Menu
2019-05-08T18:40:52+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juros

Copom mantém Selic em 6,5% e acena manutenção neste patamar

Comunicado enfatiza ambiente de elevada incerteza e diz que a avaliação sobre a economia demanda tempo e não deverá ser concluída a curto prazo

8 de maio de 2019
18:22 - atualizado às 18:40
Copom
Reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central (BC) - Imagem: Raphael Ribeiro/ BCB

O Comitê de Política Monetária (Copom) manteve a taxa básica de juros, a Selic, em 6,5% ao ano. Resultado unânime dentro do colegiado do Banco Central (BC) e em linha com o consenso de mercado. O aceno é de manutenção no atual patamar dado o elevado grau de incerteza que cerca a economia brasileira.

Juro baixo e estável é boa notícia para os investimentos, notadamente, bolsa de valoresfundos imobiliários e títulos longos do Tesouro Direto.

No comunicado apresentado após a reunião, o Copom volta a dizer que “cautela, serenidade e perseverança nas decisões de política monetária, inclusive diante de cenários voláteis, têm sido úteis na perseguição de seu objetivo precípuo de manter a trajetória da inflação em direção às metas”.

Para o colegiado do BC, os indicadores recentes da atividade econômica sugerem que o arrefecimento observado no final de 2018 teve continuidade no início de 2019. Mas que o cenário do Copom contempla “retomada do processo de recuperação gradual da atividade econômica”.

O Copom também volta a dizer que a evolução do cenário básico e do balanço de riscos prescreve manutenção da taxa Selic no nível vigente.

Nesse parágrafo surge uma breve novidade em comparação com a decisão de março, o colegiado enfatiza a necessidade de esperar a redução do grau de incerteza que ainda existe na economia.

“O Comitê julga importante observar o comportamento da economia brasileira ao longo do tempo, livre dos efeitos remanescentes dos diversos choques a que foi submetida no ano passado e, em especial, com redução do grau de incerteza a que a economia brasileira continua exposta. O Copom considera que esta avaliação demanda tempo e não deverá ser concluída a curto prazo.”

Inflação

No cenário com juros constantes a 6,50% e taxa de câmbio a R$/US$ 3,95, as projeções geradas pelo modelo do BC estão em torno de 4,3% para 2019 e 4,0% para 2020. Em março, com dólar a R$ 3,85, as projeções eram de 4,1% e 4%, respectivamente.

O BC já deixa claro que suas ações visam, “em maior grau”, o ano de 2020. Isso acontece em função da defasagem entre as ações de política monetária e seu efeito no lado real da economia. Vale dizer que um corte de juro agora teria impacto maior em 2020 que em 2019.

No cenário com as estimativas do Focus, a inflação fecharia 2019 em 4,1% e a 3,8% em 2020, aqui contemplando uma Selic de 6,5% neste ano e de 7,5% em 2020. A meta de inflação é de 4,25% em 2019 e de 4% em 2020.

Apesar do repique recente da inflação, o BC diz que as diversas medidas de inflação subjacente encontram-se em níveis apropriados (em linha com as metas) inclusive os componentes mais sensíveis ao ciclo econômico e à política monetária.

Balanço de riscos

Na parte dedicada a avaliar os eventos que podem levar a inflação a ficar abaixo ou acima das metas, há uma novidade.

O BC reconhece que o risco de a atividade fraca deixar a inflação abaixo da meta se elevou na margem. Mas reitera a posição de que o balanço de riscos está “simétrico”.

Contrapondo o risco de baixa, seguem listados pelo BC a possibilidade de uma frustração com as reformas afetar prêmios de risco. Quadro que se agrava em caso de piora externa para emergentes.

Cenário externo

Para o Copom, o cenário externo permanece desafiador. Por um lado, há menor preocupação com o processo de normalização das taxas de juros em algumas economias avançadas. Por outro lado, os riscos associados a uma desaceleração da economia global permanecem.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Nas ruas do país

Atos pró-Bolsonaro chegam a 59 municípios de 18 Estados e DF

Em São Paulo, a manifestação a favor do governo ocorre na Avenida Paulista e os participantes estão distribuídos por sete quarteirões

Entrevista

“Reforma tem boa chance de passar. Talvez não no prazo ideal”, diz Pedro Parente

Ex-ministro e atual presidente da BRF, Parente vê com naturalidade a atual desarticulação entre o presidente Jair Bolsonaro e o Congresso

Dia de manifestações

Bolsonaro posta no Twitter vídeos de atos pró-governo

A conta do presidente na rede social trouxe três vídeos de manifestantes nas cidades do Rio de Janeiro, em São Luís, no Maranhão, e em Juiz de Fora, no interior de Minas

Trabalho para os liberais

Kleber Bambam e o twitter de Bolsonaro: por que a economia não sai do paredão?

Para Adolfo Sachsida, secretário de política econômica do Ministério da Economia e fã do Big Brother Brasil, problema está no desajuste fiscal herdado das gestões petistas, e não nas polêmicas do Twitter

Das redes ao asfalto

Manifestações nas ruas testam apoio a Bolsonaro

Receio da equipe de Bolsonaro é de que, se não houver uma adesão de peso às manifestações, isso seja interpretado como um sinal de perda de popularidade

Armas

Novo decreto de Bolsonaro mantém brecha para compra de fuzis

Governo mudou texto para evitar venda de fuzis a civis, que fez as ações da Taurus dispararem na semana passada. Mas Procuradoria diz que novo decreto mantém essa possibilidade

Cannabusiness

O dia não tão distante em que os supermercados americanos venderão produtos feitos com planta de maconha

Todos querem sua fatia de uma indústria que deve ultrapassar os US$ 2 bilhões nos EUA até o próximo ano, uma vez que pesquisas vêm mostrando que os consumidores estão dispostos a pagar preços mais altos pelos produtos

Reduzindo os gargalos

Judiciário prepara pacote de medidas para acelerar recuperações judiciais

Em média, em São Paulo, são 567 dias (cerca de um ano e meio) entre a Justiça aceitar o pedido de recuperação de uma empresa e apreciar o plano de reestruturação

Seu Dinheiro no sábado

MAIS LIDAS: Esse filme eu já vi

Na semana em que o futuro pareceu repetir o passado, o assunto mais comentado não podia ser outro: o tsumani político que varreu Brasília. O enredo que incluiu derrotas do governo no Congresso, investigações do Ministério Público, manifestações de rua e investidores à beira de um ataque de nervos de fato me trouxe recordações recentes, […]

Pague pelo celular

Após avanço do Itaú, Mercado Pago amplia parcerias com lojas para pagamentos instantâneos

Empresa do site Mercado Livre fecha parceria com redes de farmácia e de alimentos para aceitar pagamentos pelo sistema de “QR Code”, que agora entrou na mira do Itaú

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements