Menu
2019-09-30T16:55:03+00:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Migração de mais de R$ 1 tri

Títulos do Tesouro que vencem nos próximos 5 anos devem impulsionar ações de dividendos, diz Itaú

Segundo relatório da Itaú Corretora, recursos aplicados em títulos públicos que devem vencer nos próximos cinco anos podem migrar para a bolsa, sobretudo para as ações que pagam bons dividendos; confira as sugestões da corretora de ações com esse perfil

30 de setembro de 2019
16:34 - atualizado às 16:55
Atleta dá impulso para salto em distância
Corretora do Itaú espera migração de recursos da renda fixa para o mercado de ações depois que títulos vencerem. Imagem: Shutterstock

Os títulos públicos do Tesouro Nacional que vencem nos próximos cinco anos devem dar um senhor impulso ao mercado de ações brasileiro, sobretudo àquelas ações que são boas pagadoras de dividendos, diz relatório da Itaú Corretora divulgado a clientes nesta segunda-feira (30).

Segundo o relatório, o Brasil tem atualmente R$ 2,9 trilhões em títulos do governo que vencem dentro deste prazo. Destes, R$ 1,3 trilhão está investido em títulos atrelados à Selic (Tesouro Selic ou LFT) e tem grande chance de ser reinvestido, uma vez que sua remuneração já vem acompanhando a queda da Selic.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O R$ 1,6 trilhão restante, porém, está investido em títulos prefixados ou atrelados à inflação que pagavam taxas de juros mais altas quando foram adquiridos pelos investidores. Com o vencimento desses papéis, seus detentores não conseguirão renová-los por taxas semelhantes, uma vez que a Selic vem numa trajetória de queda.

Para os analistas do Itaú, isso significa que essa quantia de quase R$ 2 trilhões tem grande potencial de migrar, nos próximos anos, para outros tipos de investimento, em busca de melhores retornos.

Os mais promissores, segundo o relatório, são as ações que pagam bons dividendos, uma vez que elas têm menos volatilidade que as ações de empresas em crescimento e compartilham, com os títulos públicos, a característica de gerar renda para o investidor.

Apenas nesta terça-feira (1º), R$ 100 bilhões já serão despejados no mercado com o vencimento de um título prefixado tipo LTN. No Tesouro Direto, a LTN é negociada como Tesouro Prefixado, mas o título com vencimento em 2019 não está disponível na plataforma de negociação on-line de títulos públicos, apenas no mercado secundário, onde atuam os investidores institucionais.

  • Veja mais: Investidores comuns estão aprendendo como antecipar o movimento das ações com um dos maiores analistas técnicos do país. VAGAS LIMITADAS. Corra. Entre aqui.

Momento é perfeito para a migração da renda fixa para a renda variável

Ainda segundo os analistas da Itaú Corretora, nunca houve momento melhor que o atual para ocorrer essa migração de recursos dos títulos públicos para as ações. A relação entre earnings yields (retornos com os lucros das ações) e os bonds yields (retornos dos títulos) está mais favorável para a renda variável desde 2017.

Os juros mais baixos no mundo e a perspectiva de novas quedas para a taxa Selic tendem a aumentar essa diferença.

"Acreditamos que alguns efeitos de vencimento de títulos do Tesouro serão observados no mercado de ações, uma vez que no grande vencimento de maio [R$ 88 bilhões referentes ao vencimento de um título indexado à inflação] foi possível observar um aumento das entradas nos fundos de ações", diz o relatório.

Os analistas lembram, porém, que essa conversão de renda fixa para ações não deve ser imediata, porque muitos investidores demoram a realocar sua carteira adequadamente.

Por que as ações de dividendos seriam as melhores opções?

Segundo os analistas da Itaú Corretora, essas ações pertencem a empresas com elevada geração de caixa e ótimo histórico de pagamento de dividendos, apresentando também baixa volatilidade e menor risco operacional. Elas são descritas como ações "bond-like", por terem características similares aos títulos públicos prefixados e atrelados à inflação (bonds).

Investidores acostumados a investimentos seguros e com os altos retornos como os que a renda fixa brasileira apresentava no passado provavelmente seriam os primeiros a migrarem para estas ações que apresentam menor volatilidade, diz o relatório.

Além disso, elas funcionam também como porta de entrada desses investidores no mercado de ações.

Boas pagadoras de dividendos se saíram melhor que as NTN-B

Ainda de acordo com o relatório da Itaú Corretora, as companhias boas pagadoras de dividendos vêm apresentando, neste ano, retorno maior que o das NTN-B, os títulos públicos atrelados à inflação.

Enquanto estes renderam, em média, 27,2% em 2019 - mais que o Ibovespa, que subiu 19,8% até agora -, as boas pagadoras de dividendos apresentaram um retorno de 36,0% no ano.

As baixas taxas de juros e novas quedas na Selic devem ajudar ainda mais essas ações.

E quais ações de dividendos a Itaú Corretora indica?

Entre as ações com esse perfil para receber os investimentos de quem hoje está com o dinheiro aplicado em títulos públicos prefixados e atrelados à inflação, a Itaú Corretora indica CPFL (CPFE3), Copasa (CSMG3), Multiplan (MULT3) e Rumo (RAIL3).

O portfólio de ações brasileiras recomendadas pela Itaú Corretora tem hoje 40% em ações "bond-like", contra apenas 9% da composição do Ibovespa. As demais ações da carteira são Bradesco, Cyrela, Hapvida e Randon (que devem se beneficiar da melhora do ciclo doméstico) e Vale (considerada barata).

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

De olho na economia

Armínio Fraga vê ‘obscurantismo’ e ambiente ‘envenenado’ como entraves à economia

Fraga destacou que o Brasil nunca investiu tão pouco na sua história e que para destravar o investimento será preciso dar mais clareza em áreas que vão além da econômica, como “temas de natureza distributiva”

Novidades à vista?

Petrobras negocia potencial consórcio para leilão de pré-sal, diz presidente

Muitas das maiores petroleiras do mundo, entre elas ExxonMobil, Royal Dutch Shell e BP, além da própria Petrobras, estão registradas para participar da disputa, marcada para 6 de novembro

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

As duas faces do dólar

No filme “As duas faces de um crime”, o eterno canastrão Richard Gere faz o advogado oportunista que defende um jovem acusado de assassinato. A coisa complica quando ele descobre que o garoto interpretado por Edward Norton sofre de múltiplas personalidades. Eu me lembro do filme toda vez que tento encontrar alguma explicação para o […]

Na gringa

Campos Neto: O que foi prometido está sendo entregue

Em encontros no exterior, presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, passa a mensagem de que existe um plano de reinvenção do país com dinheiro privado

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast Touros e Ursos: O cabo de guerra no PSL

Repórteres do Seu Dinheiro trazem em podcast semanal um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

Situação delicada

Papéis da Boeing caem 7% em NY com notícia de que companhia pode ter “enganado” FAA

De acordo com o periódico, o piloto Mark Forkner teria reclamado que o sistema conhecido como MCAS, na sigla em inglês, o teria deixado em apuros dois anos antes dos acidentes que tiraram a vida de várias pessoas

Boas novas

Ações da Eletrobras sobem após MME dizer que pode encaminhar PL sobre privatização da empresa até início de novembro

De , a proposta do governo federal para a privatização da Eletrobras ainda é a capitalização, com a diluição da participação da União na holding elétrica

nos eua

Reservas são vistas como seguro e não se fala em mudar isso, diz presidente do BC

Campos Neto mencionou que o que se lê sobre os altos custos para se manter as reservas internacionais no Brasil “não é a realidade” e que nos últimos 15 anos, os custos se igualaram às receitas

no velho continente

Há ‘sinais leves’ de supervalorização dos mercados, diz presidente do Banco Central Europeu

Draghi destaca ainda que o setor financeiro não bancário da zona do euro continua tomando risco, mas pontua que a resiliência do setor bancário permanece “sólida”

entrevista

‘Huck vai deixar de ser celebridade e ser líder?’, questiona FHC

Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) assiste com ceticismo as articulações do apresentador global

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements