Menu
2020-11-13T19:14:57-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
desempenho positivo

Ibovespa sobe 4% na semana com Petrobras, bancos e Ambev, surfando esperança de vacina em meio à 2ª onda da covid-19

Principal índice acionário da bolsa brasileira avança de olho em perspectivas da vacina e, ao mesmo tempo, vê uma segunda onda da covid-19 se fortalecer — e incerteza fiscal continuar pairando no ar. IBC-Br e falas de Guedes também ajudam

13 de novembro de 2020
19:05 - atualizado às 19:14
shutterstock_1801604842
Imagem: Shutterstock

O Ibovespa conseguiu terminar a semana no azul e manteve até aqui os ganhos firmes em novembro, em meio ao otimismo disseminado entre os investidores globais a respeito de uma vacina contra o coronavírus, além da perspectiva sobre estímulos fiscais nos Estados Unidos e um bom dado da economia brasileira.

É claro que, globalmente, a expectativa de vacina foi a principal notícia que conduziu os negócios na semana no lado positivo desse front — já, já vamos falar do lado negativo.

O anúncio da farmacêutica Pfizer sobre os resultados preliminares dos testes clínicos de uma vacina indicou que o imunizante desenvolvido em parceria com a BioNTech teve 90% de eficácia, um patamar muito elevado.

Além disso, no front de estímulos fiscais, existem perspectivas a respeito de um acordo pelo pacote de ajuda econômica, com a chegada do presidente eleito Joe Biden ao campo de negociações com os republicanos.

O nomeado chefe de gabinete do democrata, Ron Klain, afirmou que Biden está em conversas com senadores e governadores do partido republicano, disse ele em entrevista à MSNBC, sem citar nomes.

Nos últimos meses a expectativa por novos estímulos vem mexendo com os negócios, mas republicanos e democratas não conseguiram chegar a um acordo. Ultimamente, a sinalização havia sido negativa, já que o presidente Donald Trump se retirou definitivamente das negociações com os democratas após o pleito de 3 de novembro.

Localmente, a economia brasileira também animou. O IBC-Br, a chamada prévia do PIB, ajudou o principal índice acionário brasileiro hoje, pavimentando o caminho de mais uma alta vigorosa do Ibovespa.

O índice de atividade econômica do Banco Central subiu 1,29% entre agosto e setembro, quinto avanço mensal consecutivo pela série ajustada sazonalmente. Em agosto, a alta foi de 1,39%. O resultado veio acima das projeções do mercado — e fez até o Credit Suisse rever suas projeções para o PIB.

Do lado negativo, a segunda onda vem aí — melhor dizendo, já veio, e voltou a pressionar os ativos de risco durante as últimas duas sessões.

As restrições de circulação, que até agora estavam limitadas à Europa, voltaram à tona nos Estados Unidos, com decisões de toque de recolher sendo instituídas, por exemplo, no Estado de Nova York, limitando o funcionamento de bares, restaurantes e academias de ginástica até às 22h.

A novidade chegou a fazer os índices caírem ontem, com a percepção de que a pandemia está, ainda, interferindo na vida de milhões de pessoas — e continuando a trazer estragos econômicos.

Hoje, o resultado das bolsas foi novamente positivo. Nos Estados Unidos, os principais índices acionários tiveram ganhos expressivos, terminando uma bela semana em que as ações de tecnologia ficaram em segundo plano. O S&P 500 avançou 1,4%; Dow Jones, 1,4%; e o Nasdaq, 1%.

Eu e a Julia Wiltgen comentamos sobre esse "cabo de guerra" de fatores que fizeram as bolsas irem de lá para cá. Qual será a resultante dessas forças na mesma direção e em sentidos opostos? Nós tentamos responder na tradicional live de sexta do Seu Dinheiro. É só dar play.

Por aqui, apesar do cabo de guerra entre notícias boas e ruins, tivemos outra sessão de gala: o Ibovespa fechou em alta de 2,2%, cotado aos 104.720 pontos, embalado pela bom humor global gerado ainda pelas esperanças de uma vacina contra o Sars-Cov-2.

Na semana, o índice avançou 3,8% — no mês, já acumula ganhos de 11,5%.

Entre os maiores destaques, Petrobras e bancos (em específico o Bradesco), do setor da chamada "velha economia" e pesos-pesados, foram os ganhadores da semana.

Destaques da semana

Papéis muitos descontados, como do setor aéreo, também ficaram entre os maiores avanços no Ibovespa nesta semana — Azul PN (AZUL4) e Gol PN (GOLL4) subiram 12% no período. Também muita prejudicada, Embraer ON (EMBR3) disparou 13,7%

Ações do setor de educação, outras a sofrerem os impactos da pandemia na pele, também se recuperaram: Yduqs ON (YDUQ3) subiu 15,3%, e Cogna, 6%.

Outra gigante do Ibovespa: a ação Ambev ON (ABEV3) teve ganhos de 14%. Confira as maiores altas semanais:

CÓDIGOEMPRESAPREÇO (R$)ALTA NA SEMANA
PETR3Petrobras ON             23,23 16,66%
YDUQ3Yduqs ON             28,27 15,58%
BBDC4Bradesco PN             24,13 15,47%
PETR4Petrobras PN             22,68 14,58%
BBDC4Bradesco ON                7,49 14,42%

Vencedoras do mundo corporativo com a pandemia, o setor do e-commerce sofreu nesta semana de realocação dos recursos de investidores para empresas de setores tradicionais — em linha com o que houve com o Nasdaq e outros índices nos Estados Unidos.

Magazine Luiza, B2W e Via Varejo ficaram entre as grandes perdedoras do período, mas, claro, continuam brilhando no ano de pandemia. Veja as maiores quedas:

CÓDIGOEMPRESAPREÇO (R$)QUEDA NA SEMANA
TOTS3Totvs ON             28,20 -9,24%
BTOW3 B2W ON              74,25 -8,52%
MGLU3 Magalu ON 25,10 -8,16%
CSNA3 CSN ON              19,29-7,13%
VVAR3 Via Varejo ON              17,85 -7,13%

Dólar termina sessão no zero a zero, mas sobe na semana; juros caem

O dólar teve mais uma sessão de oscilação, com muita amplitude de movimento sem uma direção clara ao longo do dia.

Na máxima, chegou a subir 0,9%, enquanto que, na mínima, caiu 0,5%. No fim, terminou perto do zero, caindo levemente 0,05%, cotado a R$ 5,4756.

No radar dos investidores, persistiram incertezas acerca do cenário fiscal. Ontem, o ministro Paulo Guedes instigou cautela nos agentes financeiros ao dizer que o auxílio emergencial será com certeza estendido em caso de segunda onda da covid-19.

Hoje, no entanto, Guedes disse que o auxílio emergencial termina em dezembro e que, no ano que vem, se voltará a pagar o Bolsa Família. Além disso, reforçou um discurso de austeridade fiscal e falou em manutenção do teto de gastos.

Um abrandamento da perspectiva de uma extensão do auxílio e percepção melhor do risco fiscal ajudou os juros futuros a se descomprimirem, bem como a busca por risco no exterior, o que favoreceu as moedas emergentes e enfraqueceu o dólar globalmente.

Neste contexto, o Dollar Index (DXY), que compara a moeda a uma cesta de moedas fortes como euro, libra e iene, marcou recuo de 0,25%.

Confira as taxas dos principais vencimentos:

  • Janeiro/2021: de 1,94% para 1,926%
  • Janeiro/2022: de 3,39% para 3,34%
  • Janeiro/2023: de 4,98% para 4,94%
  • Janeiro/2025: de 6,75% para 6,70%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

a hora e a vez do rali do câmbio

Dólar cai forte e fecha no menor nível desde julho; confira 5 razões para a queda da moeda

A moeda americana terminou novembro em queda firme e iniciou dezembro da mesma forma, tombando 2%. O que explica esse movimento? O Seu Dinheiro explica

dados do ministério da saúde

Covid-19: Brasil tem 173,8 mil mortes e 6,38 milhões de casos

Em 24 horas, foram registrados 50.909 diagnósticos positivos para a doença

pandemia

Vacinação contra covid-19 deve começar com profissionais da saúde, idosos e indígenas

Proposta preliminar foi discutida em reunião realizada hoje (1º) com a participação do Ministério da Saúde e outras instituições

seu dinheiro na sua noite

Onde eu devo investir meu dinheiro agora?

A pergunta do título é talvez a que eu mais ouço de amigos, parentes e colegas por trabalhar na cobertura de finanças e investimentos. Tenho certeza de que não é muito diferente para aqueles que trabalham no mercado financeiro como analistas, operadores e consultores financeiros e de investimentos. Esteja o profissional credenciado para dar recomendação […]

Bom negócio?

Itaú eleva preço-alvo das ações da Moura Dubeux

A companhia destacou uma sólida tendência de vendas até o momento no quarto trimestre, impulsionada pela “impressionante” velocidade de vendas dos empreendimentos lançados recentemente.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies