Menu
2019-06-10T12:29:09+00:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Bancos

É hora de vender as ações de Itaú e Bradesco e comprar as da B3, diz Goldman Sachs

Para os analistas do banco americano, os bancos brasileiros terão dificuldades em manter o crescimento do crédito em meio ao desempenho abaixo do esperado da economia

10 de junho de 2019
12:19 - atualizado às 12:29
Banco Bradesco e Itaú
Imagem: Estadão Conteúdo/Shutterstock

Está na hora de vender as ações dos dois maiores bancos privados brasileiros: Itaú Unibanco e Bradesco. A recomendação é do banco americano Goldman Sachs. A lenta recuperação da economia neste início de ano colocou os analistas do Goldman Sachs na defensiva com as ações dos bancos.

"O esperado aumento no crédito pode desapontar e ser mais fraco que o esperado, ao mesmo tempo em que as taxas de juros baixas limitam o espaço para aumento nas margens", escreveram os analistas, em um relatório para clientes divulgado nesta segunda-feira.

No pregão de hoje, as ações do Itaú (ITUB4) eram negociadas em queda de 2,08%, cotadas a R$ 34,34, por volta das 11h55. No mesmo horário, os papéis do Bradesco (BBDC4) recuavam 2,47%, negociados a R$ 36,37. Confira também nossa cobertura completa de mercados.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Ao mesmo tempo em que indica a venda das ações de Itaú e Bradesco, o Goldman Sachs retomou a cobertura do setor financeiro brasileiro com recomendação neutra para Santander Brasil (SANB11), Banco do Brasil (BBAS3) e BTG Pactual (BPAC11).

Os analistas se mostram mais otimistas para as ações de empresas de serviços financeiros, como a B3 (B3SA3). Para eles, os resultados da bolsa devem se beneficiar do aumento dos volumes negociados no mercado brasileiro. O Goldman Sachs também possui indicação de compra para as ações das empresas de maquininhas de cartão PagSeguro e Stone, negociadas em Nova York, e neutra para a Cielo (CIEL3), que é listada na B3.

Confira a seguir mais detalhes sobre as recomendações dos analistas para os papéis do Itaú, Bradesco e B3.

Itaú: Rentabilidades altas são difíceis de manter

Recomendação: venda

Preço-alvo: R$ 31,00 (-11%)

"Esperamos um crescimento de 7% na carteira de crédito para o Itaú, que é um pouco abaixo piso do guidance [estimativa] do banco, que varia de 8 a 11%. No entanto, achamos que até mesmo o nível mais baixo pode ser muito otimista em um ano em que o crescimento do PIB deverá ser de apenas 1,2%."

"Acreditamos que a rentabilidade (ROE) deve cair gradualmente nos próximos anos. Na verdade, o Itaú nunca entregou o ROE acima de 20% em um ano de taxas de juros de um dígito."

Bradesco: Recuperação já está no preço

Recomendação: venda

Preço-alvo: R$ 31,00 (-17%)

"Acreditamos que o banco se beneficiou de uma recuperação cíclica nos empréstimos a pequenas e médias empresas, ao mesmo tempo em que extraiu sinergias do HSBC Brasil (adquirido em meados de 2016) para melhorar o ROE [rentabilidade sobre o patrimônio) para o nível de 19%. No entanto, achamos que mais melhorias na lucratividade serão mais difíceis de obter."

"Embora o banco tenha mostrado bom progresso com seu banco digital Next, é difícil quantificar os benefícios tangíveis além do número de correntistas, que deve chegar a 1,5 milhão no fim de 2019. De positivo, a exposição de 30% dos lucros ao negócio de seguros torna o banco defensivo, mas achamos que isso já é considerado na avaliação da ação."

B3: Alavancada para uma recuperação, mas com menos risco de queda

Recomendação: compra

Preço-alvo: R$ 41,00 (+10%)

"A empresa desfruta de uma posição de liderança na maioria de suas linhas de negócios e deve se beneficiar de um ciclo de melhora da economia e de mercado de capitais. De fato, as negociações com ações e derivativos, as emissões de renda fixa e as vendas e financiamentos de veículos, todos se beneficiam de taxas de juros mais baixas."

"Embora a ação tenha superado o Ibovespa (74% contra 28% nos últimos 12 meses), acreditamos que o valor permanece atraente em comparação aos concorrentes globais (...) Além disso, a B3 não possui o risco de crédito associado aos bancos."

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Investimentos

Site do Tesouro Direto está de cara nova

Tesouro Nacional e B3 lançaram novo site do Tesouro Direto, com acesso facilitado ao passo a passo de como investir e simulador de investimentos

olho lá fora

Oferta de troca de títulos da Petrobras com vencimento em 2030 chega a US$ 6 bi

Os novos títulos somam US$ 4.109.583.000, com cupom de 5,093% a.a., com retorno (yield) das notas do Tesouro Americano de referência, fixada em 1,873%, mais taxa de 3,220%

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta segunda-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Está longe de ser o fim

Após ‘efeito Amazon’, ações de varejo podem se recuperar, dizem analistas

Efeito nos papéis das líderes brasileiras do e-commerce não foi desprezível. Em dois dias, o Magazine Luiza somou desvalorização de 11%; a B2W caiu, 10% e a Via Varejo, 8%

lá em cima

Em número recorde, Fundos Imobiliários chegam a 1 milhão de cotistas no primeiro semestre

Queda da taxa de juros e sinais de retomada do setor imobiliário ajudam desempenho; atualmente, são 412 fundos imobiliários em todo o País

Conta digital

SoftBank “dobra a aposta” e passa a deter quase 15% do capital do Banco Inter

Fundo japonês que já investiu no Uber e Alibaba fecha acordo de acionistas com controladores do Banco Inter, que prevê nova oferta de ações no Brasil e nos EUA em até cinco anos

Novos pombinhos?

Dona da Vivo está de olho na gigante brasileira Oi

De acordo com fontes próximas, a espanhola estaria analisando uma potencial compra da Oi. A companhia brasileira foi avaliada em US$ 6,7 bilhões ou cerca de € 6 bilhões. As informações são do jornal espanhol, El Confidencial. 

Segunda-feira movimentada

Ibovespa em alta: petróleo sobe e dá forças à Petrobras, compensando a tensão no Oriente Médio

Ataques às refinarias da Aramco na Arábia Saudita elevam a aversão ao risco no mundo e fazem os preços do petróleo disparar. No entanto, o preço mais alto da commodity impulsiona as ações da Petrobras, colocando o Ibovespa no campo positivo

Melhora nas expectativas

BNDES prevê investimentos de R$ 1,1 trilhão em 2019-2022 em 19 setores

Os números consideram investimentos apoiados e não apoiados pelo BNDES relativos a 19 setores, sendo 11 da indústria e 8 da infraestrutura

mudança de planos?

Após ataques, IPO da Saudi Aramco pode ser adiado

Empresa pretende vender uma fatia na bolsa local e, posteriormente, realizar uma listagem internacional de ações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements