Menu
Vinícius Pinheiro

Olá, tudo bem?

Eu sou o Vinícius Pinheiro (@vinipinn), repórter especial do Seu Dinheiro. Se você já acompanha esse mundo de economia e finanças é possível que tenha se deparado com alguma das minhas reportagens em jornais como O Estado de S.Paulo, Valor Econômico e Gazeta Mercantil. Mas certamente não sabe muito mais sobre mim além do nome que vem no cabeçalho de cada uma dessas matérias.

Imagino que a sensação de escrever um texto sobre si próprio seja parecida com aquela que as pessoas relatam quando passam por uma situação extrema: o filme da sua vida passa pela frente. No meu caso, o filme (ou novela, como preferir) exibido foi o da minha vida profissional.

E a primeira imagem que surgiu, logo depois dos créditos imaginários, foi a de um jovem estudante de jornalismo que nos fins de semana tocava (mal) contrabaixo em uma banda de rock chamada Os Imigrantes, que estava prestes a estourar. Faltava apenas sair da garagem.

Na remota hipótese de a banda não der certo, o plano B era me tornar jornalista de cultura. Eu já me imaginava sendo enviado para congressos internacionais de literatura, onde faria longas entrevistas com prêmios Nobel regadas a charutos e destilados.

A realidade, porém, insistia em se impor. E nela eu precisava despertar todos os dias pouco antes das cinco da manhã, a tempo de pegar o ônibus fretado que me levava de Santos para São Paulo, onde trabalhava como técnico do Procon (sim, o órgão de defesa do consumidor). Depois de passar as oito horas seguintes ouvindo reclamações, ainda precisava descer a serra para assistir às aulas na faculdade.

Eu já estava no último ano do curso de jornalismo em janeiro de 1999 quando cheguei para mais um dia de trabalho. O horário de atendimento começava às 8h e era comum encontrar algumas pessoas à espera na porta do velho prédio da Rua Líbero Badaró. Mas naquela manhã a fila se estendia por vários metros e chegava perto do antigo Banespinha, que anos mais tarde viraria a sede da Prefeitura.

O problema de quase todos à espera de atendimento no Procon naquela manhã era parecido: a prestação do financiamento do carro havia praticamente dobrado de um mês para o outro. Foi só quando se dirigiram ao banco em busca de explicações que eles descobriram que não haviam contraído um empréstimo normal, mas um leasing cambial.

Tratava-se de uma alternativa mais barata de financiar o carro oferecida pelos bancos na época, mas com o pequeno detalhe de o valor dos boletos estar sujeito à flutuação do dólar. Como a cotação da moeda se mantinha controlada pelo regime de bandas, nem os bancos se preocupavam em informar nem os clientes em saber desse risco. Isso, é claro, até as bandas estourarem e o governo passar a adotar o câmbio flutuante.

Perdi a conta de quantos consumidores entre confusos e revoltados atendi nos meses que se seguiram. Nesse meio tempo, fui atrás de mais informações sobre aquela crise, intrigado como problemas em países tão distantes como a Rússia ou a Coreia podiam influenciar a nossa economia. Além, é claro, de nossos próprios erros e fragilidades.

Conforme aprendia, fui tomando gosto por essa coisa de economia. Deixei o Procon, onde era funcionário concursado, logo depois da formatura para abraçar a profissão de jornalista. A banda de rock, quem diria, jamais deixou a garagem, e os planos de entrevistar prêmios Nobel de literatura foram substituídos pelos meus próprios livros de ficção. Escrevi os romances O Roteirista, publicado pela Rocco em 2007, e Abandonado, que saiu pela Geração em 2015 – nenhum deles descoberto (ainda) pela Academia Sueca.

Junto com a paixão (e sofrimento) por escrever, a curiosidade por entender mais sobre economia e finanças só aumentou nesse período. Como repórter, tive a oportunidade de estar bem próximo dos acontecimentos que movimentaram o mercado de capitais brasileiro nos últimos anos.

Eu cobria o sobe e desce da bolsa quando o Ibovespa atingiu seu primeiro grande recorde histórico em 2008. Assisti ao discurso do ex-presidente Lula, que na época ainda era “o Cara”, para uma plateia de banqueiros na bolsa no fechamento da megacapitalização da Petrobras. Acompanhei o Brasil ganhar e perder o grau de investimento das agências de classificação de risco. E reforcei a equipe de política na votação do Senado que selou o impeachment da ex-presidente Dilma.

Agora estou aqui no Seu Dinheiro, para trazer a você algumas dessas histórias enquanto outras histórias se repetem, mas sempre de uma maneira nova. Espero que você me acompanhe e também faça parte deste filme, que ainda promete muitas emoções.

Aquele abraço,

Vinícius Pinheiro

Mostrar mais
Publicações
Conta digital

SoftBank “dobra a aposta” e passa a deter quase 15% do capital do Banco Inter

Fundo japonês que já investiu no Uber e Alibaba fecha acordo de acionistas com controladores do Banco Inter, que prevê nova oferta de ações no Brasil e nos EUA em até cinco anos

Seu Dinheiro na sua noite

Quando o segundo sol chegar

As bandas que fazem os shows de abertura nos festivais de rock costumam tocar para menos gente do que a atração principal. Mas quem chega mais tarde às vezes perde a oportunidade de assistir a grandes apresentações. Guardo bem na memória o show da Cássia Eller na terceira edição do Rock and Rio, em 2001. […]

Mercado de capitais

Fila de ofertas de ações na bolsa volta a andar após emissão da Trisul

Incorporadora reabre mercado de ofertas com captação de R$ 405 milhões. Banco Pan e Banrisul vêm na semana que vem e IPOs devem acontecer em outubro

Seu Dinheiro na sua noite

O dilema do futuro Warren Buffett

A receita do sucesso do bilionário norte-americano Warren Buffett é bem conhecida: comprar ações de boas empresas por menos do que elas realmente valem. A parte difícil é justamente descobrir as empresas na bolsa que reúnem essas duas qualidades. O dilema dos que desejam seguir os passos de Warren Buffett ficou ainda maior nesse momento […]

A visão dos gestores

A bolsa vai subir? Saiba como cinco fundos multimercados estão posicionados em ações

A ameaça de um acirramento da guerra comercial entre Estados Unidos e China assustou, mas não mudou a visão positiva de algumas das principais gestoras de fundos multimercados para o desempenho da bolsa brasileira

Seu Dinheiro na sua noite

Aqui jaz a CPMF (e o secretário da Receita)

Pouca gente se lembra, mas o agora ex-secretário da Receita Federal Marcos Cintra já foi atração no horário eleitoral gratuito. Em campanha para deputado federal em 2002, ele apareceu na TV ao lado de um leão para defender o projeto do imposto único. Pois Cintra teve a grande chance de colocar a antiga bandeira em […]

Seu Dinheiro na sua noite

O inverno está chegando para Magalu, Via Varejo e B2W?

Se você digitar no seu navegador de internet o endereço www.relentless.com, será direcionado para um site bem familiar, o da “loja de tudo” Amazon. Em inglês, a palavra relentless significa “implacável”, e define bem a estratégia da empresa fundada por Jeff Bezos. A ameaça da gigante que mudou a forma como compramos produtos e varreu […]

Seu Dinheiro na sua noite

A invasão dos ursos na política

Qual o habitat ideal para os touros? Do que eles se alimentam? Calma, não se trata de um comercial do próximo Globo Repórter. Eu me refiro aos touros no mercado financeiro, ou seja, os investidores que acreditam em uma alta nos preços das ações e outros ativos. Aqui no Brasil, a adoção de uma agenda […]

Ação cai 21% no ano

Suzano terá dificuldade para reduzir dívida com preço baixo da celulose

Guerra comercial entre Estados Unidos e China afetou a demanda por papel e embalagens no país asiático, o que resultou em uma acentuada redução da demanda por celulose, de acordo com a agência de risco Fitch

O melhor do Seu Dinheiro

MAIS LIDAS: O prejuízo do bem do Nubank

Eu já contei para você uma regra de ouro que aprendi assim que comecei a escrever sobre finanças: “banco não pode dar prejuízo”. Pois esse dogma caiu por terra nos últimos anos, com o surgimento das novas empresas de tecnologia financeira, mais conhecidas como “fintechs”. O maior exemplo desse admirável mundo novo é o Nubank. A […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements