Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-09-08T20:16:15-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO DO DIA

Guerra entre os Poderes derruba Ibovespa ao menor nível desde março, em queda de quase 4%, e pressiona dólar e juros

O Ibovespa sentiu o baque e recuou quase 4% após Brasília mostrar sinais de que está longe dos tempos de paz, prejudicando as reformas e o teto de gastos

8 de setembro de 2021
19:17 - atualizado às 20:16
Ruído vermelho: gráfico pesa do lado negativo
A reforma do IR deveria ser um alívio para o mercado, mas o texto mais confundiu do que ajudou - Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Se nos últimos meses as ameaças do presidente Jair Bolsonaro ao Executivo e Judiciário ainda contavam com o benefício da dúvida de parcela do mercado, as manifestações do dia 7 de setembro servem como um divisor de águas — a guerra entre os Três Poderes está oficialmente declarada, e o Ibovespa deve ser um sangrento campo de batalha. 

O discurso agressivo do presidente Jair Bolsonaro durante as manifestações não trouxe surpresas, mas serviu para ampliar a tensão na capital federal. Depois de novos ataques feitos principalmente aos ministros da Suprema Corte, hoje foi dia de tensão e réplica dos demais Poderes, após meses de banho-maria. 

Em seu pronunciamento, o presidente da Câmara, Arthur Lira, pregou harmonia entre os Poderes, e disse que a Câmara dos Deputados deve atuar como um agente pacificador das tensões entre Executivo e Judiciário. 

Lira também voltou a defender a Constituição e o modelo eletrônico de votação, reforçando que o voto impresso, pauta de reivindicação bolsonarista, já está superado. O presidente da Câmara reforçou compromisso com a agenda de reformas e afirmou que as redes sociais 'superdimensionam' a crise atual e que a solução virá em 2022, com novas eleições. 

Luiz Fux, presidente do STF, adotou um tom mais duro. Fux sinalizou que os ataques feitos por Bolsonaro categorizam crimes de responsabilidade e cobrou medidas do Congresso. Além disso, foi categórico ao reafirmar o compromisso do Judiciário com a Constituição e ao afirmar que ninguém fechará o STF. 

O clima de aprovação para as reformas já era quase inexistente, mas agora pautas como as reformas administrativa e tributária dificilmente sairão do lugar. A guerra entre os Poderes também torna a ameaça de rompimento do teto de gastos mais real. 

Para Nicolas Borsoi, economista da Nova Futura Investimentos, a crise entre Executivo e Judiciário reflete diretamente na questão dos precatórios, já que a equipe econômica esperava contar com a “boa vontade” do STF para conseguir manobrar o pagamento dos R$ 89 bilhões previstos para o fim do ano. 

Para os investidores, o que antes era um temor finalmente virou realidade. Com muitos meses de antecedência, Brasília entra de vez em clima de eleição, e os próximos movimentos de Bolsonaro para tentar reconquistar a população geram temor de mais gastos públicos. 

Com o exterior também no negativo, o Ibovespa registrou o menor nível desde março, aos 113.412 pontos, após uma queda de 3,78%. Se nos últimos tempos a expectativa de alta da Selic conseguiu segurar o câmbio, hoje não deu. O dólar à vista subiu 2,89%, aos R$ 5,3291. A elevação do risco político pressionou também os juros futuros, com os investidores recalibrando as apostas para a próxima reunião do Copom, que acontece no dia 22.

  • Janeiro/22: de 6,87% para 6,99%
  • Janeiro/23: de 8,68% para 8,81%
  • Janeiro/25: de 9,82% para 10,06%
  • Janeiro/27: de 10,28% para 10,51%

Com o político falando mais alto, o noticiário corporativo ficou em segundo plano. Confira os destaques:

Sem clima para governar?

As palavras proferidas pelo presidente Jair Bolsonaro durante as manifestações que marcaram o dia 7 de setembro foram os grandes estressores da bolsa nesta quarta-feira, mesmo após o pronunciamento de Lira.

Longe de apresentar um discurso conciliador, Bolsonaro agravou a tensão política que cerca a capital federal. Uma ruptura institucional não parece provável, mas a tensão entre os governos segue se elevando de forma drástica. 

O chefe do Executivo voltou a atacar os demais Poderes e sinalizou que não irá acatar as decisões da Suprema Corte, citando nominalmente o ministro Alexandre de Moraes. Além disso, o presidente voltou a levantar dúvidas, sem provas, sobre a vulnerabilidade das eleições do próximo ano. 

A resposta dos demais Poderes não demorou e sacramenta o cabo de guerra que é jogado em Brasília e, para a maior parte do mercado, não existe clima e nem disposição do Congresso em aprovar as tão sonhadas reformas. 

Na leitura de Rafael Passos, sócio e analista da Ajax Capital, a movimentação vista ontem, sustentada pela base eleitoral de Bolsonaro, deve seguir dando força para que o presidente continue a ‘guerra institucional’, que compromete as pautas na Câmara.

Para Bruno Madruga, da Monte Bravo Investimentos, Lira e Pacheco podem até continuar sinalizando que as reformas irão acontecer, mas o mercado segue mesmo de olho nas rusgas entre os Poderes. 

Sob suspeita

Nos Estados Unidos e na Europa, o medo de que a variante delta atrapalhe o crescimento econômico faz com que os investidores tirem o pé do acelerador. Assim, os índices americanos tiveram um dia azedo. 

Depois do relatório de emprego, o payroll, decepcionar, as atenções do mercado estão voltadas para outros dados do mercado de trabalho. Hoje foi a vez da divulgação do relatório Jolts, que mostrou a abertura de 10,934 milhões de postos de trabalho em julho.  

Embora os dados recentes mostrem uma recuperação mais lenta do que o esperado, os dirigentes do Federal Reserve continuam vendo o mercado de trabalho com uma recuperação robusta.

No Livro Bege, divulgado nesta quarta-feira (08), o banco central americano também sinalizou que a economia segue sendo impactada pela variante delta, o que reduz o ritmo do crescimento. 

Confira o fechamento dos principais índices americanos:

  • Nasdaq: -0,57% - 15.286 pontos
  • S&P 500: -0,13% - 4.514 pontos
  • Dow Jones: -0,20% - 35.031 pontos

Sobe e desce do Ibovespa

Com o cenário político deteriorado, não houve muito espaço para que as empresas do Ibovespa brilhassem hoje, e os analistas acreditam que as coisas devem continuar tensas nos próximos dias. 

Segundo Nicolas Borsoi, da Nova Futura Investimentos, o clima de guerra em Brasília em um primeiro momento deve puxar uma queda generalizada da bolsa, mas depois as empresas mais ligadas à economia doméstica — que deveriam se beneficiar do movimento de reabertura pós-pandemia — e as estatais devem concentrar o mau humor dos investidores. 

Os maiores destaques do dia ficaram com as ações da Localiza e da Unidas, após o Cade dar um sinal verde para a aprovação da fusão entre as companhias. A leitura do mercado é que a operação deve ser aprovada sem grandes restrições. 

Com o cenário interno prejudicado, as companhias com maior exposição à economia global ficam mais favorecidas. É o caso das exportadoras e frigoríficos, que também se beneficiam de uma alta expressiva do dólar. Confira as maiores altas do dia: 

CÓDIGONOMEVALORVAR
RENT3Localiza ONR$ 60,008,24%
LCAM3Unidas ONR$ 26,827,71%
SUZB3Suzano ONR$ 62,361,43%
QUAL3Qualicorp ONR$ 22,470,85%
MRFG3Marfrig ONR$ 21,930,18%

Confira também as maiores quedas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVAR
CASH3Meliuz ONR$ 31,12-11,59%
ELET3Eletrobras ONR$ 34,38-9,05%
LAME4Lojas Americanas PNR$ 5,65-8,87%
AMER3Americanas S.AR$ 40,29-8,74%
VIIA3Via ONR$ 9,09-8,64%
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Leão social

Reforma do Imposto de Renda vai bancar Auxílio Brasil? Se depender da Câmara dos Deputados, sim; entenda

Os deputados aprovaram um projeto de lei que autoriza o uso e recursos da reforma no programa desenhado para substituir o Bolsa Família

Mais uma na lista

Corretora de criptomoedas Huobi Global, uma das maiores do mundo, restringe negociações na China

A plataforma também informou que retirará gradualmente as contas existentes no gigante asiático até o fim de 2021

Uma nova gigante tech

Infracommerce (IFCM3) dispara 10% com “aquisição transformacional”; outras techs sentem o baque e caem

A Infracommerce (IFCM3) acertou a compra da Synapcom, ganhando escala no B2B — e pagando um preço relativamente baixo pela rival

NOVO SUSTO

Em crise de liquidez, concorrente da Evergrande esboça pedido de apoio a governo de cidade chinesa

Notícia provocou queda acentuada nas ações da Sunac, que fecharam hoje no nível mais baixo em 4 anos

Crédito disponível

Com juros salgados, Caixa libera empréstimo de até R$ 1.000 no aplicativo Caixa Tem; veja condições

O crédito ficará disponível para assalariados, autônomos, beneficiários de programas sociais e de políticas públicas de distribuição de renda

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies