Menu
2019-08-01T16:15:47+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Onda de pessimismo

Trump anuncia novas tarifas à China, reacende a guerra comercial e faz as bolsas globais desabarem

O presidente americano, Donald Trump, afirmou que o país irá impor tarifas de 10% sobre outros US$ 300 bilhões em produtos importados da China, aumentando a aversão de risco nos mercados globais

1 de agosto de 2019
15:05 - atualizado às 16:15
Donald Trump
Trump usou o Twitter para anunciar novas tarifas às importações chinesas - Imagem: shutterstock

A guerra comercial entre Estados Unidos e China voltou a esquentar nesta quinta-feira (1). O presidente americano, Donald Trump, usou o Twitter para comentar as recentes negociações entre Washington e Pequim — e o democrata não foi exatamente amigável com o governo chinês.

Numa série de mensagens, Trump insinuou que a China sempre rompe os acordos firmados entre as partes. Nesse contexto, o presidente americano disse que irá impor, a partir de 1º de setembro, tarifas de 10% sobre US$ 300 bilhões em produtos importados do país asiático.

Esse montante não inclui os US$ 250 bilhões de produtos chineses que já foram sobretaxas em 25% pelas autoridades americanas. "Nós estamos ansiosos para continuar nosso diálogo positivo com a China quanto a um acordo comercial mai amplo", escreveu Trump. "Achamos que o futuro das relações entre os dois países é promissor".

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O anúncio de Trump causou um efeito imediato sobre os ativos globais. Nos Estados Unidos, as bolsas americanas viraram e, agora, aparecem no campo negativo — na primeira parte da sessão de hoje, o Dow Jones, o S&P 500 e o Nasdaq chegaram a avançar mais de 1%.

No Brasil, o Ibovespa perdeu boa parte de seu ímpeto. O principal índice da bolsa brasileira chegou a avançar mais de 2% na máxima do dia, tocando o nível dos 104 mil pontos, em meio ao otimismo dos agentes financeiros em relação ao corte de 0,5 ponto percentual na taxa Selic.

No entanto, após a fala de Trump, o Ibovespa desacelerou e, por volta de 15h00 (horário de Brasília), subia 1,01%, aos 102.844,91 pontos. O dólar à vista também foi fortemente impactado: a moeda americana agora avança 0,76%, a R$ 3,8495

O mercado internacional de commodities também reagiu negativamente ao reaquecimento da guerra comercial, em especial, o petróleo. No mesmo horário, o Brent recuava 6,20%, enquanto o WTI despencava 7,89%.

Ameaças

O reaquecimento da guerra comercial ocorre um dia depois de o Federal Reserve (Fed) — o banco central americano — anunciar um corte de 0,25 ponto percentual na taxa de juros do país. A instituição ponderou que a redução foi necessária em função das "implicações do cenário global", uma referência às disputas entre EUA e China.

Contudo, o presidente do Fed, Jerome Powell, sinalizou que o movimento foi "pontual" e não necessariamente representa o início de um ciclo prolongado de redução das taxas. Essa postura desagradou os mercados, que apostavam que a autoridade monetária dos EUA promoveria diversos cortes nos juros no curto prazo.

Quem também se mostrou descontente foi o próprio Trump. O presidente americano vinha pressionando Powell publicamente, afirmando que, para que a economia do país tivesse condições para continuar crescendo, era necessário reduzir os juros.

"Como de costume, Powell nos decepcionou", disse Trump, ontem, também via Twitter. Para o presidente dos EUA, tanto a China quanto a União Européia vão entrar num ciclo agressivo de corte de juros e, assim, o Fed deveria ter feito o mesmo, de modo a manter a competitividade da economia americana.

Assim, resta ver se a imposição de novas tarifas à China provocarão mudanças no balanço de riscos considerado por Powell e pelo Federal Reserve — e, consequentemente, abrirão espaços para mais baixas nos juros americanos.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Luz no fim do túnel?

Trump: ‘estamos indo muito bem com a China, e conversando’

Membros da equipe econômica norte-americana afirmam que negociadores das duas maiores economias do mundo irão conversar na próxima semana

Tem que adiar isso daí

Vitorioso nas prévias eleitorais argentinas, Fernández defende renegociação de acordo com o FMI

Alberto Fernández afirmou que o acordo para o pagamento de dívidas junto ao Fundo Monetário Internacional é “impossível de cumprir”

Opinião polêmica

Senadora Simone Tebet: ‘Bolsonaro ainda não vestiu o terno de presidente’

Referindo-se ao presidente, senadora do MDB afirmou “jamais imaginei que pudéssemos chegar onde chegamos”

Na hora de prestar contas

Presidente do Senado briga na Justiça para manter sigilo de gastos parlamentares

Destinadas a cobrir despesas relativas ao exercício do mandato, as cotas variam entre R$ 30 mil e R$ 45 mil, a depender do Estado do congressista

Nem tão hermanos assim

Bolsonaro volta a falar sobre Argentina e diz que país está cada vez mais próximo da Venezuela

Presidente usou sua conta no Twitter para fazer novos comentários sobre o processo sucessório na Argentina

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements