Menu
2020-11-13T19:14:57-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
desempenho positivo

Ibovespa sobe 4% na semana com Petrobras, bancos e Ambev, surfando esperança de vacina em meio à 2ª onda da covid-19

Principal índice acionário da bolsa brasileira avança de olho em perspectivas da vacina e, ao mesmo tempo, vê uma segunda onda da covid-19 se fortalecer — e incerteza fiscal continuar pairando no ar. IBC-Br e falas de Guedes também ajudam

13 de novembro de 2020
19:05 - atualizado às 19:14
shutterstock_1801604842
Imagem: Shutterstock

O Ibovespa conseguiu terminar a semana no azul e manteve até aqui os ganhos firmes em novembro, em meio ao otimismo disseminado entre os investidores globais a respeito de uma vacina contra o coronavírus, além da perspectiva sobre estímulos fiscais nos Estados Unidos e um bom dado da economia brasileira.

É claro que, globalmente, a expectativa de vacina foi a principal notícia que conduziu os negócios na semana no lado positivo desse front — já, já vamos falar do lado negativo.

O anúncio da farmacêutica Pfizer sobre os resultados preliminares dos testes clínicos de uma vacina indicou que o imunizante desenvolvido em parceria com a BioNTech teve 90% de eficácia, um patamar muito elevado.

Além disso, no front de estímulos fiscais, existem perspectivas a respeito de um acordo pelo pacote de ajuda econômica, com a chegada do presidente eleito Joe Biden ao campo de negociações com os republicanos.

O nomeado chefe de gabinete do democrata, Ron Klain, afirmou que Biden está em conversas com senadores e governadores do partido republicano, disse ele em entrevista à MSNBC, sem citar nomes.

Nos últimos meses a expectativa por novos estímulos vem mexendo com os negócios, mas republicanos e democratas não conseguiram chegar a um acordo. Ultimamente, a sinalização havia sido negativa, já que o presidente Donald Trump se retirou definitivamente das negociações com os democratas após o pleito de 3 de novembro.

Localmente, a economia brasileira também animou. O IBC-Br, a chamada prévia do PIB, ajudou o principal índice acionário brasileiro hoje, pavimentando o caminho de mais uma alta vigorosa do Ibovespa.

O índice de atividade econômica do Banco Central subiu 1,29% entre agosto e setembro, quinto avanço mensal consecutivo pela série ajustada sazonalmente. Em agosto, a alta foi de 1,39%. O resultado veio acima das projeções do mercado — e fez até o Credit Suisse rever suas projeções para o PIB.

Do lado negativo, a segunda onda vem aí — melhor dizendo, já veio, e voltou a pressionar os ativos de risco durante as últimas duas sessões.

As restrições de circulação, que até agora estavam limitadas à Europa, voltaram à tona nos Estados Unidos, com decisões de toque de recolher sendo instituídas, por exemplo, no Estado de Nova York, limitando o funcionamento de bares, restaurantes e academias de ginástica até às 22h.

A novidade chegou a fazer os índices caírem ontem, com a percepção de que a pandemia está, ainda, interferindo na vida de milhões de pessoas — e continuando a trazer estragos econômicos.

Hoje, o resultado das bolsas foi novamente positivo. Nos Estados Unidos, os principais índices acionários tiveram ganhos expressivos, terminando uma bela semana em que as ações de tecnologia ficaram em segundo plano. O S&P 500 avançou 1,4%; Dow Jones, 1,4%; e o Nasdaq, 1%.

Eu e a Julia Wiltgen comentamos sobre esse "cabo de guerra" de fatores que fizeram as bolsas irem de lá para cá. Qual será a resultante dessas forças na mesma direção e em sentidos opostos? Nós tentamos responder na tradicional live de sexta do Seu Dinheiro. É só dar play.

Por aqui, apesar do cabo de guerra entre notícias boas e ruins, tivemos outra sessão de gala: o Ibovespa fechou em alta de 2,2%, cotado aos 104.720 pontos, embalado pela bom humor global gerado ainda pelas esperanças de uma vacina contra o Sars-Cov-2.

Na semana, o índice avançou 3,8% — no mês, já acumula ganhos de 11,5%.

Entre os maiores destaques, Petrobras e bancos (em específico o Bradesco), do setor da chamada "velha economia" e pesos-pesados, foram os ganhadores da semana.

Destaques da semana

Papéis muitos descontados, como do setor aéreo, também ficaram entre os maiores avanços no Ibovespa nesta semana — Azul PN (AZUL4) e Gol PN (GOLL4) subiram 12% no período. Também muita prejudicada, Embraer ON (EMBR3) disparou 13,7%

Ações do setor de educação, outras a sofrerem os impactos da pandemia na pele, também se recuperaram: Yduqs ON (YDUQ3) subiu 15,3%, e Cogna, 6%.

Outra gigante do Ibovespa: a ação Ambev ON (ABEV3) teve ganhos de 14%. Confira as maiores altas semanais:

CÓDIGOEMPRESAPREÇO (R$)ALTA NA SEMANA
PETR3Petrobras ON             23,23 16,66%
YDUQ3Yduqs ON             28,27 15,58%
BBDC4Bradesco PN             24,13 15,47%
PETR4Petrobras PN             22,68 14,58%
BBDC4Bradesco ON                7,49 14,42%

Vencedoras do mundo corporativo com a pandemia, o setor do e-commerce sofreu nesta semana de realocação dos recursos de investidores para empresas de setores tradicionais — em linha com o que houve com o Nasdaq e outros índices nos Estados Unidos.

Magazine Luiza, B2W e Via Varejo ficaram entre as grandes perdedoras do período, mas, claro, continuam brilhando no ano de pandemia. Veja as maiores quedas:

CÓDIGOEMPRESAPREÇO (R$)QUEDA NA SEMANA
TOTS3Totvs ON             28,20 -9,24%
BTOW3 B2W ON              74,25 -8,52%
MGLU3 Magalu ON 25,10 -8,16%
CSNA3 CSN ON              19,29-7,13%
VVAR3 Via Varejo ON              17,85 -7,13%

Dólar termina sessão no zero a zero, mas sobe na semana; juros caem

O dólar teve mais uma sessão de oscilação, com muita amplitude de movimento sem uma direção clara ao longo do dia.

Na máxima, chegou a subir 0,9%, enquanto que, na mínima, caiu 0,5%. No fim, terminou perto do zero, caindo levemente 0,05%, cotado a R$ 5,4756.

No radar dos investidores, persistiram incertezas acerca do cenário fiscal. Ontem, o ministro Paulo Guedes instigou cautela nos agentes financeiros ao dizer que o auxílio emergencial será com certeza estendido em caso de segunda onda da covid-19.

Hoje, no entanto, Guedes disse que o auxílio emergencial termina em dezembro e que, no ano que vem, se voltará a pagar o Bolsa Família. Além disso, reforçou um discurso de austeridade fiscal e falou em manutenção do teto de gastos.

Um abrandamento da perspectiva de uma extensão do auxílio e percepção melhor do risco fiscal ajudou os juros futuros a se descomprimirem, bem como a busca por risco no exterior, o que favoreceu as moedas emergentes e enfraqueceu o dólar globalmente.

Neste contexto, o Dollar Index (DXY), que compara a moeda a uma cesta de moedas fortes como euro, libra e iene, marcou recuo de 0,25%.

Confira as taxas dos principais vencimentos:

  • Janeiro/2021: de 1,94% para 1,926%
  • Janeiro/2022: de 3,39% para 3,34%
  • Janeiro/2023: de 4,98% para 4,94%
  • Janeiro/2025: de 6,75% para 6,70%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Após vacinação e apoio fiscal

Economia dos EUA está “em ponto de inflexão” positivo, diz Powell, do Fed

Economia norte-americana está prestes a começar a crescer muito mais rapidamente, afirmou presidente do banco central norte-americano em entrevista

nos estados unidos

Remuneração de CEOs cresceu em meio à pandemia

Recuperação do mercado de ações impulsionou ganhos de executivos em 2020, que tiveram remuneração média de US$ 13,7 mi no período

Após estremecimentos

China quer parceria estratégia com Brasil, diz chanceler asiático

Chanceler chinês, Wang Yi, falou com o novo ministro das Relações Exteriores do Brasil, Carlos Alberto Franco França.

entrevista

Bittar reafirma que Guedes sabia de acordo para destinar verba a emendas

Apontado como um dos artífices da “maquiagem” no Orçamento, o senador Marcio Bittar diz que não chegou sozinho ao valor de R$ 29 bilhões em emendas

Apesar da pandemia

Saúde perde espaço em emendas parlamentares

Números mostram estratégia dos parlamentares para destinar recursos para obras e projetos de interesse eleitoral em seus redutos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies