Menu
2019-10-14T14:28:35-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Pressão na moeda

Com a guerra comercial nos holofotes, o dólar segue em alta e se aproxima de R$ 4,00

A tensão contínua na guerra comercial traz estresse ao mercado de câmbio e joga o dólar à vista para o alto. Já o Ibovespa fechou em alta, ajudado pelas ações do setor bancário

7 de agosto de 2019
10:26 - atualizado às 14:28
Dólar subindo
Ibovespa chegou a cair mais de 1%, mas agora opera em alta; dólar vai a R$ 3,97Imagem: Shutterstock

Enquanto o Ibovespa e as bolsas globais mostram-se indecisas quanto à postura a ser assumida em relação à guerra comercial, o mercado de câmbio não hesita: está na defensiva, temendo as consequências de uma disputa mais acirrada entre Estados Unidos e China. E o dólar à vista tem servido como termômetro da cautela.

A moeda americana fechou esta quarta-feira (7) em alta de 0,49%, a R$ 3,9743, o maior nível de encerramento desde 30 de maio, quando estava cotada a R$ 3,9784 — na máxima do dia, chegou a bater os R$ 3,9927. Também chama a atenção o desempenho recente do dólar: a divisa se valorizou ante o real em oito das últimas 11 sessões.

Explicitando os números: em 22 de julho, o dólar à vista estava cotado a R$3,7384. Ou seja: em 11 sessões, o ganho foi de 23 centavos — um salto de 6,31% no período em questão. Somente nesta semana, o ganho é de 2,13%.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

E o trampolim para esse movimento é a tensão entre americanos e chineses, em meio à percepção de que o gigante asiático pode usar o câmbio como arma nas disputas comerciais. O yuan — a moeda da China — tem passado por um processo de desvalorização ante o dólar desde segunda-feira, o que tem trazido apreensão ao mercado.

A lógica por trás dos temores passa pelas relações comerciais internacionais, uma vez que o yuan desvalorizado tende a aumentar a competitividade das exportações chinesas — o que neutraliza os impactos das tarifas impostas pelo governo Trump às importações de produtos vindos do país asiático.

E, nesta quarta-feira, o Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês) — instituição que define diariamente a cotação de referência do yuan — voltou a enfraquecer a moeda do país em relação ao dólar, situação que manteve os mercados em estado de alerta.

Essas incertezas mexem principalmente com as negociações de câmbio, com um movimento global de aversão ao risco. Nesse contexto, os agentes financeiros vendem moedas consideradas mais arriscadas, como as de países emergentes e exportadores de commodities, e compram dólar.

Assim, a moeda americana se fortaleceu ante divisas como o peso mexicano, o rublo russo, o peso chileno, o rand sul-africano, o peso colombiano e o dólar neozelandês — e o real seguiu a tendência externa.

Já as bolsas apresentaram um comportamento diferente. Apesar de essa cautela também ter sido sentida nos índices acionários, outros fatores ajudaram a dar sustentação ao Ibovespa e às bolsas americanas nesta quarta-feira.

Forças opostas

No início do dia, os mercados acionários apresentavam desempenho bastante negativo, influenciados pela cautela em relação à desvalorização do yuan e os possíveis desdobramentos da guerra comercial. Mas, aos poucos, os índices foram se recuperando.

É melhor ir por pates para entender esse movimento. Tudo começou nas bolsas americanas, com uma melhora no desempenho das ações do setor de tecnologia — esses papéis, que possuem um peso expressivo nos índices, tinham perdido terreno nos últimos dias.

Com o Dow Jones, o S&P 500 e o Nasdaq se afastando das mínimas, o Ibovespa aproveitou para pegar carona. E, por aqui, esse aumento na confiança impulsionou especialmente as ações do setor bancário.

E por que o setor bancário? Há duas explicações: em primeiro lugar, um operador me falou que o Morgan Stanley elevou as recomendações para as units do Santander Brasil e para os recibos de ações (ADRs) do Itaú Unibanco e do Bradesco. Assim, esses ativos já apresentavam um desempenho melhor que o restante, mesmo durante a manhã.

Em segundo, é importante lembrar que os bancos fazem parte do grupo conhecido como blue chips — ou seja, as ações que possuem grande liquidez e peso para a composição do Ibovespa. E os investidores estrangeiros que atuam no Brasil tendem a concentrar suas operações nesse tipo de papel.

Assim, a melhora no humor externo encorajou os estrangeiros, que olharam para as blue chips do Ibovespa — e, por aqui, os bancos apareceram como a melhor opção, em meio ao otimismo do Morgan Stanley.

Resumindo: Itaú Unibanco PN (ITUB4) fechou em alta de 3,69%, Bradesco ON (BBDC3) teve ganho de 1,43%, Bradesco PN (BBDC4) avançou 2,11% e as units do Santander Brasil (SANB11) subiram 2,86%.

E, com o fortalecimento dos bancos, o Ibovespa foi recuperando terreno lentamente: o índice, que chegou a cair 1,65% na mínima, aos 100.476,12 pontos, virou para alta por volta de 16h15, terminando o pregão com ganho de 0,61%, aos 102.782,37 pontos.

De olho na Previdência

No front doméstico, os mercados também acompanharam o noticiário referente à reforma da Previdência — na noite de ontem, o texto-base foi aprovado em segundo turno na Câmara dos Deputados. No momento, estão sendo analisados os destaques — ou seja, pedidos de alteração na proposta.

A questão dos destaques é importante porque eventuais mudanças no texto podem diminuir a potência fiscal da proposta. No entanto, os mercados seguem apostando que a tramitação da Previdência tende a caminhar de maneira relativamente tranquila daqui para frente — a reforma ainda será votada pelo Senado.

Ainda no noticiário doméstico, destaque para o resultado das vedas no varejo em junho, divulgadas nesta manhã. O indicador subiu 0,1% em relação a maio e ficou aquém da expectativa dos analistas, o que eleva a percepção de que a economia brasileira segue fraca.

Juros caem

Em meio à decepção com as vendas no varejo e à leitura de que a guerra comercial pode estimular um movimento mais intenso de corte de juros no mundo, de modo a estimular as economias dos países, os mercados promoveram um novo ajuste negativo nos DIs.

Na ponta curta, as curvas para janeiro de 2020 recuaram de 5,52% para 5,51%, e as com vencimento em janeiro de 2021 caíram de 5,49% para 5,43%. Na longa, os DIs para janeiro de 2023 fecharam em baixa de 6,42% para 6,37%, e os para janeiro de 2025 foram de 6,94% para 6,88%.

Balanços agitados

Destaque, ainda, para a temporada de balanços do segundo trimestre, com a repercussão dos números de cinco empresas que compõem o Ibovespa: BB Seguridade, Engie, Gerdau, Iguatemi e Raia Drogasil. Você pode conferir um resumo dos resultados dessas companhias nesta matéria especial.

Nesse grupo, chamou a atenção o bom desempenho de Raia Drogasil ON (RADL3), que subiu 9,25% e liderou os ganhos do Ibovespa — a empresa reportou crescimento de 16,1% no lucro líquido ajustado, para R$ 149,4 milhões.

BB Seguridade ON (BBSE3) também foi bem: as ações avançaram 2,04%, em meio à expansão de 18,5% no lucro, para R$ 31,1 bilhões. Iguatemi ON (IGTA3) subiu 0,52%.

Os papéis das demais companhias, contudo, reagiram mal aos números trimestrais: Engie ON (EGIE3) caiu 2,27% e Gerdau PN (GGBR4) teve perda de 0,92%.

Dois focos de pressão

Fora dos balanços, há dois destaques negativos: o setor de varejo e o de commodities.

No primeiro grupo, a surpresa negativa em relação às vendas no varejo diminuiu o otimismo quanto à recuperação do setor. Nesse contexto, Lojas Americanas PN (LAME4) caiu 2,40%, B2W ON (BTOW3) recua 4,74% e Magazine Luiza ON (MGLU3) teve baixa de 0,79%.

No segundo, a forte desvalorização do minério de ferro (-4,35%), do petróleo WTI (-4,73%) e do Brent (-4,60%) impactou as ações da Petrobras, da Vale e das siderúrgicas. Os papéis PN (PETR4) e ON (PETR3) da estatal recuaram 1,08% e 0,95%, respectivamente.

Vale ON (VALE3) caiu 0,94%, Usiminas PNA (USIM5) recuou 2,33% e CSN ON (CSNA3) teve baixa de 1,62%.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

QUEDA À VISTA?

Bolsonaro sobre carne: Estamos na entressafra e preço vai diminuir

Bolsonaro disse que está levando “pancada” pelo preço da carne. “Muitos falam, nas redes sociais, que tem de ter tabelamento. Na Venezuela está tudo tabelado: vai lá comprar carne”, disse o presidente

DE OLHO NO CHURRASCO

Carnes podem continuar subindo até fim de janeiro ou início de fevereiro, diz FGV

Em meio ao aumento das exportações para a China por causa do impacto da peste suína africana (PSA) naquele país, a inflação das carnes foi destaque na aceleração, tanto no atacado quanto no varejo

Sorriso amarelo

Veneno numa mão, antídoto na outra: a estratégia da Gol para incorporar o Smiles

A nova proposta da Gol para a incorporação do Smiles é atrativa para os atuais acionistas da companhia de fidelidade, mas deixa clara a turbulência na relação entre as empresas

a conta do benefício

Gigantes do Vale Silício deixam de pagar US$ 100 bilhões em impostos em uma década

Seis das principais empresas do Vale do Silício têm se beneficiado de estruturas governamentais ainda não preparadas para lidar com os serviços oferecidos por elas. Amazon, Facebook, Google, Netflix, Apple e Microsoft — cujo valor de mercado somado é de R$ 4,5 trilhões — deixaram de pagar ao menos de US$ 100,2 bilhões em impostos […]

OLHO NAS COTAÇÕES

BTG Pactual eleva preço-alvo das ações de Lojas Americanas e B2W, após Investor Day

No caso das Lojas Americanas, a previsão de alta é de 54,2% em relação ao fechamento da última sexta-feira. Já no caso da B2W, a valorização seria de 20,5%

Vitreo zera taxa de performance de fundos para investir no IPO da XP

Com a decisão, a Vitreo se tornou, na minha opinião, a melhor forma de você investir nas ações da XP. Resta agora saber se a gestora conseguirá participar da oferta, que acontece na bolsa norte-americana Nasdaq

banco central americano

Ex-presidente do Fed, Paul Volcker morre aos 92 anos

Volcker foi presidente do Fed entre 1979 e 1987 e, antes disso, havia comandado o a distrital do Fed de Nova York

Credit Suisse recomenda compra de ação do BMG após queda de 28% desde IPO

Os analistas do banco suíço – que foi um dos bancos coordenadores do IPO – iniciaram a cobertura das ações do BMG com preço-alvo de R$ 12,50, o que representa um potencial de alta de 50%

de olho no dólar

Fundo Verde vê medo do câmbio como infundado, mas zera posição vendida em dólar

Em novembro o fundo teve um retorno zerado e abaixo do CDI, que teve um desempenho de 0,38%. No acumulado do ano o Verde ainda tem um desempenho de 11,19%, acima dos 5,57% do índice de referência

Mercados hoje

Ibovespa fica perto do zero a zero, em linha com as bolsas globais; dólar cai a R$ 4,12

O Ibovespa abriu o pregão desta segunda-feira em alta, dando continuidade aos ganhos da semana passada. O dólar à vista oscila perto do zero a zero, com um leve viés negativo.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements