Menu
2019-10-14T14:32:18+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Dia tenso

‘Efeito Moro’ traz cautela e Ibovespa fecha em baixa, na contramão de NY

O Ibovespa fechou em queda, com a cautela em relação ao cenário político local preponderando sobre o tom positivo visto nos mercados americanos. O dólar à vista teve leve alta

10 de junho de 2019
10:27 - atualizado às 14:32
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa
Ibovespa e dólar à vista ficam perto do zero a zero nesta tarde - Imagem: Seu Dinheiro

Fim de domingo. Sabe como é, aquele horário em que não acontece muita coisa e você começa a preparar o espírito para a semana que vai começar logo mais.

Eu estava em casa na noite passada, fazendo exatamente isso: pensando em como seria o dia seguinte. "Bom, a guerra comercial deu uma aliviada nesse fim de semana, então os mercados externos devem subir", pensei comigo mesmo. "E a política também não tem grandes novidades, deve ser um dia tranquilo".

É... 'tranquilo' não é exatamente o melhor termo para descrever a segunda-feira (10) do Ibovespa e do dólar à vista. O fim do domingo (9) ainda reservava muitas emoções.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Nada de gols do Fantástico

Eu estava me preparando para jantar quando uma mensagem chegou ao meu WhatsApp: um link com uma matéria do The Intercept. A chamada do texto ia direto ao ponto: "Chats privados revelam colaboração proibida de Moro com Deltan". Ficou claro naquele instante que os mercados teriam uma abertura de semana das mais agitadas.

Em uma série de matérias, o site The Intercept aponta uma cooperação entre Moro — então juiz federal — e os procuradores da Lava Jato. A publicação teve acesso a mensagens particulares trocadas entre as partes, afirmando que uma fonte anônima repassou o conteúdo.

Os diálogos são problemáticos por indicarem a intromissão do juiz no trabalho do Ministério Público, ferindo o princípio da imparcialidade existente no Direito. Em notas, tanto Moro quanto os procuradores da força-tarefa da Lava Jato negaram que o conteúdo coloque em xeque a idoneidade das operações.

Ainda na noite de domingo, troquei mensagens com operadores e agentes financeiros. O tom de cautela era praticamente unânime, com enormes dúvidas pairando sobre as cabeças do mercado: como esse noticiário irá repercutir em Brasília? A tramitação da reforma da Previdência será afetada de alguma maneira?

Tensão aqui dentro...

Em meio a essas dúvidas, as negociações dos ativos locais assumiram um viés mais defensivo nesta segunda-feira. O Ibovespa, por exemplo, chegou a cair 1,06% no pior momento do dia, aos 96.782,23 pontos, com os mercados ainda digerindo o conteúdo das matérias do The Intercept e tetando analisar os eventuais desdobramentos para o cenário político.

No entanto, o tom positivo visto nos mercados globais ajudou a neutralizar parte desse sentimento mais negativo. Com isso, o principal índice da bolsa brasileira ganhou força ao longo da tarde e se afastou das mínimas, terminando a sessão em baixa de 0,36%, aos 97.466,69 pontos. O dólar à vista subiu 0,18%, a R$ 3,8838.

Ao fim do dia, o mercado optou por não assumir uma postura de amplo pessimismo quanto ao caso envolvendo Moro. Analistas e outros agentes ponderaram que, apesar de o noticiário inspirar cuidado, as perdas foram relativamente pequenas.

O índice, afinal, conseguiu sustentar o nível dos 97 mil pontos, não cedendo muito ao nível da última sexta-feira (7), quando encerrou aos 97.821,26 pontos — o maior patamar de fechamento desde 20 de março, quando o Ibovespa encontrava-se na faixa de 98 mil pontos.

"A leitura inicial é a de que [o noticiário da noite de ontem] não afetou muito [as negociações], mas o mercado está receoso quanto a alguma fala mais exacerbada por parte do governo, gerando um ruído político mais forte", diz Victor Cândido, economista-chefe da Guide Investimentos. "Mas a agenda externa está bem positiva, e isso deve ditar um pouco os rumos nessa semana".

Posição semelhante foi adotada por Álvaro Frasson, analista da Necton. Para ele, é preciso ficar atento às reações dos principais agentes políticos, uma vez que o The Intercept já sinalizou que tem mais conteúdo a ser divulgado. "Isso pode impactar os mercados no médio prazo", diz ele.

Além das questões envolvendo Moro e a Lava Jato, os agentes também mostram cautela quanto ao cronograma de tramitação da Previdência. O relator da reforma na Câmara, Samuel Moreira, afirmou que irá apresentar seu parecer apenas na quinta-feira (13) — a expectativa era de que o documento fosse apresentado na terça-feira (11).

...e calmaria lá fora

Minhas previsões de domingo não estavam completamente erradas: o tom foi de otimismo no exterior nesta segunda-feira, em meio ao acordo fechado entre Estados Unidos e México. Com o trato, o governo americano suspendeu por tempo indeterminado a elevação de tarifas de importação aos produtos mexicanos — a medida começaria a valer hoje.

Nesse cenário, as bolsas americanas subiram em bloco: o Dow Jones fechou em alta de 0,30%, o S&P 500 avançou 0,47% e o Nasdaq teve ganhos de 1,05%. O alívio no front EUA-México da guerra comercial aumentou a expectativa do mercado quanto a algum novo desdobramento nas negociações entre americanos e chineses.

Os ganhos, contudo, não foram amplos, uma vez que os diálogos entre Pequim e Washington seguem emperrados. Mas, ao menos nesta segunda-feira, um tom mais positivo prevaleceu nas mesas de negociação lá fora — e a perspectiva de redução na taxa de juros dos Estados Unidos, conforme sinalizado pelo Federal Reserve (Fed) contribuiu para trazer calmaria ao exterior.

Dia intenso no câmbio

O noticiário referente à guerra comercial também provocou amplas reações ao mercado de moedas. Lá fora, o destaque foi o peso mexicano, que subiu forte ante o dólar — a divisa perdeu terreno na semana passada, em meio às ameaças do governo Trump.

No restante do mercado de câmbio, o dólar ganhou espaço ante as principais divisas do mundo, mas teve  comportamento misto na comparação com as moedas emergentes: recuou em relação ao peso mexicano, o peso colombiano e o rand sul-africano, mas avançou ante o rublo russo, o peso chileno e o dólar neozelandês.

Esse contexto global afetou diretamente o comportamento do dólar no Brasil — por aqui, a moeda no segmento à vista já oscilou entre os R$ 3,8678 (-0,24%) e os R$ 3,8994 (+0,58%), em meio às tensões locais e às variações no exterior.

Um operador ainda ponderou que houve um fluxo de entrada de dólares no país nesta segunda-feira, o que ajudou a trazer alívio ao mercado de câmbio local. "Teremos uma semana de agenda política forte pela frente", diz o operador, mostrando alguma preocupação em relação ao cenário político.

Juros em queda

Já as curvas de juros fecharam no campo negativo, apesar da cautela vista no Ibovespa e no dólar. Na ponta curta, os DIs com vencimento em janeiro de 2021 tiveram queda de 6,27% para 6,22%, ainda refletindo as apostas do mercado de um novo corte na Selic, em meio à fraqueza da economia e da inflação dando sinais de desaceleração.

Mais cedo, o boletim Focus do Banco Central indicou novo corte nas projeções do mercado para o crescimento do PIB em 2019, passando de 1,13% para 1% — é a 15ª baixa consecutiva nas expectativas.

Na ponta longa das curvas de juros, os DIs para janeiro de 2023 recuaram de 7,18% para 7,14%, enquanto os DIs com vencimento em janeiro de 2025 foram de 7,76% para 7,74%.

Estatais no vermelho

Em meio à tensão do mercado em relação ao cenário político, as ações de empresas estatais caíram em bloco nesta segunda-feira, trazendo pressão ao Ibovespa.

Foi o caso dos ativos da Petrobras, tanto os ONs (PETR3) quanto os PNs (PETR4), que fecharam em queda de 1,68% e 0,41%, respectivamente — no exterior, o petróleo WTI teve baixa de 1,35% e o Brent recuou 1,58%.

Ainda entre as estatais, os papéis ON da Eletrobras (ELET3) teve perda de 1,53%, enquanto os PNBs (ELET6) recuaram 1,51%. Já Banco do Brasil ON (BBAS3) cedeu 0,94%.

Bancos sob pressão

Os demais ativos  do setor bancário também aparecem no campo negativo, fazendo companhia às ações do BB. As units do Santander Brasil (SANB11) recuaram 2,00%, Bradesco PN (BBDC4) caiu 1,18%, Bradesco ON (BBAS3) teve perda de 0,91% e Itaú Unibanco PN (ITUB4) fechou com baixa de 1,25%.

Em relatório, o Goldman Sachs recomenda a venda dos papéis do Itaú e do Bradesco, em meio às perspectivas de recuperação lenta da economia — a instituição atribui classificação "neutra" aos ativos do Santander e do Banco do Brasil.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Dados do Tesouro

União honra R$ 442,6 milhões e dívidas de governos estaduais em setembro

Nos primeiros nove meses de 2019, o governo federal precisou desembolsar R$ 5,695 bilhões para honrar dívidas garantidas pela União de quatro Estados

Papo reto

Para Sabesp, metas definidas pelo relator no marco do saneamento são difíceis de atender

Entre os pontos tidos como difíceis de cumprir está o limite de 25% para subdelegações pelo prestador de serviços

Falando em projetos...

Na reforma da Previdência dos militares, contribuições devem aumentar mais rápido que o proposto pelo governo

Segundo relatório da Câmara, a cobrança que hoje é de 7,5% passará a 9,5% já no ano que vem, chegando a 10,5% em 2021

Gestoras

JGP lista 6 fatores que devem impulsionar a economia e empurrar a bolsa para cima em 2020

Gestora acredita que migração de renda fixa para ações vai continuar dando força ao Ibovespa. Carta de setembro também faz uma defesa do teto de gastos

novidade lá fora

Google anuncia Pixel 4, celular que promete controle por gestos sem tocar na tela

Em evento nos EUA, companhia apresentou uma série de produtos novos, incluindo a segunda geração de seu alto-falante inteligente, o Nest Mini, e o notebook Pixelbook Go; ações sobem

no topo

PAN, BMG e Bradesco lideram ranking de reclamações contra bancos do BC

Pan registrou índice de 149,58. Em segundo lugar, aparece o BMG (82,33) e, em terceiro, o Bradesco (24,16)

vamos fala das teles

Na esteira de notícias sobre possível venda da Oi, presidente da dona da Vivo diz que ficarão no Brasil as teles capazes de investir

Christian Gebara reiterou o plano trienal de investimentos da Telefônica, que prevê chegar a aportes de R$ 9 bilhões em 2019

dinheiro no bolso

Receita paga nesta terça-feira (15) restituições do 5º lote do Imposto de Renda 2019

Consulta para saber se a declaração foi liberada poderá ser feita acessando a página da Receita na internet, pelo Receitafone 146, informando o CPF e a data de nascimento

lupa no país

FMI reduz previsão de crescimento do PIB do Brasil em 2020 para 2%

Projeção anterior era de 2,4%; fundo alterou também a previsão para este ano: de 0,8% para 0,9%; dados constam em relatório divulgado hoje, também trazendo expectativas para a economia global

caso de justiça

Operação da PF mira Luciano Bivar, do PSL

Operação Guinhol apura supostas fraudes na aplicação de recursos destinados a candidaturas femininas em Pernambuco

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements