilidade fiscal tende a ser contracionista.

“Reformas que geram sustentabilidade da trajetória fiscal futura têm potencial expansionista, que pode contrabalançar efeitos de ajustes fiscais de curto prazo sobre a atividade econômica, além de mitigar os riscos de episódios de instabilidade com elevação de prêmios de risco, como o ocorrido em 2018”, explica o Copom.

Além da questão fiscal, uma aceleração no ritmo de retomada também passa por outras iniciativas, “que visam ao aumento de produtividade, ganhos de eficiência, maior flexibilidade da economia e melhoria do ambiente de negócios.”

Inflação e balanço de riscos

O Copom reafirma sua percepção de que a inflação acumulada em doze meses deve atingir um pico no curto prazo para, em seguida, recuar e encerrar 2019 em torno da meta para a inflação.

Mas ressalta que a consolidação desse cenário favorável, com inflação nas metas no médio e longo prazos, depende do andamento das reformas e ajustes necessários na economia brasileira, que são fundamentais para a manutenção do ambiente com expectativas de inflação ancoradas.

No debate sobre os vetores que podem influenciar a inflação para cima ou para baixo, a ata reafirma a avaliação de que o risco associado à ociosidade dos fatores de produção se elevou na margem, mas que todos os membros do colegiado julgaram que o balanço de riscos mostra-se simétrico.

Adeus à cautela, serenidade e perseverança

A ata também mostra que o BC deixará de falar explicitamente que a melhor forma de manter a trajetória da inflação em direção às metas, diante de incertezas quanto aos cenários econômicos, é conduzir a política monetária com cautela, serenidade e perseverança.

Segundo o Copom, tal postura é uma “questão principiológica” e seu membros concordaram em excluir essa mensagem a partir de sua próxima reunião. Mas reforçam que isso não deveria ser interpretado como mudança de sua forma de condução da política monetária.

Projeções

No cenário com juros constantes a 6,5% e taxa de câmbio a R$ 3,95, as projeções geradas pelo modelo do BC estão em torno de 4,3% para 2019 e 4,0% para 2020. Em março, com dólar a R$ 3,85, as projeções eram de 4,1% e 4%, respectivamente.

Vale notar que o BC já deixa claro que suas ações visam, “em maior grau”, o ano de 2020. Isso ocorre porque as ações têm efeito defasado sobre o lado real da economia. A meta de 2019 é de 4,25% e de 4% em 2020.

Aqui o comportamento do dólar, que ronda os R$ 4 tem algum impacto nas projeções. A fraqueza da atividade pode reduzir o repasse do dólar mais alto sobre os preços, mas esse ambiente de elevada incerteza também parece impedir que os agentes consigam embutir a fraqueza da atividade de forma mais clara nas projeções de inflação.

Cenário externo

A palavra “desafiador” continua sendo utilizada para descrever o ambiente internacional. Levando em considerações informações recentes sobre economias desenvolvidas e a comunicação de importantes bancos centrais, o Copom diz que seu cenário básico considera que os riscos associados à normalização das taxas de juros nas economias centrais mostram-se reduzidos no curto e médio prazos.

Aqui, vemos uma referência ao Federal Reserve (Fed), banco central americano, que vem reafirmando paciência na condução de sua política monetária e manutenção do juro no patamar atual.

Já os riscos associados a uma desaceleração da economia global permanecem e incertezas sobre políticas econômicas e de natureza geopolítica podem contribuir para um crescimento global ainda menor.

O BC não fala diretamente, mas a questão aqui passa pela guerra comercial. Na semana passada, quando o Copom esteve reunido, Donald Trump já tinha acenado que colocaria novas taxas sobre os produtos chineses. Algo que se confirmou na sexta-feira. Ontem, os chineses revidaram, mas Trump já amenizou o tom falando em fechar algum tipo de acordo nas próximas semanas.

Dentro desse contexto, o Copom voltou a destacar a capacidade que a economia brasileira apresenta de absorver revés no cenário internacional, devido ao seu balanço de pagamentos robusto, à ancoragem das expectativas de inflação e à perspectiva de recuperação econômica.

 

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Setor de aviação comercial

Joint-venture entre Embraer e Boeing se chamará Boeing Brasil – Commercial

Venda de 80% da divisão de aviação comercial da fabricante brasileira de aviões para a americana foi fechada no começo de julho do ano passado

Tá complicado!

Funcionários da Avianca anunciam nova greve para esta sexta-feira

Paralisação vai atingir os aeroportos de Congonhas, em São Paulo, e Santos Dumont, no Rio de Janeiro

De olho no gráfico

Como comprar bitcoin com outras criptomoedas – e é uma boa comprar?

Coluna traz vídeos sobre análise gráfica e dicas de investimentos. O tema é o mercado de ações e criptomoedas.

Agora vai?

EUA modificam posição e formalizam apoio à entrada do Brasil na OCDE

Sem dar detalhes, secretário-geral da OCDE, José Ángel Gurría, confirmou a informação de que o grupo tem uma posição diferente sobre o Brasil

Reformas

Presidente e relator da Previdência jogam ‘policial bom, policial ruim’ nas suas declarações

Depois de aceno conciliador dado por Samuel Moreira na segunda-feira, Marcelo Ramos sobe à tribuna, critica o governo e pergunta: “Vamos transformar isso aqui em uma Venezuela?”

Enfim, passou!

Câmara conclui votação da MP dos ministérios e medida segue para análise do Senado

Senado tem até a próxima semana para votar a medida, antes que ela perca sua validade, em 3 de junho

Private equity

Para fundos que compram empresas, momento é bom para fazer negócio

Fundos que investem em participações em companhias para vendê-las com lucro posteriormente fecharam o ano passado com R$ 39,3 bilhões disponíveis para investir no Brasil

Um polvo da construção

Duratex anuncia a compra da Cecrisa por R$ 1 bilhão e amplia ainda mais seu espaço no mercado

Anúncio feito nesta quinta-feira está em linha com o modelo de negócio da companhia, que espera estabelecer um sistema “one stop shop” no setor de materiais de construção

Gigantes do mundo da beleza

Avon e Natura devem manter marcas e estrutura comercial independente após fusão

Após a união de Avon e Natura, as empresas manterão duas sedes e devem buscar sinergia operacionais, com produção e distribuição de cosméticos

Transação bilionária

A Natura finalmente comprou a Avon. Ainda dá tempo de entrar nas ações?

Analistas se debruçaram sobre a estrutura da compra da Avon pela Natura — e, em linhas gerais, gostaram do que viram. Mas, considerando o rali recente das ações da empresa brasileira, a postura dos especialistas é cautelosa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements