🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Mais retorno

Quanto rendem os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 13,25%

Com a nova alta dos juros, remuneração de títulos de renda fixa conservadores sobe um pouco mais e supera 1% ao mês. Veja quanto eles vão pagar de agora em diante

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
15 de junho de 2022
18:46 - atualizado às 18:47
Homem mexe em calculadora
Com Selic em 13,25%, aplicações de renda fixa que pagam 100% do CDI já rendem mais de 1% ao mês. Imagem: Shutterstock

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) elevou, nesta quarta-feira (15), a taxa básica de juros, a Selic, em mais 0,50 ponto percentual, o que aumenta, um pouquinho mais, a rentabilidade das aplicações de renda fixa pós-fixadas - inclusive a das mais conservadoras.

O ajuste veio dentro das expectativas do mercado e do que já havia sido sinalizado pela autoridade monetária na reunião passada, elevando a meta da Selic de 12,75% para 13,25% ao ano.

Isso significa que, a partir de agora, os investimentos de renda fixa que pagarem 100% do CDI - taxa de juros que costuma caminhar próxima da Selic - passarão a remunerar em torno de 13,15% ao ano, mais de 1% ao mês.

A decisão do Banco Central brasileiro se seguiu à decisão do Federal Reserve, o banco central americano, que elevou os juros nos Estados Unidos em 0,75 ponto percentual na tarde de hoje, para a faixa de 1,50% a 1,75% ao ano.

Tanto aqui como lá os bancos centrais lutam contra uma inflação galopante - guardadas as devidas proporções de cada economia -, mas o Brasil já está bem mais adiantado no processo, pois começou a aumentar a Selic há mais de um ano. Já o Fed está apenas em seu terceiro ajuste, depois de manter os juros zerados durante toda a pandemia.

Alta da Selic deve estar perto do fim

O mercado acredita que o ciclo de alta da Selic já esteja perto do fim, mas ainda devem vir mais ajustes pela frente. A expectativa é de mais uma alta de 0,25 ou 0,50 ponto ou de duas altas de 0,25. Com isso, a Selic terminaria 2022 em 13,50% ou 13,75% ao ano, e ainda deve se manter elevada por mais algum tempo.

O próprio comunicado do Banco Central divulgado nesta quarta diz que o Copom antevê "um novo ajuste, de igual ou menor magnitude" na próxima reunião. Mas ainda não dá clareza quanto a um fim do ciclo de alta nos juros.

Seja como for, do ponto de vista do investidor, uma Selic de dois dígitos e ainda com perspectiva de novas altas deixa a renda fixa conservadora cada vez mais atrativa.

Obter retorno de 1% ao mês com baixo risco, muitas vezes até líquido de IR, voltou a ser possível, desde que o investidor esteja disposto a deixar o dinheiro aplicado por algum tempo.

Com a Selic nos dois dígitos, a caderneta de poupança voltou a render a sua taxa máxima de 0,5% ao mês mais Taxa Referencial (TR), a qual também voltou a remunerar alguma coisa, depois de passar cerca de quatro anos zerada.

Já os investimentos de renda fixa pós-fixada - atrelados à Selic ou ao CDI - voltaram a pagar retornos atrativos acima da inflação, mesmo quando tributados. É o caso do Tesouro Selic (LFT), dos fundos DI e dos títulos bancários mais rentáveis, como os CDB, LCI e LCA pós-fixados.

Assim, é um bom momento para investir nesses papéis para além da reserva de emergência, pois a rentabilidade dessas aplicações tende a aumentar com a elevação da taxa básica e a provável manutenção desta nos dois dígitos ainda por um certo tempo.

Além disso, com a nova alta da Selic, aumenta a diferença entre a remuneração desses papéis e a da caderneta de poupança.

No vídeo a seguir, eu explico o que é a reunião do Copom e como a definição da Selic afeta a sua vida. Assista:

Vencendo o dragão

No patamar de 13,25% ao ano, a Selic já não perde para a inflação oficial projetada para os próximos 12 meses (de 5,51%, segundo o último Focus, datado do final de abril), como vinha acontecendo há algum tempo.

As aplicações financeiras cuja remuneração é atrelada à Selic ou à taxa DI - taxa de juros que costuma acompanhar a taxa básica - também já vencem o dragão.

Com a perspectiva de que a Selic ainda apresente novas altas, o que tende também a controlar a inflação, essas aplicações devem encontrar cada vez menos dificuldade de preservar o poder de compra do investidor.

Como ficam os investimentos conservadores de renda fixa com a Selic em 13,25% ao ano

Para você ter uma ideia de como o retorno da renda fixa conservadora está neste momento, eu fiz uma simulação de rentabilidade com quatro aplicações pós-fixadas no novo cenário de juros: caderneta de poupança, Tesouro Selic (LFT), fundo de renda fixa/CDB e Letra de Crédito Imobiliário (LCI). Considerei Selic constante de 13,25% ao ano e o CDI constante de 13,15%, um pouco abaixo, como costuma acontecer.

Escolhi quatro prazos de forma a contemplar as quatro alíquotas de IR possíveis, no caso das aplicações tributadas (Tesouro Selic e fundos/CDB).

Usei datas reais para poder usar o simulador do Tesouro Direto para calcular o retorno do Tesouro Selic, de modo a incluir a taxa de custódia e o spread nos cálculos no caso de uma venda antes do vencimento.

Para calcular o retorno da poupança utilizei os prazos em meses e anos. Já para simular os retornos do fundo/CDB e da LCI, levei em conta o número de dias úteis entre as duas datas reais consideradas em cada prazo.

Todas as rentabilidades estão líquidas de taxas, spread e imposto de renda, quando for o caso.

PrazoPoupançaTesouro SelicFundo de renda fixa / CDB 100% do CDILCI 100% do CDI
3 meses2,01%2,48%2,51%3,24%
8 meses5,46%6,96%7,00%8,74%
1 ano8,30%10,76%10,80%13,09%
2 anos17,28%23,58%23,61%27,78%

Parâmetros

Com o aumento da Selic para um valor superior a 8,50% ao ano, foi acionado o gatilho de altera o cálculo de rentabilidade da poupança.

Anteriormente, a caderneta pagava 70% da taxa Selic mais Taxa Referencial (TR), mas com a taxa básica neste novo patamar, a remuneração passou para 0,5% ao mês + TR, a mesma rentabilidade da poupança antiga e retorno máximo para esse tipo de aplicação.

Lembrando que a caderneta de poupança não tem taxas nem imposto de renda, e sua rentabilidade é mensal, apenas no dia do aniversário.

A TR, que desde 2017 vinha se mantendo zerada, voltou a subir recentemente, então eu considerei a taxa de maio (0,1663%) na simulação. Assim, a rentabilidade da poupança mostrada na tabela é de cerca de 0,67% ao mês, supondo uma TR constante de 0,1663% ao mês, mas essa taxa tende a subir ainda mais com novas altas na Selic.

Já o Tesouro Selic é um título público que paga, no vencimento, a Selic mais um ágio ou deságio. Se vendido antes do vencimento, o retorno é levemente sacrificado em função de uma diferença entre as taxas de compra e venda do papel (spread), o que pode deixar a rentabilidade inferior à Selic do período.

O rendimento do Tesouro Selic é diário, e há cobrança de IR e de uma taxa de custódia obrigatória de 0,20% ao ano, paga à B3, apenas sobre o que exceder o saldo investido de R$ 10 mil.

É possível, porém, que a rentabilidade do título seja um pouco maior do que a que aparece na tabela. Isso porque, nos casos de venda antes do vencimento, a calculadora do Tesouro Direto não confere a isenção de taxa de custódia para o valor investido inferior a R$ 10 mil.

Levei em conta, ainda, que a corretora utilizada para operar no Tesouro Direto não cobra taxa de agente de custódia, que é aquela taxa de administração que as corretoras podem cobrar para oferecer acesso à plataforma do Tesouro - mas que a maioria já não cobra.

Considerei também os fundos de renda fixa que só investem em Tesouro Selic e não cobram taxa de administração, supondo que seu retorno represente a variação do CDI no período menos o imposto de renda. Assim, esses fundos se equiparam, por exemplo, aos CDBs, RDBs ou contas de pagamento que remuneram 100% do CDI.

Vale aqui uma observação: os fundos Tesouro Selic não costumam pagar exatamente 100% do CDI. Sua remuneração tem ficado um pouco abaixo disso, e eles também estão sujeitos a eventuais quedas nos preços dos títulos, que são raras, mas podem acontecer. A simulação é apenas ilustrativa.

Por fim, simulei o retorno da LCI porque se trata de um título isento de taxas e de IR. Considerei um papel que pague 100% do CDI, apenas para você ver como seria receber uma rentabilidade líquida de 100% do CDI neste momento.

Compartilhe

DEU RUIM!

Powell derruba as bolsas mundo afora ao dar um alerta que o mercado não queria ouvir — veja o recado do presidente do Fed em Jackson Hole

26 de agosto de 2022 - 12:26

O tão aguardado discurso do chefão do maior banco central do mundo aconteceu depois da divulgação de dados que mostraram que a inflação perdeu força nos EUA e, ainda assim, os investidores não gostaram do que ouviram; entenda por quê

Ajuste na carteira

De olho no fim da alta dos juros, Itaú BBA recomenda menos prefixados curtos e mais Tesouro IPCA+ 2035 no Tesouro Direto

11 de agosto de 2022 - 13:25

Após rali recente dos prefixados, banco sugere venda para realizar ganhos e compra de papéis mais longos

Eles estão indo bem!

Tesouro Direto: títulos preferidos de analistas e gestores têm alta no ano e vivem rali – e ainda há espaço para mais

8 de agosto de 2022 - 6:30

Para além do Tesouro Selic, prefixados e Tesouro IPCA+ de prazos curtos estão se saindo bem de forma talvez até meio surpreendente – mas tem explicação!

aperte o play!

Onde investir com o fim da alta dos juros no Brasil: com a Selic chegando ao topo, é hora de mudar algo na carteira?

6 de agosto de 2022 - 7:00

No podcast Touros e Ursos da semana, o debate é sobre como ajustar a carteira de investimentos ao fim do ciclo de alta dos juros, que se já não chegou, está realmente muito perto

JUROS (AINDA) MAIS ALTOS

Copom eleva a Selic em mais meio ponto, a 13,75%, e avisa os passageiros: o avião dos juros está quase em altitude de cruzeiro

3 de agosto de 2022 - 18:35

Conforme projetado pelo mercado, a Selic chegou a 13,75% ao ano; veja os detalhes da decisão de juros do Copom

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

O ciclo de alta da Selic está perto do fim – e existe um título com o qual é difícil perder dinheiro mesmo se o juro começar a cair

2 de agosto de 2022 - 5:58

Quando o juro cair, o investidor ganha porque a curva arrefeceu; se não, a inflação vai ser alta o bastante para mais do que compensar novas altas

Também tem risco!

Melhor momento para investir em renda fixa ainda está por vir – mas convém evitar emissores desses setores

28 de julho de 2022 - 21:02

Ulisses Nehmi, da Sparta, e Marcelo Urbano, da Augme, gestoras especializadas em crédito privado, falam das perspectivas para a renda fixa e os setores mais promissores ou arriscados

Insights Assimétricos

O Fed entre os juros e a inflação: por que estamos na semana mais importante de julho?

26 de julho de 2022 - 7:11

O Federal Reserve (Fed) se vê entre a cruz e a espada: subir juros de um jeito agressivo e afetar a economia, ou deixar a inflação alta?

APERTO MONETÁRIO

Surpresa #sqn: Por que o Banco Central Europeu não pega o mercado desprevenido nem mesmo quando surpreende

21 de julho de 2022 - 11:34

BCE elevou a taxa de juro mais do que vinha antecipando; em compensação, lançou um programa de compra de títulos para evitar a chamada ‘fragmentação’

TREASURIES NA BERLINDA

Por que a China e o Japão estão se desfazendo – em grande escala – de títulos do Tesouro do Estados Unidos

20 de julho de 2022 - 14:30

Volume de Treasuries em poder da China e do Japão estão nos níveis mais baixos em anos com alta da inflação e aumento dos juros nos EUA

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies