Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-01-17T17:21:33-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Temos vacina!

Por unanimidade, Anvisa aprova uso emergencial da CoronaVac e da vacina de Oxford/AstraZeneca

Primeiros profissionais de saúde já foram vacinados em pronunciamento do governador de São Paulo, João Doria

17 de janeiro de 2021
16:14 - atualizado às 17:21
Coronavac, vacina contra o coronavírus desenvolvida pela chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan
Coronavac, vacina contra o coronavírus desenvolvida pela chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. -

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou, por unanimidade, na tarde deste domingo (17), o uso emergencial da CoronaVac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, e da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com a farmacêutica AstraZeneca.

A relatora e mais quatro diretores da agência votaram pela aprovação. A decisão depende de publicação no Diário Oficial e de comunicação aos laboratórios para entrar em vigor. No Brasil, a CoronaVac será entregue pelo Instituto Butantan, e a vacina de Oxford, pela Fiocruz.

O Instituto Butantan tem 6 milhões de doses da vacina prontas para aplicação. Elas serão encaminhadas imediatamente para o Ministério da Saúde, para que seja então iniciada a campanha nacional.

No Twitter, o governador de São Paulo, João Doria, disse que a entrega das unidades da CoronaVac prometidas para o governo federal será realizada tão logo o uso emergencial da vacina seja aprovado.

Mais cedo, o corpo técnico do órgão já havia recomendado o uso emergencial dos dois imunizantes, bem como rejeitado o pedido de uso emergencial da russa Sputnik V, que ainda não se enquadra nos requisitos mínimos para tal.

Tão logo a Anvisa aprovou o uso emergencial da CoronaVac, as primeiras doses da vacina já começaram a ser aplicadas em profissionais de saúde do estado de São Paulo no Hospital das Clínicas, na capital, no evento de pronunciamento do governador João Doria.

A primeira vacinada foi a enfermeira do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, Mônica Calazans, de 54 anos, que escolheu trabalhar no local, epicentro de combate à pandemia, no auge das infecções em abril. Além de atuar na linha de frente de combate à covid-19, Mônica é do grupo de risco, sendo obesa, diabética e hipertensa.

A previsão para o início da vacinação em âmbito nacional é no dia 20 ou 21 de janeiro, mas ainda há muitas incertezas envolvendo o processo.

Como foi a votação da Anvisa

A primeira diretora a ler o voto foi a relatora do caso, Meiruze Freitas. Ela aprovou o uso emergencial, mas fez ressalvas. Disse esperar que o Instituto Butantan responda, até o fim de fevereiro, sobre os resultados sobre a imunogenicidade (capacidade de produção de anticorpos) da CoronaVac, produzida pelo Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

A relatora destacou não haver alternativa terapêutica às vacinas. A diretora disse ter tomado a decisão com aval da ciência e após trabalho árduo dos técnicos da Anvisa nos últimos dias. “Guiada pela ciência e pelos dados, a equipe concluiu que os benefícios conhecidos e potenciais dessas vacinas superam seus riscos. Os servidores [da Anvisa] vêm trabalhando com dedicação integral e senso de urgência”, disse Meiruze ao ler o voto.

O segundo voto foi dado pelo diretor Romilson Mota, que acompanhou a relatora. De acordo com ele, o grave cenário da pandemia de covid-19 e o “indicativo de colapso” na rede de saúde justificam a aprovação.

Terceiro a votar, Alex Machado Campos acompanhou os demais diretores. Ele foi seguido pela diretora Cristiane Jourdan Gomes e pelo diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres. A votação foi concluída por volta das 15h20.

*Com Estadão Conteúdo e Agência Brasil.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Ele está de volta?

Setores fazem pressão por volta do horário de verão

Criado com a finalidade de aproveitar o maior período de luz solar durante a época mais quente do ano, o horário de verão foi instituído no Brasil em 1931 pelo então presidente Getúlio Vargas e adotado em caráter permanente a partir de 2008.

MANOBRAS

Juiz põe no banco dos réus ex-gestores do banco Máxima por gestão fraudulenta

O Banco Máxima S.A. informa que seus atuais acionistas assumiram a administração do banco em 2018, após aprovação pelo Banco Central, e que os integrantes da antiga gestão não têm mais qualquer relação com a instituição financeira

Foguete? Tô fora!

Warren Buffet: o bilionário que não quer conhecer as estrelas

Enquanto Bezos, Musk e Branson protagonizam a nova corrida especial, o Oráculo de Omaha prefere apenas observar

O melhor do Seu Dinheiro

O seu momento Sherlock Holmes

Na adolescência, ouvia que quem buscasse por romance policial brasileiro deveria ler algo do Rubem Fonseca. Era uma vontade minha achar uma história desse gênero que fosse mais próxima da minha realidade — e o filtro nacionalidade me pareceu o mais adequado.  A ideia surgiu depois de ter conhecido parte das histórias criadas por Agatha […]

Mesa Quadrada

Comentarista da ESPN Paulo Antunes fala da sua paixão por futebol americano e experiência no mercado financeiro

Ele conta sobre suas aventuras na cobertura de futebol americano e basquete e ainda revela seus investimentos na Bolsa em novo episódio do podcast Mesa Quadrada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies