🔴 É HOJE! COMO COMPRAR CARROS COM ATÉ 50% DE DESCONTO NA TABELA FIPE – CONHEÇA A ESTRATÉGIA

Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
JUROS (AINDA) MAIS ALTOS

Copom eleva a Selic em mais meio ponto, a 13,75%, e avisa os passageiros: o avião dos juros está quase em altitude de cruzeiro

Conforme projetado pelo mercado, a Selic chegou a 13,75% ao ano; veja os detalhes da decisão de juros do Copom

Victor Aguiar
Victor Aguiar
3 de agosto de 2022
18:35 - atualizado às 12:05
Montagem de Roberto Campos Neto, como aviador dentro de um avião apoiando sua mão no painel do piloto. Campos Neto é presidente do Banco Central (BC), responsável pela reunião do Copom que define a Selic, a taxa básica de juros da economia | Ibovespa
Montagem de Roberto Campos Neto como aviador dentro de um avião apoiando sua mão no painel do piloto - Imagem: Montagem Andrei Morais / Wikimedia / José Dias/PR

O comandante Roberto Campos Neto puxou o manche da aeronave dos juros: se os ventos da inflação estão cada vez mais fustigantes, o melhor é ultrapassar as nuvens o quanto antes para fugir da turbulência. E, com esse plano de voo em mente, o Copom subiu a Selic em mais meio ponto, ao patamar de 13,75% ao ano.

É a décima segunda elevação consecutiva da taxa básica de juros, que estava em 2% ao ano no começo do ano passado. E não é para menos: o IPCA acumulado em 12 meses está acima dos 10% desde setembro de 2021 — uma pressão capaz de fazer qualquer economia derrapar.

Mas, depois de um salto de quase 12 pontos percentuais (p.p.) na Selic, o comandante Campos Neto avisou os tripulantes e passageiros: o avião está quase em altitude de cruzeiro. O Copom deu a entender que o ciclo de elevação de juros está quase concluído, deixando em aberto a possibilidade de uma "nova alta residual" no horizonte.

Os dados mais recentes do IPCA divulgados pelo IBGE dizem respeito a junho de 2022. Levantamento: Seu Dinheiro

Esta é a terceira elevação consecutiva da Selic em 0,5 p.p.; o Copom vem suavizando o ritmo de altas nos juros desde março — no auge do aperto monetário, os saltos na taxa básica de juros eram de 1,5 ponto por reunião. A decisão de hoje foi unânime.

"O Comitê entende que essa decisão reflete a incerteza ao redor de seus cenários e um balanço de riscos com variância ainda maior do que a usual para a inflação prospectiva, e é compatível com a estratégia de convergência da inflação para o redor da meta ao longo do horizonte relevante, que inclui o ano de 2023 e, em grau menor, o de 2024", diz o Copom, em sua decisão.

A alta de 0,5 ponto na Selic já era amplamente esperada pelo mercado; no entanto, o não comprometimento com o fim do ciclo de aperto pode pegar parte dos investidores de surpresa, já que muitos agentes financeiros apostavam que o Copom iria cravar a interrupção nas elevações dos juros já nesta reunião.

Copom e Selic: preocupação com o lado fiscal

Como tem sido de praxe, o Copom destacou os riscos externos e as instabilidades geopolíticas diversas vezes em sua decisão de juros. No entanto, chama a atenção o protagonismo de um fator que, até agora, vinha ficando em segundo plano: a incerteza quanto à trajetória fiscal do Brasil.

E o BC é explícito, citando nominalmente os "estímulos fiscais adicionais" para garantir a sustentação da demanda — ou seja, as iniciativas de auxílio social propostas pelo governo Bolsonaro que incluem gastos extraordinários no orçamento da União.

O Comitê pondera que a possibilidade de que medidas fiscais de estímulo à demanda se tornem permanentes acentua os riscos de alta para o cenário inflacionário.

Comunicado do Copom com a decisão de juros da reunião do dia 3 de agosto de 2022

Com os riscos fiscais em mente — além da volatilidade no exterior e de uma dinâmica doméstica ligeiramente mais salutar que o previsto —, o Copom diz ser apropriado que o ciclo de aperto monetário "continue avançando significativamente em território ainda mais contracionista", de modo a consolidar o processo de desinflação e a ancoragem das expectativas em torno das metas.

"O Comitê avaliará a necessidade de um ajuste residual, de menor magnitude, em sua próxima reunião".

Selic: como o cenário de inflação se comportou?

Também como de costume, o Copom forneceu uma "atualização de cenário", analisando como as principais variáveis que interferem no ciclo monetário se comportaram desde a última reunião:

  • Ambiente externo: segue adverso e volátil, com revisões negativas para o crescimento global e um contexto inflacionário pressionado — nada positivo, portanto;
  • Ambiente interno: indicadores mostram crescimento econômico no segundo trimestre, com uma retomada do mercado de trabalho "mais forte do que era esperada". A inflação segue elevada.

Ou seja: por mais que o cenário doméstico tenha tido desdobramentos favoráveis, o pano de fundo ainda é bastante tumultuado para a Selic. É possível que uma reversão nos preços das commodities ajude a dar alívio à inflação, assim como uma desaceleração mais firme da atividade econômica; ainda assim, o cenário inflacionário requer "serenidade na avaliação dos riscos".

Copom de olho em 2024

Por fim, chama a atenção um pequeno detalhe no comunicado do Copom: a menção ao ano de 2024 dentro do horizonte relevante de metas de inflação — até a reunião anterior, o BC citava apenas o ano de 2023. É um sinal de que a autoridade monetária já está 'jogando a toalha' para o ano que vem e pensando na Selic mais adiante?

Bem, não necessariamente. O Copom explica que as projeções de inflação para 2022 e 2023 estavam sujeitas a "impactos elevados associados às alterações tributárias entre os anos-calendário"; por isso, o comitê optou por dar ênfase à inflação em 12 meses no primeiro trimestre de 2024, de modo a suavizar esses efeitos.

Segundo o último boletim Focus, divulgado na segunda-feira (1), o mercado projeta inflação acumulada de 7,15% ao fim deste ano, acima do teto da meta definida pelo BC, de 5%. Em 2023, as estimativas são de IPCA em 5,33%, também estourando o teto da meta para o ano, de 4,75%.

E para 2024? Neste caso, as previsões do Focus são de IPCA em 3,3%, abaixo do teto de 3,5%. É um horizonte de tempo bastante prolongado, mas que já entra na mira da autoridade monetária, dentro do discurso de ancoragem das expectativas.

Selic: nas máximas em muito tempo

Os atuais 13,75% ao ano da Selic representam o maior patamar para a taxa básica de juros em muito tempo — desde novembro de 2016, para ser mais exato, quando o mesmo nível foi atingido.

Considerando o tom da comunicação do BC, dando a entender que o próximo movimento será de alta de 0,25 ponto ou de interrupção das elevações, é razoável trabalhar com um cenário de Selic a 14% ao ano, igualando o patamar de outubro de 2016 e ficando a um degrau do pico daquele ciclo de aperto monetário, a 14,25%.

E uma Selic além dos 14,25%? Bem, aí é preciso voltar bem mais no tempo — até 2006. Mas, ao que tudo indica, a altitude de cruzeiro da aeronave dos juros será mais baixa na viagem atual.

Compartilhe

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Com pressão de Vale, Ibovespa começa a semana em queda; dólar sobe a R$ 5,10

20 de maio de 2024 - 17:20

RESUMO DO DIA: O principal índice da bolsa brasileira entrou na penúltima semana de maio de olho no retrovisor. Isso porque os desdobramentos da saída de Jean Paul Prates da presidência da Petrobras (PETR4) seguiram sendo o foco dos investidores locais. O Ibovespa terminou o dia com baixa de 0,31%, aos 127.750 pontos. Já o […]

INVESTIMENTOS

À procura de dividendos? Itaú Asset lança ETF que distribui renda para investidores 

20 de maio de 2024 - 15:14

Sob o código DIVD11, o fundo do Itaú começa a ser negociado em 11 de junho e com referência ao Índice de Dividendos da B3, o IDIV

QUEM CONTROLA O CONTROLADOR

Em vitória dos minoritários, Braskem (BRKM5) sobe forte na B3 após Novonor ser condenada a pagar indenização bilionária à companhia

20 de maio de 2024 - 11:23

Controladora da Braskem, Novonor foi condenada a indenizar a petroquímica em cerca de R$ 5,5 bilhões em processo aberto por acionistas minoritários

REVISÃO

Santander reduz projeção do Ibovespa para 145 mil pontos e muda carteira para enfrentar turbulência; veja as ações favoritas dos analistas

20 de maio de 2024 - 10:59

Mesmo com a redução da projeção em 15 mil pontos, o banco espera crescimento do Ibovespa em 13% neste ano e um retorno de 15% de lucro por ação

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: noticiário esfria após semana de dança das cadeiras na Petrobras (PETR4); encontro do CMN é destaque no Brasil

20 de maio de 2024 - 8:15

Lá fora, os investidores acompanham vários discursos de integrantes do Federal Reserve para buscar um direcionamento do futuro dos juros no país

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Petrobras (PETR4) limita ganhos do Ibovespa; dólar cai a R$ 5,10 e recua mais de 1% na semana

17 de maio de 2024 - 17:35

RESUMO DO DIA: Como uma montanha-russa, o Ibovespa iniciou a semana em alta com a ata do Copom que aliviou, momentaneamente, o temor dos investidores. Mas Petrobras (PETR4) roubou a cena com a demissão repentina de Jean Paul Prates da presidência da estatal. Com isso, o Ibovespa termina a última sessão da semana em baixa […]

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa se recupera do tombo de Petrobras (PETR4) e fecha em alta; dólar cai a R$ 5,13

16 de maio de 2024 - 17:40

RESUMO DO DIA: Após um dia de tensão por conta das mudanças na Petrobras (PETR4), o Ibovespa conseguiu conter as perdas embalado pelas máximas em Wall Street. O principal índice da bolsa brasileira terminou a sessão com alta de 0,20%, aos 128.283 pontos. O dólar fechou a R$ 5,13, com baixa de 0,13% no mercado […]

TEMPOS DE GLÓRIA CHEGARAM?

Nas alturas: Dow Jones ultrapassa os 40 mil pontos pela primeira vez na história 

16 de maio de 2024 - 16:30

Quando começou a operar, Dow Jones era composto apenas por 12 ações. Hoje, o índice tem ações das 30 maiores empresas dos Estados Unidos

DESTAQUES DA BOLSA

De malas prontas: Presidente e dois membros do conselho da CVC (CVCB3) renunciam; ações caem mais de 7% na B3 

16 de maio de 2024 - 13:41

Valdecyr Maciel Gomes renunciou ao cargo depois de três anos na função; movimentação acontece uma semana após balanço do primeiro trimestre

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Petrobras (PETR4) rouba as atenções e Ibovespa fecha em queda em dia de NY nas máximas; dólar sobe a R$ 5,13

15 de maio de 2024 - 17:16

RESUMO DO DIA: Sinal vermelho para os mercados: a repentina demissão de Jean Paul Prates da presidência da Petrobras (PETR4) pegou os investidores de surpresa e as atenções se voltaram para os desdobramentos da mudança no comando da companhia. Dado o peso de Petrobras no principal índice da bolsa brasileira, o Ibovespa terminou o pregão […]

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar