Menu
2020-01-29T17:13:56-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Expectativa

Ibovespa segue em queda após Fed manter juros inalterados nos EUA; dólar sobe a R$ 4,21

Sem tirar o coronavírus do radar, o Ibovespa aparece novamente no campo negativo, aguardando o parecer do Federal Reserve em relação à taxa de juros nos EUA

29 de janeiro de 2020
10:22 - atualizado às 17:13
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa até ensaiou um movimento positivo nesta manhã, mas a cautela logo tomou conta do mercado. A tensão ainda elevada em relação ao coronavírus, combinada com a decisão de juros nos Estados Unidos, puxam o índice para baixo.

O Federal Reserve (Fed, o banco central americano) manteve as taxas inalteradas na faixa entre 1,50% e 1,75% ao ano, um movimento que já era aguardado pelos investidores. E, dada a falta de surpresas, os mercados pouco se mexeram após a decisão.

Por volta de 17h05, o Ibovespa operava em queda de 0,52% aos 115.874,34 pontos. Nos Estados Unidos, a toada também continua a mesma: o Dow Jones (+0,28%), o SP 500 (+0,23%) e o Nasdaq (+0,37%) seguem com um leve viés positivo.

O mercado doméstico de câmbio também teve um dia de maior pressão: o dólar à vista fechou em alta de 0,62%, a R$ 4,2193 — é o maior nível de encerramento desde 29 de novembro do ano passado (R$ 4,2407).

A decisão do Fed foi unânime. No comunicado, a instituição disse que a atual política monetária é "apropriada para suportar a expansão econômica", dadas as condições mais fortes do mercado de trabalho e o retorno da inflação para perto dos 2%.

O comitê disse ainda que vai considerar as condições do mercado de trabalho, indicadores de pressão inflacionária e expectativa de inflação, além de leituras sobre o desenvolvimento do mercado financeiro e internacional para futuros ajustes.

Agora, o mercado acompanhará atentamente a coletiva de imprensa do presidente da instituição, Jerome Powell, às 16h30, buscando pistas quanto ao futuro da política monetária do país. Eventuais citações aos impactos econômicos gerados pelo coronavírus também serão monitoradas.

E, falando nesse assunto, o noticiário referente à disseminação da doença continua inspirando alguma cautela. No mundo, já são 132 mortos e mais de seis mil casos confirmados, a maioria na China — já há relatos de pessoas contaminadas no Oriente Médio.

Dólar forte

No mercado de câmbio, o dia foi de valorização do dólar em escala global, tanto em relação às moedas fortes quanto as de países emergentes, em meio à expectativa com a decisão de juros nos EUA.

O dólar se valorizou em relação ao peso mexicano, ao rublo russo, a peso colombiano, ao rand sul-africano e ao peso chileno, entre outras moedas. Assim, o real seguiu a tendência global, embora tenha apresentado um dos piores desempenhos do grupo.

O posicionamento do Fed mexeu de maneira mais firme com o mercado de juros: as curvas se afastaram das mínimas, com os investidores acreditando que a manutenção das taxas nos EUA poderá influenciar a decisão do Copom, na semana que vem.

Veja como ficaram as curvas mais líquidas nesta quarta-feira:

  • Janeiro/2021: de 4,33% para 4,34%;
  • Janeiro/2023: de 5,50% para 5,49%;
  • Janeiro/2025: de 6,21% para 6,18%;
  • Janeiro/2027: de 6,60% para 6,58%.

Balanços em foco

No front corporativo, destaque para as units do Santander Brasil (SANB11), que operavam em queda de 2,57% — mais cedo, chegaram a subir 3,01%.

Nesta manhã, o banco reportou um lucro líquido gerencial de R$ 3,726 bilhões no quarto trimestre de 2019, alta de 9,43% na base anual — no acumulado do ano, os ganhos totalizaram R$ 14,55 bilhões, avançando 17,4% em relação a 2018.

Ainda falando em balanços, Cielo ON (CIEL3) cai 3,31% e aparece entre as maiores baixas do Ibovespa. A empresa reportou números trimestrais considerados fracos, mas, ainda assim, os papéis avançaram 3,57% — desta forma, boa parte dos ganhos é devolvida hoje.

Confira abaixo as cinco ações de melhor desempenho do Ibovespa nesta quarta-feira:

  • MRV ON (MRVE3): +6,61%
  • Weg ON (WEGE3): +3,90%
  • Hypera ON (HYPE3): +3,22%
  • Raia Drogasil ON (RADL3): +2,72%
  • Localiza ON (RENT3): +2,59%

Veja também as maiores baixas do índice no momento:

  • Azul PN (AZUL4): -3,75%
  • Cielo ON (CIEL3): -3,31%
  • Ultrapar ON (UGPA3): -2,93%
  • Marfrig ON (MRFG3): -2,85%
  • Sabesp ON (SBSP3): -2,54%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Alguém anotou a placa?

Coronavírus derrubou quase tudo em fevereiro; só o dólar e uma parte da renda fixa se salvaram

Entre mortos e feridos, salvaram-se poucos; dólar disparou, bolsa desabou, e até alguns títulos de renda fixa tiveram desempenho negativo no mês.

Dinheiro no bolso

Banco do Brasil aprova pagamento de R$ 517,4 milhões em juros sobre capital próprio

Total a ser pago, relativo ao primeiro trimestre de 2020, equivale a R$ 0,1814 por ação

Seu Dinheiro na sua noite

O que nós fizemos depois da queda da bolsa

Eu sei que assistir de braços cruzados à forte queda das ações em meio à completa falta de clareza sobre os impactos do coronavírus nos investimentos é difícil. Mas foi exatamente o que nós aqui do Seu Dinheiro fizemos. Bem, não ficamos exatamente de braços cruzados. Acompanhamos de perto todos os desdobramentos deste momento delicado […]

Perdas generalizadas

Coronavírus derruba o mercado e faz o Ibovespa cair 8,43% em fevereiro, o pior mês desde maio de 2018

O coronavírus se espalhou pelo mundo e trouxe uma enorme onda de aversão ao risco às bolsas. Como resultado, o Ibovespa desabou em fevereiro e o dólar à vista renovou as máximas, flertando com o nível de R$ 4,50

Pensando nas taxas

Goldman Sachs prevê 3 cortes de juros pelo Fed até junho com coronavírus

Primeira redução seria de 0,25 ponto já na reunião do próximo do comitê, marcada para os dias 17 e 18 de março

Polêmica em Brasília

Presidente do Senado convoca sessão para votar vetos do Orçamento impositivo

Projeto obriga o governo a pagar todas as emendas parlamentares neste ano

BC dos EUA

FED: fundamentos da economia continuam sólidos, mas coronavírus representa risco

Declaração foi dada pelo presidente do FED, Jerome Powell, em comunicado divulgado nesta sexta-feira

REAL DESVALORIZADO

Real está no topo da lista das moedas de emergentes com maior queda desde janeiro

Segundo o levantamento, o real está atrás até mesmo de moedas como o Rand Sul-africano (ZAR) e o peso colombiano (COP). Mas o movimento de depreciação de moedas emergentes em relação ao dólar não é único no Brasil

Ouça o que bombou na semana

Podcast Touros e Ursos: Como navegar as águas turbulentas do mercado?

O surto de coronavírus pegou os mercados em cheio, provocando enormes perdas ao Ibovespa e fazendo o dólar disparar rumo a novas máximas. Nesse cenário, nossos repórteres discutem como se comportar em meio ao tsunami de notícias negativas e proteger seus investimentos. Confira os destaques da semana: O coronavírus chegou com tudo aos mercados Dólar […]

Militares nas ruas

Governo federal confirma prorrogação de GLO no Ceará até dia 6 de março

Prazo original também tinha duração de uma semana e venceria nesta sexta-feira, 28

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements