Menu
2019-07-31T18:34:44+00:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Não era como ele esperava

Trump não poupa FED mesmo com corte de juros e diz que “como de costume, Powell nos decepcionou”

A frustração do presidente norte-americano ocorre porque Powell deixou claro que o ciclo de cortes não será longo, pois não enxerga risco de recessão ou severa crise econômica

31 de julho de 2019
18:20 - atualizado às 18:34
Donald Trump, presidente americano
Donald Trump - Imagem: shutterstock

Depois que o Federal Reserve (FED), o banco central americano, optou por cortar hoje (31) a taxa de juros em 0,25 ponto percentual para o intervalo entre 2% e 2,25% ao ano, ante o range anteriro de 2,25% e 2,5%, a notícia não foi recebida pelo presidente americano Donald Trump.

Mesmo com a redução estando dentro do que o mercado esperava, Trump fez duras críticas à postura de Powell e do banco como um todo.

"O que o mercado queria ouvir de Jay Powell e do FED é que esse seria o início de um longo e agressivo ciclo de corte de juros para acompanhar o ritmo de China, União Europeia e outros países ao redor do mundo", disse Trump.

E ainda finalizou dizendo que "assim como de costume, Powell nos decepcionou, mas pelo menos ele está terminando o aperto monetário, - que por sinal não deveria nem ter começado -  sem inflação [sic]. Nós somos vencedores, de qualquer forma, mas certamente não estamos recebendo muita ajuda do Federal Reserve".

A decisão

As críticas de Trump ocorrem porque, no comunicado, o colegiado presidido por Jerome Powell fala que decidiu cortar os juros em função das implicações do cenário global sobre a economia americana em um ambiente sem pressões inflacionárias.

A redução é a primeira desde a grande crise financeira de 2007/2008. Mas a frustração do presidente norte-americano ocorre porque Powell deixou claro que o ciclo de cortes não será longo, pois não enxerga risco de recessão ou severa crise econômica.

Ao ser questionado por jornalistas, Powell disse que “não é o começo de uma longa série de cortes. Também não disse que é apenas um corte ou qualquer coisa assim. Eu disse que quando pensamos em ciclos de corte, eles duram muito tempo. O comitê não está vendo isso. Você faria isso se visse uma fraqueza econômica real e pensasse que o juro teria de ser cortado muito. Não é isso que estamos vendo. O que estamos vendo é que é apropriado ajustar a política para uma postura mais acomodativa ao longo do tempo. E é assim que estamos olhando para a questão. O que eu disse foi que não é um longo ciclo de corte, referindo-se ao que fazemos quando há uma recessão ou uma crise muito severa. E isso é o que realmente estou descartando”.

Mas não foi só Trump que reagiu mal. A primeira reação nas bolsas foi negativa. Antes da decisão, os índices operavam próximos da estabilidade, caíram um pouco após a divulgação e aprofundaram queda depois que Powell deixou claro que não se trata de um longo ciclo de cortes de juros.

No fim do pregão, o Dow Jones caiu 1,23%, enquanto o Nasdaq  recuou 1,19% e o S&P 500 perdeu 1,09%.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

atenção

Confiança do consumidor sobe em agosto, mas ainda há cautela, diz FGV

Índice de Confiança do Consumidor subiu 1,1 ponto no mês em comparação a julho, chegando a 89,2 pontos

segue a tensão

China promete novamente contramedidas em reação a tarifas dos EUA

Segundo o porta-voz, apesar da decisão do presidente americano, Donald Trump, de adiar algumas das cobranças, as tarifas violaram um consenso entre as potências

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Prudência

Cautela no exterior faz Ibovespa operar em queda; dólar sobe a R$ 4,05

O Ibovespa aparece no campo negativo e volta ao patamar dos 100 mil pontos, pressionado pelo tom de maior precaução que toma conta dos ativos globais

Câmbio

BC vende US$ 550 milhões em leilão à vista de dólar

Com venda integral do lote ofertado, não teremos, hoje, o leilão de swap tradicional. Mercado trocou swap por dólar de verdade

no documento

BCE discutiu pacote de estímulos monetários em reunião de julho, mostra ata

Banco Central Europeu também considerou examinar formas de fortalecer sua orientação futura (“forward guidance”) paras os juros

tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Bienvenido ao paraíso dos especuladores

Enquanto (quase todos) os bancos centrais do mundo reduzem os juros, há uma taxa em escalada aqui do lado. A Argentina subiu seu juro para 74% ao ano diante do pânico dos investidores com a vitória da esquerda nas eleições primárias no início do mês. Poxa, 74% ao ano na renda fixa é uma bolada, […]

será que vai?

Guedes não mostrou proposta de privatização da Petrobras, diz Bolsonaro

Ontem, reportagem disse que o governo quer concluir a venda da estatal até 2022; as ações da Petrobras dispararam

mais um que passou

Câmara aprova projeto que permite posse de arma em toda a propriedade rural

Projeto segue para Bolsonaro sancionar ou vetar; regra atual diz que posse só é permitida na sede da propriedade

Bolsa

Ação da Telebras dispara com privatização no radar, mas não deveria

Com a alta de mais de 60% ontem na bolsa, o valor de mercado da Telebras na bolsa passou para mais de R$ 1,9 bilhão, mas os resultados da estatal nem de longe justificam toda essa euforia. E os minoritários ainda correm o risco de diluição

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements