Menu
2019-12-03T19:01:53-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.

Mercado financia 34% do investimento no país. Maior fatia desde 2010

Operações como emissões de ações e debêntures somam R$ 282 bilhões entre janeiro e setembro e expectativa é de crescimento

3 de dezembro de 2019
19:01
mercadosecoam

Se reinventar com dinheiro privado é um dos lemas da equipe econômica do governo, que vem advogando um novo mix de política econômica, com política fiscal restrita, isso é menos participação do governo, e manutenção de juros baixos, algo que viabilizada a atividade privada e um crescimento do mercado financeiro e de capitais.

Levantamento feito pela Anbima, com base dos dados do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre, conta um pouco dessa história. Os recursos levantados pelas empresas no mercado de capitais, com emissões de ações e debêntures por exemplo, somaram R$ 282 bilhões entre janeiro e setembro, contra um investimento total de R$ 833,8 bilhões. Isso representa uma participação de 33,8%, maior leitura desde 2010 (quando o PIB subiu 7,5%), e uma firme recuperação depois dos 10,5% vistos em 2016.

A Anbima chama atenção para o crescimento desde 2017, ano que marcou a mudança na taxa de juros do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) nas operações subsidiadas.

“Ainda há um longo caminho a ser percorrido. A construção civil, por exemplo, está retomando suas atividades de forma mais sustentada, o que vai refletir em breve nos ativos com lastro neste segmento. O ideal é que a taxa de investimento cresça em maior ritmo nos próximos anos. Com esse novo mix de política econômica, certamente o mercado de capitais acompanhará a trajetória”, disse José Eduardo Laloni, vice-presidente da Anbima, em nota.

Ainda de acordo com a instituição, as debêntures são destaque em 2019. As emissões desse papel representam 15% dos investimentos do país, mantendo patamar atingido no ano anterior. As ações ainda têm participação menor, com 7% entre abertura de capital (IPOs) e operações de empresas já listadas (follow-ons).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Venda de ativos da Ab Inbev na Austrália é questionada por regulador

O órgão de concorrência da Austrália demonstrou preocupação com um acordo da Anheuser-Busch InBev (AB InBev) para vender suas operações no país para a japonesa Asahi, disse a Reuters. A negociação é avaliada em mais de US$ 11 bilhões. Órgão regulador australiano, o ACCC avaliou de maneira preliminar que a venda vai reduzir a concorrência […]

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

em busca de recursos

Eneva emite R$ 650 milhões em debêntures

Os recursos obtidos pela empresa vão ser usados para investimento, pagamento futuro ou reembolso relacionados ao projeto Parque dos Gaviões

arrumando as contas

País paga dívida com ONU e banco do Brics

Não pagamento à ONU poderia fazer com que o Brasil, pela primeira vez, perdesse o direito a voto no órgão a partir de 1.º de janeiro

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Selic a 4,5%: como ficam seus investimentos?

O Banco Central derrubou a taxa básica de juros brasileira para 4,5% ao ano, a nova mínima histórica. Isso mexe com a rentabilidade de aplicações da renda fixa e favorece os investimentos em ações, imóveis e fundos imobiliários. O que você precisa saber hoje: Mercados • A taxa básica de juro brasileiro renovou sua mínima histórica […]

fim do impasse?

Câmara aprova MP que transfere Coaf para o BC; texto segue para Senado

Outra mudança foi a retirada, com a aprovação de um destaque, da atribuição do Coaf de produzir informação para combate ao financiamento do terrorismo

Dinheiro no bolso do acionista

CVC paga R$ 62 milhões em juros sobre capital próprio aos acionistas

Para o pagamento, que será realizado no dia 8 de janeiro, será considerada a posição acionário em 23 de dezembro de 2019, respeitando a negociação realizada no dia

novos ventos

Estrangeiros injetam R$ 161 bilhões em aquisições no Brasil

Depois de um 2018 permeado por incertezas provocadas pela corrida eleitoral, o ambiente voltou a ficar mais favorável para fechar operações de fusões e aquisições no Brasil

dinheiro no caixa

Notre Dame Intermédica define ação a R$ 57 em nova oferta e movimenta R$ 5 bilhões

Companhia faz a oferta para levantar recursos para novos investimentos, liquidar debêntures e para pagar a aquisição do grupo Clinipam

guerra comercial

Negociadores de comércios dos EUA e China ‘mantêm contato próximo’, diz Pequim

No domingo (15), vence o prazo para que os EUA adotem tarifas extras a mais US$ 156 bilhões em importações chinesas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements