A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2022-07-28T21:02:12-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Também tem risco!

Melhor momento para investir em renda fixa ainda está por vir – mas convém evitar emissores desses setores

Ulisses Nehmi, da Sparta, e Marcelo Urbano, da Augme, gestoras especializadas em crédito privado, falam das perspectivas para a renda fixa e os setores mais promissores ou arriscados

28 de julho de 2022
21:02
bloquinhos com o símbolo de porecentagem, indicando elevação da taxa Selic e dos Juros; renda fixa | Selic
Quando os juros estão subindo, surgem boas oportunidades na renda fixa, mas qualidade do crédito também pode piorar. - Imagem: Shuterstock

A alta global de juros na tentativa de debelar a inflação generalizada tem aberto muitas oportunidades na renda fixa, mas o melhor momento para investir nesta classe de ativos ainda está por vir, explicam gestores de fundos especializados em crédito privado, aqueles títulos de dívida emitidos por empresas (debêntures) ou securitizadoras.

No painel sobre renda fixa da Semana da Previdência da Vitreo, Ulisses Nehmi, da Sparta, e Marcelo Urbano, da Augme, disseram esperar que o ciclo de aperto monetário no Brasil esteja perto do fim e que, aí sim, será "gostoso" para os gestores de renda fixa, fazer as alocações, para usar um termo dito por Nehmi.

Assista à íntegra da transmissão a seguir:

Eles explicam que, embora durante o ciclo de alta dos juros surjam boas oportunidades, este é tipicamente um momento em que a política monetária está segurando a economia, a qualidade do crédito está piorando e há um pessimismo no mercado.

Mas quando os juros já estão altos e com perspectivas de cair (ou já em queda, o que tende a valorizar os títulos de crédito privado), aí sim as condições se tornam ideais para alocações em títulos de dívida, inclusive com uma melhora na qualidade de crédito das empresas emissoras. Ou seja, a renda fixa ainda vai se manter atrativa por um bom tempo.

A perspectiva dos gestores para essa classe de ativos, portanto, é positiva. "Estamos num período bastante propício para a renda fixa, temos oportunidade de investir com a Selic bastante alta", observa Nehmi. "Estamos com uma Selic bem acima da inflação, portanto com um bom juro real, que é o retorno acima da inflação", completa.

Alguns setores estão mais arriscados que outros

No entanto, o cenário ainda está bem volátil para os ativos de renda fixa privada, cujos preços flutuam com as oscilações dos juros futuros, que por sua vez chacoalham diante das incertezas em relação a inflação e crescimento no Brasil e no mundo.

Além disso, como dito acima, o risco de crédito de alguns emissores está deteriorado, frente às atuais condições econômicas, então não é qualquer título de dívida que se mostra um bom investimento.

"Quando o juro sobe, a gente tem que lembrar que há impacto para os emissores. Alguns setores podem ser mais prejudicados, e outros ficam mais protegidos", diz o gestor da Sparta.

Tanto Nehmi quanto Urbano frisam que, ao se analisar um título de dívida, é preciso olhar caso a caso para saber se o emissor é ou não um bom pagador, mas que, de maneira geral, empresas e empreendimentos de setores mais suscetíveis à alta de juros e à inflação elevada, como varejo e incorporação imobiliária, estão mais arriscados.

Urbano acrescenta ainda as companhias muito expostas a risco de commodities, isto é, ligadas ao mercado de commodities de alguma maneira. "Não daria funding longo para essas companhias, pois o mercado pode começar a precificar demais um cenário de retração global", explica.

Já o setor de infraestrutura, destacam, fica mais protegido em cenários de juros e inflação elevados, pois as empresas emissoras conseguem repassar a inflação nos preços, e sua dívida também é atrelada à inflação.

E as eleições?

Perguntados sobre as perspectivas para a renda fixa privada diante das eleições presidenciais, tanto Nehmi quanto Urbano acreditam que o cenário independe de quem ganhar, a menos que haja alguma ruptura institucional significativa, risco atualmente considerado baixo.

Eles destacam que ambos os principais candidatos - o ex-presidente Lula e o atual presidente Jair Bolsonaro - já têm "estilos" conhecidos do mercado. "O tema eleição, apesar de trazer volatilidade, não é o mais relevante, nem para o mercado, nem para crédito. O que vai acontecer no exterior pesa mais para as perspectivas de inflação e juros", diz Nehmi.

Essa é também a visão do gestor da Augme. "O Brasil está inserido no contexto global e tem várias incertezas lá fora que não são desprezíveis", diz Urbano. "Eu acho que a inflação no Brasil vai ser controlada, mas o descontrole fiscal do país e a possibilidade de recessão preocupam", completa.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

BALANÇO

Inter (INBR31) reverte prejuízo em lucro de R$ 15,5 milhões no segundo trimestre; confira os números

15 de agosto de 2022 - 21:01

No semestre encerrado em 30 de junho de 2022, o Inter superou a marca de 20 milhões de clientes, que equivale a 22% de crescimento no período

BALANÇO DA HOLDING

Lucro líquido da Itaúsa (ITSA4) recua 12,5% no segundo trimestre, mas holding anuncia JCP adicional; confira os destaques do balanço

15 de agosto de 2022 - 19:52

A Itaúsa (ITSA4) esperou até o último dia da temporada de balanços para revelar os números do segundo trimestre. E a paciência dos investidores não foi recompensanda: a companhia lucrou R$ 3 bilhões, uma queda de 12,5% na comparação com o mesmo período do ano passado. O retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) sobre o […]

BALANÇO

Resultado da Méliuz (CASH3) piora e empresa de cashback registra prejuízo líquido de R$ 28,2 milhões no segundo trimestre

15 de agosto de 2022 - 19:07

Os papéis da Méliuz amargam perdas de 87% no ano, mas entraram no mês de agosto em tom mais positivo, com ganho mensal de 7%

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Magazine Luiza (MGLU3) dá a volta por cima, XP vai às compras e futuro do ethereum; confira os destaques do dia

15 de agosto de 2022 - 18:52

Há pouco mais de dois meses, quando conversei com diversos analistas e gestores de mercado sobre as expectativas para o segundo semestre, poucos foram aqueles que apostaram nos setores de grande exposição à economia doméstica como boas alternativas para a segunda metade do ano.  Não que empresas ex-queridinhas como Magazine Luiza (MGLU3), Via (VIIA3) e […]

ACIONISTAS FELIZES

Dividendos: Itaúsa (ITSA4) pagará JCP adicional e data de corte é nesta semana; veja como receber

15 de agosto de 2022 - 18:47

Vale lembrar que, após a data de corte, as ações serão negociadas “ex-direitos” e passarão por um ajuste na cotação referente aos proventos já alocados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies