IPCA + 7,5%: receba esta e outras ofertas ‘premium’ de renda fixa no WhatsApp; clique aqui

Matheus Spiess
Insights Assimétricos
Matheus Spiess
É economista e editor da Empiricus
Cotações por TradingView
2022-08-02T07:55:06-03:00
INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

O ciclo de alta da Selic está perto do fim – e existe um título com o qual é difícil perder dinheiro mesmo se o juro começar a cair

Quando o juro cair, o investidor ganha porque a curva arrefeceu; se não, a inflação vai ser alta o bastante para mais do que compensar novas altas

2 de agosto de 2022
5:58 - atualizado às 7:55
Desenho de percentual representando taxa de juros; bolsas reagem aos juros ibovespa também
Banco Central deve levar a taxa Selic a 13,75% ao ano na reunião que começa hoje e termina amanhã. Imagem: Shutterstock

Chegamos a mais uma reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). Ela começa hoje, terça-feira (2), e se encerra amanhã, quarta-feira (3), com a apresentação da decisão do Banco Central do Brasil após o fechamento de mercado.

Ao que tudo indica, com o movimento a ser anunciado nesta semana, encerraremos o ciclo de aperto monetário iniciado em abril do ano passado, quando elevamos a Selic de 2% ao ano para 2,75%.

Desde então, a taxa básica de juros foi elevada em mais de 10 pontos percentuais, chegando agora para sua provável última elevação de 50 pontos-base.

Os erros do Banco Central

Caso se confirme, o movimento deixará o Brasil com um elevado juro nominal de 13,75% ao ano, mesma taxa que tivemos entre maio e julho de 2015 e entre dezembro de 2016 e janeiro de 2017.

Sim, é um patamar elevadíssimo de juros e, talvez, mais um erro de política monetária por parte do Banco Central — o BC errou em 2% e vai errar novamente em 14%.

A consequência para os ativos financeiros desse brutal aperto foi que, em 18 meses, houve um deslocamento brutal no portfólio dos investidores, primeiro para risco, private equity, real estate e, agora, de volta à renda fixa.

O fato é que muito se questiona a necessidade de 9% a 10% de juro real, mesmo para o nosso país.

A justificativa, em tese, é a inflação. O relatório Focus do dia 29 de julho, por exemplo, apresentou nova queda nas expectativas para o IPCA, a medida oficial de inflação do Brasil, para 2022, enquanto o consenso para 2023 continua a subir.

Banco Central tenta fazer inflação convergir para a meta

Como podemos ver a seguir, começaremos a viver um processo de normalização inflacionária ao longo dos próximos meses, mas as medidas adotadas recentemente pelo governo federal e pelos estados da federação devem gerar inflação em 2023.

Fonte: Banco Central

Outro ponto de atenção recente que também dá suporte à ideia de normalização inflacionária foi a divulgação do IPCA-15 de julho na semana passada, que ficou um pouco abaixo das expectativas.

Para 2022, o consenso para a inflação deverá ficar em 7,15% no acumulado de 12 meses no final de dezembro. Por outro lado, o consenso para 2023 subiu alguns pontos-base para 5,33% ao ano, acima do limite superior da meta do Bacen.

Hoje sabemos que, ao que tudo indica, o BC trabalha para convergir a inflação rumo à meta apenas em 2024 — para este horizonte, as expectativas se mantêm relativamente estáveis por volta de 3,30%, ainda acima do centro da meta.

A influência de fatores temporários nos juros

Naturalmente, as expectativas de inflação de curto prazo estão claramente sendo influenciadas por fatores temporários, enquanto as incertezas locais e internacionais continuam afetando as estimativas para 2023.

Um exemplo é o câmbio, como podemos avaliar a seguir (gráfico em vermelho), que se tornou bastante estável desde 2020 e pressionou a inflação brasileira, também forçando a subida da taxa de juros (gráfico preto).

Fonte: Banco Central

A partir de 2023, já devemos começar a ver uma certa flexibilização da Selic, o que será positivo.

O mercado entende que este processo possa se dar depois de junho do ano que vem, com cortes graduais de 25 pontos-base — sim, a taxa permanecerá alta por mais tempo.

A manutenção de juros altos pode vir a se tornar um problema fiscal.

Ao mesmo tempo, se o mundo viver uma desaceleração econômica relevante que permita o corte de juros em 2023 nos EUA e um alívio inflacionário aqui que permita ao BC também cortar, como o mercado entende ser possível, há chance de não precisarmos pagar tanto juro real e equilíbrio fiscal pode ser um pouco melhor. Lembre-se que os patamares fiscais vigentes não são ruins, com resultado primário positivo.

Fonte: Banco Central

Sobre o tema de juros americano, na semana passada, o Federal Reserve subiu 75 pontos base, conforme previsto.

Ao mesmo tempo, o número do produto interno bruto dos EUA para o segundo trimestre mostrou um segundo declínio trimestral consecutivo, indicando recessão técnica no território americano.

Em sendo o caso, a tese de flexibilização monetária ou desaceleração do aperto monetário nos EUA não é improvável.

O caminho para a queda dos juros não é trivial.

Dar certo é difícil e depende muito do externo. Em meio a uma atividade que não é lá grande coisa para 2022 e 2023, se o dólar fraco vier a permitir uma inflação mais baixa, o mercado pode não ser tão ruim.

Assim, todas as projeções de juros reais mais altos, crescimento mais baixo e dívida pública acelerando podem melhorar. Contudo, hoje, a assimetria não é lá muito boa.

Por isso, gosto das NTN-B mais curtas, entre 2025 e 2027, para carregar até o vencimento. Seria difícil perder dinheiro comprando juro real acima de 6% nos títulos indexados à inflação.

Tudo isso, claro, feito sob o devido dimensionamento das posições, conforme seu perfil de risco, e a devida diversificação de carteira, com as respectivas proteções associadas.

Afinal, se der certo, o investidor ganha porque a curva arrefeceu; se der errado, a inflação vai ser alta o suficiente para mais do que compensar novas altas da curva.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

DIA 32

Eleições no Congresso: das favas contadas à vitória de Lula contra o avanço bolsonarista

1 de fevereiro de 2023 - 20:25

Rodrigo Pacheco foi reconduzido à presidência do Senado com 49 votos, enquanto Arthur Lira foi reeleito para o comando da Câmara — mas os números não contam o que estava em jogo

LUCRO NO EXTERIOR

Petrobras (PETR4) sofre derrota bilionária no CARF, mas garante que irá recorrer; entenda o caso

1 de fevereiro de 2023 - 19:44

A estatal perdeu em um julgamento de recursos contra duas cobranças que totalizam cerca de R$ 5,7 bilhões

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Jerome Powell encanta Wall Street, mas Ibovespa não acompanha; confira os destaques do dia

1 de fevereiro de 2023 - 19:34

Chamado de Eros no Monte Olimpo e de Cupido na Roma Antiga, o deus da paixão é fruto da união entre os deuses da guerra e do amor. Ainda que ganhe novos nomes por onde passa, a imagem de um ser angelical armado com a flecha dos enamorados é universalmente reconhecida — e parece ter […]

é hora de dizer adeus

Stone embolsa R$ 218 milhões com venda de ativos e dá adeus ao Inter

1 de fevereiro de 2023 - 19:30

Cada BDR negociado na B3 sob o ticker INBR32 corresponde a uma ação de Classe A negociada em Nova York. Nesta quarta-feira, o ativo recuou cerca de 6% após a operação.

MERCADO DE TRABALHO

Você quer mudar de emprego? Saiba por que a maioria dos brasileiros também quer um novo trabalho em 2023

1 de fevereiro de 2023 - 19:00

Busca por maior salário move busca por novo emprego, mas o medo da demissão do atual trabalho também é grande, diz pesquisa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies