🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Taxas gordas

Com risco fiscal, retorno de 6% + IPCA volta a ser comum entre títulos Tesouro IPCA+ de longo prazo

Todos os vencimentos de títulos públicos Tesouro IPCA+ a partir de 2035 já voltaram a pagar a rentabilidade “mágica” desse tipo de ativo

Cédulas de dinheiro
Títulos longos ainda têm risco alto, mas momento pode ser bom para compra, para quem tem visão de longo prazo. Imagem: Pexels

A "mágica" rentabilidade de 6% ao ano + IPCA voltou ao Tesouro Direto na semana passada, quando o título mais longo oferecido pela plataforma, o Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2055 chegou a pagar pouco acima dessa remuneração num dado momento do dia 28 de junho.

Com o passar dos dias e o avanço da PEC das bondades no Congresso, que prevê um furo de cerca de R$ 40 bilhões no teto de gastos, o risco fiscal brasileiro atingiu outro patamar, e agora todos os títulos atrelados à inflação de longo prazo oferecidos para compra no Tesouro Direto já estão pagando na faixa de 6% mais IPCA.

Na tarde desta quarta-feira (06), os títulos Tesouro IPCA+ (NTN-Principal) com vencimentos em 2035 e 2045, que não pagam juros semestrais, estão remunerando 6,01% ao ano acima do IPCA para quem os adquirir hoje. Esta é a mesma rentabilidade oferecida pelo Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais (NTN-B) com vencimento em 2040.

O já citado Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2055, porém, está pagando 6,10% ao ano + IPCA. Com um prazo um pouco mais curto, o Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2032 está remunerando pouco menos de 6% ao ano + IPCA - 5,92% acima da inflação, para ser mais exata.

6% acima da inflação é uma boa rentabilidade para o Tesouro IPCA+

Remunerações acima de 6% ao ano + IPCA, nesse tipo de título, são historicamente elevadas e consideradas, em geral, bons pontos de compra para esses papéis.

A última vez que as NTN-Bs pagaram esse tipo de retorno foi na crise econômica que atingiu o país entre 2014 e 2016, levando a taxa Selic a 14,25% ao ano e fazendo os juros longos dispararem.

Os juros futuros de longo prazo sobem quando há preocupações do mercado acerca do risco-país. Medidas que pressionem a saúde das contas públicas - como os recentes cortes de impostos sobre combustíveis e energia e agora a PEC que prevê gastos maiores com auxílios sociais em pleno ano eleitoral - aumentam essa percepção de risco.

Para quem tem objetivos de longo prazo, é interessante garantir remunerações nesses patamares e proteção contra a inflação em títulos públicos, que contam com o menor risco de calote da nossa economia. No caso dos títulos que pagam juros semestrais, eles são interessantes também para quem busca investimentos geradores de renda.

Volatilidade do Tesouro IPCA+ é alta

Porém, é preciso manter em mente que títulos indexados à inflação são voláteis e que seus preços podem subir ou cair de acordo com as perspectivas para as taxas de juros. Não é o tipo de investimento de renda fixa que só se valoriza. Os preços aumentam quando os juros futuros sobem, e reduzem quando os juros futuros caem.

Para quem fica com o título até o vencimento, não há problema. O investidor recebe exatamente a rentabilidade contratada no ato da compra. Mas na venda antecipada, pode haver perdas ou ganhos abaixo do esperado - assim com altas acima do esperado também.

Além disso, quanto mais longo o prazo do título, maior a sua volatilidade. Assim, mesmo para quem pretende levar o papel ao vencimento, é preciso ter estômago para aguentar as oscilações na carteira.

Na matéria que eu publiquei hoje sobre onde investir na renda fixa em 2022, as opiniões dos gestores acerca das NTN-Bs longas divergiram. Dois deles acham que comprá-las agora ainda é muito arriscado. Mas os outros dois acham que o investidor já pode começar a comprar aos poucos, garantindo, para o longo prazo, essas gordas taxas acima de 6% mais inflação. Confira a reportagem na íntegra aqui.

VEJA TAMBÉM: RENDA MENSAL ISENTA DE IR: conheça os fundos com retorno de até 8% ACIMA DA INFLAÇÃO

Compartilhe

TAXA NEGATIVA

Há chance de deflação recorde no terceiro trimestre? Analistas preveem maior queda do IPCA desde o início do Plano Real

11 de setembro de 2022 - 14:41

Após dois meses seguidos de queda dos preços, economistas agora monitoram a chance de uma nova taxa negativa em setembro

PREVISÕES PARA O COPOM

Um dos maiores especialistas em inflação do país diz que não há motivos para o Banco Central elevar a taxa Selic em setembro; entenda

10 de setembro de 2022 - 16:42

Heron do Carmo, economista e professor da FEA-USP, prevê que o IPCA registrará a terceira deflação consecutiva em setembro

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: inflação no Brasil e juros na Europa são destaques de semana mais curta

4 de setembro de 2022 - 7:42

A inflação medida pelo IPCA é o principal dado da agenda econômica local; no exterior, atenção para o BCE e os juros da zona do euro

SEM COMBUSTÍVEL PARA A INFLAÇÃO

IPCA confirma deflação em julho, Copom alivia retórica e analistas começam a revisar projeções para a taxa Selic

9 de agosto de 2022 - 12:32

IBGE registra deflação de 0,68% ante junho, a maior do Plano Real; preços foram puxados para baixo pelos combustíveis

IPCA DE JUNHO

A escalada continua: Inflação acelera, composição da alta dos preços piora e pressiona o Banco Central a subir ainda mais os juros

8 de julho de 2022 - 13:01

O IPCA subiu 0,67% em junho na comparação com maio e 11,89% no acumulado em 12 meses, ligeiramente abaixo da mediana das projeções

VOLTANDO À NORMALIDADE

Focus está de volta! Com o fim da greve dos servidores, Banco Central retoma publicações — que estavam suspensas desde abril

6 de julho de 2022 - 18:17

O Boletim Focus volta a ser publicado na próxima segunda-feira (11); as atividades do Banco Central serão retomadas a partir de amanhã

enxugando gelo

Alivia agora para apertar depois: corte de impostos sobre combustíveis e energia reduz estimativas de inflação para 2022, mas pressão volta em 2023

2 de julho de 2022 - 12:05

Economistas revisam suas projeções para o IPCA e alertam que fiscal e volta do PIS/Cofins podem voltar a bater na inflação no ano que vem

OLHA A FOGUEIRA

Me ajuda, São João! Itens de festas juninas ficaram 13,52% mais caros do ano passado para cá; confira produtos que subiram mais

25 de junho de 2022 - 10:30

Os principais itens são aqueles relacionados às commodities, influenciadas pelas cotações internacionais e dólar

UFA!

Inflação enfim mostra sinais de alívio e analistas veem fim do ciclo de alta da Selic mais próximo

9 de junho de 2022 - 12:35

IPCA desacelerou a 0,47% em maio, de 1,06% em abril; dados vieram aquém das estimativas tanto em base mensal quanto na comparação anual

O QUE VEM POR AÍ

Inflação no Brasil e nos EUA, atividade e juros na Europa; confira a agenda completa de indicadores econômicos da semana que vem

3 de junho de 2022 - 19:06

Nesta semana, o grande destaque no Brasil fica por conta do IPCA, o índice de inflação que serve de referência para a política monetária do BC

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies