Menu
2019-07-31T17:51:46+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Corte de segurança

Fed corta juro, mas fala de presidente não agrada e bolsas caem

Redução é a primeira desde a grande crise financeira de 2007/2008. Presidente Jerome Powell fala que ciclo não será longo, pois não enxerga risco de recessão ou severa crise econômica. Em tese boa notícia, mas mercados não gostaram

31 de julho de 2019
15:06 - atualizado às 17:51
Jerome Powell Fed
Presidente do Fed, Jerome Powell. - Imagem: Federal Reserve

O Federal Reserve (Fed), banco central americano, cortou a taxa de juros em 0,25 ponto percentual para o intervalo de 2% a 2,25% ao ano, ante o range anterior de 2,25% a 2,5%, que perdurava desde o fim do ano passado. A decisão não foi unânime, com dois diretores votando pela manutenção.

No comunicado, o colegiado presidido por Jerome Powell fala que decidiu cortar os juros em função das implicações do cenário global sobre a economia americana em um ambiente sem pressões inflacionárias. O Fed também reafirma que atuará de forma apropriada para sustentar a expansão da economia americana.

A redução veio dentro do esperado pelo mercado e a primeira reação nas bolsas foi negativa. Antes da decisão, os índices operavam próximos da estabilidade, caíram um pouco após a divulgação e aprofundaram queda depois que Powell deixou claro que não se trata de um longo ciclo de cortes de juros. No fim do pregão, o Dow Jones caiu 1,23%, enquanto o Nasdaq  recuou 1,19% e o S&P 500 perdeu 1,09%.

Outra forma de enxergar tal postura do Fed é que a economia não está tão fraca como se antecipava (em tese, seria boa notícia). De fato, Powell deixou isso claro, ao dizer que o colegiado não vê a economia em recessão ou forte retração que justifique um longo ciclo de redução. "O que estamos vendo é que é apropriado ajustar a política para uma instância mais acomodativa ao longo do tempo", afirmou.

Por aqui, o Ibovespa, que recuava cerca de 0,70%, passou a cair cerca de 1%, perdendo a linha dos 102 mil pontos, e até fechar com queda de 1,09% aos 101.812 potnos. O dólar, que chegou a cair mais de 1%, fechou com alta de 0,75%, a R$ 3,8199. A decisão e os acenos do Fed também têm reflexos na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que por voltas das 18 horas apresenta sua decisão para a taxa Selic, atualmente fixada em 6,5% ao ano. Há firme divisão no mercado com relação a uma redução de 0,25 ponto ou meio ponto percentual.

Essa é a primeira redução de juros feita pelo Fed desde a crise de 2007/2008 e acontece depois de um período de acenos do BC americano que passou a enxergar riscos à expansão da atividade econômica decorrentes da guerra comercial e ambiente de menor crescimento global. Vetores que podem impactar uma inflação que segue rodando abaixo da meta de 2%.

Dois últimos ciclos de corte do Fed. Áreas cinzas são recessões. Será diferente desta vez? Aqui está o link para o gráfico interativo do FRED.

A decisão foi dividida, com Esther George e Eric Rosengren votando pela estabilidade do juro entre 2,25% e 2,5%. Na reunião passada, o dissidente entre os 10 membros do colegiado do Fed tinha sido James Bullard, votando por redução.

No comunicado, o Fed volta a falar que o mercado de trabalho permanece forte, com crescimento moderado da atividade. Apesar da melhora nos gastos do consumidor, os investimentos têm sido fracos. No lado da inflação, os índices permanecem "baixos".

Corte de segurança

Na entrevista que concede após a decisão, Jerome Powell, disse que o cenário para a economia permanece positivo e que a ação de hoje foi tomada para manter esse quadro. Além disso, o corte de juro também busca acelerar o retorno da inflação à meta de 2%.

Perguntado se o corte de 0,25 ponto será suficiente para atingir os objetivos de crescimento e inflação nas metas. Powell disse que a ação pode ser vista como uma forma de ajustar a política monetária para algo mais acomodativo, garantido proteção contra os riscos de baixa que ameaçam a economia.

Segundo Powell, o colegiado vai monitorar os desdobramento da guerra comercial, menor crescimento mundial e dados domésticos para tomar as próximas decisões.

Powell foi perguntado se o Fed fez um "corte de segurança" na reunião de hoje, tendo em vista que os dados da economia não garantiram, em tese, uma redução imediata. O presidente respondeu que sim, há um pouco dessa visão na atuação, pois há um "gerenciamento de riscos". Mas que o colegiado acredita que as questões globais e comercial estão sim impactando a economia americana.

"Acreditamos que esse é o movimento certo para o momento e que vai atender aos nossos objetivos [garantir proteção contra o risco de baixa da atividade proveniente da guerra comercial e menor crescimento global]", disse.

Novamente perguntado sobre a possível extensão do ciclo de cortes, Powell reafirmou que os próximos passos vão depender dos dados e dos riscos que se apresentam à economia. "A situação que vemos, agora, é que é apropriado ajustar a política para uma instância mais acomodativa."

Perguntado sobre pressões políticas ou se o Fed teria se dobrado aos pedidos de Donald Trump, Powell disse que o colegiado não leva em conta considerações políticas na sua tomada de decisão. “E não fazemos política monetária para provar nossa independência. Temos um mandato e sempre vamos atuar assim e usar nossas ferramentas para isso”, disse.

Novamente questionado sobre o ciclo de cortes Powell foi mais explícito: “Deixa eu ser claro. Eu disse que não é o começo de uma longa série de cortes. Também não disse que é apenas um corte ou qualquer coisa assim. Eu disse que quando pensamos em ciclos de corte, eles duram muito tempo. O comitê não está vendo isso. Você faria isso se visse uma fraqueza econômica real e pensasse que o juro teria de ser cortado muito. Não é isso que estamos vendo. O que estamos vendo é que é apropriado ajustar a política para uma postura mais acomodativa ao longo do tempo. E é assim que estamos olhando para a questão. O que eu disse foi que não é um longo ciclo de corte, referindo-se ao que fazemos quando há uma recessão ou uma crise muito severa. E isso é o que realmente estou descartando”, disse Powell.

Questionado sobre qual seria a postura do Fed diante de uma recessão, que invariavelmente vai ocorrer, Powell disse que "vamos usar todas as nossas ferramentas de forma agressiva" quando isso acontecer.

Demorou, mas não muito, para o presidente Trump dar seu pitaco sobre a decisão: "Como sempre, Powell nos decepcionou". Para o Trump, o que o mercado queria era o início de um longo e agressivo ciclo de corte de juros, que nos manteria alinhados com a China, União Europeia e outros países..."

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Luz no fim do túnel?

Trump: ‘estamos indo muito bem com a China, e conversando’

Membros da equipe econômica norte-americana afirmam que negociadores das duas maiores economias do mundo irão conversar na próxima semana

Tem que adiar isso daí

Vitorioso nas prévias eleitorais argentinas, Fernández defende renegociação de acordo com o FMI

Alberto Fernández afirmou que o acordo para o pagamento de dívidas junto ao Fundo Monetário Internacional é “impossível de cumprir”

Opinião polêmica

Senadora Simone Tebet: ‘Bolsonaro ainda não vestiu o terno de presidente’

Referindo-se ao presidente, senadora do MDB afirmou “jamais imaginei que pudéssemos chegar onde chegamos”

Na hora de prestar contas

Presidente do Senado briga na Justiça para manter sigilo de gastos parlamentares

Destinadas a cobrir despesas relativas ao exercício do mandato, as cotas variam entre R$ 30 mil e R$ 45 mil, a depender do Estado do congressista

Nem tão hermanos assim

Bolsonaro volta a falar sobre Argentina e diz que país está cada vez mais próximo da Venezuela

Presidente usou sua conta no Twitter para fazer novos comentários sobre o processo sucessório na Argentina

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements