Menu
2020-03-25T16:15:33-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Mercados hoje

Ibovespa tem nova alta firme, impulsionado pelo exterior; mercados ficam atentos ao cenário político

Após abrir o dia sem forças para se afastar da estabilidade, o Ibovespa recebeu um empurrão das bolsas americanas e se firmou no campo positivo. No entanto, o cenário político doméstico cada vez mais deteriorado inspira cautela aos investidores

25 de março de 2020
10:33 - atualizado às 16:15
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa abriu a sessão desta quarta-feira (25) sem conseguir se afastar muito do zero a zero, mas o tom positivo visto lá fora acabou dando um empurrão às negociações por aqui. Agora, o índice já sobe mais de 9%, firmando-se acima dos 75 mil pontos.

Por volta de 16h10, o Ibovespa avançava 9,42%, aos 76.299,27 pontos, mas chegou a recuar 0,53% logo depois da abertura, aos 69.359,58 pontos. Lá fora, o Dow Jones (+5,62%), o S&P 500 (+4,23%) e o Nasdaq (+2,34%) operam em alta firme, assim como as principais praças da Europa.

No câmbio, o dia também é mais tranquilo: no mesmo horário, o dólar à vista recuava 1,60%, a R$ 5,0008 — a moeda americana não termina uma sessão abaixo dos R$ 5,00 desde o dia 13.

  • Eu gravei um vídeo para comentar essa nova rodada de alívio nas bolsas globais. Veja abaixo:

O surto de coronavírus continua inspirando enorme cautela aos mercados globais, uma vez que o ritmo de disseminação da doença pelo mundo tem aumentado. De acordo com a universidade americana John Hopkins, já são mais de 20 mil mortos e cerca de 450 mil pessoas contaminadas — ontem, o total de infectados estava abaixo de 400 mil.

No entanto, as medidas de estímulo econômico anunciadas por governos e bancos centrais têm ajudado a trazer algum alívio aos investidores. Nesta madrugada, o Senado dos EUA aprovou o pacote de US$ 2 trilhões com medidas de incentivo à atividade local — a pauta vinha sendo discutida desde o fim de semana.

Com o sinal verde para o pacote trilionário, os mercados americanos continuam em alta — ontem, já tinham registrado uma recuperação firme, com o Dow Jones saltando mais de 11%. E esse tom mais positivo visto no exterior acaba se sobrepondo à cautela com o vírus, ao menos por enquanto.

Preocupação local

No Brasil, a deterioração cada vez maior do cenário político é motivo para preocupação entre os investidores. Ontem, em pronunciamento à nação, o presidente Jair Bolsonaro confrontou governadores, fez pouco caso do coronavírus e foi contra as recomendações da OMS ao defender a reabertura de escolas e fim do isolamento social.

O pronunciamento gerou enorme discussão nas redes sociais e provocou reações imediatas das principais lideranças políticas. Tanto o presidente do Senado, Davi Alcolumbre — que foi contaminado pelo coronavírus — quanto o da Câmara, Rodrigo Maia, repudiaram a postura de Bolsonaro, escancarando o isolamento cada vez maior do presidente da República.

Nesse cenário, o mercado obviamente fica receoso quanto às diretrizes econômicas a serem assumidas neste momento de crise global — eventuais declarações dos principais atores da cena política podem trazer instabilidade às negociações por aqui, neutralizando a influência positiva do exterior.

DIs caem após IPCA-15

No mercado de juros, os principais vencimentos operam em baixa nesta quarta-feira, repercutindo o resultado da inflação medida pelo IPCA-15: o índice subiu 0,02% em março, o menor resultado para o mês desde 1994.

Com a inflação sob controle, aumentam as apostas do mercado quanto a um novo corte na taxa Selic, uma vez que não há grandes pressões sobre o nível de preços do país. Veja abaixo como estão os principais DIs no momento:

  • Janeiro/2021: de 3,68% para 3,40%;
  • Janeiro/2022: de 4,99% para 4,51%;
  • Janeiro/2023: de 6,70% para 5,91%;
  • Janeiro/2025: de 8,33% para 7,41%.

Altas e baixas

O setor aéreo aparece entre os destaques positivos do Ibovespa nesta quarta-feira, aproveitando o clima mais ameno dos mercados globais para recuperar parte do terreno perdido recentemente. Veja abaixo quais são as cinco ações de melhor desempenho do índice:

CÓDIGONOME PREÇO (R$)VARIAÇÃO
GOLL4Gol PN10,95 +35,19%
BRKM5Braskem PNA14,95 +31,14%
HGTX3Cia Hering ON15,41 +25,49%
USIM5Usiminas PNA4,93 +22,64%
SMLS3Smiles ON13,90 +21,40%

Confira também as maiores quedas do Ibovespa no momento:

CÓDIGONOME PREÇO (R$)VARIAÇÃO
PCAR3GPA ON70,02 -2,75%
CRFB3Carrefour Brasil ON21,22 -2,66%
EQTL3Equatorial ON16,74 -0,59%
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

após marco legal

Estatais de saneamento pressionam governo por crédito

Empresas querem que o CMN retire os financiamentos às estatais de saneamento do cálculo do limite de exposição dos bancos ao setor público

'CALCINHA BEGE' DA ALOCAÇÃO DE ATIVOS

Conheça o método 60/40, uma estratégia simples e eficiente para montar seu plano de aposentadoria

Estratégia perfeita exatamente para quem sabe que precisa investir, mas não têm muito saco para fazê-lo.

Decisão cautelar

TCU proíbe governo Bolsonaro de anunciar em sites que exerçam atividades ilegais

Indícios de irregularidades na veiculação de propagandas do governo federal levaram o TCU a tomar a decisão cautelar, concedida pelo ministro Vital do Rêgo

PGR

Aras recomenda a Guedes mais transparência em gastos no combate à pandemia

A pedido de procuradores do MPF-PE, o procurador-geral da República, Augusto Aras, enviou recomendações para Guedes dar transparência aos gastos federais

Setor em destaque

Estatais de saneamento querem flexibilizar regras para contratar empréstimos

Com regras mais fáceis para a entrada do setor privado, as estatais de saneamento querem que a concessão de empréstimos ao segmento seja menos rigorosa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements