🔴 NOVA META: ATÉ R$ 3.000 POR DIA COM DUAS OPERAÇÕES – CONHEÇA O INDICADOR X

Ricardo Gozzi
VAI VOLTAR A SUBIR?

Ata do Fed joga balde de água fria nas bolsas — entenda o que acabou de vez com o apetite por risco dos investidores hoje

Dirigentes do Fed estão descontentes com o ritmo da queda da inflação nos EUA e veem juros no atual nível por mais tempo

Ricardo Gozzi
22 de maio de 2024
16:04 - atualizado às 16:07
Montagem de homem de cabelos brancos, camiseta branca e uma camisa marrom segurando um balde azul com água e um fundo gráfico do mercado de ações
Jerome Powell, presidente do Federal Reserve (Fed) - Imagem: Montagem Andrei Morais / Adobe Firefly / Federal Reserve

A ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) acabou com qualquer apetite por risco que ainda existia nos mercados financeiros na tarde desta quarta-feira (22).

Parte dos investidores esperava que os integrantes do Fomc, como é chamado o Copom do Fed, proporcionasse algum indício de que a taxa de juros nos EUA poderia começar a cair a partir de setembro.

Em vez disso, os dirigentes do Fed não emitiram nenhum sinal de que as taxas de referência começarão a cair tão cedo. Pelo contrário.

Em reação, as bolsas de valores de Nova York mantiveram-se no vermelho e o Ibovespa atingiu as mínimas da sessão.

No mercado de juros futuros, as taxas projetadas dos Treasuries e dos DIs reforçaram a trajetória de alta. Confira aqui a reação dos mercados.

Fed está descontente com o ritmo da queda da inflação

A atual política monetária "permanece bem posicionada para responder à evolução das condições econômicas e aos riscos existentes", avaliam os dirigentes do Fed.

No entanto, isso não significa que eles estejam contentes com o ritmo da queda da inflação nos Estados Unidos.

Embora reconheçam que a alta dos preços perdeu força ao longo do último ano, eles não enxergaram progresso em direção à meta de 2% ano nos últimos meses.

Eles alertaram para uma alta significativa da inflação de bens e serviços em meses recentes e também para o avanço dos núcleos do CPI no decorrer do primeiro trimestre.

  • As melhores recomendações da Empiricus na palma da sua mão: casa de análise liberou mais de 100 relatórios gratuitos; acesse aqui.

Os técnicos do banco central norte-americano até consideram que a inflação deve seguir em desaceleração, mas em um ritmo mais lento do que o atual.

Simultaneamente, a atividade econômica continua se expandindo em ritmo sólido e a geração de empregos segue firme, com taxa de desemprego baixa.

Em contrapartida, as expectativas para o avanço dos preços no médio e no longo prazos continuam ancoradas.

Os dirigentes do Fed afirmam ainda enxergar agora um melhor equilíbrio entre as metas de emprego e inflação.

Mas os dirigentes do Fed foram além.

Se o cenário não é tenebroso e os dirigentes do Fed consideram que as expectativas de inflação estão ancoradas, por que a reação dos investidores foi tão negativa?

Uma das respostas é que, na visão do colegiado, a inflação deve retornar à meta de 2% ao ano no médio prazo, mas os dados mais recentes sugerem que o processo desinflacionário vai demorar mais do que se esperava.

Diante disso, as taxas de juros de referência precisariam permanecer por mais tempo na banda atual, entre 5,25% e 5,50% ao ano.

Mas não é só isso. Parte dos dirigentes do Fed deixou claro que não vai hesitar em voltar a elevar a taxa de juros nos EUA se os riscos à inflação se materializarem.

Juntas, essas observações foram suficientes para acabar de vez com o pouco de apetite por risco que ainda existia no mercado hoje.

Compartilhe

OS BRITÂNICOS VÃO ÀS URNAS

Quem leva a melhor no Reino Unido? A carta na manga dos trabalhistas para derrubar os conservadores nas eleições de julho

13 de junho de 2024 - 20:01

Os trabalhistas lideram as pesquisas de intenção de voto com a ajudinha de fórmulas conhecidas pelo centro

presidente motoserra

Milei consegue conter preços e inflação Argentina baixa para 4,2% em maio

13 de junho de 2024 - 18:10

Apesar da queda em maio, índice de preços ainda acumula 276% de alta em 12 meses

EM MEIO AO CAOS

Todo poder a Milei? Com voto de Minerva e repressão a manifestantes, Senado da Argentina aprova pacote ultraliberal

13 de junho de 2024 - 11:16

O projeto concede amplos poderes ao Executivo, dando prerrogativas de interferência ao presidente, mas foi desidratado na Casa

PEDIU O MERCADO EM NAMORO?

De Powell, com amor (mas nem tanto): o que a decisão do Fed diz sobre os juros nos EUA

12 de junho de 2024 - 15:12

Em decisão amplamente esperada, o banco central norte-americano manteve a taxa referencial na faixa entre 5,25% e 5,50% ano — foi o gráfico de pontos que mandou a mensagem aos mercados

GUERRA COMERCIAL

Todos contra a China? União Europeia sai à caça dos elétricos chineses com aumento de impostos

12 de junho de 2024 - 14:38

Medida anunciada nesta quarta-feira (12) pelo bloco europeu vai elevar tarifas em até 38% para os EVs asiáticos e pode afetar a BYD e até a Tesla de Elon Musk

EM ANO DE ELEIÇÃO

Hunter Biden pode ser preso? Filho do presidente dos EUA é condenado por posse ilegal de arma — e o que isso significa para a campanha de Joe Biden

11 de junho de 2024 - 18:14

Hunter, de 54 anos, pode pegar até 25 anos e pagar US$ 750 mil em multas

Política Europeia

Decisão de Macron de dissolver Parlamento e convocar eleições antecipadas é aposta política de alto risco

10 de junho de 2024 - 11:13

Atitude de Macron vem após avanço do partido de extrema direita Reunião Nacional nas eleições do Parlamento Europeu

DEPOIS DO ULTIMATO

E agora, Netanyahu? Ministro de guerra de Israel renuncia ao cargo em meio a conflitos em Gaza

9 de junho de 2024 - 17:48

Benny Gantz deu um ultimato a Netanyahu em maio para que o gabinete de guerra adotasse um “plano de ação” para acabar com a batalha em Gaza

QUER PAGAR COMO?

Putin trocou o dólar pelo real? Rússia dá as costas para “moedas tóxicas” e abre espaço para o Brasil

7 de junho de 2024 - 20:00

Segundo o presidente russo, quase 40% do volume de negócios do país é agora em rublos, uma vez que a parcela realizada em dólares, euros e outras moedas ocidentais “não amigáveis” diminuiu

VAI CAIR OU NÃO VAI?

Juros nos EUA: a mensagem do principal relatório de emprego sobre o futuro das taxas que mexem com as bolsas do mundo

7 de junho de 2024 - 14:01

O mercado torceu o nariz para os dados mais fortes do que o esperado do chamado payroll referente ao mês de maio; entenda a reação e o que esperar agora

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar