🔴 É HOJE! COMO COMPRAR CARROS COM ATÉ 50% DE DESCONTO NA TABELA FIPE – CONHEÇA A ESTRATÉGIA

Ricardo Gozzi
APERTO MONETÁRIO

Surpresa #sqn: Por que o Banco Central Europeu não pega o mercado desprevenido nem mesmo quando surpreende

BCE elevou a taxa de juro mais do que vinha antecipando; em compensação, lançou um programa de compra de títulos para evitar a chamada ‘fragmentação’

A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde. — ata da reunião pressiona bolsas hoje
A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde. - Imagem: Banco Central Europeu

Não é do feitio do Banco Central Europeu (BCE) surpreender o mercado financeiro. Entretanto, uma surpresa nem tão surpreendente assim parecia inevitável hoje.

O BCE elevou a taxa básica de juro da zona do euro em 50 pontos-base. Em compensação, anunciou também o lançamento de um programa de bônus para evitar a chamada “fragmentação” da união monetária.

Deste modo, o primeiro ciclo de aperto monetário do BCE em 11 anos começou numa intensidade maior do que a antecipada.

BCE causa surpresa para os padrões europeus

O BCE é conhecido por sua comunicação clara com os agentes do mercado financeiro.

No caso da autoridade monetária, só é pego de surpresa quem não presta atenção aos sinais.

Hoje, mais do que apreensão, os participantes do mercado europeu deixavam transparecer uma certa empolgação com a situação inusitada.

“Excepcionalmente hoje há sérias dúvidas sobre o que Banco Central Europeu vai fazer”, disse mais cedo Henry Allen, analista do Deutsche Bank.

Mas, até quando surpreende, o BCE parece conseguir evitar que os investidores sejam pegos desprevenidos.

Até ontem, os participantes davam como certo o início do aperto monetário na zona do euro com uma alta de 25 pontos-base na taxa básica de juro.

Eis que começaram a circular rumores de que a alta poderia ser de 50 pontos-base. Tudo com base em uma fonte graduada no BCE que antecipou a informação à agência de notícias Reuters.

Hoje, além de aumentar o juro em 50 pontos-base, o BCE sinalizou uma nova alta na reunião marcada para setembro.

“A Europa acordou e percebeu que precisa subir juros, e vai subir para níveis contracionistas”, disse Marcelo Oliveira, CFA e fundador da Quantzed.

Uma no cravo, outra na ferradura

O aperto monetário na zona do euro se justifica pelo flerte da região com a recessão.

A inflação em alta acelerada, as ameaças de corte no fornecimento do gás russo e os impactos da invasão da Ucrânia pela Rússia são as principais preocupações do BCE no momento.

Mas não são as únicas.

Mais do que a recessão, a autoridade monetária europeia teme a chamada “fragmentação”.

Em uma tentativa de mitigar o risco de fragmentação, o BCE compensou a alta do juro com um novo programa de compra de ativos.

O que é ‘fragmentação’

O processo chamado de fragmentação refere-se ao descompasso no diferencial de juros em relação às economias mais sólidas da zona do euro.

O BCE teme que os custos dos empréstimos das economias mais endividadas aumentem num ritmo muito mais acelerado do que os dos países mais ricos.

Diante disso, ao mesmo tempo em que subiu o juro numa magnitude maior que a antecipada, o BCE estabeleceu um novo programa de compra de títulos e manteve a flexibilidade dos resgates de um programa emergencial lançado durante a pandemia.

A intenção é garantir uma maior eficiência dos instrumentos de política monetária empregados no momento, explicou a presidente do BCE, Christine Lagarde.

Itália preocupa o BCE

Quem tem causado mais preocupação ao BCE no momento é a Itália.

Em junho, uma alta desproporcional do custos dos empréstimos de alguns países da zona do euro, entre eles a Itália, acendeu o sinal de alerta, levando o BCE inclusive a convocar uma reunião emergencial.

Nos últimos dias, o movimento voltou a se repetir. As taxas dos títulos italianos subiram na esteira da crise política que hoje culminou na renúncia do primeiro-ministro Mario Draghi.

A expectativa é de que o Parlamento italiano seja dissolvido e novas eleições sejam convocadas para algum momento entre o fim de setembro e o início de outubro.

Compartilhe

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: inflação no Brasil e juros na Europa são destaques de semana mais curta

4 de setembro de 2022 - 7:42

A inflação medida pelo IPCA é o principal dado da agenda econômica local; no exterior, atenção para o BCE e os juros da zona do euro

ESG EM PAUTA

Economia verde: União Europeia quer atingir neutralidade climática até 2050; saiba como

10 de julho de 2022 - 11:00

O BCE vai investir cerca de 30 bilhões de euros por ano; União Europeia está implementado políticas para reduzir a emissão de carbono

REUNIÃO DE EMERGÊNCIA

A Super Quarta começou: Banco Central Europeu acelera mecanismo para evitar risco de fragmentação da zona do euro

15 de junho de 2022 - 10:39

Decisão foi tomada em reunião de emergência convocada pelo BCE em meio à disparada dos juros dos títulos da dívida dos países da zona do euro

DE ÚLTIMA HORA

Uma quarta ainda mais super: Banco Central Europeu chama reunião de emergência para hoje

15 de junho de 2022 - 7:16

Reunião extraordinária do Banco Central Europeu é chamada para o mesmo dia em que o Fed e o Copom devem anunciar novo aumento de juro

FECHAMENTO DO DIA

S&P 500 sacode a poeira deixada pela disparada da inflação; veja o que impulsionou retomada da bolsa nos EUA

13 de abril de 2022 - 17:01

Mercados europeus seguiram uma tendência diferente e terminam o dia sem uma direção comum, esperando pela decisão do Banco Central Europeu (BCE) prevista para quinta-feira (14)

Inflação 'moderada'

Ainda não! Juros não devem subir na zona do euro até o fim de 2022, diz presidente do Banco Central Europeu (BCE)

15 de novembro de 2021 - 10:28

Christine Lagarde, afirmou que, apesar da forte alta recente, a perspectiva de médio prazo para a inflação da zona do euro permanece moderada

CADA UM PRA UM LADO

Dias contados para o excesso de liquidez? Dirigentes do Fed falam em tapering; diretores do BCE preferem manter estímulos

1 de outubro de 2021 - 14:59

Enquanto na Europa a manutenção dos estímulos dá sinais de continuará por mais algum tempo, nos EUA os estímulos devem começar a sair de cena nos próximos meses

Zona do euro

Torneira vai fechar: Banco Central Europeu mantém taxa de juros mas anuncia retirada de estímulos

9 de setembro de 2021 - 9:56

Um dos maiores Bancos Centrais do mundo sinalizou que passará a comprar ativos em ritmo “moderadamente menor”

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: bolsa deve encarar PEC dos precatórios e inflação hoje, enquanto exterior segue negativo antes da decisão do BCE

9 de setembro de 2021 - 7:51

Com a crise entre os poderes ainda pior, a PEC dos Precatórios pode estar com os dias contados. Sem exterior para sustentar, Ibovespa pode recuar mais um dia

Insights Assimétricos

O evento da semana: Simpósio do Fed deve discutir quanto a variante Delta atrapalha retomada nos EUA e no mundo

24 de agosto de 2021 - 6:58

Nova cepa do coronavírus pode ser um obstáculo aos planos do banco central norte-americano de retirar os estímulos, o que afeta até o Brasil

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar