Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-08-10T19:42:23-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa, dólar e juros fecham o dia em queda com inflação salgada e Brasília em foco

A bolsa brasileira até tentou, mas não conseguiu acompanhar o tom visto nas bolsas europeias e americanas. Já o dólar fechou em forte queda após a confirmação da postura mais dura do BC contra a inflação

10 de agosto de 2021
18:56 - atualizado às 19:42
Ibovespa mercados em queda
Imagem: Shutterstock

Ao fim de uma sessão em que Ibovespa, dólar e juros fecharam o dia em queda e as bolsas americanas renovaram máximas, o Bruno Madruga, head de renda variável da Monte Bravo Investimentos, me fez uma pergunta em tom de brincadeira: quem está mentindo?

A brincadeira faz todo o sentido. Embora pareça que dias como esse ficam mais comuns à medida que a saída da crise econômica pós-coronavírus é acompanhada de dados mistos da economia, tensões domésticas em Brasília e uma preocupação permanente com as contas públicas, o movimento é raro e chama a atenção. Principalmente quando acompanhado de uma boa dose de volatilidade e um noticiário carregado. 

Suspeito número 1

Temos três suspeitos. O primeiro é a bolsa brasileira, que até começou o dia em alta, tentando acompanhar a recuperação de mais de 2% do petróleo e surfar no otimismo visto nos mercados internacionais, mas não deu.

Depois de uma manhã instável, o Ibovespa se firmou no campo negativo e lá ficou, refletindo principalmente os acontecimentos em Brasília. Do lado do risco fiscal, os agentes financeiros ainda pesam o impacto do reajuste do Bolsa Família e da PEC dos precatórios. Ainda que com algum alívio se comparado ao estresse dos últimos dias.

Para o mercado, a ideia de um calote dos compromissos começa a parecer inviável e o que deve ocorrer é um parcelamento das dívidas. Com relação ao novo programa social, as palavras do ministro da Cidadania, João Roma,  proferidas ontem afastam momentaneamente o medo de um furo no teto de gastos.

O valor de R$ 400 inicialmente ventilado pelo presidente Jair Bolsonaro não deve se tornar uma realidade, e Roma garantiu que a reformulação respeitará a saúde fiscal do país. 

Somado a isso temos a ata da última reunião do Copom e o índice de inflação oficial apontando para uma atuação mais dura do Banco Central brasileiro. Deixando os recordes da bolsa americana de lado, o principal índice da B3 fechou o dia em queda de 0,66%, aos 122.202 pontos. 

Suspeitos número 2 e 3

Enquanto isso, os mercados de câmbio e juros recebiam sem surpresas os dois principais eventos do dia. 

Primeiro, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) anunciou que o IPCA teve a maior elevação no mês de julho em quase 20 anos, com uma aceleração de 0,96%, em linha com as expectativas do mercado.

Já a ata do Copom reforçou o aumento de um ponto percentual já contratado para a próxima reunião e uma expectativa de que a inflação siga acelerando com a retomada econômica forte projetada para o segundo semestre. Os dirigentes do BC também voltaram a destacar a possibilidade de uma taxa de juros acima do nível considerado neutro, reforçando o que já havia sido dito no comunicado. 

Quem ficou de lado dessa vez foi o risco fiscal. Com a perspectiva de juros mais elevados, parte dos investidores desmontou posições defensivas na expectativa de que a taxa mais elevada atraia cada vez mais investidores estrangeiros.

O dólar à vista, que chegou a operar em alta no começo do dia, encerrou a sessão em queda de 0,96%, a R$ 5,1967. A aprovação do pacote de infraestrutura nos Estados Unidos, que vai injetar mais de US$ 1 trilhão na economia, também contribuiu para o movimento.

O BC foi duro e já plantou a ideia de um aumento de até 1,25 ponto percentual na próxima reunião na cabeça dos agentes financeiros. Mas o mercado já esperava isso. Nos últimos dias, a curva de juros ganhou inclinação expressiva. Com a ata confirmando o que já era esperado, os principais contratos de DI passaram por um dia de realização. Confira:

  • Janeiro/22: de 6,52% para 6,49%
  • Janeiro/23: de 8,21% para 8,09%
  • Janeiro/25: de 9,15% para 9,02%
  • Janeiro/27: de 9,52% para 9,43%

Cortina de fumaça

Brasília tem se mostrado tão resiliente quanto coração de mãe — sempre cabe mais uma polêmica. 

O mercado financeiro, no entanto, mostra menos paciência. A votação da PEC do voto impresso, que está na pauta do dia na Câmara dos Deputados, deve ser rejeitada, mas a tentativa de tumultuar o processo democrático incomoda e é vista como desnecessária. 

A demonstração de força programada pelo presidente, com o desfile de veículos militares pela Esplanada dos Ministérios, causou desconforto, mas não intimidou. Para Marcel Andrade, head de renda variável da Vitreo, a derrota do governo deve fortalecer ainda mais o Centrão antes das eleições de 2022, fazendo com que o clima político mine os bons resultados mostrados pelas empresas brasileiras na temporada de balanços do segundo trimestre. 

Enfim, aprovado!

Em Wall Street, o tom dos negócios foi dado pelo Senado americano, que finalmente aprovou o pacote de infraestrutura de US$ 1,2 trilhão de dólares que deve se estender pelos próximos dez anos. 

Embora a preocupação com os rumos da política monetária do Fed esteja longe de acabar, a notícia levou o Dow Jones e o S&P 500 a renovarem suas máximas históricas, acompanhando o mesmo movimento visto na Europa mais cedo. 

O Dow Jones e o S&P 500 subiram 0,46% e 0,10%, respectivamente. Já o Nasdaq fechou no vermelho, em queda de 0,49%. 

Sobe e desce do Ibovespa

Hoje o petróleo se recuperou parcialmente da queda sofrida ontem, o que fez com que as empresas do setor buscassem apagar as perdas da véspera. O principal destaque ficou com as ações da PetroRio, com uma alta superior a 6%. 

Vale destacar mais uma vez o bom desempenho das ações do setor de siderurgia. Com a aprovação do pacote de infraestrutura americano, a demanda por aço deve se elevar. A Gerdau é uma das companhias que mais devem se beneficiar da medida, já que conta com forte presença nos Estados Unidos. Confira os principais destaques de alta do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
PRIO3PetroRio ONR$ 18,726,48%
EMBR3Embraer ONR$ 19,603,27%
USIM5Usiminas PNAR$ 22,102,70%
GGBR4Gerdau PNR$ 31,742,52%
GOAU4Metalúrgica Gerdau PNR$ 14,531,61%

Na parte negativa da tabela, o destaque ficou com as ações do Iguatemi, em reação ao balanço divulgado na noite de ontem. Confira também as maiores quedas da bolsa hoje:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
IGTA3Iguatemi ONR$ 38,36-3,74%
ENEV3Eneva ONR$ 16,72-3,35%
CCRO3CCR ONR$ 12,43-2,89%
LAME4Lojas Americanas PNR$ 6,42-2,73%
LCAM3Locamérica ONR$ 25,33-2,69%

Resumo do dia

*Colaboraram Bruno Madruga, head de renda variável da Monte Bravo Investimentos; Rafael Passos, sócio e analista da Ajax Capital; e Marcel Andrade, head de renda variável da Vitreo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Mais uma na lista

Corretora de criptomoedas Huobi Global, uma das maiores do mundo, restringe negociações na China

A plataforma também informou que retirará gradualmente as contas existentes no gigante asiático até o fim de 2021

Uma nova gigante tech

Infracommerce (IFCM3) dispara 10% com “aquisição transformacional”; outras techs sentem o baque e caem

A Infracommerce (IFCM3) acertou a compra da Synapcom, ganhando escala no B2B — e pagando um preço relativamente baixo pela rival

NOVO SUSTO

Em crise de liquidez, concorrente da Evergrande esboça pedido de apoio a governo de cidade chinesa

Notícia provocou queda acentuada nas ações da Sunac, que fecharam hoje no nível mais baixo em 4 anos

Crédito disponível

Com juros salgados, Caixa libera empréstimo de até R$ 1.000 no aplicativo Caixa Tem; veja condições

O crédito ficará disponível para assalariados, autônomos, beneficiários de programas sociais e de políticas públicas de distribuição de renda

Bolsa hoje

Destaques do Ibovespa: frigoríficos e empresas ligadas a commodities lideram altas em dia de recuperação; Locaweb (LWSA3) é maior queda

Confira os destaques do pregão desta segunda-feira (27) e não deixe de acompanhar as principais notícias do dia na nossa cobertura de mercados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies