Menu
2021-01-18T17:12:29-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
MERCADOS HOJE

Início da vacinação dá fôlego ao Ibovespa e bolsa tem alta firme; dólar recua

Em dia de Wall Street fechada, o mercado deve refletir uma liquidez menor. Os investidores também repercutem os dados do IBC-Br

18 de janeiro de 2021
10:53 - atualizado às 17:12
CoronaVac, vacina desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan
CoronaVac, vacina desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. - Imagem: Shutterstock

O governo de São Paulo não perdeu tempo e iniciou a sua campanha de vacinação no domingo (17), minutos após a Anvisa liberar o uso emergencial da CoronaVac, produzida em parceria com o Instituto Butantan, e da vacina produzida pela AstraZeneca, em conjunto com a FioCruz.

Em um dia de baixa liquidez, já que Wall Street está fechada para a celebração do Dia de Martin Luther King, os investidores também não perdem tempo e já repercutem de forma positiva o início da imunização no país.

O Ibovespa começou o dia com fôlego, chegando a marcar 122.585,82 pontos, mas desacelerou durante a tarde. Segundo Camila Abdelmalack, economista-chefe da Veedha Investimentos, pela manhã tivemos o vencimento de opções sobre ações, o que pode ter provocado uma correção nos ativos durante a tarde.

Por volta das 17h, o principal índice da bolsa brasileira, operava em alta de 0,97%, aos 121.518,07 pontos. O dólar fechou o dia estável, com leve alta de 0,01%, a R$ 5,3047.

Durante a manhã, no entanto, o dólar e a bolsa chegaram a operar com certa instabilidade após o presidente Bolsonaro evidenciar que existem sérios atritos entre o governo federal e o estado de São Paulo com relação à vacina. O presidente chegou a declarar que "a vacina é do Brasil" e "não é de nenhum governador".

Os juros futuros também operam em queda com o avanço da vacinação na país. Confira as taxas de fechamento de hoje:

  • Janeiro/2022: de 3,345% para 3,26%
  • Janeiro/2023: de 5,035% para 4,99%
  • Janeiro/2025: de 6,63% para 6,47%
  • Janeiro/2027: de 7,11% para 7,10%

Dia D

O dia D enfim chegou e a população brasileira começa a ser imunizada contra a covid-19, se juntando a mais de 50 países que já possuem campanhas de vacinação em andamento.

São Paulo deu a largada, mas outros estados devem começar a imunização já nas próximas horas. Mais cedo, houve uma cerimônia de distribuição de doses que contou com a presença de governadores e do ministro da Saúde.

O mercado financeiro recebe essa notícia de braços abertos pois acredita que o início da vacinação é suficiente para o país abrir mão de novos estímulos fiscais e abafar até mesmo uma discussão sobre uma nova rodada do auxílio emergencial.

Mas nem tudo são flores. O ministério da Saúde, liderado pelo militar Eduardo Pazuello, e o governo como um todo, seguem em atrio com o governador de São paulo, João Doria.

Com as vacinas aprovadas, agora os investidores aguardam mais informações sobre o processo — como a velocidade de imunização e a logística — e monitoram as disputas políticas em torno da pauta.

Sem crise

Mesmo em um ano conturbado como 2020, a China teve um desempenho positivo da sua economia — o único entre as grandes economias. O gigante asiático cresceu 2,3% em 2020, mesmo com a crise do coronavírus, acima do que os analistas estavam projetando. Nos últimos três meses do ano a alta foi de 6,5% ante o mesmo período do ano anterior.

A China foi o primeiro país a ser afetado pelo coronavírus e conseguiu conter a situação enquanto o restante do mundo ainda aprendia como lidar com o coronavírus.

Com o bom desempenho da economia chinesa, vale a pena ficar de olho nas empresas ligadas à commodities —  a Gerdau e a Vale possuem desempenho positivo, mesmo em dia de vencimento de opções, o que normalmente pressiona as blue chips. É que a China é grande compradora dessas empresas e uma recuperação econômica significa uma necessidade maior de matéria-prima.

Outro dado chinês divulgado na noite passada, mas que cresceu abaixo do esperado, foi o termômetro do Varejo. As vendas subiram 4,6% em dezembro.

Digerindo números

Logo pela manhã, os investidores digeriram os dados do IBC-Br, ‘Prévia do PIB do BC’, que mostrou sinais de desaceleração, mas veio acima do projetado pelos analistas.

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) apresentou crescimento de 0,59% em novembro, na comparação com o mês anterior, quando cresceu 0,75%, dado que foi revisado para baixo.

Raio-x

Mesmo com um bom desempenho da economia chinesa, as bolsas asiáticas fecharam mistas, sem uma direção definida.

Enquanto as bolsas chinesas registraram ganhos, o restante do continente esteve mais cauteloso, refletindo a situação da pandemia do coronavírus na região.

Na Europa, a cautela com o avanço do coronavírus foi o que predominou, mas, ao fim do dia, as bolsas do velho continente fecharam majoritariamente em alta. O índice pan-eurooeu Stoxx 600 fecgou em alta de 0,20, a 408,68 pontos.

Os negócios também são afetados com o feriado nos Estados Unidos, que deixa Wall Street fechada e deve manter a liquidez do mercado baixa nesta segunda-feira (18).

Sobe e desce

Com menos nuvens pesadas no céu, os investidores aproveitam o momento para voltar a apostar naquelas ações vistas como as grandes "vencedoras" da crise. Esse é o caso da Weg, que lidera disparado a lista de maiores altas do dia. Só neste mês, a fabricante de motores já se valorizou mais de 20%.

Na semana passada, o BTG Pactual, que é o principal destaque, anunciou que fará uma oferta pública primária de ações, que pode movimentar R$ 2,353 bilhões.

Confira as maiores altas do Ibovespa nesta tarde:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
WEGE3Weg ONR$ 91,41 6,09%
BPAC11BTG Pactual unitsR$ 93,99 5,90%
NTCO3Natura ONR$ 52,28 5,85%
HAPV3Hapvida ONR$ 18,28 5,66%
SUZB3Suzano ONR$ 64,09 4,81%

Com um ambiente positivo nos negócios, poucos papéis recuam nesta tarde.

O destaque negativo fica com as ações do Carrefour. Durante o fim de semana, o Carrefour Global e a canadense Couche-Tard anunciaram o encerramento das negociações, após o governo francês se opor ao negócio. Confira também as principais quedas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
EQTL3Equatorial ONR$ 22,98 -1,63%
CRFB3Carrefour Brasil ONR$ 19,98 -1,53%
ENGI11Engie unitsR$ 47,89 -1,05%
UGPA3Ultrapar ONR$ 22,52 -0,71%
ENBR3Energias do Brasil ONR$ 20,29 -0,64%
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

O melhor do seu dinheiro

O preço do diesel e o cobertor curto

Na briga do presidente Jair Bolsonaro para tentar baixar o preço dos combustíveis e do gás de cozinha no país, não foi só a Petrobras que apanhou. Pode ser que sobre também para os bancos. E na bolsa, as ações das instituições financeiras já sofreram um bocado nesta segunda-feira por causa disso. Tudo ia bem […]

FECHAMENTO

Brasília força Ibovespa a pisar no freio e bolsa quase zera ganhos após avançar mais de 2%; dólar fica estável

No exterior, as bolsas tiveram dias de ganho expressivo, com os mercados repercutindo de forma positiva a aprovação do pacote de estímulos americano e uma nova opção de vacina

Proposta na mesa

Aumento de tributação aos bancos está sendo discutido para compensar a desoneração do diesel

A lógica proposta seria da CSLL subir para compor a compensação dos tributos com o intuito de zerar a tributação do diesel e do gás de cozinha, tendo um custo total de quase R$ 3,6 bilhões.

Concentrado

Foco de Biden é a aprovação do pacote de US$ 1,9 trilhão, diz Casa Branca

O texto foi avalizado pela Câmara dos Representantes no fim de semana e ainda precisa ser analisado pelo Senado.

Casamento do ano?

Fusão de Hapvida e Intermédica deve revolucionar setor de saúde, apontam analistas; ações sobem mais de 5%

Para analistas, união das companhias não deve encontrar grandes dificuldades para conseguir aprovação do Cade, com o ponto mais crítico sendo, possivelmente, Minas Gerais, onde ambas concentram 16% do mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies