Menu
2018-09-26T16:48:33+00:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Bolsa

Ações das seguradoras sobem bem mais que a bolsa. É hora de comprar?

Contra incertezas e ameaças de catástrofe, nada melhor do que ter um seguro. Pois na bolsa muitos investidores levaram essa máxima à risca

26 de setembro de 2018
16:48
Engarrafamento
Greve dos caminhoneiros para carros - mas ajuda seguradoras. Imagem: Kleber Cordeiro / Shutterstock.com

Contra incertezas e ameaças de catástrofe, nada melhor do que ter um seguro. Pois na bolsa muitos investidores levaram essa máxima à risca. As ações das seguradoras estão entre os destaques de alta em um ano até aqui magro para a renda variável.

Enquanto o Ibovespa, principal índice da B3, acumula alta de apenas 3% em 2018, as ações Porto Seguro sobem 67%. Foi bem mais que a valorização do dólar - o “porto seguro” de muitos investidores - que subiu 23%.

Ainda mais impressionante é a alta de 96% da resseguradora IRB no mesmo período. A SulAmérica também acompanha o bom momento das seguradoras com valorização bem acima do Ibovespa. Só duas empresas ficaram para trás: BB Seguridade e a corretora Wiz.

Para saber o que acontece com as seguradoras e se ainda dá tempo de lucrar, fui atrás de quem compra e de quem recomenda a compra (ou venda) das ações: gestores de fundos e analistas.

 

O que acontece?

O setor de seguros é o que os especialistas chamam de “defensivo”. Ou seja, para onde você corre quando a coisa está feia. Diante da incerteza sobre o resultado das eleições e das tensões externas, talvez seja um dos melhores lugares para se ficar hoje, para quem quer ter exposição em bolsa.

São duas as razões: primeiro, as seguradoras devem se beneficiar de um provável ciclo de alta da taxa básica de juros (Selic). Toda vez que você paga para ter a cobertura do seu carro ou da sua casa, as empresas aplicam parte desse valor em investimentos de baixo risco, que ganham mais em ciclos de juros maiores. E a expectativa do mercado é que o Banco Central eleve os juros dos atuais 6,5% para 8% até o fim do ano que vem.

“O mercado agora está de olho em como a expectativa de melhora da economia e de juros maiores no ano que vem se reflete nas seguradoras”, me disse o analista Carlos Daltozo, da BB Investimentos.

A segunda razão para o ganho das ações é que, mesmo no atual cenário de Selic baixa, as seguradoras - no caso, IRB, Porto Seguro e SulAmérica - conseguiram entregar bons resultados. Contrariando a expectativa de boa parte do mercado, aliás.

“Foi dada muita importância ao resultado financeiro e subestimaram o lado operacional”, me disse Francisco Kops, da Garde Asset Management, gestora com mais de R$ 7 bilhões em recursos.

Até mesmo a greve dos caminhoneiros ajudou as empresas. Isso porque, com a redução da circulação de carros nas ruas, diminuiu também o número de batidas e roubos. E, para as seguradoras, isso significa menos despesas com o pagamento das indenizações - ou "sinistros", no jargão do setor.

Está dominado

De todas as ações do setor, talvez a que mais tenha sofrido com o desconhecimento dos investidores tenha sido a resseguradora IRB, que abriu o capital em julho do ano passado. Havia o receio de que a empresa perdesse participação de mercado com a maior competição no segmento onde ela atua - espécie de seguro contratado pelas seguradoras quando os riscos que elas precisam honrar são muito grandes.

Mas o que aconteceu foi o contrário. IRB não só aumentou sua fatia no mercado brasileiro como ainda conseguiu expandir as operações para o exterior, o que proporcionou à empresa valiosas receitas em dólares.

Além de melhorarem a receita, as seguradoras fizeram a lição de casa do lado das despesas. Esse trabalho fica mais evidente na SulAmérica, que tem o seguro saúde como principal produto.

As únicas ações que não conseguiram surfar as ondas difíceis do mercado neste ano foram BB Seguridade e Wiz. Sobre a segunda pesa principalmente o fim do contrato de exclusividade com a Caixa Econômica Federal, apesar dos bons números dos balanços recentes.

No caso da BB Seguridade, a holding que reúne as participações do Banco do Brasil na área, são duas as âncoras: os resultados fracos obtidos ao longo deste ano e também a incerteza eleitoral.

Comprar ou não comprar?

O resultado das eleições também deve determinar se vale a pena comprar as ações das seguradoras. Caso o cenário de incerteza persista, o melhor negócio é manter o time que está ganhando, com IRB, Porto Seguro e SulAmérica, segundo Eduardo Rosman, analista do BTG Pactual.

“São ações boas para se estar no momento atual, principalmente o IRB. Mas se o mercado virar e voltar a ficar otimista pode haver uma migração para a BB Seguridade”, ele me disse.

Até pelo desempenho fraco neste ano, a empresa de seguros do BB pode ser a principal aposta no setor para quem está disposto a correr mais riscos. Para um gestor de fundos, a maré de resultados ruins já dá sinais de que pode virar. “Quando o mercado perceber, as ações já vão ter subido novamente”, ele disse.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

nasce uma gigante?

Anatel discute fusão de AT&T e Time Warner após lobby de Eduardo Bolsonaro

Fusão é defendida pelo presidente americano Donald Trump; filho do presidente iniciou o movimento a favor do negócio depois de ter sido indicado informalmente para a Embaixada nos EUA

saindo do atoleiro

Aviação executiva começa a dar sinais de recuperação após a crise

Executivos de empresas que chegaram a vender menos de cinco aeronaves nos piores anos de recessão afirmam que os seis primeiros meses de 2019 já foram melhores do que todo 2018

dinheiro que entra

Arrecadação em julho soma R$ 137,735 bilhões, diz Receita

Valor arrecadado foi o melhor desempenho para meses de julho desde 2011; resultado veio dentro do intervalo de expectativas de especialistas

olho nos números

Prévia da inflação de agosto tem menor taxa para o mês desde 2010

IPCA-15 variou 0,08%; no ano, o índice acumula alta de 2,51% e, em 12 meses, de 3,22%, informa o IBGE

atenção

Confiança do consumidor sobe em agosto, mas ainda há cautela, diz FGV

Índice de Confiança do Consumidor subiu 1,1 ponto no mês em comparação a julho, chegando a 89,2 pontos

segue a tensão

China promete novamente contramedidas em reação a tarifas dos EUA

Segundo o porta-voz, apesar da decisão do presidente americano, Donald Trump, de adiar algumas das cobranças, as tarifas violaram um consenso entre as potências

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Prudência

Cautela no exterior faz Ibovespa operar em queda; dólar sobe a R$ 4,05

O Ibovespa aparece no campo negativo e volta ao patamar dos 100 mil pontos, pressionado pelo tom de maior precaução que toma conta dos ativos globais

Câmbio

BC vende US$ 550 milhões em leilão à vista de dólar

Com venda integral do lote ofertado, não teremos, hoje, o leilão de swap tradicional. Mercado trocou swap por dólar de verdade

no documento

BCE discutiu pacote de estímulos monetários em reunião de julho, mostra ata

Banco Central Europeu também considerou examinar formas de fortalecer sua orientação futura (“forward guidance”) paras os juros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements