Menu
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Bolsa e dólar hoje

Boas notícias do exterior ajudam Ibovespa fechar em alta

Ritmo de ganhos só perdeu força depois que o Correio Braziliense publicou que a proposta de reforma terá idade mínima de 57 (mulheres) e de 62 (homens)

12 de fevereiro de 2019
10:46 - atualizado às 18:51
Depois da quarta alta consecutiva ontem, o dólar fechou o dia em baixa - Imagem: Seu Dinheiro

A Bolsa de Valores de São Paulo trabalhou em alta acelerada o dia todo nesta terça-feira. O ritmo de ganhos, que passou dos 2%, só perdeu um pouco da força depois que o Correio Braziliense publicou que "apesar de todos os argumentos da equipe econômica, o presidente Jair Bolsonaro decidiu que a proposta de reforma da Previdência que será encaminhada nos próximos dias ao Congresso terá idade mínima de 57 anos para mulheres e de 62 anos para homens". Com isso, o Ibovespa fechou em alta de 1,86%, 96.166 a pontos. No acumulado de fevereiro, o saldo para a Bolsa ainda é negativo em 1,26%, depois de ganhos de quase 11% em janeiro. O dólar, depois da quarta alta consecutiva ontem, fechou o dia em baixa, com desvalorização de 1,35%, a R$ 3,71. Um fluxo financeiro de entrada proveniente de captações externas de empresas brasileiras está ajudando a moeda americana a cair.

Previdência

Na avaliação do presidente, segundo o jornal, não há porque ser tão radical na reforma, sobretudo se for levado em conta disparidades regionais no país. Nos estados mais pobres, como o Piauí, a expectativa de vida dos trabalhadores não chega aos 70 anos. Com isso, a economia prevista pelo governo com a reforma deverá ficar mais próxima de R$ 500 bilhões em 10 anos, metade do previsto pela equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, de R$ 1 trilhão em 10 anos. Essa economia é a mesma prevista pelo Citi e pela consultoria Eurasia.

O que também ajudou as bolsas e as moedas emergentes foi a expectativa de progresso nas negociações comerciais entre EUA e China, reiniciadas esta semana. Os dois países têm até o dia 1º de março para tentar um acordo, antes que, no dia seguinte, Washington eleve tarifas sobre mais US$ 200 bilhões em produtos chineses.

Além disso, são positivas as informações de que o governo norte-americano poderá evitar uma segunda paralisação, após democratas e republicanos chegarem a um acordo prévio para o orçamento.

O acordo prevê US$ 1,375 bilhão para a construção de barreiras feitas de ripas de aço em um trecho de 88 quilômetros da fronteira dos EUA com o México. O valor acordado ficou aquém dos US$ 5,7 bilhões que o presidente Donald Trump exige para a obra.

Fed

O risco de uma recessão nos Estados Unidos não é atualmente elevado, disse hoje o presidente do Federal Reserve, o banco central dos EUA, Jerome Powell. "Não sentimos que a probabilidade de recessão seja elevada", disse Powell a estudantes da Universidade Mississippi Valley State.

Bancos

As ações dos bancos puxaram o Ibovespa hoje. A maior alta do índice foi a do Banco do Brasil (ON), de 6,16%. Itaú PN subiu 2,39%. Bradesco ON teve elevação de 2,15% e a PN de 2%. Santander unit avançou 1,51%.

Glauco Legat, analista da Necton Corretora, diz que o cenário hoje é bem mais otimista em relação aos últimos dias. "O cenário externo está ajudando o Ibovespa a se recuperar. Lá fora está bem mais positivo. Destaque para as commodities, com petróleo subindo de forma expressiva, menor pressão da guerra comercial entre Estados Unidos e China. O cenário externo também está mais ameno com o congresso americano próximo de finalizar o shutdown", diz Legat.

Mais lucro

As ações PNB do Banrisul tiveram alta de 6,56%. O banco divulgou hoje cedo, antes da abertura do mercado, os seus resultados financeiros. O lucro líquido recorrente do quarto trimestre caiu 7,3%, para R$ 300,1 milhões, na comparação com o mesmo período do ano passado. Em 2018, no entanto, o lucro líquido recorrente foi de R$ R$ 1,096 bilhão, representando um aumento de 20,3% em relação ao ano de 2017, quando somou R$ 911,6 milhões.

BB Seguridade

As ações da BB Seguridade ficaram entre as maiores quedas, com baixa de 2,13%, depois que a seguradora anunciou lucro líquido ajustado de cerca de R$ 840 milhões no quarto trimestre do ano passado. Isso significa uma queda de 10,7% em relação ao visto em idêntico intervalo de 2017, de R$ 941 milhões. No ano, a cifra somou R$ 3,549 bilhões, declínio de 9,26% na comparação com o exercício de 2017.

O resultado financeiro da BB Seguridade, holding que concentra os negócios de seguros do Banco do Brasil, totalizou R$ 169,1 milhões no quarto trimestre do ano passado, cifra 43% menor que a registrada um ano antes. Em todo o exercício de 2018, o montante se reduziu em 39,8%, para R$ 667 milhões contra todo o ano de 2017.

Vale sabia

Após cair mais de 2% na sessão anterior pressionada, principalmente, pela piora no cenário externo, as ações ON da Vale registraram alta de 5,43%, refletindo o aumento de quase 6% do minério de ferro ontem, quando as mineradoras ao redor do mundo tiveram ganhos expressivos.

A Vale estava ciente de que a barragem de rejeitos que entrou em colapso no mês passado, matando pelo menos 165 pessoas, tinha um risco elevado de ruptura, segundo um documento interno. Um documento interno da Vale de novembro de 2017 afirma que a barragem, já naquela época, tinha uma chance de colapso duas vezes maior que o nível máximo de risco individual tolerável.

Outro documento, de outubro de 2018, indicava que além de ter duas vezes mais chances de se romper do que nível máximo tolerado pela política de segurança da empresa, a barragem estava em uma "zona de atenção".

Esse documento da área técnica da Vale sobre a situação de barragens - que o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) tornou público hoje - mostra que o impacto financeiro das cinco estruturas consideradas mais críticas pela companhia poderia superar US$ 1 bilhão, além de afetar centenas de vidas, provocar danos no meio ambiente que demorariam mais de seis anos para serem remediados.

O material mostra que a Vale já previa o impacto nas ações e a revogação de múltiplas licenças de operação, boicote de produtos, manifestações e até greve de empregados.

Em entrevista coletiva nesta tarde, os executivos da companhia rejeitaram a informação de que havia excesso de água e falha na drenagem na barragem de Brumadinho (MG), hipótese levantada pela Polícia Federal para o colapso do local. Eles disseram ainda que o relatório da consultoria alemã Tüv Süd indicava que a segurança da barragem era adequada.

Petrobras e TAG

A ações da Petrobras ficaram entre as maiores altas do Ibovespa, com a ON em alta de 3,60% e a PN com avanço de 3,54%, após a informação de que o processo de venda da Transportadora Associada de Gás (TAG) pela Petrobras entrou em fase de finalização, com uma oferta de US$ 8 bilhões pelo grupo francês de gás e energia Engie, segundo fontes disseram ao jornal Valor Econômico.

Contribuiu também para a elevação da Petrobras a decisão do banco suíço UBS de elevar a recomendação da ação PN de neutra para compra e preço-alvo de R$ 26 para R$ 33, o que implica numa potencial alta de 32,8% em relação ao fechamento de ontem (R$ 24,84).

O petróleo fechou em alta, após o relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) confirmar que o cartel está de acordo com o pacto de corte da produção firmado em dezembro. Os ganhos foram limitados, no entanto, depois que o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) americano anunciou ter elevado a estimativa de produção no país para 2019.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para entrega em março fechou em alta de 1,32%, para US$ 53,10 por barril. Já na Intercontinental Exchange (ICE), o barril do Brent para abril avançou 1,48%, a US$ 62,42.

"Marvada"

O Grupo São Martinho, um dos maiores do setor sucroenergético, teve queda nos papéis pela manhã de quase 1%. Mas o sinal virou e as ações de 1,47%. A companhia informou na noite de ontem que o lucro líquido no terceiro trimestre do ano-safra 2018/2019, encerrado em 31 de dezembro, chegou a R$ 65,929 milhões. O resultado é 60,9% menor do que o registrado em igual período da temporada 2017/2018, de R$ 168,483 milhões.

Fora da estrada

No finalzinho do pregão, a CCR entrou em leilão após oscilar em relação ao seu preço original, de R$ 14, segundo informou a Bolsa. O leilão chegou a ser prorrogado por mais de 5 minutos depois que um grande lote foi vendido. Entre os bancos com maiores saldos de venda da ação, se destacam o Safra e o Morgan Stanley, com mais de R$ 11 milhões de vendas líquidas cada. O terceiro maior vendedor tem saldo de R$ 3,5 milhões. A ação fechou em alta de 0,28%.

Ainda no esgoto

Após cair 9% ontem, as ações ON da Sabesp ampliaram as perdas com queda de 0,26%, após o Bradesco BBI rebaixar a recomendação para o papel de "outperform" (acima da média do mercado) para "neutra" (em linha com o mercado), de acordo com um operador. Além disso, o preço-alvo do papel foi reduzido de R$ 56 para R$ 45, o que implica potencial alta de 18% em relação ao último fechamento (R$ 38,25).

Gafisa

As ações ON da Gafisa voltaram a amargar perdas nesta terça-feira, com queda de 5,39%. Conforme adiantou Seu Dinheiro, o Grupo GWI está em negociações com terceiros que podem resultar, dentre outras alternativas, na alienação, integral ou parcial, de sua participação na incorporadora. Em setembro, a gestora de recursos GWI Group assumiu o comando da Gafisa prometendo transparência na gestão e foco nos acionistas

*Com Estadão Conteúdo

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Berkshire Hathaway

Até ele perde! Empresa de Warren Buffett tem prejuízo no 4º tri, e tombo da Kraft Heinz deu uma bela mãozinha

Prejuízo da empresa de alimentos, controlada por Buffett junto com a turma de Jorge Paulo Lemann, pesou nos resultados da Berkshire Hathaway

Novidades

O que mudou na declaração de imposto de renda em 2019

Principal novidade é a obrigação de informar CPF de dependentes e alimentandos, independentemente de idade; confira todas as mudanças e a atualização dos valores

Reforma da Previdência

Proposta de reforma para militares deve chegar ao Congresso antes de 20 de março

Segundo Rogério Marinho, secretário especial de Previdência e Trabalho, mudanças devem ser apresentadas ao Congresso antes do término do prazo de 30 dias estabelecido inicialmente

Em busca de um novo líder

Oi ainda sonda Amos Genish, ex-presidente da Vivo, para comandá-la

Em busca de novo líder para a sua reestruturação, operadora quer ex-presidente da Vivo e da Telecom Itália no comando, mas executivo recusou convite, por ora

Siga o dinheiro

Receita Federal entra na dança e passa a investigar miliciano ligado a Flávio Bolsonaro

Fisco vai ampliar a cooperação com o MP do Rio e investigar alvos da Operação Os Intocáveis; entre eles, está o ex-PM Adriano Magalhães da Nóbrega, cujas mãe e esposa trabalharam para o filho do presidente

Bon Vivant

Noronhe-se como os famosos! Fernando de Noronha tem luau de chefs, ‘sea coach’ e, claro, praias paradisíacas

Roteiros exclusivos e experiências customizadas são os ingredientes para incrementar a visita um dos lugares mais lindos do planeta onde dá praia o ano todo. Você também merece pisar no paraíso e curtir uns dias de folga.

É cilada, Bino

Mais de 930 moedas digitais deixaram de existir em 2018. Saiba quais são as apostas alternativas mais seguras para este ano

As informações são do site Deadcoins. Diante de tantos projetos mal-sucedidos no ano passado, criptomoedas como o Ethereum, Ripple e Iota permaneceram e são algumas das opções interessantes para 2019

Reforma da Previdência

À BBC, Mourão diz que Congresso aprova “qualquer coisa” para militar

Mourão justificou que a tramitação é muito mais rápida no caso dos militares porque, para isso, é necessário apenas um projeto de lei, que requer maioria simples dos votos

Mais um empecilho?

Tipo novela mexicana… Justiça concede liminar para suspender assembleia da Embraer que decidirá sobre acordo com Boieng

O juiz destacou que “não se visualiza nesta decisão qualquer ameaça ou comprometimento da economia do País ou situação provocadora de crise na medida que busca conservar uma situação que se encontra consolidada no tempo e eventual oscilação em preços de ações da Boeing ou da Embraer são considerados efeitos metajurídicos normais de qualquer decisão judicial sem a tônica de representar repercussão nos interesses do País”

O melhor do Seu Dinheiro

O Ministério da Economia adverte

Tem uma piada antiga sobre o fulano que vai comprar um maço de cigarros na padaria e, ao ler na embalagem que fumar causa impotência sexual, pede para o balconista trocar por um que causa câncer. Eu me lembrei da anedota ao me deparar com uma espécie de advertência do Ministério da Economia: o atual […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu