Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-03-18T18:51:41-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Ajuste pós-Copom

Títulos públicos de curto prazo recuam com alta dos juros futuros após aumento da Selic

Preços e taxas dos títulos públicos se ajustaram, nesta quinta, com alta da Selic de 2,00% para 2,75%

18 de março de 2021
17:23 - atualizado às 18:51
Calculadora com sinal de porcentagem representando juros
Imagem: Shutterstock

Os juros futuros de prazos mais curtos fecharam com uma considerável alta nesta quinta-feira (18), com o mercado incorporando aos preços o forte aumento na taxa Selic efetuado pelo Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) na noite de ontem.

Com isso, as taxas dos títulos públicos prefixados e atrelados à inflação de prazos mais curtos, que já vinham em alta em tempos recentes, subiram um pouco mais, derrubando ainda mais os preços desses papéis.

Quando os juros futuros sobem, as taxas prefixadas (cujo valor nominal já é conhecido no ato da compra do título) também sobem. Mas os preços de mercado dos títulos que têm parte ou toda a remuneração prefixada caem para se ajustar à remuneração maior.

Assim, para quem adquire o título naquele momento, é possível garantir uma remuneração mais alta até o vencimento; mas quem já tinha o título na carteira verá seu investimento desvalorizar. Lembrando que ganhos e perdas com títulos públicos em razão da variação de preços só são realizados quando se vende o papel antes do vencimento.

Ontem, o Copom elevou a Selic em 0,75 ponto percentual, passando-a de 2,00% para 2,75% ao ano. Embora um aumento de tal magnitude já fosse esperado pelo mercado, a maior parte dos investidores apostava mais numa alta de 0,5 ponto. Assim, o Banco Central claramente optou por atender às expectativas do mercado pela via de maior aperto monetário.

Além disso, o comunicado do Copom já adiantou que o mercado pode esperar mais uma alta de 0,75 ponto percentual já na próxima reunião, que ocorrerá no início de maio. Assim, em breve teremos uma Selic em 3,50%.

Essa postura mais rígida do BC no combate à inflação, subindo os juros numa velocidade um pouco maior do que o inicialmente esperado, levou os contratos de DI futuro de prazos mais curtos a fecharem em alta nesta quinta. Os juros curtos são justamente aqueles que refletem melhor as decisões de política monetária.

Já os juros longos, que refletem mais o risco-país, terminaram o dia com variações mais discretas, o que não deixa de ser um pouco surpreendente. Afinal, se pensarmos que o BC foi até um pouco mais duro do que o consenso do mercado projetava, era possível esperar um certo alívio no nosso risco de longo prazo, com consequentes quedas de juros mais acentuadas.

Veja o fechamento dos principais vencimentos de juros futuros nesta quinta:

  • Janeiro/2022: de 4,277% para 4,575% (+6,96%)
  • Janeiro/2023: de 6,009% para 6,16% (+2,51%)
  • Janeiro/2027: de 7,914% para 7,86% (-0,68%)

Como reflexo desse movimento dos juros, títulos Tesouro Prefixado e Tesouro IPCA+ de vencimentos mais próximos viram alta das taxas e queda nos preços hoje. Já os títulos de vencimentos longos terminaram o dia em alta ou mais "de lado".

Confira o desempenho dos preços de resgate desses títulos nos últimos 30 dias nos seguintes gráficos obtidos no site do Tesouro Direto. Repare como, no caso dos títulos mais curtos, houve uma queda intensa de ontem para hoje:

Título públicoTaxa resgate 17/03Taxa resgate 18/03Variação das taxas em 18/03Variação dos preços em 18/03
Tesouro Prefixado 20224,32%4,62%+6,94%-0,21%
Tesouro Prefixado 2023 6,40%6,48%+1,25%-0,11%
Tesouro IPCA+ 20453,91%3,84%-1,79%+1,68%
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 20554,40%4,35%-1,14%+0,85%

A Anbima chegou a divulgar, à tarde, uma nota sobre os ajustes de preços dos títulos públicos no mercado secundário, que se refletiram nas quedas dos índices de renda fixa calculados pela instituição, popularmente conhecidos como IMAs. Pela manhã, mesmo os títulos de prazos mais longos viram uma queda intensa de preços, maior até que a dos títulos mais curtos.

Segundo a entidade, até as 12h30 de hoje, o IRF-M, que acompanha o desempenho dos papéis prefixados, recuava 0,22%. Os papéis mais curtos (de prazo inferior a um ano) recuavam 0,10% e os mais longos (de prazo maior que um ano) caíam 0,30%.

Já o IMA-B, que acompanha o desempenho dos títulos atrelados ao IPCA, recuava 0,52% até o mesmo horário. Os títulos de prazo até cinco anos tinham variação negativa de 0,44% e os de prazo acima de cinco anos registravam perda de 0,58%.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

seu dinheiro na sua noite

Uma tarde de soluços nos mercados

O preço dos combustíveis, um dos grandes vilões da elevada inflação brasileira, não dá sinais de enfraquecimento. Muito pelo contrário: a passagem do furacão Ida pelo Golfo do México deve seguir impactando a oferta de petróleo por mais alguns meses, o que traz reflexos diretos ao preço da commodity. O Brent fechou em alta pela […]

menos méliuz

Méliuz (CASH3): Truxt reduz participação na companhia

Negociações têm por objetivo investimento e não visam alterar a composição do controle ou a estrutura administrativa da empresa

atenção acionista

Dividendos: Multiplan (MULT3) paga R$ 270 milhões em juros sobre capital próprio

Empresa vai considerar os acionistas inscritos nos registros da companhia no dia 28 de dezembro, dado que as ações de emissão da companhia passaram a ser negociadas “ex juros” a partir de 29 de dezembro

FECHAMENTO DO DIA

Petrobras dá susto, mas commodities garantem o avanço do Ibovespa; dólar sobe a R$ 5,37

A convovação de uma coletiva de última hora assustou os investidores, mas o Ibovespa retomou o ritmo de alta após a estatal confirmar que não irá mexr nos preços.

acesso bloqueado

Vale (VALE3) faz operação para resgatar 39 funcionários presos em mina no Canadá

De acordo com a empresa, na tarde de domingo (26), uma pá escavadeira que estava sendo transportada no acesso à mina subterrânea se desprendeu, bloqueando o shaft e, com isso, impedindo o meio de transporte dos empregados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies