🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2022-06-15T18:47:01-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Mais retorno

Quanto rendem os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 13,25%

Com a nova alta dos juros, remuneração de títulos de renda fixa conservadores sobe um pouco mais e supera 1% ao mês. Veja quanto eles vão pagar de agora em diante

15 de junho de 2022
18:46 - atualizado às 18:47
Homem mexe em calculadora
Com Selic em 13,25%, aplicações de renda fixa que pagam 100% do CDI já rendem mais de 1% ao mês. Imagem: Shutterstock

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) elevou, nesta quarta-feira (15), a taxa básica de juros, a Selic, em mais 0,50 ponto percentual, o que aumenta, um pouquinho mais, a rentabilidade das aplicações de renda fixa pós-fixadas - inclusive a das mais conservadoras.

O ajuste veio dentro das expectativas do mercado e do que já havia sido sinalizado pela autoridade monetária na reunião passada, elevando a meta da Selic de 12,75% para 13,25% ao ano.

Isso significa que, a partir de agora, os investimentos de renda fixa que pagarem 100% do CDI - taxa de juros que costuma caminhar próxima da Selic - passarão a remunerar em torno de 13,15% ao ano, mais de 1% ao mês.

A decisão do Banco Central brasileiro se seguiu à decisão do Federal Reserve, o banco central americano, que elevou os juros nos Estados Unidos em 0,75 ponto percentual na tarde de hoje, para a faixa de 1,50% a 1,75% ao ano.

Tanto aqui como lá os bancos centrais lutam contra uma inflação galopante - guardadas as devidas proporções de cada economia -, mas o Brasil já está bem mais adiantado no processo, pois começou a aumentar a Selic há mais de um ano. Já o Fed está apenas em seu terceiro ajuste, depois de manter os juros zerados durante toda a pandemia.

Alta da Selic deve estar perto do fim

O mercado acredita que o ciclo de alta da Selic já esteja perto do fim, mas ainda devem vir mais ajustes pela frente. A expectativa é de mais uma alta de 0,25 ou 0,50 ponto ou de duas altas de 0,25. Com isso, a Selic terminaria 2022 em 13,50% ou 13,75% ao ano, e ainda deve se manter elevada por mais algum tempo.

O próprio comunicado do Banco Central divulgado nesta quarta diz que o Copom antevê "um novo ajuste, de igual ou menor magnitude" na próxima reunião. Mas ainda não dá clareza quanto a um fim do ciclo de alta nos juros.

Seja como for, do ponto de vista do investidor, uma Selic de dois dígitos e ainda com perspectiva de novas altas deixa a renda fixa conservadora cada vez mais atrativa.

Obter retorno de 1% ao mês com baixo risco, muitas vezes até líquido de IR, voltou a ser possível, desde que o investidor esteja disposto a deixar o dinheiro aplicado por algum tempo.

Com a Selic nos dois dígitos, a caderneta de poupança voltou a render a sua taxa máxima de 0,5% ao mês mais Taxa Referencial (TR), a qual também voltou a remunerar alguma coisa, depois de passar cerca de quatro anos zerada.

Já os investimentos de renda fixa pós-fixada - atrelados à Selic ou ao CDI - voltaram a pagar retornos atrativos acima da inflação, mesmo quando tributados. É o caso do Tesouro Selic (LFT), dos fundos DI e dos títulos bancários mais rentáveis, como os CDB, LCI e LCA pós-fixados.

Assim, é um bom momento para investir nesses papéis para além da reserva de emergência, pois a rentabilidade dessas aplicações tende a aumentar com a elevação da taxa básica e a provável manutenção desta nos dois dígitos ainda por um certo tempo.

Além disso, com a nova alta da Selic, aumenta a diferença entre a remuneração desses papéis e a da caderneta de poupança.

No vídeo a seguir, eu explico o que é a reunião do Copom e como a definição da Selic afeta a sua vida. Assista:

Vencendo o dragão

No patamar de 13,25% ao ano, a Selic já não perde para a inflação oficial projetada para os próximos 12 meses (de 5,51%, segundo o último Focus, datado do final de abril), como vinha acontecendo há algum tempo.

As aplicações financeiras cuja remuneração é atrelada à Selic ou à taxa DI - taxa de juros que costuma acompanhar a taxa básica - também já vencem o dragão.

Com a perspectiva de que a Selic ainda apresente novas altas, o que tende também a controlar a inflação, essas aplicações devem encontrar cada vez menos dificuldade de preservar o poder de compra do investidor.

Como ficam os investimentos conservadores de renda fixa com a Selic em 13,25% ao ano

Para você ter uma ideia de como o retorno da renda fixa conservadora está neste momento, eu fiz uma simulação de rentabilidade com quatro aplicações pós-fixadas no novo cenário de juros: caderneta de poupança, Tesouro Selic (LFT), fundo de renda fixa/CDB e Letra de Crédito Imobiliário (LCI). Considerei Selic constante de 13,25% ao ano e o CDI constante de 13,15%, um pouco abaixo, como costuma acontecer.

Escolhi quatro prazos de forma a contemplar as quatro alíquotas de IR possíveis, no caso das aplicações tributadas (Tesouro Selic e fundos/CDB).

Usei datas reais para poder usar o simulador do Tesouro Direto para calcular o retorno do Tesouro Selic, de modo a incluir a taxa de custódia e o spread nos cálculos no caso de uma venda antes do vencimento.

Para calcular o retorno da poupança utilizei os prazos em meses e anos. Já para simular os retornos do fundo/CDB e da LCI, levei em conta o número de dias úteis entre as duas datas reais consideradas em cada prazo.

Todas as rentabilidades estão líquidas de taxas, spread e imposto de renda, quando for o caso.

PrazoPoupançaTesouro SelicFundo de renda fixa / CDB 100% do CDILCI 100% do CDI
3 meses2,01%2,48%2,51%3,24%
8 meses5,46%6,96%7,00%8,74%
1 ano8,30%10,76%10,80%13,09%
2 anos17,28%23,58%23,61%27,78%

Parâmetros

Com o aumento da Selic para um valor superior a 8,50% ao ano, foi acionado o gatilho de altera o cálculo de rentabilidade da poupança.

Anteriormente, a caderneta pagava 70% da taxa Selic mais Taxa Referencial (TR), mas com a taxa básica neste novo patamar, a remuneração passou para 0,5% ao mês + TR, a mesma rentabilidade da poupança antiga e retorno máximo para esse tipo de aplicação.

Lembrando que a caderneta de poupança não tem taxas nem imposto de renda, e sua rentabilidade é mensal, apenas no dia do aniversário.

A TR, que desde 2017 vinha se mantendo zerada, voltou a subir recentemente, então eu considerei a taxa de maio (0,1663%) na simulação. Assim, a rentabilidade da poupança mostrada na tabela é de cerca de 0,67% ao mês, supondo uma TR constante de 0,1663% ao mês, mas essa taxa tende a subir ainda mais com novas altas na Selic.

Já o Tesouro Selic é um título público que paga, no vencimento, a Selic mais um ágio ou deságio. Se vendido antes do vencimento, o retorno é levemente sacrificado em função de uma diferença entre as taxas de compra e venda do papel (spread), o que pode deixar a rentabilidade inferior à Selic do período.

O rendimento do Tesouro Selic é diário, e há cobrança de IR e de uma taxa de custódia obrigatória de 0,20% ao ano, paga à B3, apenas sobre o que exceder o saldo investido de R$ 10 mil.

É possível, porém, que a rentabilidade do título seja um pouco maior do que a que aparece na tabela. Isso porque, nos casos de venda antes do vencimento, a calculadora do Tesouro Direto não confere a isenção de taxa de custódia para o valor investido inferior a R$ 10 mil.

Levei em conta, ainda, que a corretora utilizada para operar no Tesouro Direto não cobra taxa de agente de custódia, que é aquela taxa de administração que as corretoras podem cobrar para oferecer acesso à plataforma do Tesouro - mas que a maioria já não cobra.

Considerei também os fundos de renda fixa que só investem em Tesouro Selic e não cobram taxa de administração, supondo que seu retorno represente a variação do CDI no período menos o imposto de renda. Assim, esses fundos se equiparam, por exemplo, aos CDBs, RDBs ou contas de pagamento que remuneram 100% do CDI.

Vale aqui uma observação: os fundos Tesouro Selic não costumam pagar exatamente 100% do CDI. Sua remuneração tem ficado um pouco abaixo disso, e eles também estão sujeitos a eventuais quedas nos preços dos títulos, que são raras, mas podem acontecer. A simulação é apenas ilustrativa.

Por fim, simulei o retorno da LCI porque se trata de um título isento de taxas e de IR. Considerei um papel que pague 100% do CDI, apenas para você ver como seria receber uma rentabilidade líquida de 100% do CDI neste momento.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Fraqueza nos números

Entrega de veículos da Tesla (TSLA34) recua no segundo trimestre e vem abaixo da expectativa do mercado

Apesar do crescimento das vendas na comparação anual, houve uma queda em relação ao trimestre anterior

Mais uma vítima

Após tomar calote do 3AC, exchange Voyager Digital suspende saques, depósitos e negociações de clientes

Corretora de criptomoedas tomou calote de mais de US$ 670 milhões, mas, apesar de ter tomado empréstimos, precisou paralisar atividades

Bancões na área

Vão sobrar uns cinco ou dez bancos digitais, e o Next está entre eles, diz CEO do banco digital do Bradesco

Renato Ejnisman diz ainda que Next visa a mais aquisições e pensa ainda em internacionalização

No vermelho

Magazine Luiza (MGLU3) é a ação com o pior desempenho do Ibovespa no primeiro semestre de 2022; outras varejistas e techs também sofreram no período

Com queda acumulada de quase 70% no ano, ações do Magalu são as piores do Ibovespa no semestre que acaba de terminar

Proteção

Qual título público comprar no Tesouro Direto? Santander recomenda papel indexado à inflação para o mês de julho; veja qual

Recomendação do banco para o Tesouro Direto visa proteção contra a inflação e possibilidade de valorização

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies