Menu
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco) e “Abandonado” (Geração).
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Ações

Qualicorp põe dinheiro no bolso do CEO e ação cai 30% na bolsa

Acionistas minoritários já se mobilizam para entrar na Justiça contra a companhia, que aprovou pagamento de R$ 150 milhões a José Seripieri Filho para que ele não venda suas ações pelos próximos seis anos

1 de outubro de 2018
17:05 - atualizado às 20:03
José Seripieri Filho, presidente da Qualicorp - Imagem: Divulgação/Fiesp

As ações da administradora de planos de saúde coletivos Qualicorp perdem quase 30% do valor hoje na bolsa depois do polêmico acordo que colocou R$ 150 milhões no bolso de José Seripieri Filho.

Em troca, o presidente e principal acionista se comprometeu a não vender suas ações e a não competir com a companhia pelos próximos seis anos. O negócio foi aprovado pelo conselho de administração da Qualicorp. Seripieri faz parte do conselho, mas não participou da reunião que decidiu sobre o acordo.

O contrato fechado entre o conselho e o principal acionista foi bombardeado por todos os lados. Um gestor que possui ações da Qualicorp afirmou que os minoritários já se mobilizam para entrar na Justiça contra a companhia. "Consideramos absolutamente inaceitável", ele disse.

Para Mauro Cunha, presidente da Amec, associação que representa os investidores do mercado de capitais, o episódio representa uma perda de credibilidade não só para a empresa como para todo o mercado brasileiro.

“A mensagem que passa, principalmente para o estrangeiro, é que o Brasil é o país onde o CEO passa no caixa da empresa e pega R$ 150 milhões”, diz.

O caso é ainda mais grave porque a Qualicorp integra o Novo Mercado, segmento no qual são listadas as companhias com práticas mais rigorosas de governança corporativa.

Poucos precedentes

O caso tem poucos precedentes e remete ao que ocorreu com a operadora de telefonia Oi, quando os acionistas controladores receberam R$ 600 milhões para não vender suas ações na época do investimento da Portugal Telecom.

Para um gestor de fundos, o acordo fechado entre o conselho da Qualicorp e Seripieri é um dos mais exóticos de todos os tempos. Há uma retirada de valor da empresa sem participação dos acionistas minoritários.

Esse especialista lembra que o setor de planos de saúde coletivos por contratos de adesão foi praticamente criado pelo empresário, que usou “brechas” na regulação quando o custo de planos de saúde individuais se tornou praticamente proibitivo.

Mesmo com a queda acentuada no preço das ações, que poderia ser vista como uma oportunidade de compra do papel, a avaliação é de que fica “um caso difícil” de investimento em função dessas questões envolvendo a governança.

Outro gestor avalia que a empresa é bem administrada e relativamente barata, mas que foi feita uma “grosseria” com o papel.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Dia 17

Buona Sera, Queiroz

Presidente dá entrevista à emissora italiana e STF entra no caso Queiroz

Governo brasileiro no Fórum Econômico Mundial

O que dirá Paulo Guedes em Davos?

Ideia é atualizar as perspectivas com relação ao futuro do Brasil, transmitindo a imagem de uma democracia vibrante e que funciona bem

Estatal vai recorrer

Petrobras tem revés no Carf e pode pagar até R$ 1,5 bilhão em processo

Petroleira informou que aguarda a intimação oficial na via administrativa e que pretende recorrer da decisão

Meios de pagamento

Em negócio bilionário de fintechs, Fiserv compra First Data por US$ 22 bilhões

A união fortalece as companhias na disputa contra os novos competidores nesse mercado. First Data é dona da marca Bin de maquininhas de cartão no Brasil

Longo prazo

Enel vende por R$ 2,9 bilhões usinas renováveis à CGNEI, da China

Valor total da transação entre as companhias foi US$ 700 milhões (cerca de R$ 2,9 bilhões); as três usinas possuem contratos de venda de energia de longo prazo (PPAs) em vigor

Ex-motorista de Flávio Bolsonaro

STF suspende investigação sobre movimentações financeiras de Queiroz

Ex-motorista do senador eleito, Queiroz é investigado por transações atípicas

câmbio

O que o mercado futuro nos diz sobre o dólar?

Cotação da moeda americana, que fez mínimas a R$ 3,68 na semana passada, volta a mirar os R$ 3,80

Passo a passo

10 regras de bolso para quem quer investir sem ter trabalho

Não quer se tornar um ás dos investimentos? Tem preguiça? Não tem tempo para se dedicar? Seus problemas acabaram! Siga essas dicas para investir no modo “easy”

Vídeo

Desaceleração da China: por que o que acontece do outro lado do mundo importa para o investidor

Por que as bolsas ao redor do mundo são afetadas pelas perspectivas para a economia chinesa? E como os investimentos dos brasileiros são afetados pelo que acontece no gigante asiático? Entenda por que você também deveria ficar sempre de olho na China

Exile on Wall Street

Cinco passos para a real educação financeira

O mercado financeiro pertence aos praticantes: as pessoas aprendem e se educam a partir da prática; o conhecimento precisa emanar da prática para a teoria. E não o contrário.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu