🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa rompe ciclo de quedas e sobe mais de 1% de olho em juros na Europa; dólar cai a R$ 5,25

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
6 de junho de 2024
17:22 - atualizado às 17:23

RESUMO DO DIA: Depois de seis dias de lamúrias, os investidores da bolsa brasileira puderam esboçar um sorriso, com a ajuda das commodities e perspectivas sobre as políticas monetárias das maiores economia do mundo.

O Ibovespa fechou o pregão com alta de 1,23%, aos 122.898 pontos — a primeira sessão positiva de junho. Já o dólar zerou os ganhos da semana e terminou o dia a R$ 5,25, com baixa de 0,89% no mercado à vista.     

Por aqui, o mercado reagiu às declarações do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em evento. Entre os destaques, ele disse que já há espaço para dois cortes nos juros nos Estados Unidos pelo Federal Reserve (Fed) até o fim do ano.

Os resultados da balança comercial, que registrou superávit em maio, ficaram em segundo plano.  

Lá fora, os investidores aumentaram as expectativas de que o corte de juros também deve começar em breve nos EUA após números mais fracos do mercado de trabalho. A semana recheada de dados deve terminar com o principal relatório de empregos, o payroll, que será divulgado amanhã (7).

Mais cedo, o Banco Central Europeu (BCE) confirmou as expectativas e cortou os juros na zona do euro em 0,25 ponto percentual, a 3,75% (taxa de referência) — esse foi o primeiro corte desde 2019.

Confira o que movimentou os mercados nesta quinta-feira (6):

MAIORES ALTAS E QUEDAS DO IBOVESPA

Na ponta positiva do Ibovespa, as ações da LWSA, antiga Locaweb, avançaram mais de 6% após a notícia de que a empresa teve crescimento em contas digital e de crédito.

Confira as maiores altas do Ibovespa hoje:

CÓDIGONOMEULTVAR
LWSA3LWSA ONR$ 4,616,22%
MRVE3MRV ONR$ 7,315,94%
COGN3Cogna ONR$ 1,904,97%
CMIN3CSN Mineração ONR$ 4,904,93%
DXCO3Dexco ONR$ 7,134,85%

As ações da Braskem (BRKM5) lideraram as perdas do Ibovespa desde o início da sessão. Sem notícias recentes da companhia, os papéis seguiram pressionados por rumores de que o ex-ministro Guido Mantega seja indicado ao conselho da empresa pelo governo.

Confira as maiores quedas do Ibovespa nesta quinta-feira (6):

CÓDIGONOMEULTVAR
BRKM5Braskem PNR$ 17,90-4,12%
SBSP3Sabesp ONR$ 77,32-0,88%
ALPA4Alpargatas PNR$ 9,60-0,52%
EQTL3Equatorial ONR$ 29,91-0,50%
UGPA3Ultrapar ONR$ 22,92-0,39%
FECHAMENTO DO IBOVESPA

O Ibovespa terminou o pregão com alta de 1,23%, aos 122.898,80 pontos.

O principal índice da bolsa brasileira avançou com apoio das commodities. O minério de ferro subiu mais de 1% em Dalian, na China, após dez dias consecutivos de queda; já o petróleo subiu quase 2% com a desvalorização do dólar e a recuperação das perdas recentes..

Os investidores locais acompanharam falas do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em evento.

Ele disse que a inflação do Brasil encontra-se em um processo de convergência, mas ainda há preocupação com o mercado de trabalho apertado e a inflação de alimentos.

"Temos agora a incerteza do quanto o Rio Grande do Sul vai impactar a inflação", disse o presidente do BC em evento sobre o mercado de capitais promovido pela B3 e Anbima. "As inflações implícitas também começaram a subir."

Campos Neto também afirmou que a inflação de serviços segue forte no mundo, mas que a probabilidade de corte de juros nos Estados Unidos "está indo mais para duas [reduções] do que para uma [redução] ainda neste ano.

Além disso, a alança comercial brasileira registrou superávit comercial de US$ 8,534 bilhões em maio, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC).

Por fim, os investidores reagiram à decisão de corte nos juros na Zona do Euro pelo Banco Central Europeu (BCE), com a perspectiva de início do ciclo de afrouxamento monetário nas maiores economias do mundo.

FECHAMENTO DE NOVA YORK

As bolsas de Nova York fecharam sem direção única em meio às expectativas sobre a trajetória dos juros nos Estados Unidos.

Amanhã (7), o relatório de empregos, o payroll, será divulgado. A projeção é de que os Estados Unidos abram 190 mil empregos em maio, segundo os economistas consultados pela Dow Jones. Nesta semana, os relatórios Jolts, que por muito tempo foi considerado uma prévia do payroll, e do setor privado (ADP) vieram mais fracos do que o esperado.

Confira o fechamento dos índices de Nova York:

  • S&P 500: -0,02%, aos 5.352,96 pontos;
  • Dow Jones: +0,20%, aos 38.886,17 pontos;
  • Nasdaq: -0,09%, aos 17.173,12 pontos.
FECHAMENTO DO DÓLAR

O dólar encerrou as negociações com queda de 0,89% no mercado à vista, a R$ 5,2508.

SANTANDER MANTÉM VALE (VALE3) COMO TOP PICK E ELEVA RECOMENDAÇÃO DE CSN MINERAÇÃO (CMIN3) E CBA (CBAV3)

Mesmo com a queda recente do minério de ferro na China, o Santander renovou as expectativas sobre o setor e jogou os holofotes  sobre as empresas de mineração e siderurgia

O banco mantém a preferência por minério de ferro ante o aço e elevou a estimativa do preço médio da tonelada da commodity de US$ 105 para US$ 120 até o final do ano. 

Por outro lado, o Santander espera que 2024 seja um ano de altas importações de aço da China para o Brasil.  

“Embora haja risco ascendente para o consumo aparente de aço no Brasil, observamos que os produtos importados continuam a ganhar participação de mercado”, escreve o analista Yuri Pereira, que assina o relatório do Santander.

Leia mais.

FECHAMENTO DO PETRÓLEO

O petróleo avançou quase 2% com a desvalorização do dólar no mercado internacional, enquanto os investidores monitoram notícias sobre os cortes voluntários na produção na última decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e Aliados (Opep+).

Os contratos mais líquidos do petróleo Brent, com vencimento para agosto, subiram 1,85%, a US$ 79,87 o barril na Intercontinental Exchange (ICE).

Os contratos do petróleo WTI, com vencimento para julho, terminaram com alta de 1,86%, a US$ 75,55 o barril na New York Mercantile Exchange (Nymex).

ZAMP (ZAMP3) DISPARA MAIS DE 10%

As ações da Zamp (ZAMP3), dona do Burger King, lideram os ganhos da ponta positiva da B3 desde a abertura das negociações. Na máxima do dia, ZAMP3 chegou a registrar alta acima de 14%.

Há pouco, ZAMP3 avançava 11,78%, a R$ 3,51.

Os papéis avançam com a notícia de que a companhia adquiriu a operação do Starbucks Brasil por R4 120 milhões.

BALANÇA COMERCIAL DE MAIO

A balança comercial brasileira registrou superávit comercial de US$ 8,534 bilhões em maio, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC).

O resultado foi alcançado com exportações de US$ 30,338 bilhões e importações de US$ 21,804 bilhões.

O resultado do último mês veio em linha com a mediana apontada no Projeções Broadcast, de US$ 8,5 bilhões. As projeções variavam de US$ 7,1 bilhões a US$ 9,850 bilhões.

SOBE E DESCE DO IBOVESPA

Na ponta positiva do Ibovespa, as ações da LWSA, antiga Locaweb, avançam quase 6% após a notícia de que a empresa teve crescimento em contas digital e de crédito.

Confira as maiores altas do Ibovespa até agora:

CÓDIGONOMEULTVAR
LWSA3LWSA ONR$ 4,595,76%
COGN3Cogna ONR$ 1,915,52%
DXCO3Dexco ONR$ 7,124,71%
CMIN3CSN Mineração ONR$ 4,874,28%
PETZ3Petz ONR$ 3,694,24%

As ações da Braskem (BRKM5) lideram as perdas do Ibovespa desde o início da sessão. Sem notícias recentes da companhia, os papéis seguem pressionados por rumores de que o ex-ministro Guido Mantega seja indicado ao conselho da empresa pelo governo.

Confira as maiores quedas do Ibovespa até agora:

CÓDIGONOMEULTVAR
BRKM5Braskem PNR$ 18,14-2,84%
PRIO3PRIO ONR$ 39,91-0,57%
EGIE3Engie ONR$ 43,64-0,37%
SOMA3Grupo Soma ONR$ 6,05-0,33%
EMBR3Embraer ONR$ 36,59-0,03%
A APOSTA DE CAMPOS NETO PARA A QUEDA NOS JUROS DOS ESTADOS UNIDOS

Com a inflação global ainda elevada e sem indícios do Federal Reserve, ou Fed, o banco central dos Estados Unidos, sobre quando vai começar o afrouxamento monetário, as apostas sobre corte de juros nos EUA estão cada vez mais incertas. Mas Roberto Campos Neto tem um palpite.

O presidente do BC brasileiro afirmou nesta quinta-feira (6) que a expectativa para as taxas norte-americanas varia entre uma a duas quedas ainda este ano.

Campos Neto, que deu a declaração durante o MKBR24, evento sobre mercado de capitais promovido por B3 e Anbima, disse também que há outros pontos de atenção na "agenda global dos mercados e BCs" afora os juros.

"Há um debate, por exemplo, sobre os efeitos do custo da rolagem das dívidas dos países desenvolvidos. O fiscal está mais no foco, o que também tem implicações para o Brasil", apontou.

Leia mais.

POR QUE O PRIMEIRO CORTE DE JUROS DO BCE EM 5 ANOS PODE SER UMA BOA NOTÍCIA PARA QUEM INVESTE NA BOLSA

O corte dos juros pelo Banco Central Europeu (BCE) — o primeiro desde 2019 — não é a notícia mais aguardada pelo mercado, mas abre caminho para o que muito investidor — seja aqui ou lá fora — espera: que o Federal Reserve (Fed) inicie o ciclo de afrouxamento monetário nos EUA

A telegrafada decisão de cortar os juros em 25 pontos-base, para 3,75% de 4% — nível mantido desde setembro de 2023 e o mais alto da zona do euro — mexeu com as expectativas de o banco central norte-americano seguir pelo mesmo caminho.

Assim que o primeiro corte de juros do BCE em cinco anos foi confirmado, os investidores correram para ajustar as apostas na queda da taxa referencial nos EUA: a possibilidade de uma redução nos juros pelo Fed até setembro aumentou imediatamente de 68,9% para 69,9%, de acordo com a ferramenta FedWatch do CME Group. 

A reação dos investidores tem fundamento: é incomum o BCE iniciar um ciclo de corte de juros antes do banco central norte-americano.

Leia mais.

FECHAMENTO DA EUROPA

As bolsas da Europa encerraram o pregão em alta. O Banco Central Europeu (BCE) reduziu os juros da Zona do Euro em 0,25 ponto percentual, de 4,00% a 3,75% ao ano. Esse é a primeira redução nos juros desde 2019.

Confira o fechamento dos principais índices da Europa:

  • DAX (Frankfurt): +0,38%, aos 18.646,51 pontos;
  • FTSE 100 (Londres): +0,47%, aos 8.285,34 pontos;
  • CAC 40 (Paris): +0,24%, aos 8.040,12 pontos;
  • Stoxx 600: +0,68%, aos 524,75 pontos.
FORTE DEMANDA POR JATOS MILITARES LEVA EMBRAER (EMBR3) A PLANEJAR NOVO CENTRO DE TREINAMENTO NA EUROPA

Depois de conquistar uma extensa lista de clientes para seus aviões de defesa, a Embraer (EMBR3) decidiu que é hora de aumentar a rede de treinamento com foco nas aeronaves de transporte militar C-390 — desta vez, na Europa.

A companhia anunciou nesta nesta quinta-feira (06) que avalia opções para expansão da rede em solo europeu junto com a empresa automobilística alemã Rheinmetall.

A avaliação pode levar ao desenvolvimento de uma solução de treinamento dedicada para a região, informa a Embraer.

“Com o sucesso contínuo do C-390 em toda a Europa, este é o momento certo para iniciar o planejamento de um centro de treinamento europeu para o C-390, com instalações completas para capacitar a tripulação aérea e a operação de carga da aeronave”, afirmou o diretor executivo de dados (CDO) da Rheinmetall, Timo Haas.

Leia mais.

IBOVESPA SOBE 1%

O Ibovespa sobe mais 1% e retomou os 123 mil pontoa há pouco, com a recuperação das commodities. O índice sobe 1,42%, aos 123.136 pontos.

Além disso, o alívio nos juros futuros (DIs) em toda a curva e expectativas de afrouxamento monetário nos Estados Unidos após o Banco Central Europeu (BCE) reduzir os juros pela primeira vez em cinco anos impulsionam o principal índice da bolsa brasileira hoje.

BRASKEM (BRKM5) LIDERA PERDAS

As ações da Braskem (BRKM5) lideram as perdas do Ibovespa desde o início da sessão. BRKM5 cai 2,84%, a R$ 18,14.

Sem notícias recentes da companhia, os papéis seguem pressionados por rumores de que o ex-ministro Guido Mantega seja indicado ao conselho da empresa pelo governo.

GIRO DO MERCADO

FUNDOS IMOBILIÁRIOS: CONFIRA OS 5 FIIS MAIS RECOMENDADOS PARA INVESTIR EM JUNHO

O Índice de Fundos de Investimentos Imobiliários (IFIX) começou junho em queda. Mas ainda não significa que o segmento não tem boas oportunidades para buscar lucros com fundos imobiliários.

No Giro do Mercado desta quinta-feira (6), o analista da Empiricus Research, Pedro Niklaus, comenta quais são os FIIs mais recomendados para investir agora, e as mudanças na carteira mensal da casa de análises.

ACOMPANHE AO VIVO:

SUZANO (SUZB3) SOBE 3%

As ações da Suzano (SUZB3) avançam 2,62%, a R$ 47,86 e figuram entre as maiores altas do Ibovespa hoje.

Apesar da queda do dólar, os papéis da companhia de papel e celulose avançam após o BTG Pactual e o Santander reiterar a recomendação de compra para SUZB3.

COM A PALAVRA, CAMPOS NETO

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que a inflação de serviços segue forte no mundo, mas que a probabilidade de corte de juros nos Estados Unidos "está indo mais para duas [reduções] do que para uma [redução] ainda neste ano.

Campos Neto disse que a inflação do Brasil encontra-se em um processo de convergência, mas ainda há preocupação com o mercado de trabalho apertado e a inflação de alimentos.

"Temos agora a incerteza do quanto o Rio Grande do Sul vai impactar a inflação", disse o presidente do BC em evento sobre o mercado de capitais promovido pela B3 e Anbima. "As inflações implícitas também começaram a subir."

MXRF11 RECEBE SINAL VERDE PARA FAZER OFERTA BILIONÁRIA NA BOLSA

Maior fundo imobiliário do Brasil em número de cotistas, o Maxi Renda (MXRF11) recebeu o aval de seus investidores para realizar uma emissão de cotas bilionária na bolsa de valores.

O FII, cuja base de investidores já se aproxima de 1,1 milhão, convocou no mês passado uma assembleia para debater a realização de uma oferta de até R$ 1 bilhão. O resultado da consulta formal foi divulgado na última quarta-feira (6).

Segundo comunicado enviado ao mercado, investidores representando cerca de 2,5% das cotas responderam no prazo, que se encerrou na última segunda-feira (4). Desse total, 74,3% deliberaram por aprovar a operação, enquanto 18% rejeitaram o tema e 7,6% se abstiveram.

Com isso, a emissão poderá ser realizada e o MXRF11 tem um prazo de até 12 meses para colocar a oferta no mercado.

Leia mais.

ABERTURA DE NOVA YORK

As bolsas de Nova York operam em alta após a abertura, com apetite ao risco de olho em dados do mercado de trabalho (ADP e Jolts, divulgados ao longo da semana) enquanto os investidores aguardam o payroll.

A decisão do BCE em cortar os juros na zona do euro também está no radar.

Confira como operam os índices de Nova York após a abertura:

  • Dow Jones: +0,15%, aos 38.864,81 pontos;
  • S&P 500: +0,12%, aos 5.360,60 pontos;
  • Nasdaq: +0,18%, aos 17.218,47 pontos.

SOBE E DESCE DA ABERTURA

Na ponta positiva do Ibovespa, as ações mais sensíveis aos juros, chamadas de cíclicas, ganham força à medida que os juros futuros renovam as mínimas intraday.

Lojas Renner (LREN3) é beneficiada pela elevação de recomendação de neutra para compra pelo Citi, além do alívio nos juros.

Confira as maiores altas do Ibovespa após a abertura:

CÓDIGONOMEULTVAR
LWSA3LWSA ONR$ 4,554,84%
LREN3Lojas Renner ONR$ 13,434,19%
MGLU3Magazine Luiza ONR$ 12,633,61%
COGN3Cogna ONR$ 1,873,31%
EZTC3EZTEC ONR$ 13,532,89%

Confira as maiores quedas do Ibovespa após a abertura:

CÓDIGONOMEULTVAR
UGPA3Ultrapar ONR$ 22,90-0,48%
MRFG3Marfrig ONR$ 10,90-0,46%
RADL3Raia Drogasil ONR$ 24,87-0,32%
TIMS3Tim ONR$ 16,34-0,31%
RECV3PetroReconcavo ONR$ 19,12-0,27%
FALA, LAGARDE

A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, afirmou que a decisão de cortar os juros na Zona do Euro hoje não se traduz em um compromisso prévio com a trajetória dos juros.

Isso porque o colegiado deve manter a postura de "dependência" dos dados e a política monetária será restritiva pelo "tempo necessário para garantir o retorno da inflação à meta".

"Estamos prontos para ajustar todas as ferramentas de acordo com nosso mandato e determinados a garantir que a inflação retorne à meta de 2%", disse Lagarde em coletiva de imprensa após a decisão.

A dirigente acrescentou que a estabilidade das projeções de inflação colaborou para a decisão de cortar juros em 0,25 ponto percentual.

ELETROBRAS APROVA CAPTAÇÃO DE ATÉ R$ 10,9 BI, SENDO R$ 4 BI NO EXTERIOR

A Eletrobras (ELET3) informou na noite da última quarta-feira (05) que seu Conselho de Administração aprovou a captação de até R$ 10,9 bilhões, sendo que o equivalente a R$ 4 bilhões deste valor deverão ser captados no exterior junto ao Citibank, com prazo de pagamento total de dois anos.

Outros R$ 2 bilhões, diz a companhia, serão captados por meio da emissão de notas comerciais escriturais, em série única, as quais serão objeto de distribuição pública exclusivamente para investidores profissionais, aqueles que têm no mínimo R$ 10 milhões em investimentos financeiros.

As notas comerciais escriturais serão emitidas sob o regime de garantia firme de colocação e terão vencimento em 15 de junho de 2026.

A rentabilidade corresponderá a 100% do CDI + 0,75% ao ano, e os pagamentos serão semestrais, começando em 15 de dezembro deste ano, podendo haver resgate ou liquidação antecipada.

Leia mais.

ABERTURA DO IBOVESPA

O Ibovespa sobe 0,12%, aos 121.552 pontos, após a abertura, com o apoio da recuperação das commodities. O minério de ferro fechou em alta após dez dias consecutivos de queda.

Por aqui, os investidores acompanham as declarações do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Além disso, o mercado fica atento às trajetórias dos juros nas maiores economias do mundo. Mais cedo, o Banco Central Europeu (BCE) cortou os juros pela primeira vez desde 2019. Na semana que vem, o Federal Reserve deve divulgar uma nova decisão de política monetária.

DONA DO BURGER KING NO BRASIL, ZAMP (ZAMP3) ABOCANHA REDE DO STARBUCKS POR R$ 120 MILHÕES

Existem diversas formas para operar um resgate. Mas em uma crise financeira, a solução que o grupo SouthRock, em recuperação judicial, encontrou para salvar sua rede de cafeterias veio de um rei. A Zamp (ZAMP3), dona do Burger King no Brasil, anunciou nesta quinta-feira (06) a compra das lojas Starbucks no país.

A dona da rede de fast food pretende abocanhar a rede de cafeterias por R$ 120 milhões, mas o montante poderá sofrer ajustes para refletir questões como a quantidade de lojas efetivamente adquiridas e o nível de estoque na data do fechamento da operação. 

Com a aquisição, a Zamp terá direito aos bens e direitos que integram a operação das lojas da rede no Brasil — a partir de uma nova sociedade em conjunto com a SouthRock.

Ainda não é possível determinar se a compra dessa nova companhia em parceria com a gestora precisará do aval dos acionistas em assembleia geral.

Leia mais.

ADRS DE VALE E PETROBRAS

Os recibos de ações (ADRs) de Vale e Petrobras operam em alta no pré-mercado de Nova York, na esteira da recuperação das commodities.

  • Petrobras (PBR): +0,13%, a US$ 15,15
  • Vale (VALE): +0,26%, a US$ 11,44
ABERTURA DOS JUROS FUTUROS

Os juros futuros (DIs) abriram em leve alta em toda a curva, acompanhando o avanço dos rendimentos dos Treasurys em Nova York e na contramão da desvalorização do dólar no mercado à vista. 

Veja como abriram os DIs hoje: 

CÓDIGONOMEULT MIN MAX ABE FEC 
DI1F25DI Jan/2510,49%10,48%10,50%10,48%10,48%
DI1F26DI Jan/2610,98%10,94%10,99%10,94%10,95%
DI1F27DI Jan/2711,30%11,26%11,31%11,26%11,27%
DI1F28DI Jan/2811,54%11,53%11,56%11,54%11,52%
DI1F29DI Jan/2911,69%11,68%11,71%11,69%11,68%
DI1F30DI Jan/3011,81%11,80%11,83%11,82%11,80%
DI1F31DI Jan/3111,86%11,85%11,88%11,87%11,85%
DI1F32DI Jan/3211,91%11,91%11,91%11,91%11,87%
DI1F33DI Jan/3311,90%11,90%11,93%11,91%11,91%
LARISSA QUARESMA: MERCADO EM 5 MINUTOS

JURO SOBE, IBOVESPA CAI. JURO CAI, IBOVESPA… CAI?

O S&P 500 e o Nasdaq renovaram suas máximas históricas ontem, após novos dados confirmarem o esfriamento da economia americana. A criação de vagas de emprego ficou bem abaixo do esperado em maio, engatilhando mais um fechamento da curva de juros. O Nasdaq futuro engata mais uma alta de 0,1% hoje, por volta das 8:00h.

Mesmo assim, o Ibovespa não reage.

As bolsas europeias abriram em alta hoje, na expectativa do início de corte de juros pelo Banco Central Europeu (BCE), o grande evento do dia. Caso o BCE faça o esperado corte de 0,25% na taxa básica do Velho Continente, isso poderia dar força ao dólar, abrindo mais o caminho para que o Federal Reserve (Fed) promova o tão sonhado corte ainda este ano. A ver…

À exceção da China, as bolsas asiáticas fecharam o pregão desta quinta-feira majoritariamente em alta. O Nikkei, de Tóquio, subiu 0,6% em moeda local, enquanto o CSI 300, de Shangai, teve uma moderada queda de 0,1%.

0:25 – Quanto pior, melhor

O setor privado dos EUA criou 152 mil vagas de emprego em maio, 13% abaixo do esperado, com desaceleração sequencial. Esse é mais um indicador que confirma o freio na economia americana, após o mercado de trabalho já ter decepcionado em abril e a atividade industrial ter se contraído em maio, pelo 2o mês consecutivo.

Os serviços, única parte da economia ainda em expansão, cresceram seus empregos em ritmo menor que o esperado no mês passado. Isso sugere mais um arrefecimento da inflação de serviços intensivos em mão de obra, a tal "última milha" que resistia a cair no 1o trimestre.

A nova rodada de dados fracos sugere que o Fed deveria estar mais preocupado com o desemprego, para além da inflação. Isso vem reacendendo a esperança de corte de juros ainda neste ano. A curva de juros passou a precificar 60% de probabilidade de a autoridade iniciar seu relaxamento monetário em setembro, ótima notícia para os ativos de risco.

Não à toa, os principais índices acionários americanos renovaram suas máximas ontem, embalados pelas techs, particularmente sensíveis aos juros. Fato curioso, a NVIDIA subiu mais 5%, ultrapassando o valor de mercado da Apple e se tornando a 2a empresa mais valiosa do mundo.

1:49 – Uma ajudinha vai bem

Logo às 9:15h, o BCE divulga sua decisão de juros. Espera-se que a autarquia corte a taxa básica do continente europeu em 0,25%, após vários trimestres de desaceleração da atividade e da inflação. O Euro Stoxx 50, principal índice acionário do continente, subia 0,7% por volta das 8:00h de hoje.

O início dos cortes na região facilita a vida do Fed. Juros mais baixos na Europa significam um euro mais depreciado frente ao dólar, ou um dólar mais forte. Isso, por sua vez, pode ser uma força baixista para a inflação na terra do Tio Sam, facilitando o trabalho do Fed no combate à alta de preços e aumentando mais uma vez a chance de corte neste ano.

O primeiro é sempre o mais difícil. O início dos cortes pelo BCE simbolizaria a primeira região desenvolvida ocidental a fazê-lo. Quebrar o teto de vidro "goes a long way".

3:05 – O Ouro Negro voltou

Após um início de junho horroroso, em que o Brent acumulou 5% de queda em apenas dois pregões, o Ouro Negro faz a sua recuperação técnica. A commodity subiu 1% ontem e engata mais uma alta de 0,3% no início de hoje.

A decisão da OPEP+ no final de semana, de prorrogar cortes de produção por menos tempo que o esperado, havia feito pressão sobre o barril. Agora, o Brent abaixo de US$ 80 começa a atrair compradores.

3:36 – De-coupling até quando?

Parece notícia velha que o Ibovespa fez nova mínima do ano, mas esse foi novamente o caso no pregão de ontem, quando o Ibovespa atingiu 121 mil pontos (-0,3%). Nem a alta do petróleo foi capaz de animar o índice, já que a Petrobras subiu apenas 0,1%, enquanto a Vale acompanhou a queda do minério de ferro, com -1,4%.

A maioria das commodities está no vermelho neste começo de mês. Enquanto isso é má notícia para o Ibovespa, carregado de empresas de materiais básicos, é boa notícia para a inflação. Isso, por sua vez, deveria trazer um alívio para os juros futuros, beneficiando as ações sensíveis às taxas.

Mas esse também não tem sido o caso. Mesmo com o fechamento da curva de juros americana, o Bovespa Small Caps, mais concentrado em empresas da economia doméstica, acumula queda de 2% em junho. Nossa curva de juros reais continua descolada da americana, embutindo prêmio de risco e mantendo as ações sensíveis aos juros sob pressão.

Mas o de-coupling acontecerá até quando? As bolsas americanas já vêm de um maio forte e ampliam os ganhos em junho. Para que as nossas ações permaneçam descoladas desse movimento, algo de muito ruim precisa estar acontecendo no país. Será que é mesmo o caso?

BCE CORTA JUROS NA ZONA DO EURO

As expectativas dos investidores foram confirmadas. O Banco Central Europeu anunciou corte de 25 pontos-base nas principais taxas de juros da zona do euro.

As taxas de juros haviam sido reduzidas pela última vez em março de 2016 e estavam em níveis recordes desde setembro de 2023.

A instituição também elevou as projeções do CPI na região para 2024, que foi de 2,3% para 2,5%.

No entanto, o BCE ressaltou que não está comprometido com uma política monetária de redução de juros e afirmou que continuarão em "níveis suficientemente restritivos pelo tempo que for necessário".

ABERTURA DO DÓLAR

O dólar à vista abre em queda de 0,03%, a R$ 5,2962.

ABERTURA DO IBOVESPA FUTURO

O Ibovespa futuro amanhece tentando recuperar o fôlego e romper sequências de queda.

O índice abriu a sessão desta quinta-feira (06) em leve alta de 0,04%, aos 121.575 pontos.

FUTUROS DE NOVA YORK TÊM AJUSTE

Os índices futuros de Nova York apontam para um ajuste das bolsas nesta quinta-feira.

No pregão de ontem, as bolsas de Wall Street terminaram o pregão com alta em meio a reação a novos dados do mercado de trabalho e atividade econômica. Os índices S&P 500 e Nasdaq renovaram o recorde histórico de fechamento.

Também ontem, o relatório ADP mostrou que os Estados Unidos criaram 152 mil postos de trabalho no setor privado no mês, resultado abaixo do esperado pelo mercado, que previa abertura de 175 mil vagas de emprego no período.

Esse cenário reforça a tese de que o Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA) deve iniciar o ciclo de cortes de juros logo. 

Em destaque, as ações de tecnologia seguiram em alta. Nvidia ultrapassou a Apple e tornou-se a segunda mais valiosa do mundo ao superar os US$ 3 bilhões em valor de mercado.

Confira:

  • S&P 500 futuro: +0,01%
  • Dow Jones futuro: -0,05%
  • Nasdaq futuro: +0,10%
BOLSAS DA EUROPA SOBEM ANTES DE JUROS DO BCE

As principais bolsas da Europa começaram o dia em tom positivo nesta quinta-feira. 

Os índices acionários avançam na esteira dos recordes em Nova York da véspera, motivados pelo mercado de trabalho mais fraco e perspectiva de juros menores nos Estados Unidos. 

Por lá, ainda há expectativa em relação à redução das taxas. Isso porque o mercado espera que o Banco Central Europeu (BCE) reduza o aperto monetário com um corte de 0,25 ponto porcentual nos juros hoje. 

Confira as bolsas na Europa agora:

  • DAX (Frankfurt): +0,81%
  • CAC 40 (Paris): +0,53%
  • FTSE 100 (Londres): +0,46%
  • Euro Stoxx 600: +0,78%
EMPRESAS QUESTIONAM PLANO DE RECUPERAÇÃO EXREAJUDICIAL DO GRUPO CASAS BAHIA (BHIA3)

O Grupo Casas Bahia (BHIA3) informou na noite da última quarta-feira (5), que a Opea Securitizadora e a Pentágono Distribuidora apresentaram impugnações ao Plano de Recuperação Extrajudicial e sua homologação.

Em outras palavras, isso poderia significar problemas para a varejista, que tenta voltar aos trilhos após registrar prejuízo líquido de R$ 261 milhões — e dívidas de R$ 4,1 bilhões — no primeiro trimestre de 2024. Veja balanço completo aqui.

Em fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a empresa afirma que entende que os questionamentos ao plano de recuperação extrajudicial são desprovidos de mérito e deverão ser rejeitados.

Recuperação extrajudicial do Grupo Casas Bahia (BHIA3)

A recuperação extrajudicial do Grupo Casas Bahia foi informada ao mercado há pouco mais de um mês, em abril deste ano. À época, o pedido havia sido pré-acordado com os principais credores, que detêm 54,5% dos débitos do Grupo.

Leia mais.

BOLSAS DA ÁSIA FECHAM EM ALTA

As bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam majoritariamente em alta nesta quinta-feira, acompanhando Wall Street, que ontem teve um dia de recordes em meio ao frenesi em torno da tecnologia de inteligência artificial (IA) e esperanças de cortes de juros nos EUA.

O índice japonês Nikkei subiu 0,55% em Tóquio, impulsionado por ações financeiras e de eletrônicos, enquanto o Hang Seng avançou 0,28% em Hong Kong, e o Taiex garantiu alta de 1,94% em Taiwan.

Ontem, as bolsas de Nova York tiveram ganhos generalizados, com novas máximas históricas do S&P 500 e do Nasdaq, à medida que a ação da Nvidia — fabricante de chips que está no centro da onda de IA — saltou mais de 5%, levando o valor de mercado da empresa a ultrapassar a marca de US$ 3 trilhões pela primeira vez.

Além disso, dados mais fracos do que o esperado do mercado de trabalho dos EUA ajudaram a consolidar apostas de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) começará a reduzir juros em setembro.

Na China, por outro lado, os mercados ficaram no vermelho, pressionados por ações de varejistas e de software.

O índice Xangai Composto caiu 0,54%, e o menos abrangente Shenzhen Composto recuou 1,68%. Na Coreia do Sul, por sua vez, não houve pregão hoje devido a um feriado nacional.

Veja como fecharam as bolsas da região:

  • Tóquio: +0,55%
  • Xangai: -0,54%
  • Seul: +1,03%
  • Hong Kong: +0,28%
  • Taiwan: +1,94%
O QUE ROLOU NOS MERCADOS ONTEM?

Nada parece espantar o "frio" dos mercados: o Ibovespa fechou o terceiro pregão de junho em tom negativo, mais uma vez com pressão das commodities metálicas e novos dados nos Estados Unidos — que renovaram incertezas sobre a trajetória dos juros na maior economia do mundo.

O principal índice da bolsa brasileira recuou 0,32%, aos 121.407 pontos. Já o dólar encostou em R$ 5,30 ao longo do dia e fechou cotado a R$ 5,29, com alta de 0,23% no mercado à vista.

Por aqui, o mercado reagiu em segundo plano à produção industrial mais fraca em abril.

Em Brasília, as atenções continuaram sobre a taxação de compras internacionais até US$ 50,00. O vai e vem da isenção coloca o governo federal e o Congresso em um cabo de guerra.

Lá fora, os investidores repercutiram novos dados de emprego nos Estados Unidos. O relatório ADP, de empregos privados, veio mais fraco que o esperado. Por outro lado, os PMIs de serviços e composto superaram as expectativas.

Em destaque, Nvidia ultrapassou a Apple e se tornou a segunda empresa mais valiosa do mundo ao superar os R$ 3 bilhões em valor de mercado.

Confira o que movimentou os mercados na última quarta-feira (5).

Compartilhe

FRIGORÍFICOS

Problemas para a BRF (BRFS3) e a JBS (JBSS3)? Brasil suspende exportações de carne de aves para 44 países — e a China é um deles

20 de julho de 2024 - 12:19

O Ministério da Agricultura decidiu voluntariamente paralisar as exportações de carnes de aves e seus produtos, com restrições que variam de acordo com os mercados

DÁ O PLAY!

Agora vai? Por que a bolsa brasileira despertou em julho e o que esperar das ações agora

20 de julho de 2024 - 11:00

Ibovespa já acumula alta de 3% em julho, depois de quase perder os 120 mil pontos no último mês; mas as ações finalmente vão decolar, ou será mais um voo de galinha?

BOLSA NA SEMANA

Por que as ações do Pão de Açúcar (PCAR3) desabaram 13% e lideraram as perdas do Ibovespa na semana — enquanto Usiminas (USIM5) subiu 5%?

20 de julho de 2024 - 9:22

As ações do Pão de Açúcar atraíram os holofotes dos investidores na semana após uma sangria na bolsa brasileira. Veja o que está por trás da queda dos papéis

PERSPECTIVAS PARA OS PROVENTOS

Com R$ 2 bilhões entrando no caixa, a Eletrobras (ELET3) vai distribuir mais dividendos? Veja o que diz o Goldman Sachs

19 de julho de 2024 - 19:46

O banco acredita que a oferta irá aumentar a liquidez da companhia e potencialmente abrir espaço para proventos mais elevados no futuro

RANKING DA QUANTUM

Os reis das ‘penny stocks’: Americanas (AMER3), Oi (OIBR3) e outras ações com a maior sequência de pregões no patamar de centavos

19 de julho de 2024 - 16:41

Um estudo da Quantum mostra que companhias que enfrentaram processos de recuperação judicial dominam o ranking de penny stocks

GESTÃO EXPLICA

Fundo imobiliário com mais de 150 mil cotistas anuncia os menores dividendos em mais de dois anos; por que os proventos do ALZR11 estão em queda?

19 de julho de 2024 - 13:07

O histórico de distribuições de 2024 mostra que os valores depositados pelo FII recuaram cerca de 11,2% desde janeiro

REAÇÃO DAS BOLSAS

Apagão cibernético: ação da CrowdStrike, empresa que causou a pane nos sistemas da Microsoft e derrubou serviços no mundo todo, despenca em NY

19 de julho de 2024 - 12:08

Vale relembrar que, mais cedo, uma atualização nos sistemas da CrowdStrike causou uma pane generalizada nos sistemas da Microsoft

MERCADO FINANCEIRO

Renda fixa brilha no 1º semestre e impulsiona captação de fundos. Veja as 10 gestoras que mais levantaram dinheiro no período

18 de julho de 2024 - 18:38

No “Top 10” das empresas que mais levantaram dinheiro no período, a cifra chega a R$ 202,2 bilhões, de acordo com a Quantum Finance

DISPARADA DO CÂMBIO

Dólar bate os R$ 5,58 e fecha no maior patamar em duas semanas; confira o gatilho da alta de quase 2%

18 de julho de 2024 - 17:47

Mais cedo, o ministro da Fazenda disse ter recebido o sinal verde de Lula para avançar em estudos de corte no Orçamento, mas falas da ministra do Planejamento impulsionaram a moeda

OFERTA NA BOLSA

Fundo imobiliário VGIR11 anuncia emissão de até R$ 500 milhões e vai oferecer um ‘desconto’ nas cotas; confira os detalhes

18 de julho de 2024 - 14:59

O preço de emissão pago por quem decidir participar da operação, que é voltada a investidores no geral, será de R$ 9,85 por cada nova cota

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar