O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-03-25T11:54:53-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Real vem forte

O dólar pode cair ainda mais? Veja as projeções do Credit Suisse para as cotações da moeda

Tombo recente reverte apenas uma parte da valorização do dólar nos últimos anos; saiba até quanto a moeda pode cair, segundo o banco suíço

24 de março de 2022
11:20 - atualizado às 11:54
Dólar fraco
Dólar acumula quedas seguidas - Imagem: Shutterstock

O dólar acumula uma queda de quase 12% no ano e voltou a ser negociado nas cotações do início da pandemia da covid-19. Mas será que há espaço para o real se fortalecer ainda mais frente à moeda norte-americana depois do rali recente?

Para o Credit Suisse, a resposta é sim. “Nossos modelos apontam que a moeda ainda tem espaço para se valorizar”, escreveram os economistas do banco suíço, em um relatório para clientes.

  • IMPORTANTE: liberamos um guia gratuito com tudo que você precisa para declarar o Imposto de Renda 2022; acesse pelo link da bio do nosso Instagram e aproveite para nos seguir. Basta clicar aqui.

Aliás, o dólar segue em queda na sessão desta quinta-feira. Por volta das 11h, a moeda norte-americana era cotada na casa dos R$ 4,83 (-0,21%). Leia também nossa cobertura de mercados.

Razões para a queda do dólar

O real apresenta o melhor desempenho neste ano contra o dólar dentro de uma cesta de 33 moedas. Mas isso aconteceu depois de uma desvalorização da ordem de 40% entre 2020 e 2021.

Além de o dólar ainda estar em um patamar mais alto em relação à média histórica, o Credit Suisse aponta dois fatores que tendem a fortalecer o câmbio:

  1. O diferencial da taxa de juros real entre o Brasil e o resto do mundo, incluindo os Estados Unidos, que está próximo do pico histórico e atrai dólares para o país;
  2. A alta dos preços das commodities, que favorece os produtos exportados pelo Brasil.

Quer pagar quanto?

Afinal, até quanto o dólar pode cair? Os modelos do Credit Suisse apontam para um intervalo entre R$ 4,10 e R$ 4,80 nas cotações, com mediana em R$ 4,50 agora em março. Ou seja, por essa estimativa o dólar tem espaço para cair mais em relação aos níveis atuais.

Uma queda ainda maior do dólar pode ajudar não só a tornar o sonho da Disney mais próximo da realidade como também traria um alívio para a inflação, de acordo com os economistas.

“A tendência para nossa previsão de inflação de 4% em 2023 se inclinaria para o lado negativo se a moeda continuar se valorizando de forma consistente.”

O que pode dar errado

Vale destacar, contudo, que o fato de o dólar ter espaço para cair não significa que isso de fato acontecerá. O próprio Credit Suisse tem uma visão neutra para o câmbio, com uma projeção de R$ 5,00 para a moeda nos próximos três meses e de R$ 5,30 em 12 meses.

A visão mais conservadora tem relação com os fatores de risco, que podem levar o dólar a retomar a trajetória de alta.

Entre eles, os economistas destacam a incerteza em relação às eleições presidenciais neste ano, a fragilidade fiscal do país e um processo de alta de juros mais intenso do que o esperado nos países desenvolvidos.

Leia também:

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

DISTRIBUINDO MAIS DO QUE COMBUSTÍVEIS

Dividendos e JPC: Vibra Energia (VBBR3) anuncia o pagamento de R$ 131 milhões em proventos; confira prazos

Ao todo, a distribuidora de combustíveis já pagou R$ 663 milhões em dividendos e juros sobre capital próprio no exercício de 2021

CSN (CSNA3) e CSN Mineração (CSNA3) vão recomprar até 164 milhões de ações; veja o que muda para os acionistas

As duas companhias aproveitam o momento descontado na B3 para encerrar os programas atuais e iniciar novas operações com duração de um ano

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Inflação derruba bolsas, Hapvida vai às compras e a varejista que ameaça o Magalu; confira os destaques do dia

Depois de um dia de animação, preocupações com o movimento dos preços e a atividade econômica pelo mundo estragaram o humor dos investidores

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana come margem de grandes empresas e derruba bolsas globais; Ibovespa cai mais de 2% e dólar cola em R$ 5

Com inflação pressionando e China voltando a fechar cidades, o Ibovespa caiu menos que as bolsas em Wall Street, mas ainda assim amargou fortes perdas

BR Properties (BRPR3) vende 80% do portfólio para fundo canadense, em transação de quase R$ 6 bilhões

Além de representar um movimento importante no atual cenário macroeconômico brasileiro, a transação marca a saída de boa parte do capital do fundo soberano de Abu Dhabi (ADIA) da empresa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies