Menu
2020-01-16T18:39:02-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Otimismo moderado

Ibovespa patina, mas fecha em alta após a economia doméstica dar um sinal de força

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) em novembro surpreendeu positivamente, sustentando o Ibovespa no campo positivo. Já o dólar seguiu pressionado e fechou a R$ 4,19

16 de janeiro de 2020
18:38 - atualizado às 18:39
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O script era manjado: cabisbaixo com a economia do país, o mercado é surpreendido por um dado mais forte que o esperado. As mesas de operação ficam em festa, o Ibovespa sobe e o dólar cai — um enredo que já foi repetido diversas vezes.

Leia também [Patrocinado]: as melhores ações para quem quer ganhar dinheiro em 2020

E, durante a manhã desta quinta-feira (16), tudo correu conforme a roteiro. Os investidores mostraram-se mais propensos ao risco após o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) em novembro vir acima das expectativas, o que deu forças aos ativos domésticos.

Tanto é que, durante a manhã, o Ibovespa chegou a subir 0,59%, aos 117.105,58 pontos, enquanto o dólar à vista tocou os R$ 4,1608 (-0,56%). Com os mercados externos bastante calmos, parecia que o dia estava resolvido.

Só que, no meio da tarde, tivemos uma pequena reviravolta. O Ibovespa começou a perder força e o dólar passou a ser pressionado — um movimento que inverteu a tendência vista durante a manhã. A bolsa brasileira foi ao campo negativo e a moeda americana bateu os R$ 4,19.

O fenômeno, contudo, teve vida curta. Ao fim do dia, o Ibovespa conseguiu se recuperar e fechou em alta de 0,25%, aos 116.704,21 pontos. O dólar não teve a mesma sorte: com uma hora a menos de negociação, a divisa terminou com ganho de 0,14%, a R$ 4,1902 — a maior cotação desde 4 de dezembro.

Para entender melhor a dinâmica da sessão desta quinta-feira, é melhor ir por partes. Comecemos, então, pelo principal fator de influência: o IBC-Br.

Alívio na economia

Considerado uma prévia do PIB calculada pelo BC, o IBC-Br subiu 0,18% em novembro na comparação com o mês anterior — resultado melhor que a média das expectativas dos analistas consultados pelo Broadcast, que apontava para uma queda de 0,10% no período.

A surpresa positiva veio após a frustração do mercado com os dados de produção industrial e de vendas no varejo em novembro — números que elevaram a preocupação quanto ao desempenho da economia do país.

"Até o IBC-Br, todos os dados tinham vindo abaixo [do esperado]", diz Victor Beyruti, economista da Guide Investimentos. "O número de hoje dá um alívio, um respiro, mas nada muito relevante".

Os dados mais animadores referentes à economia doméstica desencadearam um movimento de correção nos juros: ontem, com a decepção das vendas no varejo, o mercado aumentou as apostas num novo corte na Selic, de modo a estimular a atividade.

No entanto, com o resultado do IBC-Br, parte dessa leitura perdeu força — e, com isso, as curvas de juros fecharam em alta, devolvendo as baixas de quarta-feira.

Veja como ficaram os DIs mais líquidos:

  • Janeiro/2021: de 4,39% para 4,45%;
  • Janeiro/2023: de 5,56% para 5,69%;
  • Janeiro/2025: de 6,32% para 6,42%;
  • Janeiro/2027: de 6,71% para 6,82%.

Instabilidades

Se o IBC-Br trouxe tanto alívio aos investidores, por que o Ibovespa passou por um momento de turbulência e o dólar virou para queda?

Agentes financeiros com quem eu conversei disseram que esse movimento de aversão ao risco não foi desencadeado por alguma notícia de última hora — em linhas gerais, o cenário permaneceu o mesmo durante a tarde.

Um operador que prefere não ser identificado me disse que a grande mudança foi a maior presença dos investidores estrangeiros na ponta vendedora da bolsa: segundo ele, as corretoras do Bank of America Merrill Lynch e do UBS passaram a se desfazer das ações com maior intensidade.

Esse mesmo operador diz que, por outro lado, a corretura do J.P. Morgan atua na ponta compradora desde o início do dia, o que ajudou a dar alguma sustentação à bolsa brasileira — e a manter o Ibovespa em alta ao fim do dia.

Otimismo nos Estados Unidos

Lá fora, os investidores seguiram de bom humor: o Dow Jones fechou em alta de 0,92%, o S&P 500 teve ganho de 0,84% e o Nasdaq avançou 1,06%, dando continuidade ao movimento da sessão passada — e atingindo novos recordes de encerramento.

Segundo Beyruti, a conclusão da primeira fase do acordo comercial entre Washington e Pequim seguiu dando impulso aos mercados americanos — ele analisa que os termos foram bastante favoráveis à economia dos EUA.

Além disso, ele ressalta que foram divulgadas nesta manhã informações animadoras referentes à economia do país: o índice de atividade regional do Fed da Filadélfia superou as expectativas, e o número de novos pedidos de auxílio-desemprego ficou abaixo do projetado.

Nesse cenário, o dólar ganhou força em escala global: o índice DXY, que mede o desempenho da moeda americana em relação a uma cesta com as principais divisas do mundo — como o euro, o iene e a libra — subiu 0,08%.

Em relação às divisas de países emergentes, o comportamento foi o mesmo: o dólar se valorizou em relação ao rublo russo, o peso colombiano, o rand sul-africano e o peso chileno, entre outras — o real, assim, até tentou se descolar dos pares, mas cedeu à pressão global.

Top 5

Confira abaixo os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa nesta quinta-feira:

  • Hapvida ON (HAPV3): +3,36%
  • Usiminas PNA (USIM5): +2,98%
  • Ecorodovias ON (ECOR3): +2,80%
  • Carrefour Brasil ON (CRFB3): +2,58%
  • Telefônica Brasil PN (VIVT4): +2,41%

Veja também quais foram as maiores baixas do índice:

  • Cogna ON (COGN3): -2,67%
  • Rumo ON (RAIL3): -2,52%
  • BR Malls ON (BRML3): -1,99%
  • Qualicorp ON (QUAL3): -1,79%
  • Embraer ON (EMBR3): -1,75%

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

varejo online

B2W tem alta de 56% nas vendas e diminui prejuízo, que chega a R$ 43,8 milhões

Linha final do balanço é 57% melhor do que há um ano, enquanto mercado falava em prejuízo de R$ 60 milhões no terceiro trimestre; receita teve alta de 58,5% no período

cardápio de balanços

Suzano, Fleury e Totvs: os balanços que mexem com o mercado nesta sexta

São empresas cujas ações fazem parte da carteira teórica do Ibovespa – ou seja, os resultados das companhias ajudam a calibrar o índice

Sucessão no bancão

Milton Maluhy Filho será o novo presidente do Itaú Unibanco

Maluhy tem 44 anos e ingressou no Itaú em 2002. Após passar por diversas funções, o executivo ocupa o cargo de vice-presidente da área de riscos e finanças do maior banco privado brasileiro.

Big Techs

Resultados de Facebook, Google, Amazon, Twitter e Apple mexem com o mercado; veja números

Apesar dos resultados estarem bastante acima do esperado pelos analistas, as ações de algumas das gigantes caíram no pós-mercado em NY

Rombo

Governo Central tem déficit de R$ 76,1 bilhões em setembro

O resultado, que reúne as contas do Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central, sucede o déficit de R$ 96,096 bilhões de agosto.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies